CIN­CO SEN­TI­DOS Agen­da Co­lec­ci­o­nar Li­vros

Um no­vo mo­de­lo de fei­ra

Jornal de Negócios - - CINCO SENTIDOS - JO­SÉ VEGAR

A As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de An­tiquá­ri­os lan­ça um no­vo mo­de­lo de fei­ra de an­ti­gui­da­des e de ar­te, as­sen­te nu­ma cu­ra­do­ria cen­tra­da na exi­bi­ção de pe­ças de va­lor mai­or.

Co­mo sa­bem to­dos aque­les que de al­gum mo­do têm uma ligação ou um in­te­res­se nas vá­ri­as di­men­sões da ar­te, te­mos um pro­ble­ma gra­ve com as fei­ras em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. As fei­ras que fo­ram sen­do re­a­li­za­das nas úl­ti­mas dé­ca­das, bem co­mo as que ago­ra se re­a­li­zam anu­al­men­te, sub­me­tem-se pri­mei­ro a um pro­ble­ma de pe­ri­fe­ria, já que a fra­ca ca­pa­ci­da­de eco­nó­mi­ca da pro­cu­ra na­ci­o­nal afasta as ga­le­ri­as da pri­mei­ra li­ga glo­bal.

No en­tan­to, se fos­se es­te o úni­co pro­ble­ma, a si­tu­a­ção não se­ria es­pe­ci­al­men­te dra­má­ti­ca, já que o mer­ca­do ibé­ri­co e sul-ame­ri­ca­no, que cons­ti­tui o gros­so da ofer­ta das fei­ras em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, po­de ter sus­ten­ta­bi­li­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra os co­lec­ci­o­na­do­res e in­ves­ti­do­res. O pro­ble­ma mai­or é que as fei­ras de ar­te em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal so­frem ain­da de uma cu­ra­do­ria de­fi­ci­en­te e de fal­ta de con­tro­lo do va­lor. A cu­ra­do­ria de­fi­ci­en­te ma­ni­fes­ta-se, es­sen­ci­al­men­te, no do­mí­nio da quan­ti­da­de em lu­gar da qua­li­da­de, o que ge­ra uma enor­me dis­per­são.

A fal­ta de con­tro­lo do va­lor dá-se por­que os agen­tes da ofer­ta in­sis­tem nu­ma hi­per­va­lo­ri­za­ção mo­ne­tá­ria das obras que exi­bem, sem ra­ci­o­nais que a su­por­tem. As­sim, as vá­ri­as fei­ras que exis­ti­ram e exis­tem não são gran­des ex­pe­ri­ên­ci­as pa­ra a pro­cu­ra, fa­zen­do com que per­sis­ta vi­o­len­ta­men- te a ne­ces­si­da­de de no­vos mo­de­los.

É exac­ta­men­te is­to que a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de An­tiquá­ri­os (APA) irá ten­tar fa­zer da pró­xi­ma quar­ta-fei­ra até do­min­go, is­to é, cri­ar e apli­car um no­vo mo­de­lo de fei­ra. A APA apos­ta pri­mei­ro nu­ma du­pla ofer­ta, de an­ti­gui­da­des e de ar­te. Apos­ta de se­gui­da nu­ma cu­ra­do­ria cui­da­da dos agen­tes, que co­me­ça na op­ção de dar um lu­gar de pre­sen­ça ape­nas a um nú­me­ro li­mi­ta­do de an­tiquá­ri­os e ga­le­ri­as, que são a Ga­le­ria São Mamede, Ilí­dio Cruz, Ri­car­do Ho­gan, J. Bap­tis­ta, João Ra­ma­da, D’Orey, Isa­bel Lo­pes da Silva, Coi­sas de Fa­mí­lia, Ma­nu­el Cas­ti­lho, Ga­le­ria Bessa Pe­rei­ra, Ob­jec­tis­mo, Por­ce­la­na da Chi­na, Luís Ale­gria, Ca­sa d’Ar­te e Ma­nu­e­la Ver­de Lí­rio.

A lis­ta mos­tra que exis­tem au­sên­ci­as im­por­tan­tes, mas tam­bém pre­sen­ças com es­pó­lio de va­lor, e ou­tras que são in­cóg­ni­tas. Mas a cu­ra­do­ria da APA es­ten­de-se, ga­ran­te a as­so­ci­a­ção, às pró­pri­as pe­ças que es­ta­rão em exi­bi­ção. As­sim, diz a APA, an­tes da aber­tu­ra da fei­ra, to­das as pe­ças se­rão sub­me­ti­das à ava­li­a­ção de uma co­mis­são de pe­ri­tos, que da­rá pa­re­cer so­bre o va­lor re­al de ca­da uma, com­pro­me­ten­do-se os agen­tes da ofer­ta a exi­bi­rem ape­nas as pe­ças mai­o­res. É um mo­de­lo cu­ri­o­so, que ge­ra ex­pec­ta­ti­va. A fei­ra irá re­a­li­zar-se no es­pa­ço da So­ci­e­da­de Na­ci­o­nal de Be­las Ar­tes.

W

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.