O ni­cho é a no­va mas­sa

Lis­boa fez-se mar­ca por­que é mun­di­al­men­te co­nhe­ci­da, mas o digital per­mi­te a no­vas e tra­di­ci­o­nais mar­cas en­con­tra­rem es­pa­ço e re­le­vân­cia.

Jornal de Negócios - - NEGÓCIOS INICIATIVAS - Da­vid Mar tins

“Não são só os paí­ses que com­pe­tem à es­ca­la glo­bal mas tam­bém as re­giões e as ci­da­des”, re­fe­riu Pau­lo So­ei­ro de Car­va­lho, Di­rec­tor de Eco­no­mia e Ino­va­ção da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa, re­fe­rin­do-se à ques­tão da mar­ca Por­tu­gal e da re­cém-lan­ça­da mar­ca Ma­de of Lis­boa.

Em 2012 nas­ce a Star­tup Lis­boa, que ho­je é a flag pro­ject da ci­da­de de Lis­boa, com mais de 20 in­cu­ba­do­ras, mais de 20 pro­gra­mas de ace­le­ra­ção na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, vá­ri­os es­pa­ços cri­a­ti­vos na ci­da­de de Lis­boa. É um ecos­sis­te­ma que va­le 1,2 mil mi­lhões de eu­ros, diz Pau­lo So­ei­ro de Car­va­lho.

A mar­ca Ma­de ofLis­boa é uma pla­ta­for­ma aber­ta, uma mar­ca “pa­ra pro­jec­tar pa­ra o fu­tu­ro, é la­bo­ra­tó­rio de ino­va­ção aber­to”.

Qu­an­do abriu o pri­mei­ro ho­tel mem­mo, há cerca de dez anos, em Sa­gres, Ro­dri­go Ma­chaz, já acre­di­ta­va que “o ni­cho é a no­va mas­sa” e que já che­gou a Lis­boa, em Al­fa­ma e no Prín­ci­pe Re­al.

“A pos­si­bi­li­da­de de mar­car di­rec­ta­men­te on­li­ne foi a mi­nha sal­va­ção, se­ja na dis­tri­bui­ção di­rec­ta do pro­du­to, com as on­li­ne tra­vel agen­ci­es, co­mo a bo­o­king, e ou de ni­cho, co­mo black to­ma­to, Mr & Mrs Smith. Is­to sem digital não era pos­sí­vel, pois tinha uma in­ter­me­di­a­ção que le­va­va 40% à ca­be­ça.”

Des­de 1974 que o So­lar dos Pre­sun­tos tem a pre­o­cu­pa­ção de que a sua mar­ca es­te­ja presente des­de o pra­to, ao co­po, e ho­je o fa­ce­bo­ok, o ins­ta­gram, “es­ta­mos sem­pre aten­tos a es­ses me­dia, pro­cu­ra­mos cri­ar pro­du­tos de mer­chan­di­sing”, re­fe­riu Pedro Cardoso.

Con­si­de­ra que tri­pad­vi­sor é uma das me­lho­res fer­ra­men­tas. “Te­mos uma clas­si­fi­ca­ção pés­si­ma mas ser­ve de li­vro de re­cla­ma­ções. Os fun­ci­o­ná­ri­os sa­bem que to­dos os di­as es­tão a ser ava­li­a­dos e vai fa­zer com que o ser­vi­ço se­ja me­lhor.” Já Ro­dri­go Ma­chaz diz que “o tri­pad­vi­sor fun­ci­o­na co­mo o cli­en­te mis­té­rio que não te­nho de pa­gar”.

Ale­xan­dra Ma­cha­do, Pedro So­ei­ro de Car­va­lho, Ro­dri­go Ma­chaz e Pedro Cardoso.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.