Os no­vos desafios do au­to­mó­vel e da mo­bi­li­da­de

A in­fluên­cia do digital na in­dús­tria au­to­mó­vel e na mo­bi­li­da­de es­tá a le­var a mu­dan­ças es­tru­tu­rais e ao re­de­se­nho dos ne­gó­ci­os e das for­mas de vi­da.

Jornal de Negócios - - NEGÓCIOS INICIATIVAS -

“O ob­jec­ti­vo da nos­sa co­mu­ni­ca­ção é ter im­pac­to na fa­se em que o cli­en­te faz a pes­qui­sa de pro­du­to. LUÍS DO­MIN­GUES Di­rec­tor de mar­ke­ting da FCA Por­tu­gal

Ho­je po­de-se agre­gar nu­ma apli­ca­ção to­da a ofer­ta de mo­bi­li­da­de de uma re­gião ou ci­da­de. VLA­DI­MI­RO FELIZ Digital In­no­va­ti­on do CEI­IA

“Os cli­en­tes che­gam com uma ma­tu­ri­da­de e um co­nhe­ci­men­to do pro­du­to mui­to su­pe­ri­or ao pas­sa­do e que re­sul­ta da di­nâ­mi­ca digital. Des­de o mais tra­di­ci­o­nal con­fi­gu­ra­dor até aos fil­mes do You­Tu­be, às re­vi­ews, fa­zem com que o cli­en­te che­gue já com um car­ro per­fei­ta­men­te de­fi­ni­do e a ideia do que quer”, re­fe­riu Luís Do­min­gues, di­rec­tor de mar­ke­ting da FCA Por­tu­gal.

“A nos­sa es­tra­té­gia é ter im­pac­to na fa­se de pes­qui­sa e de in­ves­ti­ga­ção que o cli­en­te faz do pro­du­to e por is­so usa­mos o con­tent mar­ke­ting, cri­a­mos co­mu­ni­ca­ções re­le­van­tes.” Deu o exem­plo de, no ano pas­sa­do, com a mar­ca Al­fa Ro­meo Stel­vio, te­rem usa­do in­flu­en­cers (uma chef, Ca­ro­li­na Pi­tei­ra, e um pro­du­tor musical) e a mar­ca sur­giu co­mo con­teú­do nes­se meio, e ti­ve­ram mi­lhões de vi­su­a­li­za­ções. Luís Do­min­gues re­fe­riu ain­da a in­te­gra­ção digital da in­dús­tria au­to­mó­vel que po­de le­var aos smart cars, in­ter­li­ga­dos com o te­le­fo­ne, com a ca­sa, com a em­pre­sa.

Vla­di­mi­ro Feliz, do CEi­iA, su­bli­nhou a in­fluên­cia do digital na in­dús­tria au­to­mó­vel em to­da a sua ca­deia de va­lor e a for­ma co­mo a mo­bi­li­da­de ur­ba­na se tem trans­for­ma­do. “O digital vem ace­le­rar es­te pro­ces­so ali­cer­ça­do na co­nec­ti­vi­da­de, na in­te­gra­ção, na in­te­ro­pe­ra­bi­li­da­de, o que per­mi­te olhar ho­je pa­ra a mo­bi­li­da­de de uma for­ma mul­ti­mo­dal, in­te­gra­da e agre­ga­da em ecos­sis­te­mas di­gi­tais”.

Ho­je po­de-se agre­gar nu­ma úni­ca pla­ta­for­ma digital, nu­ma app, to­da a ofer­ta de mo­bi­li­da­de de um ter­ri­tó­rio, des­de o car sha­ring, as tro­ti­ne­tas, as bi­ci­cle­tas ao trans­por­te pú­bli­co, ao trans­por­te à me­di­da, que tem ho­je tem vin­do a vin­gar ca­da vez mais nas ci­da­des, se­ja de for­ma es­tru­tu­ra­da ou de­ses­tru­tu­ra­da. Re­al­çou que o pa­ra­dig­ma da mo­bi­li­da­de ac­tu­al é mais par­ti­lha do que pos­se, mais au­to­no­mia, sus­ten­ta­bi­li­da­de, mo­ni­to­ri­za­ção da pe­ga­da eco­ló­gi­ca.

Mo­bi­li­da­de es­tra­té­gi­ca

Em di­fe­ren­tes ca­sos é a uma es­tra­té­gia ana­ló­gi­ca que de­pois o digital vai res­pon­der, ou en­tão tem-se uma es­tra­té­gia digital a de­sen­vol­ver. “Em Lis­boa a es­tra­té­gia de mo­bi­li­da­de é con­du­zi­da pe­los ope­ra­do­res com uma em­pre­sa de tro­ti­ne­tas, o bi­kesha­re, o car sha­ring, com os seus ope­ra­do­res. Em Cas­cais há uma von­ta­de ini­ci­al de agre­gar es­sa ofer­ta, obri­gan­do a que o am­bi­en­te de in­te­rac­ção se­ja mais fá­cil, mais trans­pa­ren­te e, com is­so, po­ten­cia no­vas ló­gi­cas de ser­vi­ço e de pro­du­to”, dis­se Vla­di­mi­ro Feliz.

A mo­bi­li­da­de eléc­tri­ca es­tá a obri­gar as mar­cas a no­vos po­si­ci­o­na­men­tos. “As mar­cas es­tão a re­de­fi­nir as su­as áre­as de in­fluên­cia e de par­ti­lha e o fu­tu­ro é cla­ra­men­te hí­bri­do, por uma ques­tão de vi­a­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca”, ape­sar de o mer­ca­do de hí­bri­dos e ou­tras so­lu­ções não con­ven­ci­o­nais ter pas­sa­do de 3% pa­ra 6% num ano.

“É pre­ci­so dar ra­ci­o­na­li­da­de eco­nó­mi­ca e es­ta­mos pe­ran­te cus­tos de de­sen­vol­vi­men­to e de en­qua­dra­men­to le­gal mui­to for­te. Ain­dús- tria au­to­mó­vel tem uma es­tru­tu­ra in­dus­tri­al mui­to pe­sa­da, tem um la­do re­gu­la­men­tar mui­to ele­va­do com os go­ver­nos a ter in­ter­fe­rên­cia na in­dús­tria”, re­fe­riu Luís Do­min­gues.

O di­rec­tor de mar­ke­ting da FCA Por­tu­gal anun­ci­ou que , em fins de 2019, vai sur­gir uma ver­são eléc­tri­ca do Fi­at 500. Mes­mo as­sim ga­ran­te que “quan­to à elec­tri­fi­ca­ção, no FCAG­roup va­mos es­pe­rar pa­ra ver", as­si­na­lan­do que há ain­da vá­ri­as ques­tões em aber­to, pois o eléc­tri­co po­de vir a ter ba­te­ri­as, hi­dro­gé­nio ou fu­el cells.

A pas­sa­gem pa­ra os veí­cu­los eléc­tri­cos, con­si­de­rou, es­tá a ser im­pul­si­o­na­da pe­lo poder po­lí­ti­co atra­vés, por exem­plo, da im­po­si­ção de for­tes des­ci­das nas emis­sões de dió­xi­do de car­bo­no (CO2) e a so­lu­ção ime­di­a­ta pas­sa pe­las so­lu­ções hí­bri­das con­ju­ga­das com eléc­tri­co.

Da­vid Mar tins

An­dreia Va­le mo­de­rou o de­ba­te so­bre a mo­bi­li­da­de com Luís Do­min­gues, di­rec­tor de mar­ke­ting da FCA Por­tu­gal, e Vla­di­mi­ro Feliz, do CEi­iA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.