Co­mis­são de inqué­ri­to às ren­das ser­ve a to­das as par­tes

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co uti­li­za mui­tas ve­zes as con­clu­sões da co­mis­são de inqué­ri­to par­la­men­tar pa­ra aju­dar nos seus ar­gu­men­tos. A de­fe­sa dos ar­gui­dos tam­bém.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA LINHA -

As con­clu­sões da co­mis­são par­la­men­tar de inqué­ri­to (CPI) às ale­ga­das ren­das de ener­gia ser­vem tan­to o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co co­mo os ar­gui­dos nos res­pe­ti­vos ar­gu­men­tos. Ain­da as­sim, a de­fe­sa de Me­xia e Manso Na­to, no­me­a­da­men­te, acu­sa a in­ves­ti­ga­ção de uti­li­zar ma­té­ria ave­ri­gua­da pe­la co­mis­são de inqué­ri­to de for­ma par­ci­al, não olhan­do pa­ra as par­tes que ale­ga­da­men­te des­truíam o seu pro­pó­si­to, que os ar­gui­dos di­zem ter si­do o de fa­zer um jul­ga­men­to su­má­rio aos ges­to­res.

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, no re­que­ri­men­to a Car­los Ale­xan­dre a pe­dir o agra­va­men­to das me­di­das de co­a­ção aos ges­to­res, ci­ta, va­ri­a­das ve­zes, os do­cu­men­tos da co­mis­são de inqué­ri­to par­la­men­tar. “O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, ao uti­li­zar o re­la­tó­rio da CPI, ou in­for­ma­ção daí ad­ve­ni­en­te, foi as­saz se­le­ti­vo, apro­vei­tan­do ape­nas aqui­lo que lhe con­vi­nha e de­sa­ten­den­do a tu­do aqui­lo que, cla­ra­men­te, apon­tas­se no sen­ti­do opos­to da­qui­lo que ale­ga­va, mas em cla­ro be­ne­fí­cio da po­si­ção dos ar­gui­dos”, lê-se na res­pos­ta da de­fe­sa ao pe­di­do de agra­va­men­to das me­di­das de co­a­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. E é por is­so que acres­cen­ta que “os ar­gui­dos não se coi­bi­rão de de­mons­trar co­mo a CPI trou­xe a lu­me de­ter­mi­na­dos as­pe­tos que des­tro­em, por com­ple­to, a nar­ra­ti­va do MP”.

A de­fe­sa fa­la, em par­ti­cu­lar, da não in­clu­são de re­fe­rên­ci­as aos es­tu­dos da No­va SBE, De­loit­te e ISEG que con­cluí­ram que a pas­sa­gem da EDP do re­gi­me de CAE (Con­tra­tos de Aqui­si­ção de Ener­gia) pa­ra os CMEC (Cus­tos de Ma­nu­ten­ção do Equi­lí­brio Con­tra­tu­al) não be­ne­fi­ci­a­ram a EDP, an­tes fo­ram mais one­ro­sos, se­gun­do a de­fe­sa. Es­sa pas­sa­gem e a con­cre­ti­za­ção da ex­ten­são do do­mí­nio hí­dri­co – que a de­fe­sa lem­bra ter si­do re­ti­ra­da das con­clu­sões da CPI por não ter ha­vi­do acor­do en­tre de­pu­ta­dos –, em 2007, “foi fei­ta em con­di­ções mais fa­vo­rá­veis pa­ra o Estado e con­su­mi­do­res e me­nos fa­vo­rá­veis pa­ra a EDP”. A de­fe­sa diz mes­mo que “2007 foi des­fa­vo­rá­vel pa­ra a EDP”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.