O de­ver de pôr a vi­da em jo­go

Jornal de Negócios - - CINCO SENTIDOS - MAR­CO AL­VES

Há dez anos, Nas­sim Ni­cho­las Ta­leb tor­nou-se um fe­nó­me­no com um li­vro que pre­viu o crash fi­nan­cei­ro mun­di­al. Nun­ca mais pa­rou de agi­tar mer­ca­dos e cons­ci­ên­ci­as.

Ada­do mo­men­to do no­vo li­vro de Nas­sim Ni­cho­las Ta­leb, o au­tor con­ta uma his­tó­ria que o de­fi­ne bem. Diz que um dia es­ta­va num de­ba­te na te­le­vi­são qu­an­do se co­me­çou a fa­lar da Mi­cro­soft. “To­dos, in­cluin­do o apre­sen­ta­dor, in­ter­vi­e­ram. Che­gou a mi­nha vez: ‘Não pos­suo ac­ções da Mi­cro­soft, não be­ne­fi­ci­a­ria com uma bai­xa da sua co­ta­ção e, por con­se­guin­te, não pos­so fa­lar so­bre ela.” A ideia pa­re­ce um pou­co es­drú­xu­la. Ni­cho­las Ta­leb es­tá a de­fen­der com­pro­me­ti­men­to. Ou éti­ca, se qui­ser­mos: não ten­do ac­ções da em­pre­sa, Ni­cho­las Ta­leb não so­fre­ria con­sequên­ci­as da sua opi­nião. Não ar­ris­ca­ria a pe­le.

É a ideia-cha­ve do li­vro: co­mo fa­lar bem so­bre um as­sun­to se não es­ta­mos fi­si­ca­men­te e ma­te­ri­al­men­te envolvidos? Co­mo ge­rir bem um ban­co ou ven­der um pro­du­to fi­nan­cei­ro se não par­ti­lha­mos o ris­co com os cli­en­tes? Co­mo in­va­dir paí­ses pa­ra de­por “di­ta­do­res” se nun­ca so­mos os da­nos co­la­te­rais? Co­mo re­su­me o au­tor, “aque­les que nun­ca cor­rem ris­cos nun­ca de­ve­ri­am es­tar envolvidos na to­ma­da de de­ci­sões”.

Ni­cho­las Ta­leb re­cor­re com abun­dân­cia às histórias e per­so­na­gens da An­ti­gui­da­de pa­ra alu­dir ao fos­so que se ca­vou en­tre o mun­do mo­der­no e es­ses tem­pos an­ti­gos em que os lí­de­res – reis, no­bres, se­nho­res da gu­er­ra, con­quis­ta­do­res – ar­ris­ca­vam a pe­le, li­te­ral­men­te, no cam­po de ba­ta­lha. A te­o­ria do li­vro re­me­te pa­ra ide­ais de no­bre­za e éti­ca e es­ten­de-se a to­dos os do­mí­ni­os da vi­da quo­ti­di­a­na. A vi­da, diz, de­ve ser vi­vi­da as­sen­te na par­ti­lha de ris­cos, na in­cer­te­za e na ale­a­to­ri­e­da­de.

“Ar­ris­car a pe­le – as­si­me­tri­as ocul­tas na vi­da quo­ti­di­a­na” é o mais re­cen­te li­vro des­te ex-tra­der e ana­lis­ta de ris­co nas­ci­do no Lí­ba­no em 1960 e que nos úl­ti­mos dez anos se po­si­ci­o­nou no es­pa­ço pú­bli­co com o seu es­ti­lo de­fi­ni­ti­vo e de­sa­fi­a­dor. Ei-lo há poucos di­as na Blo­om­berg: “O mun­do [fi­nan­cei­ro] es­tá mais frá­gil ho­je do que em 2007.”

Ni­cho­las Ta­leb é um es­pí­ri­to es­que­má­ti­co, que pa­re­ce es­tar sem­pre se­gu­ro do que pen­sar so­bre o mun­do. Os ca­pí­tu­los são cur­tos, há re­su­mos do que se leu e “te­a­sers” pa­ra o que se se­gue. As idei­as são re­su­mi­das e iso­la­das em itá­li­co ou reu­ni­das num glos­sá­rio. Por exem­plo, so­bre o epi­só­dio da Mi­cro­soft: “Não me di­ga o que ‘pen­sa’, di­ga-me ape­nas o que tem na sua car­tei­ra de tí­tu­los.”

É o quin­to li­vro do que o au­tor cha­ma a Sé­rie In­cer­to: “Ilu­di­dos pe­lo Aca­so – o pa­pel ocul­to do aca­so na vi­da e nos mer­ca­dos” (de 2001, mas só pu­bli­ca­do em Por­tu­gal em 2018), “O Cis­ne Ne­gro – o im­pac­to do al­ta­men­te im­pro­vá­vel” (best-sel­ler de 2007 que já via no ho­ri­zon­te o crash fi­nan­cei­ro), “ACa­ma de Pro­cus­to - Afo­ris­mos Fi­lo­só­fi­cos e Prá­ti­cos” (2010) e “An­ti-frá­gil – coi­sas que be­ne­fi­ci­am da de­sor­dem” (2012).

Nas­sim Ni­cho­las Ta­leb elen­ca nu­ma ta­be­la na pá­gi­na 67 (um bom exem­plo do seu es­ti­lo he­te­ro­do­xo) quem ar­ris­ca a pe­le: ci­da­dãos, ho­mens de ne­gó­ci­os, co­mer­ci­an­tes, ar­te­sãos, es­cri­to­res, es­pe­cu­la­do­res, ac­ti­vis­tas ou cor­rec­to­res de fun­dos es­pe­cu­la­ti­vos.

Do ou­tro la­do es­tão os go­ver­nos, as em­pre­sas pú­bli­cas e as eli­tes: mé­di­cos, jor­na­lis­tas, in­te­lec­tu­ais, his­to­ri­a­do­res, eco­no­mis­tas, ban­quei­ros, ci­en­tis­tas po­lí­ti­cos e aca­dé­mi­cos. Pa­ra es­tes, a der­ra­dei­ra fra­se em itá­li­co: “No mun­do aca­dé­mi­co, não exis­te di­fe­ren­ça en­tre o mun­do aca­dé­mi­co e o mun­do re­al; no mun­do re­al, exis­te.”

NASS I M N I C HOLAS TALE B Ar­ris­car a pe­le Te­mas & De­ba­tes, 324 pá­gi­nas, 2 018

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.