“Quem pa­ga gos­ta de man­dar ou, quan­do man­dar não é uma op­ção dis­po­ní­vel, gos­ta de in­flu­en­ci­ar.”

Jornal de Negócios - - HOME PAGE -  Ar­ti­go em con­for­mi­da­de com o an­ti­go Acor­do Or­to­grá­fi­co

BRU­NO FA­RIA LO­PES

Ape­ça que es­cre­vi na Sá­ba­do so­bre a No­va Scho­ol of Bu­si­ness and Eco­no­mics ge­rou um de­ba­te pú­bli­co com vá­ri­os ân­gu­los de análise. Não vou aqui re­pi­sar o que ex­pus so­bre uma par­te da cul­tu­ra da No­va SBE, re­le­van­te nu­ma ins­ti­tui­ção re­pu­ta­da e com in­fluên­cia nas po­lí­ti­cas públicas na área da eco­no­mia. Mas jul­go ser im­por­tan­te pe­gar num pon­to que co­me­ça ago­ra a ser de­ba­ti­do: a for­ma co­mo a fa­cul­da­de ge­re os ris­cos ine­ren­tes às re­la­ções pró­xi­mas com os me­ce­nas.

Pe­dro Santa Cla­ra, que ao lon­go de seis anos li­de­rou a cam­pa­nha de an­ga­ri­a­ção de fun­dos pri­va­dos pa­ra a fa­cul­da­de, de­fen­deu on­tem no Ob­ser­va­dor as van­ta­gens des­se mo­de­lo: os 54 mi­lhões de eu­ros de do­a­do­res pri­va­dos per­mi­ti­ram a cons­tru­ção do ino­va­dor cam­pus da No­va SBE em Car­ca­ve­los, as­sim co­mo o financiame­nto de cá­te­dras, bol­sas e pro­jec­tos de in­ves­ti­ga­ção. São van­ta­gens re­ais nu­ma fa­cul­da­de pú­bli­ca que quis dar um sal­to nu­ma fa­se de gran­de aper­to or­ça­men­tal do Estado. A No­va SBE não te­ria aque­le cam­pus sem es­te mo­de­lo e tal­vez não con­se­guis­se atrair os me­lho­res alu­nos e al­guns pro­fes­so­res ta­len­to­sos.

O mo­de­lo ame­ri­ca­no, con­tu­do, traz uma tensão: quem pa­ga gos­ta de man­dar ou, quan­do man­dar não é uma op­ção dis­po­ní­vel, gos­ta de in­flu­en­ci­ar. Quem op­ta por es­te mo­de­lo nu­ma uni­ver­si­da­de sa­be que es­tá a cor­rer um risco. A in­ten­si­da­de do risco é mai­or em paí­ses com eli­tes pe­que­nas, maus sa­lá­ri­os (in­cluin­do na car­rei­ra uni­ver­si­tá­ria) e uma cul­tu­ra de fa­vo­re­ci­men­to e opa­ci­da­de. Paí­ses co­mo o nos­so, nos quais se trei­nam os olhos pa­ra não ver.

Es­ta tensão não sig­ni­fi­ca que se dei­te fo­ra o mo­de­lo de vá­ri­as das prin­ci­pais fa­cul­da­des in­ter­na­ci­o­nais. O pon­to es­tá an­tes em mi­ni­mi­zar o risco, co­mo fa­zem es­sas fa­cul­da­des ame­ri­ca­nas. Os con­tra­tos de me­ce­na­to são con­sul­tá­veis pe­los me­dia. As re­la­ções en­tre os pro­fes­so­res, a ins­ti­tui­ção a que per­ten­cem e os seus me­ce­nas es­tão co­di­fi­ca­das, por es­cri­to, e são al­vo da su­per­vi­são de um de­par­ta­men­to cen­tral de “com­pli­an­ce”. Os pro­fes­so­res es­tão obri­ga­dos a de­ve­res pe­rió­di­cos de trans­pa­rên­cia – re­gis­tam anu­al­men­te in­te­res­ses fi­nan­cei­ros no­vos – e a for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca em éti­ca e con­fli­tos de in­te­res­se. A acu­mu­la­ção de car­gos em em­pre­sas pri­va­das pas­sa pe­la “com­pli­an­ce”. E há re­gras so­bre a in­ves­ti­ga­ção aca­dé­mi­ca.

A au­sên­cia des­te ti­po de cul­tu­ra aper­ta­da de con­tro­lo no­ta-se nos exem­plos que co­nhe­ce­mos na No­vaSBE: o es­tu­do pa­go pe­lo me­ce­nas EDP à fa­cul­da­de pa­ra ser usa­do na de­fe­sa pes­so­al de ad­mi­nis­tra­do­res da EDP no âm­bi­to de um pro­ces­so pe­nal; a par­ti­ci­pa­ção de um pro­fes­sor de Fi­nan­ças com a cá­te­dra pa­ga pe­lo BPI (o financiame­nto da cá­te­dra não é o pro­ble­ma, mas a so­bre­po­si­ção en­tre a área de en­si­no e a do me­ce­nas é) em pu­bli­ci­da­de do BPI; a no­me­a­ção do di­rec­tor da fa­cul­da­de pa­ra um car­go de ad­mi­nis­tra­ção num dos mai­o­res me­ce­nas; a uti­li­za­ção, no Con­se­lho de Fa­cul­da­de, da quo­ta de cin­co per­so­na­li­da­des ex­ter­nas pa­ra lá pôr ad­mi­nis­tra­do­res dos mai­o­res me­ce­nas; a di­fi­cul­da­de em ace­der aos con­tra­tos de me­ce­na­to.

A no­me­a­ção de uma co­mis­são in­de­pen­den­te pa­ra es­tu­dar me­lho­ri­as nes­ta fren­te, anun­ci­a­da on­tem pe­lo rei­tor, con­fir­ma as in­su­fi­ci­ên­ci­as. Se le­var a mu­dan­ças se­rá bom pa­ra a No­va SBE e pa­ra as fa­cul­da­des da Uni­ver­si­da­de No­va de Lisboa, co­mo Di­rei­to e Me­di­ci­na, que es­tão a pre­pa­rar os seus modelos de me­ce­na­to. Mes­mo com re­gras bem de­fi­ni­das, e re­gu­la­ção efi­caz, há ris­cos. Mas, sem is­so, o que so­bra é um mo­de­lo ame­ri­ca­no de financiame­nto com go­ver­na­ção à por­tu­gue­sa, na qual as bo­as prá­ti­cas não as­sen­tam em bo­as re­gras, mas na garantia de que é tu­do gen­te sé­ria. Ao con­trá­rio das co­lu­nas de opi­nião dos pro­fes­so­res da ca­sa, es­ta fi­lo­so­fia é ho­je o mai­or pe­ri­go pa­ra a ima­gem da No­va SBE.

Quem pa­ga gos­ta de man­dar ou, quan­do man­dar não é uma op­ção dis­po­ní­vel, gos­ta de in­flu­en­ci­ar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.