BCP promete man­ter con­tro­lo so­bre os cus­tos

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - DI­O­GO CA­VA­LEI­RO di­o­go­ca­va­lei­ro@ne­go­ci­os.pt An­tó­nio Pe­dro San­tos/Lu­sa

“Não va­mos es­que­cer o te­ma dos cus­tos”, aler­tou Mi­guel Maya, de­pois de no­ve me­ses em que os gas­tos re­cor­ren­tes do BCP au­men­ta­ram de­vi­do à re­po­si­ção salarial, e quan­do há di­vi­den­dos e com­pen­sa­ção a tra­ba­lha­do­res por de­ci­dir. Há um avi­so: não há mais com­pras.

Os lu­cros do Ban­co Co­mer­ci­al Por­tu­guês (BCP) qua­se du­pli­ca­ram en­tre Ja­nei­ro e Se­tem­bro, quan­do com­pa­ran­do com o mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or, mas o re­sul­ta­do foi pe­na­li­za­do pe­los cus­tos. O con­tro­lo dos en­car­gos da ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra tem de con­ti­nu­ar, avi­sa Mi­guel Maya.

“O te­ma dos cus­tos não é um te­ma do pas­sa­do”, de­cla­rou o pre­si­den­te exe­cu­ti­vo do ban­co pri­va­do es­ta quin­ta-fei­ra, na con­fe­rên­cia de im­pren­sa de apre­sen­ta­ção de re­sul­ta­dos dos pri­mei­ros no­ve me­ses, pe­río­do em que os lu­cros cres­ce­ram 93% pa­ra 257,5 mi­lhões de eu­ros.

Um re­sul­ta­do que ocor­reu pe­se em­bo­ra, no mes­mo pe­río­do, os cus­tos ope­ra­ci­o­nais te­rem cres­ci­do 8,6% pa­ra 754,2 mi­lhões de eu­ros, com um agra­va­men­to mais pro­nun­ci­a­do na ac­ti­vi­da­de em Por­tu­gal.

A con­tri­buir pa­ra es­ta evo­lu­ção es­tão en­car­gos que não se vol­tam a re­pe­tir, no­me­a­da­men­te 12 mi­lhões de eu­ros pe­la re­es­tru­tu­ra­ção da ope­ra­ção. Além dis­so, no pe­río­do ho­mó­lo­go, hou­ve um con­tri­bu­to po­si­ti­vo tam­bém não re­cor­ren­te, que in­ten­si­fi­ca o di­fe­ren­ci­al.

Só que, mes­mo em ter­mos re­cor­ren­tes, os gas­tos do BCP au­men­ta­ram, ain­da que de mo­do me­nos sig­ni­fi­ca­ti­vo, na or­dem dos 3,3%.

Em cau­sa es­tá, em es­pe­ci­al, o fac­to de o ban­co ter re­pos­to os sa­lá­ri­os in­te­grais aos fun­ci­o­ná­ri­os na ac­ti­vi­da­de na­ci­o­nal que, en­tre 2014 e 2015, es­ti­ve­ram cor­ta­dos nas re­mu­ne­ra­ções su­pe­ri­o­res a mil eu­ros bru­tos. Cus­tos que vão con­ti­nu­ar daqui pa­ra a fren­te.

Os cor­tes já não exis­tem, mas é nes­te con­tex­to que o ban­co tem de de­ci­dir a re­po­si­ção dos cer­ca de 30 mi­lhões que fi­ca­ram re­ti­dos na­que­les três anos e ain­da de­li­be­rar em re­la­ção a uma even­tu­al dis­tri­bui­ção de di­vi­den­dos. So­bre am­bos, Mi­guel Maya quer que ocor­ram em da­ta “tão bre­ve quan­to pos­sí­vel”.

“Não va­mos es­que­cer o te­ma dos cus­tos”, fri­sou Maya, di­zen­do, con­tu­do, que o prin­ci­pal vec­tor do ne­gó­cio do BCP te­rá de pas­sar pe­los pro­vei­tos. “Va­mos acom­pa­nhar o que é ne­ces­sá­rio em ter­mos de re­de”, as­su­miu o CEO, acres­cen­tan­do, de qual­quer for­ma, que, no que diz res­pei­to a pes­so­al e nú­me­ro de su­cur­sais, o ban­co es­tá “no pla­no da nor­ma­li­da­de”.

O rá­cio de efi­ci­ên­cia (que com­pa­ra cus­tos com pro­du­to ban­cá­rio) fi­cou em 46,1% em Se­tem­bro, fa­ce a 43,6% um ano an­tes. A ges­tão do ban­co quer con­ver­gir, ao lon­go do pla­no es­tra­té­gi­co que de­se­nhou (até ao fi­nal de 2021), pa­ra os 40%.

Sem aqui­si­ções

A ges­tão “mui­tís­si­mo ri­go­ro­sa dos cus­tos” pro­va-se, diz o ban­co, na po­si­ção as­su­mi­da em re­la­ção às aqui­si­ções. O po­la­co Bank Mil­len­nium, de que o BCP de­tém 50,1% do ca­pi­tal, acor­dou a com­pra do Eu­ro­bank, mas não há mais. “Que­ro dei­xar mui­to cla­ro que, até ao fi­nal des­te man­da­to, não va­mos efec­tu­ar aqui­si­ções adi­ci­o­nais”, dis­se o CEO. “Or­ga­ni­zá­mo-nos com enor­me ri­gor e de­ta­lhe, com dis­ci­pli­na de ca­pi­tal, e con­si­de­ra­mos que ha­via aí uma opor­tu­ni­da­de de gran­de va­lor”, con­ti­nu­ou Mi­guel Maya, di­zen­do que a ges­tão do Mil­len­nium tam­bém de­fen­deu a tran­sac­ção.

Mas não há mais com­pras até ao fi­nal do man­da­to. “O que te­mos no nos­so pla­no é um cres­ci­men­to 100% or­gâ­ni­co”, con­ti­nu­ou Mi­guel Maya.

Mi­guel Maya apre­sen­tou uma qua­se du­pli­ca­ção dos lu­cros do BCP nos pri­mei­ros no­ve me­ses: ga­nhou 93% pa­ra 257,5 mi­lhões de eu­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.