In­ves­ti­men­to pú­bli­co es­tá “mui­to in­fe­ri­or” ao pre­vis­to

CON­SE­LHO DAS FINANÇAS PÚ­BLI­CAS O Go­ver­no pro­me­teu uma su­bi­da ex­pres­si­va do in­ves­ti­men­to, mas os nú­me­ros do pri­mei­ro tri­mes­tre de­si­lu­dem. Na ad­mi­nis­tra­ção cen­tral, o rit­mo de im­ple­men­ta­ção es­tá “bas­tan­te abai­xo” do pre­vis­to, avisa o Con­se­lho de FInanças Pú

Jornal de Negócios - - ECONOMIA - TI­A­GO VAR­ZIM

AU­ni­da­de Téc­ni­ca de Apoio Or­ça­men­tal (UTAO) já ti­nha da­do o aler­ta que ago­ra o Con­se­lho das Finanças Pú­bli­cas (CFP) vem re­for­çar: o rit­mo de exe­cu­ção do in­ves­ti­men­to pú­bli­co es­tá a ser “mui­to in­fe­ri­or” ao pre­vis­to pe­lo Go­ver­no.

De­pois de atin­gir mí­ni­mos de 1995, António Cos­ta ti­nha pro­me­ti­do um enor­me au­men­to do in­ves­ti­men­to, mas pa­ra já es­ses mon­tan­tes ain­da não che­ga­ram ao ter­re­no, de acor­do com a aná­li­se do CFP à exe­cu­ção or­ça­men­tal do pri­mei­ro tri­mes­tre em con­ta­bi­li­da­de na­ci­o­nal, a que im­por­ta a Bru­xe­las.

“A For­ma­ção Bru­ta de Ca­pi­tal Fi­xo (FBCF) atin­giu 666 milhões de eu­ros, va­lor que re­flec­te um au­men­to ho­mó­lo­go (9,8%, +59 milhões de eu­ros) mui­to in­fe­ri­or ao que es­tá im­plí­ci­to no PE/2018 pa­ra o con­jun­to do ano (34,2%)”, des­ta­ca o or­ga­nis­mo in­de­pen­den­te que fis­ca­li­za o cum­pri­men­to das re­gras or­ça­men­tais e a sus­ten­ta­bi­li­da­de das finanças pú­bli­cas. Na semana pas­sa­da, nu­ma aná­li­se aos mes­mos da­dos, a Uni­da­de Téc­ni­ca de Apoio Or­ça­men­tal ti­nha di­to que ha­via um “bai­xo grau de exe­cu­ção do in­ves­ti­men­to”.

A en­ti­da­de li­de­ra­da pe­la eco­no­mis­ta Te­o­do­ra Cardoso ad­mi­te que “ha­bi­tu­al­men­te” o in­ves­ti­men­to das ad­mi­nis­tra­ções pú­bli­ca (AP) acelera no fi­nal do ano. Mas, ain­da assim, “o grau de exe­cu­ção da FBCF do con­jun­to das AP foi de ape­nas 14,5% no 1.º tri­mes­tre de 2018”. Is­to sig­ni­fi­ca que o in­ves­ti­men­to não es­tá a ser exe­cu­ta­do ao rit­mo que de­via pa­ra que se­jam atin­gi­dos os ob­jec­ti­vos anu­ais.

Es­te atra­so nota-se prin­ci­pal­men­te na ad­mi­nis­tra­ção cen­tral, aque­le que é o “sub­sec­tor [das AP] res­pon­sá­vel pe­la mai­or par­te do in­ves­ti­men­to pre­vis­to”. Na ad­mi­nis­tra­ção cen­tral o rit­mo de cres­ci- men­to foi de 4,6% nos pri­mei­ros três me­ses do ano, “bas­tan­te abai­xo do pre­vis­to pa­ra o con­jun­to do ano (53,8%)”.

Ca­so se ex­clu­am as do­ta­ções des­ti­na­das a fi­nan­ci­ar a con­tra­par­ti­da pú­bli­ca na­ci­o­nal em pro­jec­tos de in­ves­ti­men­to e o or­ça­men­to par­ti­ci­pa­ti­vo - que não fo­ram uti­li­za­das no pri­mei­ro tri­mes­tre -, o au­men­to de­ve­ria ser 47,2%.

Tal co­mo ti­nham adi­an­ta­do os téc­ni­cos da UTAO, o au­men­to do in­ves­ti­men­to pú­bli­co no pri­mei­ro tri­mes­tre jus­ti­fi­ca­do pe­la ad­mi­nis­tra­ção lo­cal. Nes­te sub­sec­tor o rit­mo de crescimento foi su­pe­ri­or ao que es­tá pre­vis­to pa­ra o con­jun­to do ano.

Ao to­do, o Mi­nis­té­rio das Finanças pre­vê que o in­ves­ti­men­to pú­bli­co pas­se de 3.456 milhões de eu­ros em 2017 pa­ra 4.585 milhões de eu­ros em 2018, um au­men­to de 1.129 milhões de eu­ros. A con­cre­ti­za­rem-se es­tas con­tas, no fi­nal do ano, o pe­so do in­ves­ti­men­to no PIB será de 2,3%. No pri­mei­ro tri­mes­tre foi de 1,4%.

Sal­do dá bons si­nais mas é ce­do pa­ra con­clu­sões

A evo­lu­ção das finanças pú­bli­cas no pri­mei­ro tri­mes­tre foi po­si­ti­va na aná­li­se do CFP. No pri­mei­ro tri­mes­tre, o ex­ce­den­te or­ça­men­tal pri­má­rio foi o me­lhor dos úl­ti­mos três anos. Con­tu­do, o Con­se­lho das Finanças Pú­bli­cas pe­de cau­te­la nas con­clu­sões. “A aná­li­se dos de­sen­vol­vi­men­tos or­ça­men­tais do 1.º tri­mes­tre acon­se­lham, con­tu­do, pru­dên­cia na com­pa­ra­ção, quer ho­mó­lo­ga quer anu­al”, as­si­na­la o CFP, que apon­ta ain­da vá­ri­os ris­cos do la­do da des­pe­sa.

A evo­lu­ção das finanças pú­bli­cas foi po­si­ti­va no 1º tri­mes­tre mas o CFP aler­ta pa­ra ris­cos no la­do da des­pe­sa.

SU­BI­DA DO ÍN­DI­CE

Ri­car­do Mei­re­les

A en­ti­da­de li­de­ra­da por Te­o­do­ra Cardoso ad­mi­te, no en­tan­to, que o in­ves­ti­men­to vai ace­le­rar no fi­nal do ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.