Go­ver­no ain­da não for­mou equi­pa que se­gui­rá Mon­te­pio

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA LINHA - DI­O­GO CAVALEIRO

Uma se­ma­na de­pois de ter trans­fe­ri­do a su­per­vi­são do Mon­te­pio pa­ra a ASF, o Go­ver­no ain­da não cri­ou a co­mis­são pa­ra acom­pa­nhar a im­ple­men­ta­ção dos no­vos po­de­res.

“[A ASF tem de] acom­pa­nhar a fa­se de tran­si­ção pa­ra o no­vo re­gi­me de­cor­ren­te da pro­pos­ta do Có­di­go das As­so­ci­a­ções Mu­tu­a­lis­tas, no que diz res­pei­to aos pro­du­tos co­mer­ci­a­li­za­dos por mu­tu­a­lis­tas.

O Go­ver­no de­ci­diu, a uma se­ma­na das elei­ções no Mon­te­pio, pas­sar a su­per­vi­são fi­nan­cei­ra da mai­or as­so­ci­a­ção mu­tu­a­lis­ta do país pa­ra a Au­to­ri­da­de de Su­per­vi­são de Se­gu­ros e Fun­dos de Pen­sões (ASF). Ao mes­mo tem­po, ini­ci­ou-se um pe­río­do tran­si­tó­rio de 12 anos pa­ra a apli­ca­ção in­te­gral das no­vas re­gras de su­per­vi­são. Ini­ci­ou-se, tam­bém, o pe­río­do de fun­ci­o­na­men­to de uma co­mis­são que irá acom­pa­nhar es­se pe­río­do tran­si­tó­rio, on­de o Exe­cu­ti­vo es­ta­rá presente. Só que es­sa co­mis­são ain­da nem es­tá cons­ti­tuí­da.

O Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças e o Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho e a Di­rec­ção- Ge­ral da Se­gu­ran­ça Social têm, ca­da um, de no­me­ar um re­pre­sen­tan­te pa­ra a co­mis­são de acom­pa­nha­men­to do Mon­te­pio e da Mo­naf, as du­as mu­tu­a­lis­tas que fi­ca­ram sob a su­per­vi­são da ASF. Es­ta úl­ti­ma tem di­rei­to a um mem­bro nes­sa co­mis­são. Ha­ve­rá uma co­mis­são pa­ra ca­da uma das du­as mu­tu­a­lis­tas. O ob­jec­ti­vo é se­guir de per­to a im­ple­men­ta­ção dos no­vos po­de­res pe­lo su­per­vi­sor, co­mo pre­vê o Có­di­go das As­so­ci­a­ções Mu­tu­a­lis­tas, que en­trou em vi­gor em Se­tem­bro.

Só que a co­mis­são de acom­pa­nha­men­to não es­tá em fun­ci­o­na­men­to, pe­se em­bo­ra a ASF te­nha pas­sa­do a ter fun­ções de su­per­vi­são fi­nan­cei­ra so­bre o Mon­te­pio e a Mo­naf com o des­pa­cho as­si­na­do por Má­rio Cen­te­no e José Vi­ei­ra da Silva a 27 de No­vem­bro, pu­bli­ca­do dois di­as de­pois. “Ten­do pas­sa­do ape­nas oi­to di­as da pu­bli­ca­ção do des­pa­cho de 29 de No­vem­bro, ain­da não foi cons­ti­tuí­da”, as­su­me o Mi­nis­té­rio. O diploma não tem, con­tu­do, qual­quer in­di­ca­ção de um pe­río­do tran­si­tó­rio pa­ra a en­tra­da em fun­ções da co­mis­são de acom­pa­nha­men­to. O Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças não res­pon­deu ao Ne­gó­ci­os.

Já a ASF, des­de a se­ma­na pas­sa­da, con­ti­nua sem res­pon­der aos su­ces­si­vos con­tac­tos do Ne­gó­ci­os, via te­le­fo­ne e via e-mail.

O su­per­vi­sor pre­si­di­do por José Al­ma­ça tem um pla­no es­tra­té­gi­co pa­ra o pró­xi­mo ano em que o mu­tu­a­lis­mo tem uma pre­sen­ça re­du­zi­da. São no­ve ob­jec­ti­vos es­tra­té­gi­cos aque­les que a ASF de­fi­niu pa­ra 2019. Pa­ra os con­cre­ti­zar, de­se­nhou mais de 35 es­tra­té­gi­as, a pôr em prá­ti­ca atra­vés de mais de 160 ac­ti­vi­da­des. O mu­tu­a­lis­mo ocu­pa du­as des­sas es­tra­té­gi­as e qu­a­tro ac­ti­vi­da­des. “De­sen­vol­ver e im­ple­men­tar pro­ce­di­men­tos e me­to­do­lo­gi­as” pa­ra o cum­pri­men­to das no­vas atri­bui­ções de­fi­ni­dos pe­lo Có­di­go das As­so­ci­a­ções Mu­tu­a­lis­tas é uma das ta­re­fas pe­la fren­te.

JOSÉ AL­MA­ÇA Ac­ti­vi­da­de ins­cri­ta no pla­no es­tra­té­gi­co da ASF pa­ra 2019

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.