NUNO CEN­TE­NO

Jornal de Negócios - - ENTREVISTA - FILIPA LINO PAU­LO DU­AR­TE

Os ar­tis­tas na­ci­o­nais que­rem in­ter­na­ci­o­na­li­zar-se. Can­sa­ram-se de ser ar­tis­tas lo­cais. O ga­le­ris­ta Nuno Cen­te­no co­lec­ci­o­nou vá­ri­os pré­mi­os in­ter­na­ci­o­nais que o po­si­ci­o­na­ram na “pri­mei­ra li­ga” no mun­do da ar­te con­tem­po­râ­nea. Já em 2018, a Apol­lo In­ter­na­ti­o­nal Art Ma­ga­zi­ne co­lo­cou-o na lis­ta dos me­lho­res ga­le­ris­tas eu­ro­peus com me­nos de 40 anos e o seu stand na Fri­e­ze No­va Ior­que foi con­si­de­ra­do o me­lhor da fei­ra. Fi­lho do pin­tor Sobral Cen­te­no, des­de ce­do sou­be que a sua vi­da es­ta­ria li­ga­da ao mun­do dos ar­tis­tas. Mas ser ga­le­ris­ta não foi um pla­no, foi acon­te­cen­do. De­mo­rou a sen­tir-se um em­pre­sá­rio. Te­ve e ain­da tem al­ma de ar­tis­ta. Tal­vez te­nha si­do is­so que mar­cou a di­fe­ren­ça no seu tra­ba­lho.

Sen­do fi­lho do pin­tor Sobral Cen­te­no, te­ve des­de ce­do a ideia de que ia fa­zer um ca­mi­nho nas ar­tes?

Sim. Ins­tin­ti­va­men­te. Lem­bro-me de que quan­do era pe­que­ni­no gos­ta­va de imi­tá-lo apin­tar. Sem­pre me ima­gi­nei a tra­ba­lhar no ra­mo das ar­tes. E nun­ca me des­vi­ei dis­so. Mas a mi­nha ideia ini­ci­al era ser ar­tis­ta. Cres­ci ro­de­a­do de ar­tis­tas, ga­le­ris­tas, cu­ra­do­res, crí­ti­cos. Os meus pais co­nhe­ce­ram-se em Be­las-Ar­tes. O meu pai aca­bou por de­sen­vol­ver acar­rei­ra­co­mo ar­tis­ta e a mi­nha mãe de­di­cou-se mais à fa­mí­lia e ao en­si­no. Pa­ra mim e pa­ra os meus dois ir­mãos, era mui­to na­tu­ral ver ex­po­si­ções, mu­seus. Na al­tu­ra, vi­a­já­va­mos de car­ro pe­la Eu­ro­pa.

Gos­ta­va de ir às inau­gu­ra­ções das ex­po­si­ções do seu pai?

Era uma sen­sa­ção boa por­que ele era o cen­tro das aten­ções. E nós, os fi­lhos, tam­bém éra­mos, por con­sequên­cia. Lem­bro-me de que era sem­pre com mui­to or­gu­lho que ía­mos. As pes­so­as di­zi­am: ah, é o fi­lho do Cen­te­no.

Ca­da vez que diz que se cha­ma Nuno Cen­te­no, to­da a gen­te lhe de­ve per­gun­tar se é fa­mi­li­ar do mi­nis­tro das Fi­nan­ças.

Sim, to­da a gen­te per­gun­ta. Até no su­per­mer­ca­do. (Ri­sos) Pa­re­ce que te­mos li­ga­ções fa­mi­li­a­res, mas nun­ca ti­ve­mos con­tac­to.

Com 22 anos foi pa­ra o Rio de Ja­nei­ro es­tu­dar ar­tes vi­su­ais. Porquê o Bra­sil?

Ha­via uma cer­ta no­ção de li­ber­da­de em re­la­ção ao Bra­sil, na­que­la épo­ca. Is­so era mui­to ape­la­ti­vo pa­rau­ma­pes­so­a­de 22 anos. Por ou­tro la­do, a mi­nha fa­mí­lia ti­nha uma re­la­ção mui­to gran­de com o Bra­sil. O meu pai expôs mui­to lá, em vá­ri­os lu­ga­res im­por­tan­tes. Ti­ve cu­ri­o­si­da­de de ir pa­ra uma ci­da­de que ti­nha uma ener­gia in­crí­vel. Na­que­la­al­tu­ra, o Rio de Ja­nei­ro não era o que é ho­je. Pa­ra um eu­ro­peu, era ba­ra­to vi­ver lá. E tam­bém ha­via du­as ar­tis­tas bra­si­lei­ras que pas­sa­vam mui­to tem­po em Por­tu­gal que eram bas­tan­te ami­gas do meu pai. Uma de­las era a Be­a­triz Luz, que foi quem mais tar­de me re­ce­beu no Bra­sil, e ou­tra­aLy­gi­aPa­pe, que se tor­nou uma­das ar­tis­tas mais im­por­tan­tes dahis­tó­ri­a­da ar­te con­tem­po­râ­ne­a­no mun­do, co­mex­po­si­ções no Mu­seu de Ar­te Rei­na Sofia, em Ser­ral­ves, na Ser­pen­ti­ne Gal­le­ri­es, em Lon­dres. É re­pre­sen­ta­da nas me­lho­res ga­le­ri­as do mun­do.

Em que me­di­da foi im­por­tan­te ter ti­do es­sa ex­pe­ri­ên­cia?

Sou um apai­xo­na­do pe­la ar­te bra­si­lei­ra. Tan­to que re­pre­sen­to vá­ri­os ar­tis­tas de lá. Uma gran­de par­te de mim fi­cou no Bra­sil. Foi lá que cres­ci, que saí do ni­nho. Ti­ve to­da a li­ber­da­de de pen­sa­men­to e ti­ve de apren­der a vi­ver so­zi­nho. An­tes ti­nha es­ta­do um pe­río­do em vá­ri­os paí­ses da Eu­ro­pa, com vá­ri­as ex­pe­ri­ên­cia de tra­ba­lho, mas no Bra­sil foi on­de me for­mei ar­tis­ti­ca­men­te, on­de co­me­cei a ir a mu­seus e ga­le­ri­as com mais cons­ci­ên­cia.

Mas aí ain­da es­ta­va fo­ca­do em ser ar­tis­ta.

Sim, com­ple­ta­men­te. Fui es­tu­dar pa­ra ser ar­tis­ta. Fiz um cur­so mui­to im­por­tan­te no Bra­sil que era so­bre o pro­ces­so cri­a­ti­vo. Es­tu­dá­va­mos vi­de­o­ar­te, prá­ti­cas de vá­ri­os ar­tis­tas, e re­flec­tía­mos tam­bém so­bre o com­pro­mis­so de ser ar­tis­ta ho­je em dia, no sé­cu­lo XXI. Ter ido pa­ra o Bra­sil foi, pro­va­vel­men­te, a me­lhor coi­sa que po­dia ter fei­to. É aí que sur­ge a ideia de ser ga­le­ris­ta. Pe­lo fac­to de gos­tar de vá­ri­as for­mas de ar­te e de vá­ri­os es­ti­los achei que a úni­ca ma­nei­ra de me sen­tir mais con­for­tá­vel era re­pre­sen­tar ou­tros ar­tis­tas e vi­ver atra­vés de­les um pou­co dos di­fe­ren­tes processos de fa­zer ar­te. Is­so tor­nou-me mui­to mais com­ple­to. Há tan­tos uni­ver­sos e tan­tas for­mas de es­tar no meio da ar­te que pa­ra mim tor­na­va-se com­ple­xo es­co­lher o meu ca­mi­nho. Por is­so, abrir uma ga­le­ria tor­nou-se mui­to mais in­te­res­san­te do que ser ar­tis­ta.

Ten­do vi­vi­do no Bra­sil, co­mo é que in­ter­pre­ta o mo­men­to po­lí­ti­co que se vi­ve no país?

Em ter­mos so­ci­ais, é um país que vai ter pro­ble­mas gra­vís­si­mos. Em ter­mos eco­nó­mi­cos, é ou­tra his­tó­ria. Não sa­be­mos o que vai ser. Até po­de ser bom. Acho que não vai afec­tar mui­to o mer­ca­do de con­su­mo de ar­te con­tem­po­râ­nea. Quem tem di­nhei­ro con­ti­nua a ter. Vai afec­tar é em ter­mos de li­ber­da­de de cri­a­ção, de li­ber­da­de de ex­pres­são.

Que sen­ti­men­to têm os ar­tis­tas bra­si­lei­ros

Es­ta coi­sa de vi­rar em­pre­sá­rio foi sur­gin­do. Não es­ta­va nos meus pla­nos. Tal­vez te­nha si­do bom, a ga­le­ria foi cres­cen­do de uma for­ma mais vi­si­o­ná­ria.

que re­pre­sen­ta?

To­dos os ar­tis­tas em ge­ral es­tão mui­to des­con­ten­tes com a si­tu­a­ção do Bra­sil. A so­ci­e­da­de mais vol­ta­da pa­ra a cri­a­ção tem no­ção de que lhes vai ser cor­ta­da a li­ber­da­de em ter­mos cri­a­ti­vos. Que es­ta no­va era po­lí­ti­ca vai tra­zer mu­dan­ças, vai. E até a pró­pria cri­a­ção ar­tís­ti­ca vai mu­dar co­mo res­pos­ta. Por­que a ar­te sem­pre ser­viu co­mo fer­ra­men­ta de res­pos­ta po­lí­ti­ca. A pro­du­ção ar­tís­ti­ca ac­tu­al vai sem dú­vi­da ser in­flu­en­ci­a­da pe­lo mo­men­to que es­tão a atra­ves­sar.

Há o ris­co de al­guns des­ses ar­tis­tas que­re­rem sair do país?

Vá­ri­os es­tão a sair. Mas há ou­tros que sen­tem que pre­ci­sam de fi­car pa­ra fa­ze­rem ou­vir a sua voz, pa­ra que se pos­sam ma­ni­fes­tar. Ao fi­car, tam­bém fa­zem a di­fe­ren­ça, por is­so não que­rem aban­do­nar.

Vol­te­mos ao seu per­cur­so. Quan­do re­gres­sou ao Por­to, em 2005, quais eram os seus pla­nos?

Fui fa­zer um cur­so no Ins­ti­tu­to Por­tu­guês de Fo­to­gra­fia e a mi­nha ideia era ir pa­ra No­va Ior­que. Já es­ta­va na área da ex­pe­ri­men­ta­ção de fo­to­gra­fia, ví­deo, de­se­nho. Era um bo­ca­di­nho de tu­do. Foi quan­do re­en­con­trei a Ma­ria Jo­sé [a es­po­sa], éra­mos ami­gos de ado­les­cên­cia. Co­me­çá­mos a na­mo­rar e aca­bei por fi­car. Nes­se ano, jun­ta­men­te com o meu pai, sur­giu a ideia de abrir uma ga­le­ria e tra­ba­lhar com ar­tis­tas lo­cais, do Por­to, da mi­nha ge­ra­ção. Co­me­çou de uma for­ma mui­to es­pon­tâ­nea, na­tu­ral. Era abrir uma ga­le­ria e mos­trar ar­tis­tas com os quais me iden­ti­fi­cas­se.

On­de foi que abriu a ga­le­ria?

Era no se­gun­do an­dar de um edi­fí­cio bas­tan­te ca­rac­te­rís­ti­co da ci­da­de do Por­to, em fren­te ao Pa­lá­cio de Cris­tal, na Rua D. Ma­nu­el II. Fiz uma pro­gra­ma­ção pa­ra um ano e, ba­si­ca­men­te, à me­di­da que se iam ven­den­do as obras ía­mos con­se­guin­do fa­zer a pró­xi­ma ex­po­si­ção. Não ha­via lu­cros, não hou­ve in­ves­ti­men­to ini­ci­al, não hou­ve na­da. A sa­la era ar­ren­da­da e des­de que con­se­guis­se pa­gar a ren­da e fa­zer a pró­xi­ma ex­po­si­ção es­ta­va bem. Ti­nha uma vi­da mui­to mais de ar­tis­ta do que de em­pre­en­de­dor. Es­ta coi­sa de vi­rar em­pre­sá­rio, por­que o sou ho­je em dia, foi uma coi­sa que foi sur­gin­do. Não es­ta­va nos meus pla­nos. Tal­vez is­so te­nha si­do bom por­que a ga­le­ria foi cres­cen­do de uma for­ma mais vi­si­o­ná­ria do que pro­pri­a­men­te co­mo um mo­de­lo de ne­gó­cio. Is­so deu-me li­ber­da­de de pen­sar um pro­gra­ma e um ali­nha­men­to de ar­tis­tas, uma for­ma de es­tar na ar­te di­fe­ren­te. Acho que foi is­so que me le­vou até on­de che­guei. A ga­le­ria co­me­çou a con­su­mir a ideia de ser ar­tis­ta. So­brepôs-se. Quan­do me aper­ce­bi, era ga­le­ris­ta.

Te­ve pon­ta­ria. Abriu a ga­le­ria, a Re­fle­xus, pou­co an­tes da cri­se, em 2007.

É ver­da­de. Aga­le­ria ra­pi­da­men­te se tor­nou mui­to me­diá­ti­ca den­tro de um cir­cui­to lo­cal da ci­da­de do Por­to. Co­me­ça­ram a cri­ar-se as pri­mei­ras li­ga­ções com ar­tis­tas, não só do Por­to mas tam­bém de Lis­boa, e as coi­sas fo­ram fluin­do mui­to na­tu­ral­men­te, fo­mos cres­cen­do. Mas era mui­to di­fí­cil por­que na al­tu­ra ha­via vá­ri­as ga­le­ri­as. De fac­to, ha­via mais ga­le­ri­as an­tes da cri­se do que ago­ra. Se pen­sar­mos que a Rua Mi­guel Bom­bar­da ti­nha pa­ra aí umas 14... Ha­via a ideia de que qual­quer pes­soa po­dia abrir uma ga­le­ria. O que é um equí­vo­co. Tan­to não era viá­vel que, de 14, 15 ou 16 ga­le­ri­as, pas­sa­ram pa­ra qua­tro. Ter uma ga­le­ria é um pro­jec­to a lon­go pra­zo. É um pro­jec­to de vi­da. Não se po­de abrir co­mo um mo­de­lo de ne­gó­cio. Se olhar­mos pa­ra a his­tó­ria da ar­te, qua­se to­das as ga­le­ri­as que abri­ram ape­nas co­mo um mo­de­lo de ne­gó­cio fra­cas­sa­ram. As que sin­gra­ram fo­ram as de gran­des vi­si­o­ná­ri­os co­mo a Leo Cas­tel­li, em No­va Ior­que. To­dos es­ses gran­des his­tó­ri­cos das ga­le­ri­as de Pa­ris, de Lon­dres, de No­va Ior­que, eram em­pre­en­de­do­res, vi­si­o­ná­ri­os. Cla­ro que com fo­co no di­nhei­ro, mas a pai­xão pe­la ar­te era mais for­te do que is­so.

Pou­co de­pois foi-se em­bo­ra pa­ra Lon­dres.

A ga­le­ria co­me­çou e pas­sa­do um ano es­tá­va­mos em cri­se. As ga­le­ri­as que já exis­ti­am do­mi­na­vam o mer­ca­do. Eu era ape­nas uma ga­le­ria no­va e, na al­tu­ra, ti­nha 27 anos de ida­de. Olha­vam pa­ra mim co­mo al­guém que es­ta­va a agi­tar cul­tu­ral­men­te a ci­da­de, a apre­sen­tar uns ar­tis­tas no­vos. Na al­tu­ra, os co­lec­ci­o­na­do­res ain­da eram mui­to con­ser­va­do­res e com­pra­vam nas ga­le­ri­as da ve­lha gu­ar­da, que já es­ta­vam es­ta­be­le­ci­das. Não ar­ris­ca­vam mui­to. Man­ti­ve a ga­le­ria no Por­to mas, ao mes­mo tem­po, de­ci­di ten­tar des­lo­cá-la pa­ra Lon­dres. Nu­ma ten­ta­ti­va de co­nhe­cer e ser co­nhe­ci­do, cri­ei um pro­jec­to, jun­ta­men­te com uns ami­gos, que era o The Mews Pro­ject Spa­ce. Era um pro­jec­to em que fa­zía­mos ex­po­si­ções de um dia. Mon­tá­va­mos a ex­po­si­ção, du­ra­va cin­co ou seis ho­ras e mos­trá­va­mos um ar­tis­ta por­tu­guês com al­gu­ma vi­si­bi­li­da­de na al­tu­ra e ou­tro que não ti­nha de ser in­glês, mas que ti­nha de vi­ver em Lon­dres e ser mais ou me­nos co­nhe­ci­do. En­tão, co­me­çá­mos a fa­zer con­tac­tos com as ga­le­ri­as que es­ta­vam su­per na mo­da, com mui­ta vi­si­bi­li­da­de. Is­so trou­xe-nos al­gu­ma no­to­ri­e­da­de em Lon­dres e as coi­sas co­me­ça­ram a cor­rer bem. Foi quan­do iro­ni­ca­men­te sur­giu a opor­tu­ni­da­de de ter­mos um es­pa­ço mai­or na Rua Mi­guel Bom­bar­da. E vol­tei pa­ra o Por­to. O pro­jec­to The Mews ser­viu pa­ra cri­ar re­la­ções e pa­ra pen­sar de for­ma di­fe­ren­te. Is­so foi-me mui­to útil. Quan­do vim, sen­ti-me com mais ex­pe­ri­ên- cia e mais con­fi­an­ça. Foi quan­do re­sol­vi pas­sar a chamar a ga­le­ria Nuno Cen­te­no. Co­me­cei a vi­a­jar mui­to no­va­men­te e a tra­zer os ar­tis­tas es­tran­gei­ros mais in­te­res­san­tes da mi­nha ge­ra­ção a Por­tu­gal. Eles tor­na­ram-se mui­to im­por­tan­tes, re­pre­sen­ta­dos por al­gu­mas das mai­o­res ga­le­ri­as do mun­do. “Pe­guei” ne­les nu­ma al­tu­ra em que não eram nin­guém, não eram co­nhe­ci­dos.

En­tão foi tam­bém um gol­pe de sor­te.

Mas a sor­te tam­bém se pro­cu­ra. Eu pes­qui­sa­va mui­to, via quem eram os ar­tis­tas que acha­va in­te­res­san­tes e que po­di­am ter um po­ten­ci­al in­ter­na­ci­o­nal, mas que tam­bém po­di­am ter um po­ten­ci­al de no­vi­da­de no meu país. Trou­xe-os a Por­tu­gal pe­la pri­mei­ra vez e, um ano de­pois, gran­de par­te de­les en­tra­ram com re­pre­sen­ta­ções nas gran­des ga­le­ri­as in­ter­na­ci­o­nais. Fa­lo de ar­tis­tas co­mo o bra­si­lei­ro Adri­a­no Cos-

As ga­le­ri­as tor­na­ram-se de­pen­den­tes das fei­ras, re­féns. Is­so tem de mu­dar. Mas as fei­ras não vão aca­bar, pe­lo con­trá­rio. Vai ha­ver um pro­ces­so de se­lec­ção na­tu­ral. De ver quem é que aguen­ta.

ta, o ca­ta­lão Da­ni­el Ste­eg­mann Man­gra­né, o es­pa­nhol Secundino Her­nán­dez, que é um gran­de pin­tor in­ter­na­ci­o­nal, o in­glês Dan Re­es. Com is­so, a ga­le­ria ga­nhou vi­si­bi­li­da­de.

Quem foi o pri­mei­ro ar­tis­ta que re­pre­sen­tou?

Foi o Mau­ro Cer­quei­ra, que até ho­je con­ti­nua con­nos­co. Já es­te­ve nos 12 con­tem­po­râ­ne­os em Ser­ral­ves e es­tá nas me­lho­res co­lec­ções de ar­te con­tem­po­râ­nea por­tu­gue­sas. Criá­mos uma re­la­ção de ami­za­de, cres­ce­mos jun­tos. Ele tam­bém foi ga­nhan­do mui­ta vi­si­bi­li­da­de la­do a la­do com os ar­tis­tas in­ter­na­ci­o­nais que fo­ram en­tran­do na ga­le­ria. É mui­to di­fí­cil ex­por­tar um ar­tis­ta por­tu­guês por­que não exis­te um nú­me­ro su­fi­ci­en­te de co­lec­ci­o­na­do­res que com­prem pe­ças des­ses ar­tis­tas, que fa­çam do­a­ções im­por­tan­tes das su­as obras pa­ra os mu­seus mais im­por­tan­tes e pres­ti­gi­an­tes do mun­do. Te­mos mui­to pou- cos ar­tis­tas por­tu­gue­ses in­ter­na­ci­o­nais. Já se co­me­ça a ou­vir fa­lar em al­guns. É o iní­cio de al­gu­ma coi­sa boa que po­de es­tar pa­ra vir.

E é ver­da­de que já não é pre­ci­so uma ga­le­ria es­tar em Lon­dres, em No­va Ior­que ou em Pa­ris pa­ra ga­nhar no­to­ri­e­da­de in­ter­na­ci­o­nal?

Se ti­ver di­nhei­ro, sim. Se tra­ba­lhar mui­to bem a sua mar­ca, se fi­zer to­das as fei­ras que exis­tem e se ti­ver ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra, por exem­plo, ter um anún­cio em to­das as re­vis­tas de ar­te in­ter­na­ci­o­nais, sim, é pos­sí­vel.

O que é que apre­cia mais num ar­tis­ta? A obra, o pen­sa­men­to ou a per­so­na­li­da­de?

A per­so­na­li­da­de, por­que is­so tam­bém de­ter­mi­na a qua­li­da­de. Pe­la per­sis­tên­cia. Mui­tas ve­zes, um ar­tis­ta que é tec­ni­ca­men­te bom po­de não ter uma ideia que plas­ti­ca­men­te se­ja bem re­sol­vi­da.

E co­mo é que se li­da com as “pri­ma don­nas”?

Li­dar com ar­tis­tas é mui­to di­fí­cil. Cos­tu­mo di­zer que te­nho mui­to jei­to e mui­ta pa­ci­ên­cia por ser fi­lho de ar­tis­tas. É ins­tin­ti­vo. Mas não é qual­quer pes­soa que con­se­gue. É di­fí­cil, mas tam­bém é um pri­vi­lé­gio. Apren­do mui­to com os ar­tis­tas.

Es­tá cons­tan­te­men­te à pro­cu­ra de ar­tis­tas no­vos?

Es­tou e, ao con­trá­rio do que se pen­sa, nun­ca es­tou mui­to re­cep­ti­vo a pro­pos­tas. Vou à pro­cu­ra do que que­ro.

Po­de in­te­res­sar-se pri­mei­ro pe­la pes­soa e só de­pois pe­la obra?

Acon­te­cem as du­as coi­sas. Se a obra me agra­dar, mas não me in­te­res­sar a per­so­na­li­da­de e o per­fil do ar­tis­ta, não te­nho in­te­res­se

A ar­te é um cam­po aber­to, de li­ber­da­de, de ex­pe­ri­men­ta­ção. Mas tem re­gras mui­to pró­pri­as, que não es­tão es­cri­tas no pa­pel, em ter­mos de com­por­ta­men­to.

ne­nhum por­que o tra­ba­lho de um ga­le­ris­ta é em con­jun­to. Vai dar mui­tos pro­ble­mas e tu­do o que um ga­le­ris­ta quer é não ter pro­ble­mas com ar­tis­tas. Que­re­mos um equi­lí­brio. Po­de ser di­fí­cil, mas tem de ser uma coi­sa viá­vel, pos­sí­vel de con­cre­ti­zar.

Co­mo é que in­ter­pre­tou o epi­só­dio re­cen­te da obra de Banksy “Girl with Bal­lo­on”, que se au­to­des­truiu quan­do foi ar­re­ma­ta­da num lei­lão da Sotheby’s?

Foi um gol­pe de mar­ke­ting ge­ni­al.

Na ar­te, va­le tu­do?

Em ter­mos de cri­a­ção, va­le tu­do. É um cam­po aber­to, de li­ber­da­de, de ex­pe­ri­men­ta­ção. Mas a ar­te tem re­gras mui­to pró­pri­as, que não es­tão es­cri­tas no pa­pel em ter­mos de com­por­ta­men­to. Há cer­tas re­gras a cum­prir, de res­pei­to. Há uma cer­ta tra­di­ção. Te­mos có­di­gos en­tre ga­le­ris­tas, en­tre ar­tis­tas, que não es­tão escritos. É mui­to im­por­tan­te ha­ver uma har­mo­nia de res­pei­to en­tre to­dos. Uma re­la­ção en­tre ar­tis­ta e ga­le­ris­ta tem de fun­ci­o­nar. Se não fun­ci­o­nar à pri­mei­ra, não se de­ve in­sis­tir. Há mui­tos ar­tis­tas bons. Uma coi­sa que me in­co­mo­da mui­to ho­je em dia é a dis­pu­ta das ga­le­ri­as por ar­tis­tas. Te­nho in­te­res­se em ar­tis­tas com os quais me iden­ti­fi­que e que quei­ram tra­ba­lhar co­mi­go. Não an­do à pro­cu­ra de ar­tis­tas que se­jam mui­to as­se­di­a­dos por ou­tras ga­le­ri­as. Te­mos de pen­sar fo­ra da cai­xa. De re­pen­te, fa­la-se num ar­tis­ta e to­da a gen­te vai atrás do mes­mo.

Aca­bou de inau­gu­rar a sua no­va ga­le­ria na Co­o­pe­ra­ti­va dos Pe­drei­ros. Es­ta é uma ga­le­ria di­fe­ren­te?

É uma ga­le­ria com um ca­rác­ter mui­to bru­ta­lis­ta em ter­mos de ar­qui­tec­tu­ra, o que por si só já vai cri­ar uma re­la­ção de ar­tis­ta, ex­po­si­ção, es­pec­ta­dor, com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te. O edi­fí­cio é mui­to bo­ni­to pre­ci­sa­men­te por ser de­ca­den­te e mui­to pi­to­res­co, de cer­ta for­ma. A ga­le­ria mar­ca a di­fe­ren­ça pe­las ca­rac­te­rís­ti­cas fí­si­cas e pe­las po­ten­ci­a­li­da­des das ex­po­si­ções que po­dem ser de­sen­vol­vi­das na­que­le es­pa­ço. É uma ga­le­ria on­de se pre­ten­de fa­zer his­tó­ria num edi­fí­cio que já tem his­tó­ria.

Tem re­ce­bi­do vá­ri­as dis­tin­ções. Em 2016, foi no­me­a­do pe­la pla­ta­for­ma di­gi­tal Art­net co­mo um dos dez ga­le­ris­tas mais con­cei­tu­a­dos da Eu­ro­pa.

Foi mui­to bom. De re­pen­te, es­ta­va ao la­do de al­guns dos meus he­róis. Foi mui­to es­tra­nho acor­dar de ma­nhã com uma no­tí­cia da­que­las. Não fa­zia ideia. Acor­dei com vá­ri­os ami­gos e cli­en­tes a da­rem-me os pa­ra­béns. A mi­nha pri­mei­ra re­ac­ção foi pen­sar: mas não é o meu ani­ver­sá­rio. Pas­sa­dos cin­co mi­nu­tos, “Pa­ra­béns aca­bei de ler o ar­ti­go”. O ar­ti­go? Até que um cli­en­te que me en­vi­ou o link da no­tí­cia.

Já es­te ano foi dis­tin­gui­do co­mo um dos me­lho­res ga­le­ris­tas eu­ro­peus com me­nos de 40 anos pe­la Apol­lo In­ter­na­ti­o­nal Art Ma­ga­zi­ne. Uma lis­ta de “gen­te jo­vem ins­pi­ra­do­ra do mun­do da ar­te”. Is­so co­lo­ca-o na 1.ª li­ga no mun­do da ar­te?

Com­ple­ta­men­te. Is­so de­veu-se ao fac­to de, nu­ma al­tu­ra de gran­de cri­se no nos­so país, eu ter le­va­do a Por­tu­gal mui­tos ar­tis­tas in­ter­na­ci­o­nais no­vos que não eram co­nhe­ci­dos e de­pois eles se te­rem des­ta­ca­do ra­pi­da­men­te a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal. Con­se­gui ul­tra­pas­sar to­das as ad­ver­si­da­des do mer­ca­do, que não fo­ram na­da fá­ceis fi­nan­cei­ra­men­te. Sem­pre vi­ve­mos no li­mi­te.

Quan­do é que saiu da li­nha d’água?

Mais re­cen­te­men­te, com o acu­mu­lar dos pré­mi­os. E ain­da as­sim é sem­pre um mer­ca­do mui­to di­fí­cil, no qu­al quem ga­nha é o com­pra­dor. Nós te­mos os nos­sos cus­tos, que não pa­ram. To­dos os gran­des ga­le­ris­tas di­zem que o ne­gó­cio é a com­pra e nun­ca a ven­da. Pa­ra os com­pra­do­res que têm dis­po­ni­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra, que não têm pres­sa, que es­tão fi­nan­cei­ra­men­te con­for­tá­veis, in­ves­tir em ar­te é um ex­ce­len­te ne­gó­cio.

Is­so sig­ni­fi­ca que um ga­le­ris­ta não en­ri­que­ce?

É mui­to di­fí­cil. A me­nos que se tor­ne um co­lec­ci­o­na­dor, tam­bém.

É o seu ca­so?

Quan­do pos­so, in­vis­to. Mas tem de ser nu­ma es­ca­la pe­que­na.

Vol­tan­do às dis­tin­ções in­ter­na­ci­o­nais, is­so já o fez in­fla­ci­o­nar os seus pre­ços?

Não. Is­so aju­dou imen­so a tra­zer um pú­bli­co no­vo, mui­to in­te­res­sa­do. Hou­ve uma con­so­li­da­ção dos meus cli­en­tes a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal. Mui­to for­te, mes­mo. Fi­quei mui­to mais ex­pos­to. Ago­ra, em 2018, con­se­gui ter o pré­mio de me­lhor stand da fei­ra Fri­e­ze No­va Ior­que. Foi um pon­to mui­to al­to. É um pré­mio que to­dos os ga­le­ris­tas que­rem ter na Amé­ri­ca. Foi es­pec­ta­cu­lar. O stand foi fei­to com mui­ta de­di­ca­ção, com mui­ta sim­pli­ci­da­de, de uma for­ma mui­to emo­ci­o­nal, que é aqui­lo que ten­to fa­zer na ar­te.

Há quem de­fen­da que o mo­de­lo das fei­ras es­tá es­go­ta­do. Con­cor­da?

O mo­de­lo es­tá de fac­to es­go­ta­do. As ga­le­ri­as tor­na­ram-se com­ple­ta­men­te de­pen­den­tes das fei­ras, re­féns. Is­so tem de mu­dar. Mas as fei­ras não vão aca­bar, pe­lo con­trá­rio. Vai ha­ver um pro­ces­so de se­lec­ção na­tu­ral. De ver quem é que aguen­ta. Vão fi­can­do as ga­le­ri­as mais for­tes, mais po­de­ro­sas.

Co­mo é que es­co­lhe as fei­ras on­de es­tá pre­sen­te, ten­do em con­ta os enor­mes cus­tos que elas acar­re­tam?

Já fiz to­das as fei­ras mais im­por­tan­tes do mun­do. Fo­mos a pri­mei­ra ga­le­ria por­tu­gue­sa a en­trar em al­gu­mas des­sas fei­ras. Não é só ter di­nhei­ro e fa­zer a can­di­da­tu­ra. É mui­to di­fí­cil en­trar em al­gu­mas. Há 1.500 can­di­da­tu­ras pa­ra 300 va­gas e uma se­lec­ção de jú­ris mui­to afi­na­da, mui­to cri­te­ri­o­sa. É mui­to di­fí­cil en­trar em fei­ras co­mo a Mi­a­mi Ba­sel, a Fri­e­ze Lon­don e Fri­e­ze No­va Ior­que, Lis­te, vá­ri­as. E nós fo­mos con­se­guin­do.

Mas é lá que se fa­zem os gran­des ne­gó­ci­os?

Não. É um mi­to achar que se fa­zem gran­des ne­gó­ci­os nas fei­ras. É lá que se cri­am as gran­des si­ner­gi­as, par­ce­ri­as, fa­zem-se con­tac­tos, há vi­si­bi­li­da­de. Ser­vem pa­ra co­nhe­cer e dar-se a co­nhe­cer.

Mas com­pen­sa fi­nan­cei­ra­men­te es­tar nu­ma fei­ra?

Equi­va­le a pa­gar pu­bli­ci­da­de. É mar­ke­ting. E es­se mar­ke­ting tem um cus­to mui­to al­to. Tão al­to que mui­tas ve­zes as ga­le­ri­as co­lap­sam. Ga­le­ri­as bo­as fe­cha­ram por cau­sa das fei­ras. Não sou con­tra as fei­ras. Mui­to pe­lo con­trá­rio. In­clu­si­ve fa­ço par­te do co­mi­té de se­lec­ção das ga­le­ri­as da Ar­co Lis­boa. O que vai acon­te­cer é que vão pas­sar a exis­tir mais al­ter­na­ti­vas, ou­tros mo­de­los co­mo fei­ras-sa­té­li­te, pa­ra­le­las, mo­de­los de co­la­bo­ra­ção di­fe­ren­tes. O mun­do da ar­te vai re­a­gir e ten­tar en­con­trar so­lu­ções. Por exem­plo, a ga­le­ris­ta Va­nes­sa Carlos [do es­pa­ço Carlos/Ishi­kawa em Lon­dres] cri­ou o Con­do, que são co­la­bo­ra­ções en­tre ga­le­ri­as. As ga­le­ri­as tro­cam os seus es­pa­ços tem­po­ra­ri­a­men­te. Em Fe­ve­rei­ro, vou or­ga­ni­zar uma ex­po­si­ção em São Pau­lo na ga­le­ria de uma ami­ga bra­si­lei­ra que é a Ja­que­li­ne Martins. De­pois a Ga­le­ria Nuno Cen­te­no aco­lhe a Ga­le­ria Ja­que­li­ne Martins. São in­ter­câm­bi­os. Es­tão a sur­gir res­pos­tas.

Quan­to po­de cus­tar es­tar nu­ma fei­ra?

As ga­le­ri­as gran­des po­dem pa­gar 200, 300 mil dó­la­res por um stand, in­cluin­do “ship­pings”, trans­por­ta­do­ras de ar­te es­pe­ci­a­li­za­das, se­gu­ros, to­dos os ex­tras. Tu­do é pa­go. Uma to­ma­da num stand cus­ta 800 dó­la­res se for na Amé­ri­ca. É re­al­men­te as­tro­nó­mi­co. As ga­le­ri­as ar­ren­dam o me­tro qua­dra­do, quan­tos mais me­tros qua­dra­dos pa­gam, me­lho­res lo­ca­li­za­ções têm. Uma vez mais, quem ga­nha é quem fi­nan­cei­ra­men­te es­tá na li­nha da fren­te.

Há ago­ra mais gen­te in­te­res­sa­da na ar­te con­tem­po­râ­nea em Por­tu­gal?

Te­nho a sen­sa­ção que sim. Há al­tos e bai­xos. Ago­ra es­ta­mos a vi­ver um mo­men­to bom por­que há con­di­ções pa­ra que Por­tu­gal se­ja um país de re­fe­rên­cia no mun­do. Es­ta­mos a re­ce­ber mui­tos es­tran­gei­ros que se es­tão a mu­dar pa­ra vi­ver e cri­ar raí­zes no nos­so país.

É es­se flu­xo de tu­ris­tas que es­tá a fa­zer me­xer o mun­do da ar­te con­tem­po­râ­nea em Por­tu­gal?

Aju­dam a im­pul­si­o­nar um bo­ca­di­nho mais. São uma pe­que­na fa­tia, não fa­zem a di­fe­ren­ça de um mo­do ge­ne­ra­li­za­do.

Co­mo de­fi­ni­ria o mo­men­to que es­ta­mos a vi­ver na ar­te em Por­tu­gal? É um mo­men­to de cri­a­ti­vi­da­de? De não ter me­do de ar­ris­car?

É um mo­men­to de gran­de con­ten­ção por­que há um olhar mui­to gran­de pa­ra Por­tu­gal e nin­guém quer fa­lhar. Os ar­tis­tas não que­rem fa­lhar. As ga­le­ri­as não que­rem fa­lhar. Não é que te­nham me­do de ar­ris­car, mas acho que há uma cau­te­la mui­to gran­de. As pes­so­as que­rem dar o seu me­lhor, apro­vei­tar o mo­men­to que é de fac­to mui­to bom e mui­to van­ta­jo­so pa­ra Por­tu­gal. Mas, pa­ra mim, a ar­te mais in­te­res­san­te sur­ge sem­pre nos mo­men­tos de cri­se e de re­fle­xão.

Foi as­sim nos anos da troi­ka?

Era uma coi­sa mais glo­ba­li­za­da. Mas sim, hou­ve mui­ta li­ber­da­de. Hou­ve ex­pe­ri­men­ta­ção, tan­to no Por­to co­mo em Lis­boa. Acho que ago­ra é o mo­men­to em que

Se sou­ber­mos ex­por­tar a nos­sa cul­tu­ra, va­mos ter um país mui­to mais va­li­o­so em ter­mos de iden­ti­da­de.

Quem es­tá a abrir ga­le­ri­as são es­tran­gei­ros. Vêm com uma ideia de que Por­tu­gal es­tá tão bem que vão ven­der mui­to. Mas de­pois, na prá­ti­ca, não é as­sim.

os ar­tis­tas na­ci­o­nais se que­rem in­ter­na­ci­o­na­li­zar. Can­sa­ram-se de ser ar­tis­tas lo­cais. Co­mo te­mos um olhar mui­to gran­de pa­ra o nos­so país, eles que­rem ten­tar apro­vei­tar es­te mo­men­to pa­ra se in­ter­na­ci­o­na­li­za­rem.

Ten­do em con­ta que Por­tu­gal es­tá na mo­da, que opor­tu­ni­da­des é que se co­lo­cam no mun­do da ar­te?

A vi­si­bi­li­da­de que te­mos é uma opor­tu­ni­da­de. Há mui­ta gen­te que es­tá a sa­ber apro­vei­tá-la. Eu es­tou. Es­tá a ser mui­to útil pa­ra mim. Cer­ti­fi­co-me de que quem vai ao Por­to tem uma gran­de ex­pe­ri­ên­cia, não só co­mi­go na ga­le­ria mas com a ci­da­de.

Es­tão a cri­ar-se pó­los de ga­le­ri­as em Lis­boa. Há mer­ca­do pa­ra to­dos?

Quem es­tá a abrir ga­le­ri­as são es­tran­gei­ros. Vêm com uma ideia de que Por­tu­gal es­tá tão bem que vão ven­der mui­to. Mas de­pois, na prá­ti­ca, não é as­sim. Es­que­cem-se de que Por­tu­gal é um país mui­to pe­que­no. É uma mo­da. Res­ta-nos sa­ber quan­to tem­po vai du­rar. Te­nho a cer­te­za de que gran­de par­te de­las vão fe­char por­que ter uma ga­le­ria é uma maratona. É pre­ci­so es­tar dis­pos­to a ul­tra­pas­sar to­dos os al­tos e bai­xos. É mes­mo mui­to di­fí­cil. Ago­ra é o mo­men­to em que to­da a gen­te quer abrir, mas de­pois vai ha­ver o mo­men­to de fe­cho. Tal co­mo acon­te­ceu em Ber­lim, em Bru­xe­las, Lon­dres.

Re­cen­te­men­te, mais de 200 ar­tis­tas plás­ti­cos es­cre­ve­ram uma car­ta ao pri­mei­ro-mi­nis­tro a di­zer que, com a cri­se dos úl­ti­mos anos, se per­deu uma ge­ra­ção de ar­tis­tas. E a rei­vin­di­car a cri­a­ção de um fun­do es­ta­tal pa­ra aqui­si­ções e a cri­a­ção de uma agên­cia pa­ra a ar­te con­tem­po­râ­nea in­de­pen­den­te da Di­rec­ção-Ge­ral das Ar­tes. Con­cor­da?

Acho im­por­tan­tís­si­mo cri­ar um le­ga­do e um es­pó­lio na­ci­o­nal. Um país sem cul­tu­ra, sem his­tó­ria, é um país sem me­mó­ria e sem iden­ti­da­de. Os paí­ses tam­bém são co­nhe­ci­dos no mun­do exac­ta­men­te pe­los seus pen­sa­do­res, po­e­tas, ar­tis­tas. E, atra­vés dis­so, ven­de-se tam­bém a iden­ti­da­de e a me­mó­ria de um país. Is­so é um iní­cio. Tan­to aju­da fi­nan­cei­ra­men­te os ar­tis­tas a po­der con­ti­nu­ar a de­sen­vol­ver tra­ba­lho e pen­sa­men­to, co­mo a cri­ar pa­tri­mó­nio na­ci­o­nal.

O me­ce­na­to fun­ci­o­na em Por­tu­gal?

Os poucos me­ce­nas que exis­tem apoi­am os mu­seus, as ins­ti­tui­ções.

Mas há co­lec­ções par­ti­cu­la­res.

Sim, mas há poucos co­lec­ci­o­na­do­res em Por­tu­gal. Po­dem con­tar-se até seis, tal­vez. Te­mos o An­tó­nio Ca­cho­la, que faz um gran­de tra­ba­lho. Apoia os ar­tis­tas e o país sem­pre que po­de, com a ce­dên­cia da sua co­lec­ção pa­ra que se­ja mos­tra­da em vá­ri­as ins­ti­tui­ções. Es­ta é a ló­gi­ca dos co­lec­ci­o­na­do­res nos Es­ta­dos Uni- dos. Quan­to mais a obra de ar­te cir­cu­la, mais va­li­o­sa se tor­na. Por is­so é que os gran­des co­lec­ci­o­na­do­res es­tão sem­pre dis­po­ní­veis a ce­der as su­as obras aos gran­des mu­seus. Há mui­ta gen­te que ain­da não per­ce­beu que a par­ti­lha é a cha­ve do su­ces­so. Ce­der, do­ar ou co­lo­car em de­pó­si­to par­te da co­lec­ção nas gran­des ins­ti­tui­ções e nos gran­des mu­seus é uma das for­mas de a obra ser co­nhe­ci­da. De que é que adi­an­ta com­prar e ter em ar­ma­zém? A obra não cir­cu­la, não é vis­ta, não é ca­ta­lo­ga­da. Es­tá ali qua­se a vi­rar pó.

Do seu pon­to de vis­ta, há uma par­te da res­pon­sa­bi­li­da­de que ca­be ao Es­ta­do?

Sim. Se sou­ber­mos ex­por­tar a nos­sa cul­tu­ra, va­mos ter um país mui­to mais va­li­o­so em ter­mos de iden­ti­da­de. As pes­so­as vão que­rer vi­si­tar-nos não só pe­lo sol ou pe­lo mar, mas tam­bém pe­la nos­sa cul­tu­ra.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro anun­ci­ou, no seguimento da tal car­ta dos ar­tis­tas, a cri­a­ção de um pro­gra­ma a dez anos pa­ra aqui­si­ção de obras de ar­te con­tem­po­râ­nea, que tem uma do­ta­ção or­ça­men­tal pre­vis­ta de 300 mil eu­ros, pa­ra o pri­mei­ro ano (2019). É uma boa me­di­da?

É um bom iní­cio. Não é mui­to, mas se es­sa ver­ba for des­ti­na­da a apoi­ar uma ge­ra­ção de ar­tis­tas mais jo­vem, com pre­ços ain­da bas­tan­te aces­sí­veis, aju­da, fa­rá a di­fe­ren­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.