Pre­sen­tes do Pai Na­tal

É na­tu­ral a apre­en­são com o pró­xi­mo ano que se apre­sen­ta mais ar­ris­ca­do do que anos an­te­ri­o­res.

Jornal de Negócios - - OPINIÃO - CRIS­TI­NA CASALINHO

No mo­men­to atu­al, os prin­ci­pais fa­to­res de ris­co pa­ra o pró­xi­mo ano são: 1. Abran­da­men­to eco­nó­mi­co – na se­gun­da me­ta­de de 2018, avo­lu­ma­ram-se os si­nais de de­sa­ce­le­ra­ção eco­nó­mi­ca. Ape­sar do bom mo­men­to em ter­mos de ca­pa­ci­da­de de ge­ra­ção de em­pre­go e do com­por­ta­men­to do pro­du­to, a desigualdade am­plia-se e os ren­di­men­tos es­tão es­tag­na­dos. Na Eu­ro­pa, des­ta­ca-se a pro­cu­ra ex­ter­na co­mo mo­tor de cres­ci­men­to. Com mai­or ou me­nor ex­pres­são, nos úl­ti­mos anos a maioria dos paí­ses eu­ro­peus tem re­gis­ta­do su­pe­ra­vits ex­ter­nos, fa­vo­re­cen­do uma po­si­ção for­te­men­te ex­ce­den­tá­ria da área do eu­ro fa­ce ao res­to do mun­do. O ar­re­fe­ci­men­to do co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal po­de­rá ter um efei­to re­le­van­te na Eu­ro­pa ou em eco­no­mi­as mais aber­tas ao ex­te­ri­or. O ris­co de de­sa­ce­le­ra­ção eco­nó­mi­ca é ain­da pre­o­cu­pan­te via ou­tro ca­nal: o ele­va­do en­di­vi­da­men­to das eco­no­mi­as. Glo­bal­men­te, o en­di­vi­da­men­to não bai­xou des­de a cri­se fi­nan­cei­ra – na re­a­li­da­de au­men­tou. Se, por um la­do, sem in­fla­ção, o pro­ces­so de de­sa­la­van­ca­gem de­pen- de so­bre­ma­nei­ra da ex­pan­são eco­nó­mi­ca, por ou­tro, o en­di­vi­da­men­to ele­va­do cons­tran­ge o es­pa­ço das po­lí­ti­cas or­ça­men­tais. A re­du­ção da dí­vi­da tor­na-se in­dis­pen­sá­vel pa­ra po­ten­ci­ar o cres­ci­men­to ao mes­mo tem­po que a de­sa­ce­le­ra­ção eco­nó­mi­ca con­di­ci­o­na a que­da da dí­vi­da, con­fi­gu­ran­do um cír­cu­lo vi­ci­o­so;

2. In­fla­ção – em­bo­ra o res­sur­gi­men­to de al­gu­ma ace­le­ra­ção de su­bi­da de pre­ços fa­vo­re­ça a de­sa­la­van­ca­gem, não se iden­ti­fi­cam ten­sões nos pre­ços. Os sa­lá­ri­os, ape­sar de te­rem su­bi­do nos úl­ti­mos me­ses, têm anos de es­tag­na­ção pa­ra re­cu­pe­rar. Os pre­ços das ma­té­ri­as-pri­mas, co­mo o pe­tró­leo, es­tão mais con­ti­dos pe­la che­ga­da de im­por­tan­tes pro­du­to­res na mar­gem, os quais con­du­zem à es­ta­bi­li­za­ção do pre­ço den­tro de um in­ter­va­lo re­la­ti­va­men­te es­tá­vel;

3. Ris­cos po­lí­ti­cos – pro­te­ci­o­nis­mo ou guer­ras co­mer­ci­ais ao ní­vel das prin­ci­pais po­tên­ci­as eco­nó­mi­cas po­dem ter um efei­to me­nos ne­ga­ti­vo que se an­te­ci­pa. Por um la­do, a eco­no­mia chi­ne­sa es­tá a mo­di­fi­car-se mais ra­pi­da­men­te que o pre­vis­to, tor­nan­do-se mais cen­tra­da nos ser­vi­ços e ob­ser­van­do me­no­res ex­ce­den­tes co­mer­ci­ais. Aque­da do su­pe­ra­vit co­mer­ci­al chi­nês acon­te­ce nu­ma fa­se em que o ren­mim­bi ain­da não be­ne­fi­cia da po­si­ção de re­ser­va de va­lor e uni­da­de de con­ta idên­ti­ca ao dó­lar ame­ri­ca­no e em que a dí­vi­da pú­bli­ca nor­te-ame­ri­ca­na es­tá em má­xi­mos his­tó­ri­cos. A su­bi­da das ta­xas de ju­ro nos EUA aju­da o fi­nan­ci­a­men­to do Te­sou­ro por in­ves­ti­do­res do­més­ti­cos, re­du­zin­do os flu­xos de ca­pi­tais pa­ra o ex­te­ri­or. Coin­ci­din­do com uma fa­se em que a Chi­na po­de­rá ter in­cen­ti­vos cres­cen­tes pa­ra atrair ca­pi­tal. Por via des­tes de­se­qui­lí­bri­os, o tom da con­fron­ta­ção po­de con­ter-se, re­du­zin­do o ris­co de ins­ta­bi­li­da­de. Acres­ce que os si­nais de que­da de en­co­men­das, por exem­plo na Eu­ro­pa, po­de ser um me­ro fe­nó­me­no tem­po­rá­rio, dada a me­lho­ria ob­ser­va­da nos úl­ti­mos in­di­ca­do­res pu­bli­ca­dos;

4. Re­mo­ção do ca­rác­ter aco­mo­da­tí­cio da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria – nos EUA, a Re­ser­va Fe­de­ral já ini­ci­ou o en­co­lhi­men­to do seu ba­lan­ço, ven­den­do ati­vos, e a su­bi­da da ta­xa di­re­to­ra. Na área do eu­ro, ape­nas no fi­nal do ano o BCE da­rá o pri­mei­ro pas­so no sen­ti­do de pro­gres­si­vo aban­do­no de po­lí­ti­cas não con­ven­ci­o­nais. Po­rém, a divulgação de in­di­ca­do­res eco­nó­mi­cos me­nos ro­bus­tos nos EUA e na Eu­ro­pa po­de­rá con­di­ci­o­nar o rit­mo de nor­ma­li­za­ção das ta­xas de ju­ro. O dis­cur­so mais re­cen­te do pre­si­den­te da Re­ser­va Fe­de­ral e os ru­mo­res de que o BCE man­te­rá a con­ces­são de li­qui­dez aos ban­cos em mo­do aco­mo­da­tí­cio apon­tam pa­ra me­nos ris­cos de in­ver­são brus­ca e in­ten­sa do pen­dor da po­lí­ti­ca.

A ex­pan­são eco­nó­mi­ca vai lon­ga, qua­se to­das as clas­ses de ati­vos apre­sen­tam va­lo­ri­za­ções his­tó­ri­cas má­xi­mas, a fol­ga pro­du­ti­va é re­du­zi­da, a dí­vi­da per­ma­ne­ce ele­va­da e as ta­xas de ju­ro es­tão a su­bir, nu­ma al­tu­ra em que o mo­tor do cres­ci­men­to por via ex­ter­na e os bai­xos pre­ços da ener­gia po­dem es­tar com­pro­me­ti­dos. Por­tan­to, é na­tu­ral a apre­en­são com o pró­xi­mo ano que se apre­sen­ta mais ar­ris­ca­do do que anos an­te­ri­o­res. Con­tu­do, por al­gu­mas bo­as e por ou­tras me­nos bo­as ra­zões, a maioria dos prin­ci­pais fa­to­res de ris­co apre­sen­ta ele­men­tos de au­to­con­ten­ção, os quais po­dem, se não evi­tar, pe­lo me­nos mi­ti­gar o seu im­pac­to, no ca­so de o ce­ná­rio mais pes­si­mis­ta se con­cre­ti­zar. Ar­ti­go em con­for­mi­da­de com o no­vo Acor­do Or­to­grá­fi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.