Por­tu­gal não é um país pa­ra an­tiquá­ri­os

Jornal de Negócios - - A MINHA ECONOMIA - ISA­BEL LO­PES DA SILVA

O mer­ca­do de ar­te e an­ti­gui­da­des em Por­tu­gal pre­ci­sa de re­ju­ve­nes­cer e pa­ra is­so con­ti­nua a sua “guer­ra com re­gras dra­co­ni­a­nas que fa­zem dos an­tiquá­ri­os ver­da­dei­ros po­lí­ci­as e fis­cais da ASAE”. É Isa­bel Lo­pes da Silva, vi­ce-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de An­tiquá­ri­os (APA), quem fa­la as­sim. Nos úl­ti­mos 10 anos, o nú­me­ro de an­tiquá­ri­os no país te­rá caí­do pa­ra cer­ca de me­ta­de. Pa­ra con­tra­ri­ar o en­cer­ra­men­to de lo­jas e apro­vei­tar os si­nais de re­cu­pe­ra­ção em ter­mos de mo­vi­men­to de com­pras, a APA organiza, en­tre 14 e 18 de No­vem­bro, a pri­mei­ra edi­ção da sua Fei­ra de Ar­te e An­ti­gui­da­des, um even­to que se dis­tin­gue da fei­ra anu­al da Cor­do­a­ria Na­ci­o­nal por ser “mais in­ti­mis­ta, com ar­ti­gos ain­da mais se­lec­ci­o­na­dos”. O cer­ta­me, que se re­a­li­za na So­ci­e­da­de Na­ci­o­nal de Be­las Ar­tes, em Lis­boa, con­ta com a par­ti­ci­pa­ção exclusiva de mem­bros da APA, en­tre os quais es­tá a pró­pria Isa­bel Lo­pes da Silva, que en­trou no ne­gó­cio das an­ti­gui­da­des com uma lo­ja em Cas­cais. Ho­je tem um es­pa­ço no Prín­ci­pe Re­al.

AA Fei­ra de Ar­te e An­ti­gui­da­des de Lis­boa da Cor­do­a­ria Na­ci­o­nal, or­ga­ni­za­da pe­la As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa dos An­tiquá­ri­os (APA), é a úni­ca que res­ta das vá­ri­as fei­ras que exis­ti­am no país. An­ti­ga­men­te, em Lis­boa, ha­via a fei­ra do Fórum, do Be­a­to, do Ritz… E exis­tia, cla­ro, a bi­e­nal da FIL, que al­ter­na­va com a nos­sa. No Por­to, ha­via a fei­ra da Al­fân­de­ga, a da Bol­sa e al­gu­mas fei­ras em ho­téis. Mor­re­ram to­das, so­brou ape­nas a da Cor­do­a­ria e as fei­ri­nhas de rua no fim-de-se­ma­na. A cri­se foi-se ins­ta­lan­do e ho­je exis­tem pou­cas lo­jas. Por­tu­gal não é de fac­to um país atrac­ti­vo pa­ra an­tiquá­ri­os. São meia dú­zia de se­res que se mantêm nis­to até mor­rer. Nos úl­ti­mos 10 anos, ve­ri­fi­cou-se uma per­da de cer­ca de me­ta­de dos an­tiquá­ri­os. E as pes­so­as mais no­vas não se sen­tem atraí­das pe­lo sec­tor. Se nin­guém quer en­trar na pro­fis­são, não há uma pas­sa­gem de co­nhe­ci­men­to e pe­re­ce­mos to­dos.

Fa­ze­mos par­te de um meio mui­to pe­que­no, fei­to de mi­cro­em­pre­sas, re­gi­do por leis e re­gras dra­co­ni­a­nas que fa­zem com que os an­tiquá­ri­os se­jam obri­ga­dos a fun­ci­o­nar qua­se co­mo po­lí­ci­as e fis­cais da ASAE. Es­tá tu­do en­fi­a­do no mes­mo sa­co de gatos. Por exem­plo, eu tra­ba­lho com pra­tas e jói­as, que fo­ram me­ti­das no sa­co das lo­jas que ven­dem e com­pram ou­ro a pe­so – são re­a­li­da­des mui­to dis­tin­tas. De­pois há a le­gis­la­ção re­la­ci­o­na­da com o com­ba­te ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, que obri­ga os lo­jis­tas a iden­ti­fi­car quem gas­ta mais de 15 mil eu­ros. Ima­gi­ne­mos que a Ma­don­na vai à mi­nha lo­ja com­prar uma pul­sei­ra de 17 mil eu­ros. Pois ela te­rá de as­si­nar um pa­pel pa­ra eu en­vi­ar à ASAE… E exis­tem me­di­das ain­da mais ri­dí­cu­las, co­mo os sis­te­mas de protecção das lo­jas. So­mos obri­ga­dos a ter um co­fre com sis­te­ma de aber­tu­ra re­tar­da­da. Se eu qui­ser mos­trar al­gu­ma pe­ça a um cli­en­te e o co­fre não for de aber­tu­ra ime­di­a­ta, ar­ris­co-me a per­der es­se mes­mo cli­en­te. Ou se ti­ver uma te­la de três me­tros, te­nho de ter uma cai­xa-for­te. Se um cli­en­te qui­ser ver um anel em sua ca­sa, tem de ser con­tra­ta­da uma em­pre­sa de se­gu­ran­ça es­pe­cí­fi­ca. Se ven­der­mos uma pe­ça pa­ra Es­pa­nha, pre­ci­sa­mos des­sas em­pre­sas pa­ra trans­por­tar o ar­ti­go mas, a par­tir de Ba­da­joz, já não se­rá ne­ces­sá­rio. É ri­dí­cu­lo. Te­mos uma guer­ra com as leis que pa­re­ce nun­ca aca­bar.

Com­pa­ran­do com ou­tros paí­ses, ve­ri­fi­ca­mos que o sis­te­ma le­gis­la­ti­vo é re­al­men­te mui­to rí­gi­do em Por­tu­gal. Se a le­gis­la­ção não fos­se tão aper­ta­da, a ac­ti­vi­da­de te­ria es­pa­ço pa­ra cres­cer e ha­ve­ria gen­te no­va a en­trar no sec­tor. O meu fi­lho mais no­vo en­tu­si­as­mou-se com o ne­gó­cio, ti­rou o cur­so da Sotheby’s em No­va Ior­que e um cur­so de di­a­man­tes em Lon­dres, e é só por is­so que man­te­nho a mi­nha lo­ja aber­ta. Ca­so con­trá­rio, fe­cha­va-a. E não se dá o ca­so de eu es­tar na ruí­na, mas não me ape­te­ce en­fren­tar es­tas re­gras dra­co­ni­a­nas – o que eu que­ria mes­mo era cri­ar ga­li­nhas e fa­zer ar­roz de ca­bi­de­la! Um ami­go meu, de­co­ra­dor de in-

te­ri­o­res, mos­trou-me uma re­vis­ta na qu­al apa­re­cia a Isa­bel­la Ros­sel­li­ni ao la­do de uma ga­li­nha com o pes­co­ci­nho pou­sa­do no seu om­bro e com umas pe­nas que pa­re­ci­am es­tar un­ta­das com os cre­mes mais ex­tra­or­di­ná­ri­os. Eu não es­pe­ro me­nos que is­to! Sou uma cri­a­tu­ra mui­to ve­lha, te­nho 59 anos e tra­ba­lho nis­to há 38. Já te­nho di­rei­to às mi­nhas ga­li­nhas chiquís­si­mas, com pe­nas mui­to ma­ci­as, que de­pois pos­so apro­vei­tar pa­ra fa­zer jói­as (ri­sos).

Te­nho de fa­zer uma res­sal­va: o re­gi­me ju­rí­di­co da ou­ri­ve­sa­ria e das con­tras­ta­ri­as (RJOC) che­gou a ser mais de­men­te do que é ho­je – nes­sa al­tu­ra, em 2015, as nos­sas lo­jas es­ti­ve­ram mais tem­po fe­cha­das do que aber­tas por­que pas­sá­va­mos o tem­po em reu­niões com mi­nis­té­ri­os. Aque­la lei era im­pra­ti­cá­vel. Nes­se as­pec­to, foi gra­ças à ac­tu­al mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Gra­ça Fon­se­ca, ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do Ad­jun­ta e da Mo­der­ni­za­ção Ad­mi­nis­tra­ti­va, que a le­gis­la­ção foi al­te­ra­da, em 2017.

Po­de­mos não ser uma fon­te de ren­di­men­to es­pec­ta­cu­lar pa­ra as Fi­nan­ças, mas do pon­to de vis­ta tu­rís­ti­co so­mos uma mais-va­lia. E até pa­ra a re­cu­pe­ra­ção do pa­tri­mó­nio. Con­se­gui­mos ter mais re­le­vân­cia do que os mu­seus por­que os mu­seus, coi­ta­dos, ain­da têm me­nos di­nhei­ro do que nós, que va­mos res­tau­ran­do pe­ças e man­ten­do al­gum pa­tri­mó­nio.

Ho­je há mais pes­so­as a com­prar an­ti­gui­da­des, quer por­tu­gue­ses quer es­tran­gei­ros, que ani­ma­ram o mer­ca­do. São so­bre­tu­do ame­ri­ca­nos, al­guns fran­ce­ses, al­guns bra­si­lei­ros. Exis­tem si­nais de re­cu­pe­ra­ção em­ter­mos de mo­vi­men­to de com­pras de lo­ja, mas não em­ter­mos de aber­tu­ra­de no­vos an­tiquá­ri­os. Que­re­mos ser mais, que­re­mos acres­cen­tar ex­po­si­to­res de áre­as di­fe­ren­tes que tra­gam are­jo e vi­va­ci­da­de, e as fei­ras são um óp­ti­mo es­pa­ço pa­ra di­vul­gar aac­ti­vi­da­de. Achá­mos as­sim que fa­ri­a­to­do o sen­ti­do exis­tir uma ou­tra fei­ra, no cen­tro de Lis­boa, mais pe­que­na, mais cur­ta, mais in­ti­mis­ta, com ar­ti­gos ain­da mais se­lec­ci­o­na­dos. Nes­te ca­so, é só pa­ra as­so­ci­a­dos da APA. Há uma co­mis­são de pe­ri­ta­gem, com­pos­ta por cu­ra­do­res de mu­seus, co­lec­ci­o­na­do­res e co­mer­ci­an­tes, pa­ra as­se­gu­rar a qua­li­da­de das pe­ças.

Sou uma mu­lher do Nor­te, pas­sa­va a vi­da na praia de Es­mo­riz. Es­tu­dei Ma­te­má­ti­ca no Por­to, ca­sei aos 18 anos com uma pes­soa que tra­ba­lha­va na área das an­ti­gui­da­des e aca­bei por en­trar no sec­tor. De­pois de me di­vor­ci­ar, abri a mi­nha pri­mei­ra lo­ja, em Cas­cais, com os ar­ti­gos que re­al­men­te apre­ci­a­va, pe­ças vin­ta­ge e jói­as um pou­co bi­zar­ras. Eu não gos­to de pe­ças pe­que­ni­nas e dis­cre­tas, gos­to de coi­sas ex­tra­va­gan­tes. No iní­cio, foi mui­to com­pli­ca­do, por­que o gos­to por­tu­guês não tem na­da que ver com a ex­tra­va­gân­cia e na al­tu­ra em que eu abri a lo­ja os por­tu­gue­ses ain­da eram mais con­ser­va­do­res – que­ri­am um ane­li­nho com uma pe­dri­nha do ta­ma­nho de uma ca­be­ça de um al­fi­ne­te... Era no tem­po em que se usa­vam imen­sas ane­li­nhos pe­la mão­zi­nha to­da, que era tu­do aqui­lo que eu abo­mi­na­va.

O gos­to por­tu­guês, fe­liz­men­te, nem sem­pre foi as­sim, tão con­ser­va­dor. En­tre os anos 1940 e 1960, al­tu­ra em que hou­ve al­gum di­nhei­ro em Por­tu­gal, exis­ti­am pes­so­as com gos­tos mais ex­cên­tri­cos. Quan­do co­me­cei a tra­ba­lhar na área, ra­pi­da­men­te se sou­be que ha­via uma cri­a­tu­ra bi­zar­ra de Cas­cais que que­ria ar­ti­gos ex­tra­va­gan­tes. En­tão, quem ti­nha al­gu­ma des­sas pe­ças mais es­tra­nhas, ia ter co­mi­go.

So­mos um país pe­que­no, mas te­mos uma qua­li­da­de a ní­vel de an­ti­gui­da­des que é ra­ra e sur­pre­en­den­te – na Bi­e­nal de Pa­ris, uma das mais co­nhe­ci­das fei­ras de an­tiquá­ri­os do mun­do, foi pre­mi­a­da uma sal­va por­tu­gue­sa de co­bre es­mal­ta­do e dou­ra­do do sé­cu­lo XVI com ar­mas re­ais, da São Ro­que An­ti­gui­da­des e Ga­le­ria de Ar­te. Por ou­tro la­do, o an­tiquá­rio Jor­ge Welsh é um dos mai­o­res an­tiquá­ri­os do mun­do a ní­vel de por­ce­la­nas da Chi­na. Te­mos re­al­men­te mui­ta qua­li­da­de e pou­cas pes­so­as sa­bem dis­so.

Te­mos uma qua­li­da­de a ní­vel de pe­ças an­ti­gas que é ra­ra e sur­pre­en­den­te – na Bi­e­nal de Pa­ris, foi pre­mi­a­da uma sal­va por­tu­gue­sa de co­bre es­mal­ta­do e dou­ra­do do sé­cu­lo XVI com ar­mas re­ais, da São Ro­que An­ti­gui­da­des e Ga­le­ria de Ar­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.