Lo­ve­chain, bloc­kra­pe?

Jornal de Negócios - - OPINIÃO - AN­DRÉ FI­LI­PE MO­RAIS Ad­vo­ga­do da CCA ONTIER

Em 2017, a Ti­me sur­pre­en­dia o mun­do com a sua es­co­lha de Pes­soa do Ano, ao anun­ci­ar o mo­vi­men­to “#metoo”. Um ano de­pois, Kathryn Mayorga não sur­pre­en­deu me­nos ao acu­sar o as­tro mai­or da cons­te­la­ção fu­te­bo­lís­ti­ca – Cris­ti­a­no Ro­nal­do – de não ter res­pei­ta­do a sua von­ta­de.

Re­cu­an­do até 2008, Sa­toshi Na­ka­mo­to (cu­ja exis­tên­cia es­tá en­vol­ta em tan­to de mis­té­rio quan­to de con­tro­vér­sia) re­ve­la­va ao mun­do a bit­coin e a tec­no­lo­gia block­chain. No ano se­guin­te, o có­di­go block­chain era lan­ça­do co­mo có­di­go aber­to. O seu po­ten­ci­al, à épo­ca ape­nas in­tuí­do, re­a­li­za-se des­de en­tão nas mais va­ri­a­das apli­ca­ções.

Por­que se cru­zam es­tes três pon­tos? O que li­ga um mo­vi­men­to so­ci­al, um ca­so ju­di­ci­al e uma tec­no­lo­gia de re­gis­to dis­tri­buí­do? O con­sen­ti­men­to. O con­sen­ti­men­to que o #metoo quer im­por a quem não o re­co­nhe­ce, o con­sen­ti­men­to que Kathryn ale­ga não ter da­do e o con­sen­ti­men­to que a tec­no­lo­gia block­chain po­de­rá re­gis­tar de for­ma se­gu­ra e des­cen­tra­li­za­da.

O pon­to de en­con­tro é uma start-up ho­lan­de­sa – a Le­galF­lings, que se pro­põe pres­tar aos seus uti­li­za­do­res um ser­vi­ço de re­gis­to de con­tra­tos efi­ca­zes (“Li­ve Con­tracts”) pa­ra pres­ta­ção de con­sen­ti­men­to se­xu­al e que tem na sua ba­se a tec­no­lo­gia block­chain.

Com es­ta app, to­das as par­tes (po­dem ser mais do que du­as) “as­si­nam” di­gi­tal­men­te um con­tra­to, que é de­pois en­crip­ta­do e ane­xa­do a um pe­que­no va­lor de crip­to­mo­e­da e des­sa for­ma en­vi­a­do pa­ra uma pla­ta­for­ma (a “Wa­ves network”) re­la­ci­o­na­da com as crip­to­mo­e­das bit­coin e ethe­reum. A ci­fra (“hash”) é re­gis­ta­da de for­ma per­ma­nen­te e pú­bli­ca.

O pri­mei­ro pro­ble­ma é de pro­te­ção de da­dos pes­so­ais – o ris­co de man­ter uma lis­ta de pes­so­as com quem se en­vol­veu se­xu­al­men­te é ele­va­do e agra­va­do pe­lo fac­to de es­te re­gis­to tam­bém es­pe­lhar as ape­tên­ci­as se­xu­ais acor­da­das en­tre os par­ti­ci­pan­tes (a app per­mi­te con­for­mar o “con­teú­do” do con­tra­to).

Por ou­tro la­do, se­rá que os tri­bu- nais por­tu­gue­ses acei­ta­ri­am a pro­va do con­sen­ti­men­to as­sim fei­ta? Ana­tu­re­za des­cen­tra­li­za­da e não ofi­ci­al da­tec­no­lo­gia block­chain faz com que, a par dos seus mé­ri­tos, se le­van­tem tam­bém as mai­o­res dú­vi­das. Quan­do to­dos ga­ran­tem a block­chain, nin­guém ga­ran­te a block­chain.

Em se­gun­do lu­gar, a block­chain as­so­cia um de­ter­mi­na­do pe­da­ço de in­for­ma­ção a um con­cre­to mo­men­to tem­po­ral. Es­ta ca­rac­te­rís­ti­ca é bem-vin­da em áre­as co­mo a ges­tão de ca­dei­as de for­ne­ci­men­to ou o re­gis­to pre­di­al, on­de o não re­pú­dio da in­for­ma­ção é es­sen­ci­al.

To­da­via, a imu­ta­bi­li­da­de da block­chain cho­ca fron­tal­men­te com a di­nâ­mi­ca do con­sen­ti­men­to, uma ma­ni­fes­ta­ção de von­ta­de que de­ve es­tar pre­sen­te em to­dos os mo­men­tos da re­la­ção ou, se a da­do mo­men­to for re­ti­ra­do, ces­sar com ela.

Ora, a pe­re­ni­da­de do re­gis­to block­chain não ser­ve es­ta ne­ces­si­da­de. Mes­mo que um tri­bu­nal por­tu­guês vi­es­se a acei­tar co­mo pro­va um re­gis­to block­chain, es­te não dis­pen­sa­ria uma aná­li­se cui­da­da das cir­cuns­tân­ci­as que de fac­to ro­de­a­ram a re­la­ção se­xu­al. No li­mi­te, o re­gis­to block­chain ape­nas responde pe­lo mo­men­to tem­po­ral que lhe es­tá as­so­ci­a­do e não pe­los mo­men­tos sub­se­quen­tes, em que o con­sen­ti­men­to po­de ter si­do re­ti­ra­do.

Por fim, o ca­rác­ter ain­da ten­den­ci­al­men­te ín­ti­mo e re­ser­va­do das re­la­ções se­xu­ais faz com que não se­ja ab­so­lu­ta­men­te fiá­vel quan­do um dos par­cei­ros aci­o­ne o me­ca­nis­mo de in­cum­pri­men­to da app. Aí, em prin­cí­pio, con­ti­nu­a­rão a exis­tir di­fe­ren­tes ver­sões pa­ra o que re­al­men­te acon­te­ceu.

Con­cluin­do, a block­chain es­tá ain­da lon­ge de ser a pa­na­ceia pa­ra os pro­ble­mas que ani­mam o mo­vi­men­to #metoo ou que Kathryn e Ro­nal­do vão dis­cu­tir nos tri­bu­nais ame­ri­ca­nos. No en­tan­to, não dei­xa de ser um re­fle­xo vi­vo de co­mo são ca­da vez me­nos as áre­as da vi­da hu­ma­na afas­ta­das da tec­no­lo­gia.

São ca­da vez me­nos as áre­as da vi­da hu­ma­na afas­ta­das da tec­no­lo­gia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.