To­más Correia que­ria um mi­lhão de as­so­ci­a­dos em 2015. E em 2018.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA LINHA - DI­O­GO CAVALEIRO

Tan­to há três anos co­mo ago­ra, An­tó­nio To­más Correia que­ria che­gar ao mi­lhão de as­so­ci­a­dos. Em 2015, es­ta­va ao la­do de Ri­bei­ro Men­des que ago­ra não fi­xa me­ta. Na saú­de e na vi­da de­mo­crá­ti­ca, o pre­si­den­te re­pe­te as pa­la­vras que o ele­ge­ram.

“Ru­mo ao mi­lhão de as­so­ci­a­dos”. Es­ta era das me­tas tra­ça­das no programa da lis­ta A, can­di­da­ta às elei­ções de 2015. Era li­de­ra­da por An­tó­nio To­más Correia e in­te­gra­da por Fer­nan­do Ri­bei­ro Men­des. O ob­jec­ti­vo fa­lhou. Eram 625 mil os as­so­ci­a­dos do Mon­te­pio no fi­nal de 2017.

“Ru­mar ao mi­lhão de as­so­ci­a­dos” é o ob­jec­ti­vo de­fi­ni­do pe­lo programa da lis­ta A, can­di­da­ta às elei­ções de 2018. É li­de­ra­da por An­tó­nio To­más Correia. Ri­bei­ro Men­des é ago­ra seu con­cor­ren­te, pe­la Lis­ta B. No seu ca­so, não tem ob­jec­ti­vos de­fi­ni­dos no que diz res­pei­to a nú­me­ro de as­so­ci­a­dos.

Es­ta não é a úni­ca se­me­lhan­ça en­tre os pro­gra­mas de­fi­ni­dos nas elei­ções de há três anos e os pro­gra­mas pa­ra o su­frá­gio que termina es­ta sex­ta-fei­ra. To­más Correia, por exem­plo, vol­ta a apos­tar na área da saú­de e os no­vos ris­cos so­ci­ais co­mo uma da­que­las em que pre­ten­de apos­tar.

Em 2015, a Lis­ta A as­su­mia que tinha de dar “res­pos­tas ajus­ta­das às no­vas ne­ces­si­da­des e aos no­vos ris­cos so­ci­ais, se­jam os que se re­la­ci­o­nam com as do­en­ças – de que as de­mên­ci­as cons­ti­tu­em exem­plo –, se­jam os as­so­ci­a­dos à per­da de au­to­no­mia (de­pen­dên­cia), ao en­ve­lhe­ci­men­to/au­men­to da es­pe­ran­ça de vi­da ou ao ris­co da di­mi­nui­ção do ren­di­men­to das fa­mí­li­as”.

A Lis­ta A, com o mes­mo lí­der, fa­la, em 2018, na ne­ces­si­da­de de dar “res­pos­tas pa­ra os no­vos ris­cos so­ci­ais, se­jam os re­la­ci­o­na­dos com as do­en­ças (co­mo as de­mên­ci­as), se­jam os li­ga­dos à per­da de au­to­no­mia (de­pen­dên­cia), ao en­ve­lhe­ci­men­to/au­men­to da es­pe­ran­ça de vi­da ou à ten­den­ci­al di­mi­nui­ção do ren­di­men­to das fa­mí­li­as”.

Ri­bei­ro Men­des, que in­te­gra­va aque­la can­di­da­tu­ra em 2015, e que es­tá a cum­prir o man­da­to até ao fim (mes­mo avan­çan­do con­tra To­más Correia não aban­do­nou a ad­mi­nis­tra­ção), su­bli­nha ago­ra a in­ten­ção de “re­for­çar a in­ter­ven­ção na área da saú­de”, que­ren­do lan­çar “as ba­ses pa­ra um no­vo sub­sis­te­ma de saú­de mu­tu­a­lis­ta”, e su­bli­nha que “os no­vos ris­cos so­ci­ais” “re­for­çam o pa­pel do Mon­te­pio”.

En­tre 2015 e 2018, To­más Correia man­te­ve tam­bém uma fra­se. “É fun­da­men­tal pa­ra a equi­pa que cons­ti­tui a Lis­ta A pre­ser­var, de­sen­vol­ver e mo­der­ni­zar as ba­ses de­mo­crá­ti­cas que sus­ten­tam o mu­tu­a­lis­mo”.

Ri­bei­ro Men­des, que fi­cou sem pe­lou­ros após um tex­to de opi­nião crí­ti­co da pre­si­dên­cia, ar­gu­men­ta que é pre­ci­so au­men­tar a “de­mo­cra­cia in­ter­na da as­so­ci­a­ção”.

Já An­tó­nio Go­di­nho, que saiu der­ro­ta­do das elei­ções de 2015, tam­bém man­te­ve o dis­cur­so de opo­si­ção a To­más Correia e àque­las que con­si­de­ra se­rem as con­sequên­ci­as da sua ges­tão: “Ao lon­go dos úl­ti­mos me­ses, te­mos as­sis­ti­do a inú­me­ros epi­só­di­os que põem em cau­sa a ido­nei­da­de e os va­lo­res da nos­sa as­so­ci­a­ção”, dis­se em 2015.

“Os con­tur­ba­dos di­as pe­los quais a ins­ti­tui­ção tem pas­sa­do, com si­tu­a­ções sis­te­ma­ti­ca­men­te con­tro­ver­sas e mui­tas opa­ci­da­des, são a ba­se de uma pre­o­cu­pa­ção”, diz o can­di­da­to pe­la Lis­ta C em 2018.

“[Os can­di­da­tos da Lis­ta A] iden­ti­fi­cam con­di­ções pa­ra um no­vo ci­clo de cres­ci­men­to – que per­mi­ta ul­tra­pas­sar, de for­ma rá­pi­da e sus­ten­tá­vel, o mi­lhão de as­so­ci­a­dos. LIS­TA A - TO­MÁS CORREIA Programa elei­to­ral de 2015

[A Lis­ta A pre­ten­de] ru­mar ao mi­lhão de as­so­ci­a­dos agre­gan­do ain­da mais por­tu­gue­ses em torno de so­lu­ções com­ple­men­ta­res aos sis­te­mas pú­bli­cos de se­gu­ran­ça social. LIS­TA A - TO­MÁS CORREIA Programa elei­to­ral de 2018

Ao lon­go dos úl­ti­mos me­ses [De­zem­bro de 2015], te­mos as­sis­ti­do a inú­me­ros epi­só­di­os que põem em cau­sa a ido­nei­da­de e os va­lo­res da nos­sa as­so­ci­a­ção. LIS­TA D- AN­TÓ­NIO GO­DI­NHO Programa elei­to­ral de 2015

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.