“Fi­nan­ci­a­men­to pa­ra start-ups es­tá à dis­tân­cia de um e-mail”

PAU­LO BAN­DEI­RA SÓ­CIO DA SRS AD­VO­GA­DOS

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - PAU­LO BAN­DEI­RA

O ad­vo­ga­do Pau­lo Ban­dei­ra, só­cio da SRS, as­se­gu­ra que o fi­nan­ci­a­men­to pa­ra bons pro­jec­tos de start-ups exis­te e ho­je em dia até es­tá, se­gun­do adi­an­ta, “à dis­tân­cia de um e-mail”.

Idei­as em­pre­en­de­do­ras que en­vol­vam no­vas tec­no­lo­gi­as e que se cen­trem nas áre­as fi­nan­cei­ra e se­gu­ra­do­ra e nos sec­to­res da re­gu­la­ção e da jus­ti­ça. Es­te é o am­bi­en­te so­bre o qu­al o no­vo Star­tupLab da So­ci­e­da­de Re­be­lo de Sou­sa (SRS) coloca o fo­co. Pau­lo Ban­dei­ra, só­cio des­te es­cri­tó­rio, é o res­pon­sá­vel pe­lo re­fe­ri­do “la­bo­ra­tó­rio”, que até fi­nal de Ju­lho re­ce­be can­di­da­tu­ras pa­ra um iné­di­to pro­gra­ma de ace­le­ra­ção de start-ups. Ao Ne­gó­ci­os, o ad­vo­ga­do ex­pli­ca o que es­tá em cau­sa e fa­la das opor­tu­ni­da­des e de­sa­fi­os que po­dem es­pe­rar os jo­vens em­pre­en­de­do­res .

Por­tu­gal po­de ser clas­si­fi­ca­do co­mo um país de start-ups?

Não so­mos ain­da um país de start-ups, mas so­mos um país que es­tá a apos­tar for­te­men­te nu­ma cul­tu­ra start-up, o que os úl­ti­mos go­ver­nos têm, e bem, aca­ri­nha­do.

Em que as­pec­tos prá­ti­cos se tem tra­du­zi­do es­sa apos­ta?

O país fez nos úl­ti­mos anos um tra­ba­lho re­le­van­te na sim­pli­fi­ca­ção de pro­ces­sos ad­mi­nis­tra­ti­vos apli­ca­dos às em­pre­sas. Adi­ci­o­nal­men­te, a crise veio acen­tu­ar es­ta veia cri­a­do­ra de ne­gó­ci­os dos por­tu­gue­ses e, em con­ju­ga­ção com is­so, o país apre­sen­ta um con­jun­to de pon­tos mui­to fa­vo­rá­veis à ins­ta­la­ção de em­pre­en­de­do­res es­tran­gei­ros, co­mo se­jam o cus­to de vi­da, a se­gu­ran­ça, o cli­ma, a ex­ce­len­te qua­li­da­de dos nos­sos en­ge­nhei­ros in­for­má­ti­cos, a fa­ci­li­da­de lin­guís­ti­ca dos por­tu­gue­ses e o fac­to de Por­tu­gal ser um bom mer­ca­do pa­ra tes­tes de acei­ta­ção de pro­du­to.

E que aco­lhe ini­ci­a­ti­vas co­mo a Web Sum­mit...

Além dis­so, a vi­si­bi­li­da­de de even­tos co­mo a Web Sum­mit cri­am o am­bi­en­te ade­qua­do ao de­sen­vol­vi­men­to des­ta cul­tu­ra e, so­bre­tu­do, de uma per­cep­ção de Por­tu­gal co­mo um “start-up coun­try”.

A que fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to po­dem re­cor­rer os au­to­res des­te ti­po de pro­jec­tos, já que a ban­ca não fa­ci­li­ta na con­ces­são de cré­di­to?

A ban­ca não é nem nun­ca foi a fon­te de fi­nan­ci­a­men­to des­tes pro­jec­tos, por­que os mes­mos não têm ba­lan­ços nem rá­ci­os que lhes per­mi­tam ace­der a fi­nan­ci­a­men­to ban­cá­rio. Em to­do o ca­so, is­so não qu­er di­zer que não exis­ta fi­nan­ci­a­men­to pa­ra es­tes pro­jec­tos, bem pe­lo con­trá­rio.

É pre­ci­so re­cor­rer a em­pre­sas de ca­pi­tais de ris­co?

Além de uma re­de de Bu­si­ness An­gels ca­da vez mais pro­fis­si­o­na­li­za­da, exis­te um con­jun­to re­le­van­te de ca­pi­tais de ris­co com ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra in­ves­tir nes­tes pro­jec­tos e que com­pre­en­dem a na­tu­re­za de gran­de in­cer­te­za em que es­tes pro­jec­tos se mo­vem. Adi­ci­o­nal­men­te, es­tes pro­jec­tos vi­vem ca­da vez mais de fi­nan­ci­a­men­tos co­la­bo­ra­ti­vos (pla­ta­for­mas de “crowd­fun­ding”), se­jam eles a tí­tu­lo de em­prés­ti­mo ou mes­mo de ca­pi­tal so­ci­al.

É fá­cil ace­der a es­se fi­nan­ci­a­men­to al­ter­na­ti­vo?

É re­la­ti­va­men­te fá­cil, so­bre­tu­do num mun­do tão glo­ba­li­za­do co­mo aque­le on­de vi­ve­mos, em que mes­mo o aces­so aos mer­ca­dos e aos agentes fi­nan­ci­a­do­res in­ter­na­ci­o­nais es­tá ho­je à dis­tân­cia de um e-mail.

Es­ta­mos a fa­lar de pro­jec­tos em es­ta­do em­bri­o­ná­rio, fi­nan­cei­ra­men­te de que for­ma po­dem es­tes em­pre­en­de­do­res res­pon­der aos ser­vi­ços ju­rí­di­cos que a SRS lhes pres­ta?

Po­de­mos di­zer que des­de que co­me­çá­mos a tra­ba­lhar em em­pre­en­de­do­ris­mo e com start-ups que nun­ca ne­nhu­ma dei­xou de ter a nos­sa as­ses­so­ria por in­ca­pa­ci­da­de de pa­gar os nos­sos ho­no­rá­ri­os. Ins­ti­tuí­mos me­ca­nis­mos que per­mi­tem que as em­pre­sas nes­ta fa­se mais em­bri­o­ná­ria con­ti­nu­em a ace­der aos nos­sos ser­vi­ços, se­ja ins­ti­tuin­do va­lo­res des­con- ta­dos, or­ça­men­tos fi­xos por ta­re­fa ou ho­no­rá­ri­os com pa­ga­men­to de­fe­ri­do. Tu­do com to­tal trans­pa­rên­cia.

Que ti­po de ser­vi­ços ju­rí­di­cos as­se­gu­ram a es­tes pro­jec­tos?

A SRS, sen­do um es­cri­tó­rio full ser­vi­ce, pres­ta ser­vi­ços ju­rí­di­cos a start-ups em to­das as áre­as do Di­rei­to. Em qual­quer ca­so, as áre­as em que o nos­so en­vol­vi­men­to é mais so­li­ci­ta­do é em di­rei­to co­mer­ci­al e so­ci­e­tá­rio, la­bo­ral, as­ses­so­ria em pro­ces­sos de fi­nan­ci­a­men­to, con­tra­ta­ção de ser­vi­ços “cloud com­pu­ting”, pro­tec­ção de da­dos e pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al.

O país fez nos úl­ti­mos anos um tra­ba­lho re­le­van­te na sim­pli­fi­ca­ção de pro­ces­sos ad­mi­nis­tra­ti­vos apli­ca­dos às em­pre­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.