C C. Ca­ra Lú­cia

Jornal de Negócios - - AUTOMÓVEIS - CEL­SO FI­LI­PE VIRGOLINO FANECA

Ser­ve a pre­sen­te pa­ra agra­de­cer à tua pes­soa, bem co­mo à me­ni­na Jo­a­na, a pa­ci­ên­cia que am­bas têm re­ve­la­do na lei­tu­ra das mi­nhas epístolas. Che­ga­do às du­as cen­te­nas de­las, ain­da co­gi­tei em fa­zer uma fes­ta de ar­rom­ba pa­ra as­si­na­lar de for­ma subs­tan­ti­va es­ta efe­mé­ri­de quan­ti­ta­ti­va, mas um rom­bo na car­tei­ra sur­ri­pi­ou-me tal pos­si­bi­li­da­de.

A mi­nha Her­men­gar­da, in­qui­ri­da so­bre o es­ta­do das nos­sas fi­nan­ças, in­for­mou que es­ta­va a efec­tu­ar umas ca­ti­va­çõe­zi­nhas, sen­do que de­ri­va­do dis­so me es­ta­va tem­po­ra­ri­a­men­te ve­da­do o aces­so aos fun­dos da nos­sa con­ta con­jun­ta. Quan­do ver­ba­li­zou a ter­mi­no­lo­gia fo­fi­nha ‘inha’, ain­da fui per­cor­ri­do por um ar­re­pio ao ní­vel da es­pi­nha, te­men­do que ela ti­ves­se des­co­ber­to que an­do a brin­car aos ca­na­li­za­do­res com a Gra­ci­nha do 7.º esq., mas o sus­to foi-se, sen­do subs­ti­tuí­do pe­la in­ter­ro­ga­ção, quan­do acres­cen­tou que an­da­va a apren­der uns tru­ques com o Mário.

– Não me di­gas que é com o Mário, ilu­si­o­nis­ta ma­ne­ta do 5.º dto. Não, com o Mário Cen­te­no, o mi­nis­tro das Fi­nan­ças.

– Bom, as­sim fi­co mais des­can­sa­do, por­que es­se é re­al­men­te mes­tre na ar­te da pres­ti­di­gi­ta­ção.

E des­can­sa­do es­tou a es­cre­ver-te es­ta di­ta, a ren­di­lhar as pa­la­vras com um cer­to re­bu­ço, ir­ri­ta­do por só ago­ra ter per­ce­bi­do que o Pa­vi­lhão Atlân­ti­co, vis­to de ci­ma, se as­se­me­lha à tam­pa de uma sa­ni­ta, o que faz com que a Web Sum­mit se te­nha re­a­li­za­do nu­ma re­tre­te e per­mi­ta que se ex­traia con­clu­sões in­tes­ti­nais so­bre os mé­ri­tos da mes­ma.

Ins­pi­ro fun­do, em­bo­ra ta­pan­do o na­riz (o po­der da su­ges­tão é enor­me), pa­ra ga­nhar co­ra­gem e co­mu­ni­car-te que de­ci­di acei­tar o con­vi­te pa­ra fa­zer par­te do no­vo Go­ver­no do doutor Rui Rio, da­ta a par­tir da qu­al irei sus­pen­der a mi­nha re­la­ção epis­to­lar com os meus, teus, nos­sos lei­to­res.

Só es­pe­ro que en­ten­das a de­ci­são e não fa­ças co­mo a Her­men­gar­da quan­do a in­for­mei do meu fu­tu­ro po­lí­ti­co. “Is­so há-de ser no dia de São Nun­ca à tar­de”, “O Rio só se­rá pri­mei­ro-mi­nis­tro quan­do as ga­li­nhas ti­ve­rem den­tes”, “Bem po­des es­pe­rar sen­ta­do” e “Ain­da bem que os so­nhos não pa­gam im­pos­tos” fo­ram al­guns dos co­men­tá­ri­os cor­ro­si­vos da da­na­da, des­de­nhan­do as­sim das ca­pa­ci­da­des do lí­der do PSD pa­ra che­gar ao po­der. Eu ain­da a avi­sei, cui­da­di­nho que as­sim re­ti­ro-te os pri­vi­lé­gi­os ine­ren­tes ao fac­to de se­res es­po­sa de um mi­nis­tro, e ela, pois, pois, ai que fi­co tris­te por me ti­ra­res aqui­lo que nun­ca vais ter, dei­xa-te de ba­le­las e vai mas é a ca­sa da Gra­ci­nha, que ela quei­xou-se de ter uma tor­nei­ra a pin­gar. Pe­ga no ma­te­ri­al e aju­da a mo­ça pa­ra ela não pa­gar um far­to­te em água. Obe­di­en­te, lá dei às da vi­la Di­o­go pa­ra cum­prir a mis­são que me fo­ra con­fi­a­da.

En­quan­to aper­ta­va a ros­ca da Gra­ci­nha, sal­vo se­ja, tam­bém lhe co­mu­ni­quei que ia ser mi­nis­tro e ou­vi co­mo res­pos­ta um “‘ta­di­nho’, an­das sem­pre com ca­be­ça no ar”, fra­se que na al­tu­ra me pa­re­ceu ter um so­ta­que li­bi­di­no­so, mas que ago­ra, res­so­an­do na ca­be­ça à dis­tân­cia, emer­ge com uma de­cla­ra­ção cép­ti­ca

Por­tan­to, é as­sim, Lú­cia. Co­mo cer­ta­men­te re­co­nhe­ce­rás, tra­ta-se de um con­vi­te ir­re­cu­sá­vel, até por­que o doutor Rio me de­sa­fi­ou a ocu­par a pas­ta do Fu­tu­ro e dos Ama­nhãs que Can­tam, de­ci­si­va pa­ra que o nos­so país en­tre no ru­mo cer­to em ma­té­ri­as va­ri­a­das e vol­te­mos a ga­nhar o fes­ti­val da Eu­ro­vi­são.

Pa­ra me subs­ti­tuir, su­gi­ro o Pa­ra­gra­fi­no Pes­ca­da, que por aca­so é meu pri­mo e tam­bém per­ce­be imen­so da ci­ên­cia da des­co­di­fi­ca­ção de Por­tu­gal, além de fa­zer uma cal­dei­ra­da de pei­xe que é de co­mer e cho­rar por mais, e é ca­paz de con­cor­dar amiú­de, e em si­mul­tâ­neo, com a Ra­quel Va­re­la e o João Mi­guel Ta­va­res.

Até lá, vou to­man­do ba­nhos de éti­ca no chu­vei­ro da Gra­ci­nha e as­si­nan­do as fo­lhas de pre­sen­ça no Par­la­men­to do doutor Jo­sé Silvano, que en­quan­to de­pu­ta­do tem mais que fa­zer do que es­tar a tra­ba­lhar no sí­tio pa­ra o qu­al foi elei­to. Eu, tra­tan­do di­li­gen­te­men­te do pre­sen­te, trans­for­mar-me-ei num com­pe­ten­te mi­nis­tro do Fu­tu­ro.

de ou­tra for­ma, não de­ve fa­zer de ou­tra for­ma e as pes­so­as não com­pre­en­de­ri­am se fi­zes­se de ou­tra for­ma”, dis­se on­tem o co­mis­sá­rio Pi­er­re Mos­co­vi­ci, fa­zen­do ques­tão de su­bli­nhar que os mi­nis­tros das Fi­nan­ças do eu­ro apoi­am a po­si­ção de Bru­xe­las fa­ce ao Exe­cu­ti­vo ita­li­a­no.

Em cau­sa es­tá uma dis­cre­pân­cia que co­lo­ca o dé­fi­ce de Itá­lia em 2,9% do PIB, já per­to do li­mi­te de 3% e que im­pe­de a dí­vi­da pú­bli­ca de bai­xar. Ain­da as­sim, foi o pró­prio co­mis­sá­rio Mos­co­vi­ci quem des­va­lo­ri­zou as di­ver­gên­ci­as nas pro­jec­ções dos paí­ses, fa­ce às da Co­mis­são.

No ca­so es­pa­nhol, a di­ver­gên­cia é de 0,8 pon­tos: ou se­ja, Ma­drid diz que o dé­fi­ce se­rá de 1,3%, mas a Co­mis­são apon­ta pa­ra 2,1%. Já no ca­so ita­li­a­no, os ar­re­don­da­men­tos fa­zem su­bir a di­fe­ren­ça pa­ra 0,5 pon­tos, mas Mos­co­vi­ci fez ques­tão de su­bli­nhar que se os nú­me­ros fos­sem apre­sen­ta­dos com du­as ca­sas de­ci­mais, se­ria de 0,4 pon­tos.

“Mas is­to não é uma si­tu­a­ção ex­cep­ci­o­nal. De­vem lem­brar-se de di­fe­ren­ças de pre­vi­são ma­cro­e­co­nó­mi­cas com ou­tros go­ver­nos, no­me­a­da­men­te, com o an­te­ri­or go­ver­no ita­li­a­no”, dis­se Mos­co­vi­ci, re­pe­tin­do o ar­gu­men­to pa­ra Es­pa­nha.

O ca­so por­tu­guês não foi co­men­ta­do, mas as con­tas de Bru­xe­las co­lo­cam o país em ris­co de des­vio sig­ni­fi­ca­ti­vo – ao con­trá­rio do que acon­te­ce­ria ca­so as me­tas de Cen­te­no fos­sem consideradas cre­dí­veis por Bru­xe­las.

Ain­da as­sim, as su­ces­si­vas di­fe­ren­ças nas pre­vi­sões da Co­mis­são fa­ce às me­tas apre­sen­ta­das por Cen­te­no têm aca­ba­do por se es­ba­ter. Se­ja por­que o Go­ver­no fez um es­for­ço ac­ti­vo por apro­xi­mar as su­as po­lí­ti­cas das nor­mas europeias – co­mo foi o ca­so em 2016, quan­do trans­for­mou ca­ti­va­ções em cor­tes de­fi­ni­ti­vos de des­pe­sa –, se­ja por­que a pró­pria Co­mis­são foi re­co­nhe­cen­do que a pre­vi­são do Exe­cu­ti­vo na­ci­o­nal era mais pró­xi­ma da re­a­li­da­de.

Por exem­plo, pa­ra 2018 Bru­xe­las pre­via na Pri­ma­ve­ra um dé­fi­ce de 0,9%, mas ajus­tou ago­ra a sua es­ti­ma­ti­va pa­ra 0,7% (a me­ta de Cen­te­no), ex­pli­can­do que hou­ve mais re­cei­ta cí­cli­ca, me­nos gas­tos com ju­ros e que Cen­te­no in­ves­tiu me­nos do que o que es­ta­va or­ça­men­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.