Por­tu­gal pe­sou ape­nas 6% nos lu­cros da EDP

O lu­cro da EDP der­ra­pou 74% até Se­tem­bro pa­ra 297 mi­lhões de eu­ros. O pe­so de Por­tu­gal, sem re­no­vá­veis, fi­cou pe­los 6% de­vi­do ao au­men­to dos cus­tos re­gu­la­tó­ri­os, explica o ad­mi­nis­tra­dor fi­nan­cei­ro da eléc­tri­ca.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - SA­RA RIBEIRO sa­ra­ri­bei­ro@ne­go­ci­os.pt Bru­no Si­mão

“A pro­vi­são de 285 mi­lhões de eu­ros no âm­bi­to do des­pa­cho as­si­na­do pe­lo [an­te­ri­or] se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ener­gia Se­gu­ro San­ches te­ve um for­te im­pac­to [nos re­sul­ta­dos]. MI­GUEL STILWELL DE AN­DRA­DE “Ad­mi­nis­tra­dor fi­nan­cei­ro da EDP

De Ja­nei­ro a Se­tem­bro, o re­sul­ta­do líquido da EDP der­ra­pou 74% pa­ra 297 mi­lhões de eu­ros. Es­ta “per­for­man­ce” foi in­flu­en­ci­a­da por efei­tos ex­tra­or­di­ná­ri­os, co­mo uma mais-va­lia re­gis­ta­da em 2017 (que be­ne­fi­ci­ou es­se ano), pe­la ven­da da Na­tur­gas, e uma pro­vi­são con­ta­bi­li­za­da já no ter­cei­ro tri­mes­tre des­te ano re­la­ti­va aos CMEC – Cus­tos de Ma­nu­ten­ção do Equi­lí­brio Con­tra­tu­al.

Em cau­sa es­tá a de­vo­lu­ção de 285 mi­lhões de eu­ros no âm­bi­to da ale­ga­da so­bre­com­pen­sa­ção no cál­cu­lo da dis­po­ni­bi­li­da­de das cen­trais da EDP que ope­ram em re­gi­me CMEC. Uma de­ci­são to­ma­da pe­lo an­te­ri­or se­cre­tá­rio de Es­ta­do Jor­ge Se­gu­ro San­ches, en­tre­tan­to subs­ti­tuí­do por João Ga­lam­ba. E que co­mo o ad­mi­nis­tra­dor fi­nan­cei­ro da EDP, Mi­guel Stilwell de An­dra­de, ex­pli­cou ao Ne­gó­ci­os, “te­ve um for­te im­pac­to” nas con­tas da em­pre­sa.

Aliás, es­ta de­ci­são do Go­ver­no, já con­tes­ta­da pe­la EDP, le­vou mes­mo a eléc­tri­ca a re­ver em bai­xa as es­ti­ma­ti­vas dos lu­cros pa­ra 2018, abrin­do a por­ta à pos­si­bi­li­da­de de ter pre­juí­zos na ac­ti­vi­da­de em Por­tu­gal pe­la pri­mei­ra vez des­de o iní­cio da re­pri­va­ti­za­ção.

A EDP apon­ta­va pa­ra um re­sul­ta­do líquido de 800 mi­lhões. Mas, em Se­tem­bro, in­di­cou que es­se va­lor de­ve­rá fi­car en­tre 500 mi­lhões e 600 mi­lhões de eu­ros. Pre­vi­sões con­fir­ma­das pe­lo CFO da eléc­tri­ca es­ta quin­ta-fei­ra, 8 de No­vem­bro.

Ape­sar de não de­ta­lhar se a ac­ti­vi­da­de em Por­tu­gal vai en­cer­rar o ano no ver­me­lho, Mi­guel Stilwell de An­dra­de co­men­tou que o pe­so do mer­ca­do na­ci­o­nal – sem con­si­de­rar as re­no­vá­veis – nos re­sul­ta­dos da EDP, no acu­mu­la­do des­tes no­ve me­ses, não pas­sou dos 18 mi­lhões de eu­ros. Um va­lor que re­pre­sen­ta 6% do to­tal do lu­cro da em­pre­sa e que não é su­pe­ri­or de­vi­do ao im­pac­to de me­di­das re­gu­la­tó­ri­as co­mo “os cus­tos ino­va­tó­ri­os” (co­mo é de­fi­ni­da a de­vo­lu­ção dos pa­ga­men­tos dos CMEC) e o “claw­back”, exem­pli­fi­cou. Es­ta úl­ti­ma me­di­da con­sis­te no me­ca­nis­mo de equi­lí­brio fis­cal cri­a­do em 2013 pa­ra con­tra­ba­lan­çar a con­cor­rên­cia en­tre as pro­du­to­ras em ter­ri­tó­rio por­tu­guês e es­pa­nhol. Se­gun­do as con­tas da EDP, es­tes cus­tos já ul­tra­pas­sam os 300 mi­lhões de eu­ros.

As ope­ra­ções in­ter­na­ci­o­nais re­pre­sen­ta­ram, as­sim, 84% do re­sul­ta­do líquido do pe­río­do ema­ná­li­se, com des­ta­que pa­ra Es­pa­nha e pa­ra o Bra­sil, apon­tou Stilwell de An­dra­de.

CESE já es­tá no ba­lan­ço

Ques­ti­o­na­do so­bre o pon­to de si­tu­a­ção do acor­do com o Go­ver­no pa­ra o pa­ga­men­to da con­tri­bui­ção ex­tra­or­di­ná­ria so­bre a ener­gia (CESE), o CFO dis­se ape­nas que o va­lor es­tá pro­vi­si­o­na­do no ba­lan­ço das con­tas da EDP des­de que avan­ça­ram ju­di­ci­al­men­te con­tra a me­di­da.

A ta­xa so­bre a ener­gia foi cri­a­da em 2014. Du­ran­te al­guns anos, a EDP pa­gou a CESE. Mas em 2017 anun­ci­ou que ia dei­xar de pa­gar os cer­ca de 60 mi­lhões de eu­ros da ta­xa, ten­do mes­mo re­cor­ri­do pa­ra tri­bu­nal con­tra o Es­ta­do pa­ra con­tes­tar os pa­ga­men­tos fei­tos nos anos an­te­ri­o­res. Ago­ra, o Go­ver­no e a eléc­tri­ca es­tão em ne­go­ci­a­ções pa­ra en­con­trar uma so­lu­ção pa­ra a EDP vol­tar a pa­gar a CESE, bem co­mo o va­lor re­la­ti­vo a 2017.

No co­mu­ni­ca­do emi­ti­do à CMVM so­bre os re­sul­ta­dos dos no­ve pri­mei­ros me­ses do ano, a EDP des­ta­cou ain­da que ex­cluin­do “os efei­tos não re­cor­ren­tes e, bem as­sim, a con­tri­bui­ção das re­des de gás nos pri­mei­ros no­ve me­ses do ano (ali­e­na­das no se­gun­do tri­mes­tre de 2017), o re­sul­ta­do líquido re­cor­ren­te su­biu 2% em ter­mos ho­mó­lo­gos, pa­ra 570 mi­lhões de eu­ros”. Is­to por­que “o cres­ci­men­to na EDP Bra­sil e a me­lho­ria de mer­ca­do na Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca” fo­ram pe­na­li­za­dos “por al­te­ra­ções re­gu­la­tó­ri­as em Por­tu­gal, anun­ci­a­das no quar­to tri­mes­tre do ano pas­sa­do, e pe­la ‘per­for­man­ce’ da EDP Re­no­vá­veis”.

An­tó­nio Me­xia, pre­si­den­te da EDP, viu os lu­cros caí­rem 74% nos no­ve pri­mei­ros me­ses do ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.