Cur­tos, lon­gos e “fa­ke news”

Jornal de Negócios - - MERCADOS -

Apro­pó­si­to do fa­mi­ge­ra­do “Tesla 420”, o twe­et em que Elon Musk ale­ga­va que pre­ten­dia re­ti­rar a Tesla de Bol­sa por 420 dó­la­res por ac­ção, com fi­nan­ci­a­men­to ale­ga­da­men­te ga­ran­ti­do, al­guns pon­tos de re­fle­xão:

Musk deu for­ma, com um cu­nho bem pes­so­al, ao ené­si­mo epi­só­dio de cul­pa­bi­li­za­ção dos ‘shorts’ por uma su­pos­ta má apre­ci­a­ção das co­ta­ções em Bol­sa. Não é o pri­mei­ro, não se­rá o úl­ti­mo. A sa­ga já du­ra­va há me­ses, é cla­ro, e to­do o epi­só­dio aca­ba por não ser surpresa pa­ra quem a vi­nha acom­pa­nhan­do. O pri­mei­ro pon­to po­rém é que a co­ta­ção não obe­de­ce a uma re­la­ção li- ne­ar di­rec­ta com a aber­tu­ra de po­si­ções cur­tas. Tan­to mais que o Open In­te­rest das po­si­ções cur­tas bai­xou du­ran­te as se­ma­nas se­guin­tes en­quan­to a co­ta­ção da Tesla mer­gu­lha­va, no que não fa­ço ideia se Musk re­pa­rou ou não. A ques­tão não se­rá quão por den­tro da re­al com­ple­xi­da­de dos mer­ca­dos es­tá Elon Musk ou se tu­do não pas­sou uma ‘ven­det­ta’ ape­nas pa­ra provocar per­das de oca­sião, mas an­tes que o epi­só­dio ser­ve pa­ra fa­zer per­du­rar uma no­ção que é es­sen­ci­al­men­te uma fa­lá­cia.

Por ou­tro la­do, a in­gé­nua re­ac­ção e fal­ta de cep­ti­cis­mo em re­la­ção a um pos­sí­vel IPO anun­ci­a­do via ‘twe­e­ter’ por um mer­ca­do ha­bi­tu­a­do a co­mu­ni­ca­ções ins­ti­tu­ci­o­nais que nor­mal­men­te são to­ma­das co­mo fi­de­dig­nas. É ex­tre­ma­men­te di­fí­cil pre­ve­nir uma su­bi­da inu­si­ta­da em di­rec­ção aos ima­gi­ná­ri­os 420 dó­la­res pe­lo me­nos no ime­di­a­to. O que ine­vi­ta­vel­men­te tem im­pli­ca­ções re­ais nos in­ves­ti­do­res, tan­tos cur­tos co­mo, a pra­zo, lon­gos (mui­tos dos quais aca­ba­ri­am a re­cla­mar so­bre as ati­tu­des do CEO, no­te-se). Uma evi­dên­cia do po­der do so­ci­al me­dia e em par­ti­cu­lar, da sua ins­tru­men­ta­ção na pro­du­ção de Fa­ke News.

O ter­cei­ro pon­to de re­fle­xão nes­te epi­só­dio te­rá que ver com a pres- são exer­ci­da pe­la pró­pria di­nâ­mi­ca do mer­ca­do so­bre quem to­ma as de­ci­sões. No­me­a­da­men­te a ne­ces­si­da­de de jus­ti­fi­car a co­ta­ção e sa­tis­fa­zer os ac­ci­o­nis­tas. Em lu­gar do co­re bu­si­ness po­ten­ci­ar a co­ta­ção e por ar­ras­to, sa­tis­fa­zer os ac­ci­o­nis­tas, é em lar­ga me­di­da a ca­pi­ta­li­za­ção em bol­sa que con­duz o ne­gó­cio e con­di­ci­o­na as de­ci­sões. Não ti­ves­se a Tesla uma ca­pi­ta­li­za­ção que ri­va­li­za com a Ge­ne­ral Mo­tors e não se­ria tão gran­de a pressão so­bre o cum­pri­men­to das me­tas de pro­du­ção e, pos­si­vel­men­te, nem tão pou­co o twe­et que che­gou a ame­a­çar a po­si­ção de CEO a Musk, te­ria ocor­ri­do. E quem diz a Tesla, diz ou­tras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.