O pa­pel dos no­vos in­flu­en­cers

As mar­cas es­tão a per­der poder e vão pas­sar a ser de­fi­ni­das com a co­la­bo­ra­ção dos con­su­mi­do­res.

Jornal de Negócios - - NEGÓCIOS INICIATIVAS -

“No Rei­no Uni­do ti­ve­mos uma cri­se mui­to gra­ve com uma in­flu­en­ci­a­do­ra, que era nos­sa em­bai­xa­do­ra digital, e que fez uma sé­rie de de­cla­ra­ções no blo­gue e no You­Tu­be com afir­ma­ções de te­or ra­cis­ta, em que as­so­ci­ou a mar­ca, O buzz co­me­çou nas re­des so­ci­ais de­la mas ra­pi­da­men­te pas­sa­ram pa­ra as re­des so­ci­ais da L’Oréal. Fi­ze­mos um co­mu­ni­ca­do re­fe­rin­do os va­lo­res e o que se de­fen­dia sem re­fe­rir a in­flu­en­ci­a­do­ra e cor­tá­mos com ela”, dis­se Mó­ni­ca Ser­ra­no, CMO da L’Oréal.

Sa­li­en­tou que sem­pre hou­ve li­ga­ções a fi­gu­ras, co­mo ac­tu­al­men­te têm com a Cláu­dia Vi­ei­ra. Mas co­mo digital sur­gi­ram as e-in­flu­en- cers, que “são mui­to im­por­tan­tes por­que em al­guns mer­ca­dos e em cer­tas ca­te­go­ri­as, pas­sam as men­sa­gens, por­que as pes­so­as, co­mo con­su­mi­do­ras, con­fi­am mais nos pró­pri­os pa­res. É um no­vo sta­kehol­der que o digital cri­ou, e mu­dou ra­di­cal­men­te a co­mu­ni­ca­ção”, dis­se Mó­ni­ca Ser­ra­no.

“Os in­flu­en­cers são, não di­rei ído­los, mas re­fe­rên­ci­as pa­ra­as pes­so­as e que con­si­de­ram uma­au­to­ri­da­de num de­ter­mi­na­do cam­po”, con­si­de­rou Ro­dri­go Cos­ta. Tan­to nas mar­cas Su­mol co­mo Com­pal, re­cor­rem aos in­flu­en­cers co­mo par­te do mix de co­mu­ni­ca­ção. “O que pro­cu­ra­mos é so­bre­tu­do que eles, em ter­mos de back­ground, cum­pra­mos nos­sos prin­cí­pi­os e có­di­gos de éti­ca e que sin­tam uma li­ga­ção ge­nuí­na à mar­ca. O pi­or nos in­flu­en­cers é qu­an­do soa a fal­so”.

Fa­lam os con­su­mi­do­res

“Já te­mos al­gu­mas ex­pe­ri­ên­ci­as com in­flu­en­ci­a­do­res, e são uma ten­dên­cia”, co­me­çou por re­fe­rir José Francisco Ne­ves, do Co­mi­té Exe­cu­ti­vo da Al­li­anz, “mas em se­gu­ros e na Al­li­anz acre­di­ta­mos mui­to que os gran­des in­flu­en­ci­a­do­res são as bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as que os nos­sos cli­en­tes têm, e a ca­pa­ci­da­de que lhes da­mos de co­mu­ni­car es­sas bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as. Is­to nos se­gu­ros faz to­da a di­fe­ren­ça. O digital é im­por­tan­te por­que nos per­mi­te co­lo­car es­sas pes­so­as a fa­lar com o mun­do”.

Em ter­mos de ten­dên­ci­as, Ro­dri­go Cos­ta con­si­de­ra que as “pes­so­as já não olham pa­ra os seus ído­los de uma for­ma dis­tan­te e ina­tin­gí­vel, gos­tam de sen­tir fa­mi­li­a­ri­da­de e pro­xi­mi­da­de”. Por ou­tro la­do, de­fen­de que as “mar­cas vão ter sem­pre a sua re­le­vân­cia, ape­sar de te­rem per­di­do poder. Mas há uma li­ber­da­de à vol­ta do ecos­sis­te­ma em que as mar­cas po­dem ser cri­ti­ca­das, ig­no­ra­das”.

José Francisco dis­se que “o con­su­mi­dor vai in­flu­en­ci­ar ca­da vez mais a mar­ca. De­fi­nir à par­ti­da o con­cei­to de mar­ca­vai aca­bar e vai pas­sar aser fei­ta­com con­su­mi­dor”.

Mó­ni­ca Ser­ra­no as­si­na­la que a “IA que vai ser pa­ra a nos­sa in­dús­tria trans­for­ma­do­ra não só no digital mas tam­bém na ex­pe­ri­ên­cia fí­si­ca. Pre­ci­si­on ad­ver­ti­sing que veio pa­ra fi­car com uma co­mu­ni­ca­ção mais tar­ge­ti­za­da e com men­sa­gens mais di­rec­ci­o­na­das”.

Da­vid Mar tins

Cá­tia No­bre con­ver­sou com Mó­ni­ca Ser­ra­no, José Francisco Ne­ves e Ro­dri­go Cos­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.