A ho­ra da mu­dan­ça

Ge­or­ges Kern, CEO da Brei­tling, diz que o que aí vem po­de ser sin­te­ti­za­do num con­cei­to: um “fu­tu­ro len­dá­rio”.

Jornal de Negócios - - RELOGIOS - FERNANDO SOBRAL, EM LON­DRES

Ge­or­ges Kern é o ho­mem da mu­dan­ça na Brei­tling. Num am­bi­en­te des­con­traí­do, en­tre as apre­sen­ta­ções das no­vi­da­des, hou­ve um tem­po pa­ra uma con­ver­sa in­for­mal. Fa­zen­do o re­la­tó­rio de um ano de li­de­ran­ça co­mo CEO e tam­bém co­mo ac­ci­o­nis­ta da mar­ca, e pers­pec­ti­van­do o fu­tu­ro mais pró­xi­mo. Kern es­tá con­ten­te com o que se con­se­guiu nes­te úl­ti­mo ano. Fo­cou, des­de lo­go, o olhar da em­pre­sa: “Tí­nha­mos 12 co­lec­ções e ago- ra são qua­tro. Ar, Mar, Ter­ra, e pa­ra pro­fis­si­o­nais. O que aí vem po­de ser sin­te­ti­za­do num con­cei­to: um fu­tu­ro len­dá­rio.”

Aes­tra­té­gia pa­re­ce ser cla­ra pa­ra a mar­ca que, des­de sem­pre, foi iden­ti­fi­ca­da pe­la sua afi­ni­da­de com os re­ló­gi­os de pi­lo­tos de avi­a­ção. Ago­ra, a ideia é alar­gar as fron­tei­ras: pa­ra a Ásia, pa­ra o con­su­mi­dor fe­mi­ni­no, pa­ra o pú­bli­co ur­ba­no. A li­nha Ter­ra tem que ver com is­so: um seg­men­to ur­ba­no, que fa­vo­re­ce o es­ti­lo e a ele­gân­cia. Sem- pre den­tro de um prin­cí­pio: “Que­re­mos ser ver­da­dei­ros.” Não es­que­ce o no­vo mun­do di­gi­tal, mas diz que a Brei­tling não vai de­sa­fi­ar os smartwat­ches. Não quer en­trar nes­sa lu­ta. É cla­ro: “Eu te­nho ze­ro pe­sa­de­los com os smartwat­ches. O re­ló­gio é pes­so­al e é uma ex­pe­ri­ên­cia. É so­bre­tu­do ar­te­sa­nal. Re­pa­rem, há mais pes­so­as a com­prar re­ló­gi­os ana­ló­gi­cos. As pes­so­as po­dem ter tu­do oqueé­di­gi­talà sua vol­tam aso pro­du­toé­tr adi­ci­o­nal .”

Se es­se de­sa­fio não cau­sa in­só­ni­as a Ge­or­ges Kern, o que é que o man­tém acor­da­do? Ele responde: “As gu­er­ras co­mer­ci­ais, as ta­xas de câm­bio, o dé­fi­ce de Itá­lia, tu­do o que in­flu­en­cia a in­dús­tria. O am­bi­en­te tem de ser po­si­ti­vo, e as pes­so­as pre­ci­sam dis­so, de es­ta­bi­li­da­de, pa­ra com­prar.”

Ge­or­ges Kern, mais do que uma tác­ti­ca, tem uma es­tra­té­gia: “Te­mos uma vi­são pa­ra on­de que­re­mos ir nos pró­xi­mos dois ou três anos. Só te­mos de ser in­te­lec­tu­al­men­te fle­xí­veis. O mer­ca­do es­tá a mu­dar. As pes­so­as gos­tam de va­lo­res ver­da­dei­ros. Tal­vez os pro­du­tos ana­ló­gi­cos se tor­nem o no­vo lu­xo.”

Is­so sem es­que­cer o mun­do di­gi­tal on­de ca­da vez mais nos mo­ve­mos. Kern per­ce­be a mu­ta­ção: “Te­mos de ofe­re­cer aos con­su­mi­do­res uma va­ri­e­da­de de pos­si­bi­li­da­des pa­ra ace­der à mar­ca. Até por­que os con­su­mi­do­res já não que­rem sa­ber on­de com­pram o seu Brei­tling. O di­gi­tal não im­pli­ca ape­nas o e-com­mer­ce, in­clui as for­mas de co­mu­ni­car com o cli­en­te.”

Tal­vez por is­so te­nha­a­cei­ta­do es­te no­vo de­sa­fio na Brei­tling: “Que­ria fa­zê-lo eu pró­prio. Que­ria in­ves­tir nes­ta mar­ca. Os re­ló­gi­os que mais me atra­em aqui são os das dé­ca­das de 1940 e 1970, que ve­jo co­mo a ida­de de ou­ro da Brei­tling. Os re­ló­gi­os são fan­tás­ti­cos. A Brei­tling es­tá po­si­ci­o­na­da ba­si­ca­men­te na ga­ma que vai dos 3.000 aos 8.000 ou 9.000 fran­cos suí­ços, on­de pla­ne­a­mos fi­car. Va­mos man­ter as fun­da­ções so­bre as quais a Brei­tling foi cons­truí­da, que são os re­ló­gi­os de pi­lo­tos e os mo­de­los gran­des. Mas os gos­tos evo­luí­ram. E ir ao en­con­tro dos nos­sos ob­jec­ti­vos de cres­ci­men­to im­pli­ca ex­plo­rar no­vos ter­ri­tó­ri­os.” Por is­so, acha que os gran­des sa­lões de re­lo­jo­a­ria já não são efi­ci­en­tes. Uma­no­va­fór­mu­la, co­mo aque foi tes­ta­da­em Lon­dres, ao en­con­tro da mar­ca co­ma co­mu­ni­ca­ção, es­táa­ser en­con­tra­da. Tu do­em bus­ca de uma re­la­ção mais pes­so­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.