Venda de 15 cen­tros co­mer­ci­ais promete ano re­cor­de

IMO­BI­LIÁ­RIO Pa­ra além das vendas de cen­tros co­mer­ci­ais con­fir­ma­das no pri­mei­ro se­mes­tre, há mais de dez es­ta­be­le­ci­men­tos em ne­go­ci­a­ção no mer­ca­do ou pres­tes a fi­car dis­po­ní­veis, in­cluin­do gi­gan­tes co­mo o Ar­rá­bi­da Shop­ping.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - ANA BA­TA­LHA OLIVEIRA ana­ba­ta­lha@ne­go­ci­os.pt

De­pois de um ar­ran­que de ano agi­ta­do, no qual foi con­fir­ma­da a venda de vá­ri­os cen­tros co­mer­ci­ais, o mer­ca­do ain­da me­xe. A CBRE e a Cush­man & Wa­ke­fi­eld ga­ran­tem que o nú­me­ro de cen­tros co­mer­ci­ais a tro­car de mãos de­ve­rá as­cen­der a 15 no cur­to pra­zo, em­bo­ra o fe­cho de al­gu­mas das ne­go­ci­a­ções pos­sa res­va­lar pa­ra 2019.

“Es­te ano po­de­rão tran­sac­ci­o­nar-se 15 cen­tros co­mer­ci­ais”, avan­ça Nu­no Nu­nes, di­rec­tor do de­par­ta­men­to de in­ves­ti­men­to da CBRE. E acres­cen­ta: “sen­do pre­vi­sí­vel que nem to­das as ope­ra­ções se con­clu­am es­te ano, a CBRE pre­vê que 2018 en­cer­re com apro­xi­ma­da­men­te 1.400 mi- lhões de eu­ros de in­ves­ti­men­to no sec­tor, cla­ra­men­te um re­cor­de his­tó­ri­co”.

As pre­vi­sões da Cush­man & Wa­ke­fi­eld apon­tam pa­ra o mes­mo to­tal de imó­veis. A imo­bi­liá­ria con­ta que até ao fi­nal do ano se­jam ven­di­dos até 10 des­tes es­ta­be­le­ci­men­tos, mas que che­guem a 15 “se in­cluir­mos aque­les cu­ja aqui­si­ção vai pro­va­vel­men­te res­va­lar pa­ra 2019”, afirma o res­pon­sá­vel pe­la equi­pa de “ca­pi­tal mar­kets” (mer­ca­do de ca­pi­tais), Pau­lo Sar­men­to. A es­ti­ma­ti­va do vo­lu­me de in­ves­ti­men­to é mais con­ser­va­do­ra: um pou­co aci­ma dos 1.250 milhões de eu­ros.

Ape­sar des­tas imo­bi­liá­ri­as pre­fe­ri­rem não avan­çar no­mes, o Ne­gó­ci­os apu­rou que en­tre os ac­ti­vos ac­tu­al­men­te em ne­go­ci­a­ção es­tão três que são pro­pri­e­da­de da So­nae Si­er­ra: Rio Sul, No­va Ar­ca­da e Ma­dei­ra Shop­ping. A mes­ma em­pre­sa de­ve­rá tra­zer em bre­ve três ou­tros cen­tros de gran­de di­men­são pa­ra o mer­ca­do: Ar­rá­bi­da Shop­ping, Gaia Shop­ping e 8.ª Ave­ni­da. Fo­ra do uni­ver­so So­nae, os in­ves­ti­do­res po­dem ne­go­ci­ar o Shop­ping Ci­da­de do Por­to, o Fó­rum Castelo Bran­co, o Mira Gaia e o La Vie Fun­chal.

Vendas são es­tra­té­gi­cas

Con­tac­ta­da, a So­nae Si­er­ra pre­fe­riu não co­men­tar os no­mes avan­ça­dos. Con­tu­do, ex­pli­cou que a es­tra­té­gia de re­ci­cla­gem de ca­pi­tal da em­pre­sa, em vi­gor des- de 2008, con­sis­te em ven­der, “par­ci­al ou to­tal­men­te, al­guns ac­ti­vos e ad­qui­rir ou­tros com po­ten­ci­al pa­ra cri­a­ção de va­lor”, re­cor­ren­do às ver­bas li­ber­ta­das. Pa­ra­le­la­men­te, pre­ten­de “ge­rar ren­di­men­tos atra­vés da celebração de con­tra­tos de ges­tão dos ac­ti­vos ven­di­dos”, com­ple­ta fon­te ofi­ci­al.

Du­ran­te o pri­mei­ro se­mes­tre, a So­nae Si­er­ra já ti­nha con­fir­ma­do a venda do Ser­ra Shop­ping. O mai­or cen­tro co­mer­ci­al do país, o Dol­ce Vi­ta Te­jo, tam­bém foi trans­fe­ri­do das mãos do fun­do Bau­post pa­ra as da Axa. Con­tu­do, a mai­or par­te dos ac­ti­vos com­pra­dos na pri­mei­ra me­ta­de do ano saí­ram da car­tei­ra do fun­do Blacks­to­ne. Es­te te­rá ven­di­do o Fo­rum Sintra, Sintra Re­tail Park e Fo­rum Mon­ti­jo. No ca­so do Al­ma­da Fo­rum, a Bloomberg anun­ci­ou que as ne­go­ci­a­ções cul­mi­na­ram nu­ma ofer­ta de 450 milhões de eu­ros da es­pa­nho­la Mer­lin.

O in­ves­ti­men­to em cen­tros co­mer­ci­ais de­ve atin­gir em 2018 “um re­cor­de his­tó­ri­co”.

Ma­ria João Mar­ques

As vendas de cen­tros co­mer­ci­ais têm-se mul­ti­pli­ca­do em 2018, uma ten­dên­cia que te­ve iní­cio ain­da em 2017.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.