“Nun­ca tan­ta gen­te de­pen­deu da mão vi­sí­vel do Go­ver­no.”

Jornal de Negócios - - HOME PAGE -

AR­MAN­DO ES­TE­VES PEREIRA

Apan­de­mia re­for­çou o peso do Estado na eco­no­mia. A hi­ber­na­ção for­ça­da obri­gou a uma iné­di­ta in­ter­ven­ção do apoio pú­bli­co a em­pre­sas e tra­ba­lha­do­res. Ain­da ho­je, cer­ca de um em ca­da qua­tro em­pre­ga­dos do se­tor pri­va­do so­bre­vi­ve com o di­nhei­ro do lay-off adi­an­ta­do pe­la Se­gu­ran­ça So­ci­al. Nun­ca tan­ta gen­te de­pen­deu da mão vi­sí­vel do Go­ver­no. Vi­ve­mos à bei­ra de uma dis­to­pia que ame­a­ça ser o pe­sa­de­lo dos con­tri­buin­tes. Es­te ce­ná­rio é agra­va­do pe­los pre­vi­sí­veis cus­tos de in­ter­ven­ção em gran­des em­pre­sas que, se­gun­do a tra­di­ção por­tu­gue­sa, fi­cam sem­pre mais ca­ros do que o pre­vis­to ini­ci­al­men­te.

Quan­do o Estado com­pro­me­te cen­te­nas de mi­lhões de eu­ros e fi­ca aci­o­nis­ta de re­fe­rên­cia de al­gu­ma em­pre­sa, nun­ca é uma boa no­tí­cia pa­ra os con­tri­buin­tes. Mas no ca­so da in­ter­ven­ção na TAP e da na­ci­o­na­li­za­ção da par­ti­ci­pa­ção de Isa­bel dos San­tos na Efa­cec, a op­ção jus­ti­fi­ca-se por ser o mal me­nor. Mas importa li­mi­tar os even­tu­ais da­nos fi­nan­cei­ros des­tas de­ci­sões.

A com­pa­nhia aé­rea sem o am­pa­ro do Go­ver­no não se­ria viá­vel. A pan­de­mia ar­ra­sou o tu­ris­mo e o trans­por­te aé­reo.

David Ne­e­le­man saiu a ga­nhar, mul­ti­pli­cou os pou­cos mi­lhões in­ves­ti­dos des­de a pri­va­ti­za­ção. Pa­ra evi­tar o da­no de re­pu­ta­ção de uma na­ci­o­na­li­za­ção for­ça­da fi­cou co­mo aci­o­nis­ta pri­va­do Hum­ber­to Pedrosa, o pa­trão da Bar­ra­quei­ro, que cons­truiu um im­pé­rio nos trans­por­tes ter­res­tres, o que lhe va­leu o epí­te­to de “pa­tri­o­ta” por par­te do mi­nis­tro Pe­dro Nu­no San­tos.

Num país em que a pro­xi­mi­da­de ao po­der com­pen­sa, Hum­ber­to Pedrosa po­de ter fei­to um bom in­ves­ti­men­to.

É ver­da­de que a TAP va­le mais do que as re­cei­tas di­re­tas. De­la de­pen­dem mi­lha­res de em­pre­gos di­re­tos e in­di­re­tos. São mui­tos for­ne­ce­do­res e mui­tas ati­vi­da­des que de­pen­dem da exis­tên­cia de uma gran­de com­pa­nhia área com cen­tro ope­ra­ci­o­nal em Portugal.

O mes­mo ra­ci­o­cí­nio é vá­li­do pa­ra a Efa­cec, uma pe­que­na mul­ti­na­ci­o­nal com sa­ber por­tu­guês, que em al­guns ni­chos con­se­gue com­pe­tir com gi­gan­tes glo­bais. Se a em­pre­sa fos­se des­man­te­la­da, ou re­ta­lha­da, por cau­sa das com­pli­ca­ções aci­o­nis­tas, se­ria uma tra­gé­dia eco­nó­mi­ca pa­ra Portugal.

Num país on­de es­cas­sei­am ca­pi­ta­lis­tas e ca­pi­tal, que viu gran­de par­te das em­pre­sas cair em mãos es­tran­gei­ras, o Estado apa­re­ce co­mo úl­ti­mo re­cur­so pa­ra man­ter com­pa­nhi­as re­le­van­tes. Mas es­ta so­lu­ção tem de ser tem­po­rá­ria. Pre­ci­sa­mos de mais ini­ci­a­ti­va pri­va­da, de con­cor­rên­cia, de com­pe­ti­ti­vi­da­de. Se fi­car­mos à es­pe­ra da som­bra do Estado, no me­lhor dos ce­ná­ri­os, es­te país es­tag­na­rá.

Bru­no Si­mão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.