O por­tu­guês de Sin­ga­pu­ra

Jornal de Negócios - - WEEKEND NEGOCIOS -

egun­do a len­da, Sin­ga­pu­ra foi fun­da­da há mui­tos sé­cu­los, quan­do um prín­ci­pe de Su­ma­tra de­sem­bar­cou na ilha e viu um leão. En­ca­rou o en­con­tro co­mo um bom si­nal e fun­dou uma ci­da­de à qu­al cha­mou Sin­ga­pu­ra, que sig­ni­fi­ca pre­ci­sa­men­te: a ci­da­de do leão. Não se sa­be se a len­da é ver­da­dei­ra, até por­que, até ao sé­cu­lo XVI, Sin­ga­pu­ra era um pe­que­no po­vo­a­do e não uma ci­da­de. E es­se no­me não era uti­li­za­do. A mo­der­na Sin­ga­pu­ra foi fun­da­da por Sir Stam­ford Raf­fles, que tra­ba­lha­va pa­ra a cé­le­bre East In­dia Com­pany. Ten­do su­bi­do ra­pi­da­men­te na hi­e­rar­quia da com­pa­nhia que era um ver­da­dei­ro Es­ta­do, tor­nou-se um dos res­pon­sá­veis má­xi­mos de Ja­va. Em 1819, de­ci­diu que o pe­que­no por­to se de­ve­ria tor­nar num cen­tro co­mer­ci­al e mi­li­tar. Nes­sa al­tu­ra, eram por­tu­gue­ses mui­tos dos ha­bi­tan­tes do lo­cal. Ali che­ga­ra tam­bém, em 1825, Jo­sé d’Al­mei­da Car­va­lho e Silva, que era um ci­rur­gião. Ten­do ca­sa­do com uma ma­ca­en­se, cri­ou a fir­ma co­mer­ci­al Jo­sé de Al­mei­da Car­va­lho e Cia., que mais tar­de te­ria a sua se­de em Cal­cu­tá. Com os lu­cros, com­prou terrenos em Sin­ga­pu­ra, que Raf­fles aca­ba­ra de cri­ar. Cri­ou ali a fir­ma Jo­sé d’Al­mei­da, que se tor­na das mais im­por­tan­tes da ilha. Ali fi­cou, por­que os acon­te­ci­men­tos po­lí­ti­cos em Ma­cau (en­tão li­be­ral, al­go que co­li­dia com as idei­as ab­so­lu­tis­tas de Al­mei­da Car­va­lho) pro­pi­ci­a­vam que es­ti­ves­se lon­ge do ter­ri­tó­rio en­tão sob a al­ça­da por­tu­gue­sa.

A sua ac­ti­vi­da­de em Sin­ga­pu­ra tor­nou-se par­ti­cu­lar­men­te ac­ti­va. Fos­se na área mé­di­ca, co­mer­ci­al, ou de pes­qui­sas agrí­co­las. Che­gou mes­mo a in­tro­du­zir vá­ri­as es­pé­ci­es de fru­tos em Sin­ga­pu­ra, in­cluin­do uma es­pé­cie de ba­na­na a que cha­ma­ria “pi­sang d’Al­mei­da”. A sua in­fluên­cia em Sin­ga­pu­ra foi cres­cen­te e pe­la sua ca­sa, em Be­a­ch Ro­ad, no cen­tro da no­va ci­da­de, vi­nham mui­tos pa­ra o co­nhe­cer e cum­pri­men­tar. No pe­río­do da pri­mei­ra guer­ra do ópio, te­rá fei­to bons ne­gó­ci­os que au­men­ta­ram con­si­de­ra­vel­men­te a sua ri­que­za e in­fluên­cia. Se­ria con­de­co­ra­do com as co­men­das das Or­dens Mi­li­ta­res de Cris­to e da Con­cei­ção, pe­la rainha D. Ma­ria II, e foi mes­mo no­me­a­do côn­sul-ge­ral de Por­tu­gal nos es­trei­tos, quan­do vi­si­tou a Eu­ro­pa, em 1842. En­tre­tan­to, em ter­ras do Ori­en­te, pas­sou a ser co­nhe­ci­do co­mo Sir Jo­sé d’Al­mei­da. Aca­ba­ria por fa­le­cer em 1850 na ci­da­de de Sin­ga­pu­ra, e ali ain­da ho­je exis­te a D’Al­mei­da Stre­et. O seu po­der con­ti­nu­ou mes­mo de­pois do seu de­sa­pa­re­ci­men­to: em 1857, há no­tí­cia de que a fir­ma Jo­sé de Al­mei­da & Fi­lhos, de Sin­ga­pu­ra, fi­ca­ra com a con­ces­são das mi­nas de Bi­rak, em Ti­mor. Mas, no es­sen­ci­al, fi­cou a sua ligação ao pe­río­do cru­ci­al da cri­a­ção da ci­da­de-Es­ta­do, que ho­je fun­ci­o­na co­mo mo­de­lo po­lí­ti­co e eco­nó­mi­co pa­ra mui­tos. Mes­mo em Por­tu­gal.

W

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.