No­vos tem­pos em Por­tu­gal

A no­va lo­ja da Tis­sot em Lis­boa trou­xe a Por­tu­gal Fran­çois Thié­baud, his­tó­ri­co CEO da mar­ca, con­si­de­ra­do um dos mais in­flu­en­tes di­ri­gen­tes do gru­po Swat­ch.

Jornal de Negócios - - RELÓGIOS - FER­NAN­DO SOBRAL

ES­TA N OVA LO­JA TIS­SOT VI U A SUA ÁREA DE VEN DAS AUM ENTADA E PAS­SA AGO­RA A CON­TAR COM UM “LAYOUT” MAIS MODERN O E UMA N OVA ORGAN IZAÇÃO DO ES­PA­ÇO – QUE CO­LO­CA EM DESTAQU E O N OVO CON CEITO DE EXPOSI ÇÃO: OS RELÓGI OS SÃO AGO­RA APRESENTADOS N UMA DISPOSI ÇÃO EM ALM OFADAS. A LO­JA DO COLOM BO CON­TA COM A MAI OR CO­LEC­ÇÃO DA MAR­CA A NÍ­VEL NACI ONAL, COM MAIS DE 300 MO­DE­LOS DAS CO­LEC­ÇÕES DESPORTIVAS E DAS CO­LEC­ÇÕES CLÁSSI CAS DA TIS­SOT.

Aa­ber­tu­ra da no­va lo­ja em Lis­boa (no ca­so, no Cen­tro Co­mer­ci­al Co­lom­bo) da Tis­sot ser­viu co­mo ra­zão pa­ra a vinda até nós de Fran­çois Thié­baud, his­tó­ri­co CEO da mar­ca. Há mui­to que ele é um dos mais in­flu­en­tes di­ri­gen­tes do gru­po Swat­ch. Pro­fun­do co­nhe­ce­dor da re­a­li­da­de do mer­ca­do e da in­dús­tria re­lo­jo­ei­ra, tro­cou al­gu­mas pa­la­vras con­nos­co. Tem inú­me­ras re­cor- da­ções de Lis­boa (in­cluin­do uma, com o co­nhe­ci­do Fer­nan­do Pes­sa).

Con­ver­sa­dor ina­to, não dei­xa tam­bém de fa­lar dos smartwat­ches (a Tis­sot foi a pri­mei­ra mar­ca a lan­çar um, em 1999): “Pa­ra mim, o que le­va um con­su­mi­dor a com­prar um re­ló­gio é, prin­ci­pal­men­te, a con­fi­an­ça. Com­prar um Tis­sot é so­bre­tu­do uma ac­ção de con­fi­an­ça. Se não con­fi­ar­mos num pro­du­to, não o com­pra­mos. É, por is­so, ne­ces­sá­rio ga­nhar a con­fi­an­ça do com­pra­dor. E is­so é um pro­ces­so lon­go, que às ve­zes le­va dé­ca­das a con­se­guir. Nós fo­mos con­se­guin­do ci­men­tar es­sa re­la­ção du­ran­te dé­ca­das. E fo­mos me­lho­ran­do os nos­sos pro­du­tos. Es­se é o se­gre­do do nos­so su­ces­so”, de­fen­de. E co­mo é que is­so se ga­ran­te nes­te presente tão vo­lá­til? Fran­çois Thié­baud res­pon­de: “Te­mos de ter a men­te aber­ta e se­guir as ten­dên­ci­as. Te­mos de cri­ar re­ló­gi­os atra­en­tes pa­ra os con­su­mi­do­res. E não ape­nas pa­ra quem os cria.”

A Tis­sot co­me­mo­ra es­te ano 165 anos. É uma da­ta sim­pá­ti­ca. Fran­çois Thié­baud sor­ri: “É uma honra tra­ba­lhar nu­ma mar­ca que tem es­ta ida­de. Nun­ca pa­rá­mos de pro­du­zir re­ló­gi­os du­ran­te um úni­co dia. Nem du­ran­te a II Gu­er­ra Mun­di­al. A nos­sa his­tó­ria é so­bre as pes­so­as, a evo­lu­ção do tem­po. Is­so sig­ni­fi­ca com­bi­nar a tec­no­lo­gia com o de­sign pa­ra pro­du­zir be­los re­ló­gi­os. Que­re­mos que as pes­so­as es­te­jam apai­xo­na­das pe­lo tem­po.” O lí­der da mar­ca tem bo­as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra o fu­tu­ro pró­xi­mo: “As mi­nhas ex­pec­ta­ti­vas são bo­as. Po­de­re­mos nun­ca atin­gir o to­po de uma mon­ta­nha, mas te­mos de ten­tar che­gar o mais al­to pos­sí­vel. Is­so é ex­ci­tan­te.”

So­bre o mun­do dos smartwat­ches, acha que não foi is­so que trou­xe a cri­se. “Fo­mos afec­ta­dos na Eu­ro­pa, mas es­ti­ve­mos bem na Ásia. Ga­nhá­mos ‘sha­re’ de mer­ca­do por cau­sa dos nos­sos pre­ços com­pe­ti­ti­vos e dos nos­sos pro­du­tos ino­va­do­res. Pen­so que ire­mos cres­cer bem na pró­xi­ma dé­ca­da.” Pa­ra já, Fran­çois Thié­baud es­tá con­ten­te com o mer­ca­do por­tu­guês e com a aber­tu­ra da no­va lo­ja da Tis­sot. Re­mo­de­la­da, im­ple­men­ta um no­vo con­cei­to de ex­po­si­ção que a mar­ca tem vin­do a re­a­li­zar a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal nos úl­ti­mos tem­pos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.