Mi­nis­té­rio Pú­bli­co ad­mi­te pe­dir que Me­xia não pos­sa ge­rir co­ta­das

Pro­cu­ra­do­res que­ri­am CMVM a afe­rir ido­nei­da­de dos ges­to­res As li­ga­ções que le­va­ram às sus­pei­tas

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - ALE­XAN­DRA MA­CHA­DO ama­cha­do@ne­go­ci­os.pt

An­tó­nio Me­xia e Manso Ne­to vi­ram as fun­ções no gru­po EDP sus­pen­sas, em se­de de inqué­ri­to ju­di­ci­al. E fi­cou já a pen­der so­bre os ges­to­res a pos­si­bi­li­da­de de, em se­de de even­tu­al acu­sa­ção, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pe­dir a proi­bi­ção de exer­cí­cio de fun­ções em co­ta­das e em­pre­sas públicas.

Nes­ta fa­se de inqué­ri­to, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pe­diu – e o juiz de ins­tru­ção Car­los Ale­xan­dre ace­deu – que An­tó­nio Me­xia e João Manso Ne­to fi­cas­sem com as fun­ções na EDP sus­pen­sas.

Mas no re­que­ri­men­to en­vi­a­do ao tri­bu­nal de ins­tru­ção, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP) ad­mi­te já, em se­de de acu­sa­ção, se for pro­du­zi­da, pe­dir uma pe­na aces­só­ria de proi­bi­ção dos ar­gui­dos de exer­ce­rem fun­ções em em­pre­sas públicas, con­ces­si­o­ná­ri­as públicas e su­jei­tas à su­per­vi­são da CMVM.

“Aten­ta a fac­tu­a­li­da­de ale­ga­da, com pro­la­ção de um fu­tu­ro des­pa­cho de acu­sa­ção se­rá le­gal­men­te viá­vel ao MP pro­mo­ver que os três re­fe­ri­dos ar­gui­dos [Me­xia, Manso Ne­to e João Con­cei­ção] se­jam con­de­na­dos na pe­na aces­só­ria de, por pe­río­do não in­fe­ri­or a cin­co anos, ser de­cre­ta­da a proi­bi­ção do exer­cí­cio de to­das as fun­ções re­la­ci­o­na­das com a ad­mi­nis­tra­ção de ins­ti­tui­ções su­jei­tas à su­per­vi­são da CMVM, exer­cí­cio de fun­ções em em­pre­sas de ca­pi­tais pú­bli­cos ou con­ces­si­o­ná­ri­as de ser­vi­ço pú­bli­co”, diz o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co no re­que­ri­men­to apre­sen­ta­do a Car­los Ale­xan­dre, e que cons­ta da de­ci­são des­te juiz que agra­vou as me­di­das de co­a­ção a es­tes ges­to­res, de­cre­tan­do a sus­pen­são das res­pe­ti­vas fun­ções no gru­po EDP. João Con­cei­ção es­ca­pou, no en­tan­to, a es­ta me­di­da de co­a­ção tam­bém pedida pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra es­te ges­tor, mas por­que Car­los Ale­xan­dre en­ten­deu que as res­tan­tes me­di­das “são ade­qua­das, pro­por­ci­o­nais e su­fi­ci­en­tes a acau­te­lar os pe­ri­gos in­vo­ca­dos”, não re­le­van­do pa­ra a de­ci­são, no seu en­ten­der, o ar­gu­men­to da de­fe­sa des­te ges­tor que a me­di­da não po­de­ria ser apli­ca­da no­me­a­da­men­te por­que João Con­cei­ção já não se en­con­tra nas mes­mas fun­ções em que es­ta­va na im­pu­ta­ção do ca­so. João Con­cei­ção é sus­pei­to de cor­rup­ção pas­si­va, en­quan­to as­ses­sor de Ma­nu­el Pi­nho no Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia. Atu­al­men­te, o ges­tor es­tá na REN. Ain­da as­sim, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co ale­ga que es­se ar­gu­men­to cai por ter­ra, já que con­si­de­ra que o car­go na REN é uma con­sequên­cia da sua atu­a­ção no Mi­nis­té­rio.

“As fun­ções que João Con­cei­ção de­sem­pe­nha fo­ram con­quis­ta­das atra­vés da ‘so­lu­ção fi­nal’ en­con­tra­da pa­ra pa­ga­men­to da dí­vi

da que pa­ra con­si­go a EDP ti­nha, pe­las su­as po­si­ções ‘pró-EDP’ em to­do o tra­ba­lho com o ar­gui­do Ma­nu­el Pi­nho.”

Oi­to me­ses pa­ra acu­sa­ção

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co quan­do re­que­reu a sus­pen­são das fun­ções re­co­nhe­ceu que es­ta me­di­da im­pu­nha à in­ves­ti­ga­ção uma pres­são adi­ci­o­nal pa­ra avan­çar com o des­fe­cho da in­ves­ti­ga­ção, ten­do o ar­qui­va­men­to ou a acu­sa­ção de ser pro­du­zi­do mais ra­pi­da­men­te.

“Es­ta me­di­da tam­bém co­lo­ca, sob cer­ta pers­pe­ti­va, uma mai­or pres­são so­bre o MP – no sen­ti­do de uma to­ma­da de po­si­ção cé­le­re – pois a me­di­da de co­a­ção de sus­pen­são do exer­cí­cio da pro­fis­são ex­tin­gue-se quan­do, des­de o iní­cio da sua exe­cu­ção, ti­ve­rem de­cor­ri­do oi­to me­ses sem que te­nha si­do de­du­zi­da acu­sa­ção”, diz o or­ga­nis­mo ju­di­ci­al no re­que­ri­men­to apre­sen­ta­do a Car­los Ale­xan­dre. Ape­sar des­ta pres­são de ce­le­ri­da­de, Car­los Ale­xan­dre ad­mi­te que “da nar­ra­ção fa­cil­men­te se al­can­ça que há ou­tros com­par­ti­ci­pan­tes. E tam­bém re­sul­ta evi­den­te que, es­ses com­par­ti­ci­pan­tes, tal co­mo os aqui apre­sen­ta­dos, têm uma re­de de co­nhe­ci­men­tos que cum­pre acau­te­lar que não per­tur­bem o de­sen­vol­vi­men­to da aqui­si­ção, con­ser­va­ção e ve­ra­ci­da­de da pro­va”, pe­lo que, acres­cen­ta, “não po­de­mos con­cor­dar com o ale­ga­do pe­los ar­gui­dos quan­do di­zem que já não há pe­ri­gos”. É que, con­clui, “pe­la nos­sa par­te, o inqué­ri­to, fa­ce a tu­do o que se apu­rou, es­tá ago­ra a co­me­çar”, e “de­pois de os ‘sis­te­mas de con­tac­tos’ te­rem atu­a­do há que evi­tar que pros­si­gam”. Daí não só a me­di­da de­cre­ta­da de sus­pen­são de fun­ções, co­mo de proi­bi­ção de con­tac­tos en­tre ar­gui­dos e com vá­ri­as tes­te­mu­nhas, e proi­bi­ção de vi­a­gem ao es­tran­gei­ro, com a en­tre­ga de pas­sa­por­tes. Além das cau­ções de­cre­ta­das – 1 mi­lhão pa­ra Me­xia e Manso Ne­to e 500 mil eu­ros pa­ra Con­cei­ção – a se­rem pa­gas em 15 di­as des­de a no­ti­fi­ca­ção. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co re­al­ça, no re­que­ri­men­to, que a in­ves­ti­ga­ção con­ti­nua so­bre a atu­a­ção de ou­tras pes­so­as que “de­sem­pe­nha­ram um pa­pel de des­ta­que em ma­té­ri­as en­vol­ven­do a EDP”.

An­tó­nio Me­xia e João Manso Ne­to vi­ram o tri­bu­nal sus­pen­der as su­as fun­ções no gru­po EDP, co­mo me­di­da de co­a­ção.

Mi­guel Bal­ta­zar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.