PCP não se com­pro­me­te. Blo­co es­ten­de a mão a An­tó­nio Cos­ta

Após uma “lon­ga ma­ra­to­na” de reu­niões com cin­co par­ti­dos, o pri­mei­ro-mi­nis­tro in­di­gi­ta­do, An­tó­nio Cos­ta, diz ter en­con­tra­do “uma von­ta­de cla­ra de que o país vi­va em es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca”.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - DA­VID SAN­TI­A­GO dsan­ti­a­[email protected]­go­ci­os.pt

Ain­da lon­ge de sa­ber em que mol­des irá go­ver­nar, An­tó­nio Cos­ta já não pa­re­ce ter dú­vi­das de que con­se­gui­rá aqui­lo que de­fi­ne co­mo o mais im­por­tan­te: es­ta­bi­li­da­de.

No fi­nal da reu­nião com o Blo­co de Es­quer­da, a quin­ta de uma “lon­ga ma­ra­to­na” em que o pri­mei­ro-mi­nis­tro in­di­gi­ta­do quis per­ce­ber a po­si­ção dos res­tan­tes par­ti­dos da es­quer­da par­la­men­tar (in­cluin­do o PAN) quan­to ao fu­tu­ro da go­ver­na­ção, An­tó­nio Cos­ta fez ques­tão de no­tar que, em to­dos os “in­ter­lo­cu­to­res”, en­con­trou “uma von­ta­de cla­ra de que o país vi­va em es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca”.

Fal­ta, con­tu­do, sa­ber qual a for­ma co­mo es­sa es­ta­bi­li­da­de se­rá as­se­gu­ra­da, con­cre­ta­men­te no que con­cer­ne à so­lu­ção go­ver­na­ti­va.

Ain­da an­tes de che­gar à se­de do BE, o lí­der do PS já sa­bia que a re­e­di­ção da ge­rin­gon­ça nos mol­des de 2015 é in­viá­vel, uma vez que Ver­des e PCP ad­mi­tem ape­nas re­a­li­zar ava­li­a­ções pré­vi­as con­jun­tas das me­di­das es­tru­tu­rais pa­ra o país, tais co­mo os or­ça­men­tos.

To­da­via, da­do que ape­sar de pre­fe­rir um acor­do ro­bus­to com vis­ta à le­gis­la­tu­ra, o Blo­co não afas­ta a hi­pó­te­se de ne­go­ci­ar me­di­da a me­di­da com o PS, ain­da an­tes de se reu­nir com a co­or­de­na­do­ra blo­quis­ta, o se­cre­tá­rio-ge­ral do PS já avan­ça­va a pos­si­bi­li­da­de de go­ver­nar si­mul­ta­ne­a­men­te com ba­se em acor­dos es­tru­tu­rais e pon­tu­ais.

No en­con­tro en­tre am­bos, An­tó­nio Cos­ta e Ca­ta­ri­na Mar­tins mos­tra­ram sa­tis­fa­ção com o ca­mi­nho per­cor­ri­do na úl­ti­ma le­gis­la­tu­ra e acor­da­ram re­a­li­zar no­vas reu­niões, nos pró­xi­mos di­as, pa­ra afe­rir se é pos­sí­vel atin­gir um “grau de con­ver­gên­cia” ca­paz de ser­vir de ba­se a um en­ten­di­men­to pa­ra os pró­xi­mos qua­tro anos.

“O Blo­co de Es­quer­da apre­sen­tou, nes­ta reu­nião, a pro­pos­ta de um ca­mi­nho pa­ra um en­ten­di­men­to que pos­sa ser plas­ma­do no pro­gra­ma de go­ver­no des­de a pri­mei­ra ho­ra”, dis­se Ca­ta­ri­na Mar­tins aos jor­na­lis­tas, rei­te­ran­do que a pri­o­ri­da­de dos blo­quis­tas con­sis­te num acor­do pa­ra um “ho­ri­zon­te de le­gis­la­tu­ra”.

Por sua vez, An­tó­nio Cos­ta es­cla­re­ceu que PS e Blo­co vão pro­cu­rar “de­ter­mi­nar qual é a for­ma em que se po­de re­ves­tir a de­fi­ni­ção do qu­a­dro de tra­ba­lho pa­ra os pró­xi­mos qua­tro anos”. Pa­ra is­so é pre­ci­so “iden­ti­fi­car o que é mais es­sen­ci­al pa­ra uns e pa­ra ou­tros”, acres­cen­tou o lí­der so­ci­a­lis­ta que, ao lon­go do dia de on­tem, lem­brou di­ver­sas ve­zes que uma li­nha ver­me­lha in­vi­o­lá­vel pa­ra os so­ci­a­lis­tas diz res­pei­to ao com­pro­mis­so com a União Eu­ro­peia e a mo­e­da úni­ca.

Já a lí­der do Blo­co re­to­mou as exi­gên­ci­as que “to­do o país co­nhe­ce” e que, em grande me­di­da, vão da re­cu­pe­ra­ção de ren­di­men­tos e di­rei­tos com o fim das me­di­das da troi­ka ain­da pre­sen­tes na le­gis­la­ção la­bo­ral, ao re­for­ço dos ser­vi­ços pú­bli­cos, até à res­pos­ta à emer­gên­cia cli­má­ti­ca. Ca­ta­ri­na Mar­tins não fa­lou das na­ci­o­na­li­za­ções dos CTT e da REN.

Je­ró­ni­mo fi­ca de fo­ra

O se­cre­tá­rio-ge­ral co­mu­nis­ta apre­sen­tou as con­clu­sões do Co­mi­té Cen­tral do par­ti­do que, no es­sen­ci­al, não di­ver­gi­ram da re­a­ção que, no do­min­go, Je­ró­ni­mo de Sou­sa apre­sen­tou pe­ran­te no­vo de­sai­re elei­to­ral dos co­mu­nis­tas.

O PCP (tal co­mo os Ver­des) con­si­de­ra que, se em Be­lém não há exi­gên­ci­as de com­pro­mis­sos es­cri­tos , e se o PS não con­se­gue sol­tar-se dos constrangi­mentos que amar­ram o país, não faz sen­ti­do com­pro­me­ter-se com a go­ver­na­ção. Ain­da as­sim, Je­ró­ni­mo re­jei­ta re­me­ter-se a um pa­pel de me­ra opo­si­ção, es­tan­do aber­to a ana­li­sar com o PS os or­ça­men­tos e me­di­das de­ter­mi­nan­tes pa­ra o país. Sem sa­ber que ti­po de fór­mu­la sai­rá des­ta ge­o­me­tria va­riá­vel, Cos­ta ad­mi­te que a es­co­lha dos mem­bros do pró­xi­mo go­ver­no “es­tá se­gu­ra­men­te” de­pen­den­te dis­so mes­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.