TAXI

Pa­ra ul­tra­pas­sar o ve­to do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e per­mi­tir que a re­gu­la­men­ta­ção pa­ra as pla­ta­for­mas elec­tró­ni­cas ve­ja a luz do dia, o PS acei­tou au­men­tar a con­tri­bui­ção que es­sas em­pre­sas te­rão de pa­gar.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - MA­RIA JOÃO BABO

PS acei­ta ta­xa Uber mais al­ta

Pla­ta­for­mas vão pa­gar con­tri­bui­ção de 5%. Vo­ta­ção fi­nal é ho­je.

Lei do tá­xi avan­ça sem con­sen­sos

Con­tro­lo de ho­ras de con­du­ção e ven­da de li­cen­ças são te­mas em aber­to.

“No ca­so dos tá­xis há con­tin­gen­tes, que não exis­ti­ri­am pa­ra o TVDE. E es­sa di­fe­ren­ça es­sen­ci­al de­ve­ria ter si­do ade­qua­da­men­te com­pen­sa­da. MAR­CE­LO RE­BE­LO DE SOU­SA Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca

“A gran­de com­pen­sa­ção da ine­xis­tên­cia de con­tin­gen­tes e de um re­gi­me fa­vo­re­ci­do de ta­ri­fas pa­ra o TVDE po­de aca­bar por ser in­sig­ni­fi­can­te. MAR­CE­LO RE­BE­LO DE SOU­SA Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca

OPS e o PSD vão fa­zer apro­var es­ta quin­ta-fei­ra a obri­ga­to­ri­e­da­de de os ope­ra­do­res das pla­ta­for­mas elec­tró­ni­cas co­mo a Uber, a Ca­bify ou a Ta­xify pa­ga­rem uma con­tri­bui­ção de re­gu­la­ção e su­per­vi­são, que te­rá uma per­cen­ta­gem úni­ca de 5% dos va­lo­res da ta­xa de in­ter­me­di­a­ção que co­bram em to­das as su­as ope­ra­ções.

Des­ta for­ma, os dois par­ti­dos acre­di­tam que res­pon­dem às ques­tões le­van­ta­das pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca no ve­to ao de­cre­to da As­sem­bleia que re­gu­la­men­ta­va es­ta ac­ti­vi­da­de. E as­sim per­mi­tir que se­jam cri­a­das re­gras pa­ra o trans­por­te em veí­cu­los des­ca­rac­te­ri­za­dos a par­tir de pla­ta­for­ma elec­tró­ni­ca (TVDE), um pro­ces­so que se ini­ci­ou ain­da em 2016 com a apro­va­ção de um de­cre­to-lei em Con­se­lho de Mi­nis­tros e que, ao lon­go de 2017, já co­mo pro­pos­ta de lei, es­te­ve pra­ti­ca­men­te pa­ra­do no Par­la­men­to.

A re­a­pre­ci­a­ção do de­cre­to que cria o re­gi­me ju­rí­di­co pa­ra es­ta ac­ti­vi­da­de é vo­ta­da es­ta quin­ta-fei­ra na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca. PS e PSD che­ga­ram a um con­sen­so quan­to à ta­xa a apli­car a es­tas em­pre­sas, de­pois de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa ter sa­li­en­ta­do que a ques­tão dos con­ti­gen­tes a que o sec­tor do tá­xi es­tá sujeito “de­ve­ria ter si­do ade­qua­da­men­te com­pen­sa­da”.

Na de­ci­são que fun­da­men­tou o ve­to, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca afir­mou que “a úni­ca com­pen­sa­ção de vul­to po­de­ria ser a con­tri­bui­ção pa­ga pe­lo TVDE”. Mas lem­brou que “es­sa con­tri­bui­ção, pa­ra a qu­al che­gou a ha­ver mon­tan­te de re­le­vo pro­pos­to no pro­ce­di­men­to le­gis­la­ti­vo, aca­bou por fi­car, no seu va­lor con­cre­to, nas mãos das au­to­ri­da­des ad­mi­nis­tra­ti­vas, e com um pa­ta­mar mí­ni­mo sim­bó­li­co”.

Is­to por­que a cri­a­ção de uma ta­xa de 5% foi ini­ci­al­men­te pro­pos­ta pe­lo PSD, mas me­re­cia dis­cor­dân­cia do Go­ver­no e da ban­ca so­ci­a­lis­ta. Nas ne­go­ci­a­ções que os dois par­ti­dos ti­ve­ram pa­ra ela­bo­rar um tex­to de di­plo­ma, aca­ba­ram por acor­dar na de­fi­ni­ção de uma con­tri­bui­ção “en­tre o mí­ni­mo de 0,1% e o má­xi­mo de 2% dos va­lo­res da ta­xa de in­ter­me­di­a­ção co­bra­da pe­lo ope­ra­dor de pla­ta­for­ma elec­tró­ni­ca”, re­me­ten­do a fi­xa­ção do va­lor a vi­go­rar pa­ra por­ta­ria dos mem­bros do Go­ver­no res­pon­sá­veis pe­las áre­as das fi­nan­ças e dos trans­por­tes ur­ba­nos.

Fa­ce à po­si­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, os dois par­ti­dos re­vi­ram ago­ra o va­lor da con­tri­bui­ção, eli­mi­nan­do ain­da qual­quer in­ter­ven­ção do Go­ver­no na sua de­fi­ni­ção.

Ta­xa não agra­da a to­dos

À es­quer­da do PS, a cri­a­ção des­ta ta­xa não agra­da. PCP e Blo­co de Es- quer­da de­fen­dem que a ac­ti­vi­da­de de TVDE de­ve ser su­jei­ta a con­tin­gen­tes co­mo acon­te­ce no ca­so dos tá­xis. Ao Ne­gó­ci­os, o de­pu­ta­do blo­quis­ta Hei­tor de Sou­sa con­si­de­rou que a res­pos­ta a dar pe­lo Par­la­men­to às recomendações do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­ve ser fei­ta ten­tan­do igua­li­zar as ac­ti­vi­da­des de tá­xi e TVDE, atra­vés da con­tin­gen­ta­ção de am­bos. “O Blo­co es­tá con­tra a ta­xa”, afir­mou o res­pon­sá­vel, ex­pli­can­do que “não es­tá pre­vis­to ne­nhum me­ca­nis­mo de con­tro­lo que per­mi­ta afe­rir quem é que a vai pa­gar e so­bre que va­lor”, ou se­ja, “não há ga­ran­tia que se­ja apli­ca­da cor­rec­ta­men­te”.

O PCP, por seu la­do, en­tre­gou tam­bém es­ta quar­ta-fei­ra uma pro­pos­ta de al­te­ra­ção no âm­bi­to da re­a­pre­ci­a­ção do de­cre­to da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, em que não só de­fen­de a su­jei­ção dos veí­cu­los da ac­ti­vi­da­de de TVDE a uma li­cen­ça municipal, co­mo pre­ten­de que os pre­ços co­bra­dos se­jam fi­xa­dos por des­pa­cho.

Re­gras pa­ra as em­pre­sas do sec­tor do tá­xi

Nas pro­pos­tas de al­te­ra­ção en­tre­gues ago­ra por PS e PSD, os dois par­ti­dos apro­vei­tam ain­da pa­ra cla­ri­fi­car as re­gras de aces­so à ac­ti­vi­da­de de TVDE pe­las em­pre­sas de trans­por­te em tá­xi. Des­ta for­ma, fi­ca­rá es­ti­pu­la­da es­sa pos­si­bi­li­da­de na lei, mas “me­di­an­te cum­pri­men­to dos pro­ce­di­men­tos de li­cen­ci­a­men­to apli­cá­veis”. Fi­ca tam­bém de­fi­ni­do que as em­pre­sas de tá­xi te­rão de afec­tar à ac­ti­vi­da­de de TVDE veí­cu­los não li­cen­ci­a­dos co­mo tá­xis, “não sen­do es­tes veí­cu­los con­si­de­ra­dos em ca­so al­gum ads­tri­tos a um ser­vi­ço pú­bli­co de trans­por­te, nem be­ne­fi­ci­an­do das isen­ções e be­ne­fí­ci­os pre­vis­tos pa­ra os mes­mos”, cla­ri­fi­cam.

O PS in­tro­du­ziu ain­da nor­mas em ma­té­ri­as de con­cor­rên­cia.

O pro­ces­so pa­ra re­gu­la­men­tar a ac­ti­vi­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.