O fu­tu­ro es­tá nas mãos dos ban­cos: ino­var ou “mor­rer”

A banca tem de ga­ran­tir que não fi­ca pa­ra trás no pro­ces­so de di­gi­ta­li­za­ção. O sec­tor te­rá de in­ves­tir e de al­te­rar o mo­de­lo de ne­gó­cio se qui­ser so­bre­vi­ver à pressão im­pos­ta pe­la con­cor­rên­cia dos no­vos “players”, se­jam fin­te­ch ou gigantes tec­no­ló­gi­cas.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA LINHA - RI­TA ATALAIA ri­ta­a­ta­laia@ne­go­ci­os.pt

Ino­var, ino­var, ino­var. Es­ta foi a pa­la­vra de or­dem no Web Sum­mit quan­do se jun­ta­ram, no pal­co, fin­te­chs e ban­cos. Tan­to os cha­ma­dos “chal­len­gers” co­mo as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras con­cor­dam que a banca tra­di­ci­o­nal tem de ace­le­rar no pro­ces­so de di­gi­ta­li­za­ção se qui­ser so­bre­vi­ver à che­ga­da de no­vos “players”. Ca­so con­trá­rio, a “mor­te” é cer­ta.

“Os ban­cos têm de se adap­tar às pla­ta­for­mas ou vão mor­rer de­vi­do à ele­va­da pressão da dis­rup­ção na banca”, afir­mou Ross Ma­son, fun­da­dor da Mu­leSoft. O res­pon­sá­vel da em­pre­sa de soft­ware com se­de em São Fran­cis­co, Ca­li­fór­nia, dis­se que is­to acon­te­ce por­que “o di­nhei­ro se tor­nou di­gi­tal” e o sec­tor não acom­pa­nhou es­ta trans­for­ma­ção.

“Os ban­cos ou se adap­tam ou vão de­sa­pa­re­cer. E os que se adap­ta­rem até po­dem cres­cer, mas não vão fi­car mais po­de­ro­sos, is­to por­que o mer­ca­do vai cres­cer e a sua in­fluên­cia vai di­mi­nuir. Mas não há pro­ble­ma”, de­fen­deu Ste­ven Ne­rayoff, fun­da­dor e CEO da Al­che­mist, mas tam­bém res­pon­sá­vel pe­la cri­a­ção da mo­e­da di­gi­tal ethe­reum.

Ago­ra fal­ta sa­ber co­mo e quan­do é que os ban­cos vão res­pon­der a es­ta pressão. Pa­ra Clai­re Cal­me­ja­ne, CIO (“chi­e­fin­no­va­ti­on of­fi­cer”) do So­cié­té Gé­né­ra­le, es­ta “vi­a­gem ain­da es­tá a co­me­çar”. Mas con­cor­da que os ban­cos têm de pôr o pé no ace­le­ra­dor pa­ra che­ga­rem ra­pi­da­men­te ao ob­jec­ti­vo de se fo­ca­rem na von­ta­de e in­te­res­se dos cli­en­tes pa­ra que con­si­gam man­ter os an­ti­gos e cap­tar no­vos.

“O de­sa­fio é per­ce­ber co­mo avan­ça­mos mais, co­mo en­con­tra­mos as me­lho­res pro­pos­tas [por par­te das fin­te­chs] e co­mo tra­ba­lha­mos jun­tos. Mas tam­bém a for­ma co­mo olha­mos pa­ra as ne­ces­si­da­des dos cli­en­tes, in­de­pen­den­te­men­te de ser­mos uma start-up ou um ban­co gran­de”, de­fen­deu Clai-

re Cal­me­ja­ne pe­ran­te a au­di­ên­cia na Mo­neyConf, um dos pal­cos da ci­mei­ra de tec­no­lo­gia.

A res­pos­ta pa­re­ce es­tar exac­ta­men­te nas en­ti­da­des que po­dem ser vis­tas co­mo uma ame­a­ça: as fin­te­chs. “As pla­ta­for­mas per­mi­tem que os ban­cos se mo­vam mui­to mais de­pres­sa e se co­lo­quem na are­na di­gi­tal”, sa­li­en­tou Ross Ma­son, da Mu­leSoft.

Con­tu­do, es­ta re­la­ção en­tre as fin­te­chs e os ban­cos vai “de­pen­der da pos­tu­ra de am­bos os la­dos”, se­gun­do Fi­li­pe Vei­ga, fun­da­dor e CEO da por­tu­gue­sa WallID. A “bo­la” es­tá so­bre­tu­do do la­do da banca. Pa­ra o res­pon­sá­vel, es­te no­vo pa­ra­dig­ma po­de tor­nar-se nu­ma ame­a­ça pa­ra as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras se es­tas se “man­ti­ve­rem, en­quan­to ne­gó­cio cen­tra­li­za­do, ape­nas com mo­e­das emi­ti­das por go­ver­nos”.

Co­mo re­ve­lou um es­tu­do re­cen­te da Ro­land Ber­ger, no­ti­ci­a­do pe­lo Ne­gó­ci­os, a banca por­tu­gue­sa “ain­da es­tá a aque­cer na cor­ri­da da di­gi­ta­li­za­ção”. De acor­do com a con­sul­to­ra es­tra­té­gi­ca ale­mã, es­ta trans­for­ma­ção é uma pri­o­ri­da­de, mas ain­da não é uma re­a­li­da­de no sec­tor na­ci­o­nal, con­train­do o que es­tá a acon­te­cer na ge­ne­ra­li­da­de do sec­tor eu­ro­peu. Os ban­cos por­tu­gue­ses con­ti­nu­am mui­to atrás dos pa­res em áre­as co­mo block­chain e in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, co­mo re­fe­riu a con­sul­to­ra.

Ino­var, mas con­ti­nu­ar a cum­prir me­tas

Na Eu­ro­pa, os ban­cos es­tão, pas­so a pas­so, a pre­pa­rar-se pa­ra es­ta no­va re­a­li­da­de, adop­tan­do es­tra­té­gi­as e apos­tan­do em par­ce­ri­as com fin­te­chs ou mes­mo em aqui­si­ções, de ma­nei­ra a con­se­gui­rem acom­pa­nhar es­ta no­va on­da tec­no­ló­gi­ca. Mas es­te pro­ces­so não vai ser ba­ra­to pa­ra o sec­tor fi­nan­cei­ro.

“Te­rão de in­ves­tir bas­tan­te, mui­tos mi­lhões, pa­ra re­cu­pe­ra­rem o tem­po per­di­do”, dis­se Re­na­to Oliveira, CEO de uma ou­tra fin­te­ch por­tu­gue­sa, a EbankIT. Os ban­cos “pa­ra­ram o in­ves­ti­men­to nos úl­ti­mos dez anos, o que os obri­ga ago­ra a ace­le­rar”.

Mas o de­sa­fio é apos­tar na tec­no­lo­gia sem pôr em cau­sa as su­as me­tas fi­nan­cei­ras. “Os ban­cos sa­bem que têm de dis­rom­per-se, mas tam­bém que têm de cum­prir as me­tas de Wall Stre­et”, re­fe­riu Ja­net Bannister, part­ner da Re­al Ven­tu­res.

Pa­ra Clai­re Cal­me­ja­ne, do So­cié­té Gé­né­ra­le, a ques­tão é mais pro­fun­da e ul­tra­pas­sa a ver­ten­te tec­no­ló­gi­ca. “Não po­de ser ape­nas uma ques­tão de tec­no­lo­gia, mas sim de [mu­dan­ça] do mo­de­lo de ne­gó­cio co­mo um to­do”, de­fen­deu a res­pon­sá­vel, ga­ran­tin­do que o ban­co fran­cês já es­tá a adop­tar me­di­das pa­ra se adap­tar, no­me­a­da­men­te atra­vés da com­pra de em­pre­sas co­mo a fin­te­ch fran­ce­sa Tre­e­zor.

A res­pos­ta tam­bém po­de ser en­con­tra­da jun­to dos pró­pri­os cli­en­tes. De acor­do com Wim Mijs, pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção Ban­cá­ria Eu­ro­peia, “são os cli­en­tes que po­dem aju­dar os ban­cos a mu­dar a for­ma co­mo tra­ba­lham”, uma vez que as su­as ex­pec­ta­ti­vas re­la­ti­va­men­te à banca es­tão a mu­dar.

Pa­ra Re­na­to Oliveira, da EbankIT, a banca tem de ir “ao en­con­tro do que os cli­en­tes que­rem”, nu­ma al­tu­ra em que fin­te­chs co­mo a Re­vo­lut co­me­çam a dar cré­di­to. Já Mi­cha­el Schlein, CEO da Ac­ci­on, de­fen­deu que a “banca tem de dei­xar de ser len­ta e pas­sar a ser ins­tan­tâ­nea no te­le­mó­vel”.

“Não te­nho dú­vi­das de que daqui a cin­co anos va­mos ter uma banca com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te e as pla­ta­for­mas se­rão es­sen­ci­ais”, re­fe­riu ain­da Wim Mijs num dos mui­tos pai­néis que abor­da­ram o te­ma.

Re­gras iguais pa­ra to­dos

Ape­sar de os ban­cos e as fin­te­chs pa­re­ce­rem es­tar a en­con­trar um equi­lí­brio, há ain­da uma ques­tão que con­ti­nua a cri­ar ten­são nes­ta re­la­ção. Des­de o iní­cio que as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras pe­dem que es­tes no­vos “players” si­gam as mes­mas re­gras do jo­go, ou se­ja, que a re­gu­la­ção se­ja igual pa­ra am­bos. Mas até ago­ra pou­cas me­di­das fo­ram adop­ta­das nes­te sen­ti­do.

“É fun­da­men­tal que a banca tra­di­ci­o­nal e uma fin­te­ch te­nham exac­ta­men­te a mes­ma re­gu­la­ção. O Ban­co de Por­tu­gal te­rá de ter as mes­mas re­gras pa­ra to­dos”, de­fen­deu Re­na­to Oliveira, CEO da por­tu­gue­sa EbankIT. “Não po­de ter re­gras mais pe­sa­das pa­ra a banca tra­di­ci­o­nal e ter em­pre­sas in­ter­na­ci­o­nais a ins­ta­la­rem-se em Por­tu­gal com ou­tro ti­po de re­gras”, acres­cen­tou.

“As re­gras es­tão a ser ca­da vez mais tra­ba­lha­das”, re­fe­riu ain­da o res­pon­sá­vel da fin­te­ch, no­tan­do que o re­gu­la­dor es­tá em con­tac­to com o sec­tor pa­ra “per­ce­ber exac­ta­men­te o que vai apa­re­cer a ní­vel de ino­va­ções que obri­ga cla­ra­men­te a pen­sar no mo­de­lo re­gu­la­tó­rio”.

Os ban­cos têm de se adap­tar ou vão mor­rer de­vi­do à ele­va­da pressão da dis­rup­ção na banca.

ROSS MA­SON

Fun­da­dor da Mu­leSoft

Não po­de ser ape­nas uma ques­tão de tec­no­lo­gia, mas sim de [mu­dan­ça] do mo­de­lo de ne­gó­cio.

CLAI­RE CAL­ME­JA­NE

CIO do So­cié­té Gé­né­ra­le

Os ban­cos sa­bem que têm de dis­rom­per-se, mas tam­bém que têm de cum­prir as me­tas de Wall Stre­et.

JA­NET BANNISTER

Part­ner da Re­al Ven­tu­res

A banca tem de dei­xar de ser len­ta e pas­sar a ser ins­tan­tâ­nea no te­le­mó­vel.

MI­CHA­EL SCHLEIN

CEO da Ac­ci­on

Os cli­en­tes po­dem aju­dar os ban­cos a mu­da­rem a for­ma co­mo tra­ba­lham.

WIM MIJS

Pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção Ban­cá­ria Eu­ro­peia

Jo­sé Se­na Gou­lão/Lu­sa

A re­la­ção en­tre os ban­cos tra­di­ci­o­nais e as fin­te­ch foi um dos te­mas da ter­cei­ra edi­ção do Web Sum­mit.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.