Em bus­ca do des­ti­no

Djai­mi­lia Pe­rei­ra de Al­mei­da vol­ta a surpreender-nos com um po­de­ro­so ro­man­ce que nos faz re­flec­tir so­bre os so­nhos e os pe­sa­de­los de to­dos nós. En­tre Lis­boa e Lu­an­da.

Jornal de Negócios - - CINCO SENTIDOS - FERNANDO SOBRAL

Ai­den­ti­da­de é um la­bi­rin­to. Mui­tas ve­zes, va­mos em bus­ca de­la e per­de­mo-nos nos nos­sos pró­pri­os re­cei­os. Ou­tras ve­zes des­co­bri­mos que é um ca­mi­nho pa­ra la­do ne­nhum. E po­de ser tam­bém uma fron­tei­ra té­nue na qu­al as qu­es­tões são mais for­tes do que as res­pos­tas. Mui­to do que Djai­mi­lia Pe­rei­ra de Al­mei­da es­cre­ve tem que ver com a iden­ti­da­de, mas tam­bém com a bus­ca de um des­ti­no. E é aí que se en­con­tra a ver­da­dei­ra mi­na de ou­ro da sua es­cri­ta, que pa­re­ce ter asas e que ca­mi­nha, sol­ta, num so­lo de al­go­dão. Não cus­ta fi­car fas­ci­na­do por es­ta es­cri­ta ágil e cer­tei­ra. Pe­las per­so­na­gens cri­a­das. Pe­los am­bi­en­tes que nos se­du­zem. Afi­nal, a au­to­ra co­nhe­ce bem es­te ter­ri­tó­rio de des­con­for­to, por­que vi­veu, co­mo já dis­se, no meio de eu­ro­peus li­ga­dos a Áfri­ca e de afri­ca­nos li­ga­dos a Por­tu­gal. Em “Lu­an­da, Lis­boa, Pa­raí­so”, o seu se­gun­do ro­man­ce, a au­to­ra apre­sen­ta-nos Car­to­la de Sou­sa e Aqui­les, o fi­lho. Ru­mam a Lis­boa, vin­dos de Lu­an­da, em bus­ca do “mi­la­gre” mé­di­co. Vão à des­co­ber­ta: “Foi-lhe cla­ro na­que­le ins­tan­te que não vi­a­ja­vam pa­ra Por­tu­gal, mas pa­ra sem­pre.” Que Lis­boa des­co­bri­ri­am?

O am­bi­en­te en­vol­ve-nos: “O fi­lho olha­va-o co­mo quem te­me que o rei su­cum­ba a uma cons­pi­ra­ção. A no­bre­za que o por­te de­le lhe ins­pi­ra­va em Lu­an­da de­ra lu­gar à con­fu­são de Car­to­la, que lhe fa­zia abrir mui­to os olhos co­mo se ti­ves­se me­do de ir con­tra as coi­sas. Ti­nham che­ga­do a Lis­boa tar­de de­mais, de­pois de lhes ser pos­sí­vel do­mes­ti­car a ci­da­de. De ca­be­ça, de­cal­ca­va Lis­boa por ci­ma de Lu­an­da: Sa­gra­da Fa­mí­lia-Mos­tei­ro dos Je­ró­ni­mos, Ilha-Ca­ci­lhas, Pren­da-Pri­or Ve­lho. Mas no in­te­ri­or de Car­to­la o ma­pa era ain­da o mes­mo. Ca­mi­nha­va sem re­fe­rên­ci­as. A no­va ci­da­de des­car­na­da, sem ar­ru­a­men­tos de­fi­ni­dos, en­ton­te­cia-o”. Há ci­da­des di­fe­ren­tes, bús­so­las que não se co­a­du­nam, no olhar de am­bos. Des­co­brem, com o tem­po, que só a ligação en­tre os dois os po­de evi­tar de per­de­rem- -se nu­ma ci­da­de que não co­nhe­cem, mes­mo se Car­to­la tem as re­fe­rên­ci­as de ou­tros tem­pos. Ten­tan­do des­co­brir a ci­da­de, des­co­brem-se a si pró­pri­os. Ou ten­tam.

Os di­fe­ren­tes olha­res so­bre o no­vo mun­do on­de Car­to­la e Aqui­les ca­mi­nham é de­li­ci­o­sa­men­te des­cri­to pe­la au­to­ra: “Ca­mi­nha­va pe­lo Pa­raí­so com a cer­te­za de es­tar ali de pas­sa­gem. Os ar­do­res da ado­les­cên­cia fo­ram ne­le a ideia de que na­da o con­fun­dia com os ou­tros an­go­la­nos. De­se­ja­va que um raio quei­mas­se aqui­lo tu­do sem nun­ca pon­de­rar que, fos­se es­se o ca­so, não te­ria pa­ra on­de ir. Da­va des­con­to ao pai, que con­si­de­ra­va ter de­son­ra­do o pas­sa­do e vi­ver nu­ma Lis­boa que ape­nas exis­tia em so­nhos. Car­to­la na­da ti­nha pa­ra dei­xar a Aqui­les. Nem um cor­dão de ou­ro nem um re­ló­gio. Nem uma te­sou­ra nem um li­vro. Sentia-se um tra­po e via a mor­te ao fun­do. Na­da do que ti­nha si­do seu pas­sa­ria o tes­te do tem­po”. É es­te ba­lan­ço en­tre o pas­sa­do e o pre­sen­te, com pou­cas pers­pec­ti­vas de fu­tu­ro, que Djai­mi­lia Pe­rei­ra de Al­mei­da des­cre­ve de for­ma su­bli­me. Es­te é um ro­man­ce que nos faz olhar pa­ra o mun­do dos so­nhos, dos pe­sa­de­los e das fron­tei­ras. Atra­vés de per­so­na­gens ím­pa­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.