Mi­nis­tro abre no­vo “ca­mi­nho” na ne­go­ci­a­ção com pro­fes­so­res

O mi­nis­tro da Edu­ca­ção já não se mos­tra in­fle­xí­vel no tem­po de ser­vi­ço a ne­go­ci­ar pa­ra as pro­gres­sões dos pro­fes­so­res, mas não ad­mi­te mais do que se­te anos. As con­tas vão ser re­vis­tas. Ne­go­ci­a­ções a sé­rio só em Se­tem­bro.

Jornal de Negócios - - HOME PAGE - CA­TA­RI­NA AL­MEI­DA PE­REI­RA

Omi­nis­tro da Edu­ca­ção já ad­mi­te que a pro­pos­ta de re­cu­pe­ra­ção do tem­po de ser­vi­ço pa­ra efei­tos de pro­gres­sões dos pro­fes­so­res pos­sa evo­luir. “O Go­ver­no com­pro­me­te-se a fa­zer ca­mi­nho nes­ta ne­go­ci­a­ção”, afir­mou es­ta quar­ta-fei­ra Tiago Bran­dão Ro­dri­gues, no fi­nal da reu­nião com dez or­ga­ni­za­ções sin­di­cais, na quar­ta se­ma­na de gre­ve às ava­li­a­ções.

Sin­di­ca­tos e Go­ver­no com­bi­na­ram re­ver as con­tas so­bre o im­pac­to orçamental, re­du­zir a pressão so­bre o fi­nal do ano lec­ti­vo.

Qu­er is­to di­zer que o Go­ver­no ad­mi­te re­cu­pe­rar os no­ve anos, qua­tro me­ses e dois di­as? “Não, o que eu dis­se é que fa­ría­mos ca­mi­nho re­la­ti­va­men­te ao fac­to de ter­mos de en­ten­der até on­de po­de­mos ir”, res­pon­deu aos jor­na­lis­tas o mi­nis­tro da Edu­ca­ção. Tiago Bran­dão Ro­dri­gues fa­la sem­pre na in­ten­ção de “mi­ti­gar” o úl­ti­mo pe­río­do de con­ge­la­men­to, en­tre 2011 e 2017 (se­te anos), ig­no­ran­do o tem­po adi­ci­o­nal re­cla­ma­do pe­los sin­di­ca­tos (que tam­bém que­rem ver re­flec­ti­do o tem­po de 2005 a 2007, num to­tal de no­ve anos, qua­tro me­ses e dois di­as).

De­pois das dú­vi­das so­bre os nú­me­ros ofi­ci­ais (que apon­tam pa­ra cer­ca de 600 mi­lhões de eu­ros ao lon­go de vá­ri­os anos) sin­di­ca­tos e Go­ver­no com­bi­na­ram cri­ar uma co­mis­são que vai apu­rar es­te mês quan­to cus­ta afi­nal o des­con­ge­la- men­to e a even­tu­al re­com­po­si­ção da car­rei­ra, con­si­de­ran­do o pe­río­do de 2011 a 2017, se­gun­do o mi­nis­tro. Por sua vez, os sin­di­ca­tos não fecham a por­ta à pos­si­bi­li­da­de de di­luir o im­pac­to orçamental até 2025, em vez de 2023.

Foi Tiago Bran­dão Ro­dri­gues que há cer­ca de um mês de­fen­deu a sua pro­pos­ta ini­ci­al, ame­a­çan­do até não con­tar tem­po ne­nhum. Ago­ra, re­fe­riu a pro­pos­ta, mas adop­tou um dis­cur­so mais fle­xí­vel. “Quan­do se vem à me­sa ne­go­ci­al é pa­ra che­gar a bom por­to” sem uti­li­zar “qual­quer ti­po de chan­ta­gem”, dis­se.

Já an­tes Má­rio No­guei­ra ti­nha con­si­de­ra­do re­le­van­te o fac­to de ter si­do a pri­mei­ra vez que o Go­ver­no não re­cu­sou a pro­pos­ta dos no­ve anos dos sin­di­ca­tos, ape­sar de tam­bém ter re­fe­ri­do que não hou­ve qual­quer compromisso. A gre­ve con­vo­ca­da pe­las dez or­ga­ni­za­ções sin­di­cais (in­cluin­do a FNE e a Fen­prof) ter­mi­na dia 13 e as pró­xi­mas es­tão pre­vis­tas pa­ra 17 de Se­tem­bro e Ou­tu­bro. As ne­go­ci­a­ções a sé­rio, já com as con­tas cor­ri­gi­das, só ar­ran­cam em Se­tem­bro, pa­ra evi­tar o pe­río­do de fé­ri­as dos pro­fes­so­res, jus­ti­fi­ca­ram os sin­di­ca­tos.

Vai ser cri­a­da uma co­mis­são pa­ra apu­rar o cus­to do des­con­ge­la­men­to.

Jo­sé Co­e­lho/Lu­sa

Tiago Bran­dão Ro­dri­gues ga­ran­tiu que qu­er “che­gar a bom por­to” nas ne­go­ci­a­ções com os sin­di­ca­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.