Os qua­tro pi­la­res

Jornal de Negócios - - RELOGIOS - FERNANDO SOBRAL

Quan­do ques­ti­o­na­mos Ge­or­ges Kern so­bre se a es­tra­té­gia pa­ra a Brei­tling as­sen­ta nu­ma no­va ló­gi­ca de pon­tos car­de­ais, de sul pa­ra nor­te (pa­ra des­co­brir no­vos con­su­mi­do­res) e de oes­te pa­ra les­te (do Oci­den­te pa­ra Ori­en­te), ele acei­ta o de­sa­fio: “Nun­ca ti­nha pen­sa­do nis­so. Mas não se im­por­ta que eu pas­se a uti­li­zar es­se con­cei­to? Nós não que­re­mos ser uma mar­ca oci­den­tal ou ori­en­tal. Que­re­mos ser uma mar­ca glo­bal. São di­fe­ren­tes mun­dos, mas é o mes­mo con­su­mi­dor. Te­mos uma es­tra­té­gia que pro­cu­ra no­vos con­su­mi­do­res. O nos­so ADN per­mi­te que a Brei­tling não se­ja ar­ti­fi­ci­al. Não te­mos de in­ven­tar a nos­sa his­tó­ria. Te­mos de a usar.” E abre o jo­go: “Va­mos ter uma li­nha pa­ra mu­lhe­res no mês de Abril. Pre­ci­sa­mos de fa­zer ou­tras coi­sas em que pos­sa­mos ser di­fe­ren­tes. Há mui­tas mar­cas a fa­zer o mes­mo. A ques­tão não é mu­lher-ho­mem, mas ser ‘co­ol’, jo­vem, fa­ce a ser tra­di­ci­o­nal e con­ser­va­dor. Po­de­mos fa­zer a di­fe­ren­ça no es­ti­lo. Mas so­mos re­a­lis­tas.” Re­ju­ve­nes­cer, sem per­der a iden­ti­da­de e ir em bus­ca do cres­cen­te mer­ca­do asiá­ti­co, é a pri­o­ri­da­de.

É por is­so que a Brei­tling bus­ca, com no­vos em­bai­xa­do­res (Char­li­ze The­ron, Brad Pitt, Kelly Sla­ter, Stepha­nie Gil­mo­re), ou­tros con­su­mi­do­res, mais jo­vens. Alar­gar o âm­bi­to da mar­ca, tor­ná-la mais jo­vem e “co­ol” é uma apos­ta for­te. Não é por aca­so que, em Por­tu­gal, a Brei­tling foi es­co­lher pa­ra “em­bai­xa­dor” o ac­tor Lourenço Or­ti­gão, ros­to que atin­ge um pú­bli­co que, até aqui, tal­vez não en­con­tras­se mui­tos mo­ti­vos de ligação à mar­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.