MAGAN I C E S

Jornal de Negócios - - A MINHA ECONOMIA -

Se­gun­do o Di­ci­o­ná­rio Pri­be­ram da Lín­gua Por­tu­gue­sa, ma­ga­no é quem de­mons­tra pou­ca ou ne­nhu­ma res­pon­sa­bi­li­da­de e é da­do à las­cí­via, quem é jo­vi­al ou gos­ta de se di­ver­tir ou ain­da quem de­mons­tra ma­lí­cia ou ma­lan­dri­ce. Di­to is­to, é tam­bém o no­me de um trio de­di­ca­do à mú­si­ca po­pu­lar alen­te­ja­na, sem con­ser­va­do­ris­mos e com ar­ro­jo. Fran­cis­co Brito no con­tra­bai­xo e te­cla­dos, Nuno Ra­mos na gui­tar­ra e voz e Sofia Ra­mos na voz e no har­mó­nio cons­ti­tu­em os Ma­ga­no, cu­jo dis­co de es­treia aca­ba de ser edi­ta­do. O ál­bum tem ain­da par­ti­ci­pa­ções de An­dré Sou­sa Ma­cha­do na per­cus­são (exem­pla­res, por si­nal) e An­dré San­tos na Vi­o­la de ara­me e bra­gui­nha. Das 13 fai­xas des­te ál­bum a mai­o­ria é ba­se­a­da em te­mas po­pu­la­res, al­guns com in­ter­ven­ções nas le­tras de no­mes co­mo João Mon­ge ou Van­da Ro­dri­gues. Dois são ori­gi­nais – “Que É Fei­to Dos Ve­lhos Mon­tes”, de Jo­sé Bor­ra­lho, e o mag­ní­fi­co “Açor­da d’Alho”, uma de­li­ci­o­sa re­cei­ta can­ta­da de Joaquim Mar­ra­fa e Joaquim Ban­za. Te­nho pa­ra mim que uma das ra­zões da im­por­tân­cia des­te dis­co es­tá nos ar­ran­jos e na sua con­ju­ga­ção com a voz de Sofia Ra­mos – o ex­po­en­te é o tra­di­ci­o­nal “Tri­guei­ri­nha Alen­te­ja­na”, mas “Pro­mes­sas” não lhe fi­ca atrás. Sofia Ra­mos é uma voz ra­ra, pe­la sua ca­pa­ci­da­de de in­ter­pre­ta­ção, pe­lo tim­bre, pe­lo rit­mo, pe­la en­to­a­ção. Não é fre­quen­te em Por­tu­gal en­con­trar uma voz as­sim e, só por si, ela é ra­zão bas­tan­te pa­ra ou­vir es­te “Ma­ga­no” com mui­ta aten­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.