ADSE pro­põe au­men­to do pre­ço das con­sul­tas

A no­va pro­pos­ta de ta­be­las pre­vê um au­men­to do pre­ço pa­go pe­los be­ne­fi­ciá­ri­os e pe­la ADSE. Con­se­lho con­sul­ti­vo ain­da se vai pro­nun­ci­ar. Co­nhe­ça os va­lo­res.

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - CATARINA AL­MEI­DA PEREIRA ca­ta­ri­na­pe­rei­ra@ne­go­ci­os.pt

Apro­pos­ta de no­va ta­be­la de pre­ços já ela­bo­ra­da pe­la ADSE pre­vê que as con­sul­tas na re­de con­ven­ci­o­na­da se­jam mais ca­ras. ideia é que o va­lor pa­go pe­lo be­ne­fi­ciá­rio aos pres­ta­do­res pri­va­dos pas­se de 3,99 eu­ros pa­ra 5,5 eu­ros por con­sul­ta, en­quan­to o pre­ço pa­go pe­la ADSE so­be de 14,47 pa­ra 19,5 eu­ros.

A hi­pó­te­se de um au­men­to “mo­de­ra­do” das con­sul­tas já ti­nha si­do ad­mi­ti­da em fe­ve­rei­ro por Eugénio Ro­sa, vo­gal da ADSE, por João Pro­en­ça, pre­si­den­te do Con­se­lho Ge­ral e de Su­per­vi­são e não foi afas­ta­da pe­lo Go­ver­no. Na al­tu­ra, po­rém, o Con­se­lho Di­re­ti­vo da ADSE – que tem ago­ra uma no­va pre­si­den­te, Ma­ria Ma­nu­e­la Fa­ria – apon­ta­va pa­ra va­lo­res mais ele­va­dos, com uma even­tu­al su­bi­da pa­ra 12 eu­ros do va­lor pa­go pe­lo be­ne­fi­ciá­rio.

Ao Ne­gó­ci­os, Eugénio Ro­sa jus­ti­fi­ca o au­men­to ago­ra pro­pos­to com a ne­ces­si­da­de de cap­tar mais mé­di­cos pa­ra o re­gi­me con­ven­ci­o­na­do. “O ob­je­ti­vo é me­lho­rar o pa­ga­men­to das con­sul­tas pa­ra con­se­guir mais mé­di­cos pa­ra a re­de con­ven­ci­o­na­da por­que te­mos di­fi­cul­da­de em fa­zer con­ven­ções com mé­di­cos, so­bre­tu­do fo­ra das zo­nas ur­ba­nas, mas tam­bém em Lisboa”. O vo­gal da ADSE, que lem­bra que os pre­ços não são atu­a­li­za­dos há qua­se du­as dé­ca­das, sus­ten­ta que a ideia é tam­bém re­du­zir o re­cur­so ao re­gi­me li­vre, em que os pre­ços são mais ele­va­dos.

Tal co­mo re­ve­lou es­ta quar­ta-fei­ra a mi­nis­tra da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Ale­xan­dra Leitão, es­ta pro­pos­ta foi ago­ra en­vi­a­da pa­ra análise do Con­se­lho Ge­ral e de Su­per­vi­são (CGS), que te­rá de dar pa­re­cer. Em fe­ve­rei­ro, o pre­si­den­te des­te ór­gão con­sul­ti­vo, João Pro­en­ça, ti­nha de­fen­di­do um au­men­to “pro­por­ci­o­nal”, mais bai­xo: se o va­lor to­tal pa­go aos pres­ta­do­res pri­va­dos de saú­de so­be pa­ra 25 eu­ros o pre­ço a pa­gar pe­lo be­ne­fi­ciá­rio de­ve su­bir cin­co.

Es­ta se­rá ape­nas uma das no­vi­da­des da no­va ta­be­la de pre­ços que es­tá em ela­bo­ra­ção há qua­se três anos. Em ou­tu­bro de 2017, o en­tão pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Pú­bli­co, Car­los Li­be­ra­to Batista, apre­sen­tou uma pro­pos­ta que ia no mes­mo sen­ti­do, au­men­tan­do o pre­ço das con­sul­tas, na al­tu­ra re­jei­ta­da pe­los mem­bros do re­cém-cri­a­do con­se­lho con­sul­ti­vo.

Se­guiu-se uma gu­er­ra com os pres­ta­do­res pri­va­dos de saú­de por cau­sa dos pre­ços aber­tos nas ci­rur­gi­as, pró­te­ses, e me­di­ca­men­tos ad­mi­nis­tra­dos em am­bi­en­te hos­pi­ta­lar. Is­to le­vou a ADSE a cor­ri­gir a fa­tu­ra­ção que lhe era apre­sen­ta­da pe­los hos­pi­tais pri­va­dos, atra­vés das cha­ma­das re­gu­la­ri­za­ções. Quan­do os pres­ta­do­res pri­va­dos ame­a­ça­ram ras­gar os acor­dos, em fe­ve­rei­ro do ano pas­sa­do, as ta­be­las fo­ram pro­me­ti­das pa­ra “bre­ve”. Eugénio Ro­sa ex­pli­ca que es­tão pre­vis­tos pre­ços fe­cha­dos, em­bo­ra não te­nha da­do de­ta­lhes so­bre o as­sun­to.

A ideia de que é ne­ces­sá­rio au­men­tar ou atu­a­li­zar o pre­ço das con­sul­tas pa­re­ce ago­ra mais con­sen­su­al en­tre os res­pon­sá­veis. Res­ta sa­ber se é des­ta que as no­vas ta­be­las, su­ces­si­va­men­te adi­a­das, avan­çam mes­mo.

Con­sul­tas cus­tam 43 mi­lhões à ADSE

No ano pas­sa­do, a des­pe­sa da ADSE com 2,88 mi­lhões de con­sul­tas no re­gi­me con­ven­ci­o­na­do as­cen­deu a 42,9 mi­lhões de eu­ros, re­ve­la o re­la­tó­rio e con­tas de 2019, a que o Ne­gó­ci­os te­ve aces­so. O au­men­to foi de 1,9% fa­ce ao ano an­te­ri­or e de 5,9% em dois anos. No en­tan­to, uma vez que os da­dos são apre­sen­ta­dos de for­ma agre­ga­da, não é cer­to que o universo aqui re­tra­ta­do coin­ci­da exa­ta­men­te com o das con­sul­tas que vão so­frer um au­men­to de pre­ço.

O mes­mo re­la­tó­rio tam­bém con­fir­ma que o nú­me­ro de pres­ta­do­res con­ven­ci­o­na­dos con­ti­nua a re­cu­ar, o que vai ao en­con­tro das pre­o­cu­pa­ções ex­pres­sa­das pe­lo vo­gal da ADSE, Eugénio Ro­sa. O nú­me­ro de pres­ta­do­res caiu 9% em dois anos (pa­ra 1.465) e o nú­me­ro de lo­cais de pres­ta­ção caiu 6% (pa­ra 3.572).

O re­la­tó­rio ex­pli­ca que a que­bra se de­ve, “em gran­de me­di­da”, à atu­a­li­za­ção da ba­se de da­dos, “ten­do-se de­nun­ci­a­do as con­ven­ções de pres­ta­do­res que não sub­me­te­ram qual­quer fa­tu­ra­ção por pe­río­dos su­pe­ri­o­res a 12 me­ses”.

De qual­quer for­ma, no ano pas­sa­do fo­ram ce­le­bra­das 26 no­vas con­ven­ções, quan­do “a pro­cu­ra, por par­te dos pres­ta­do­res, de no­vas con­ven­ções com a ADSE se mantém ele­va­da, ten­do da­do en­tra­da em mé­dia cer­ca de 220 no­vos pe­di­dos/ano nos úl­ti­mos três anos.”

No ano pas­sa­do, a re­cei­ta da ADSE cres­ceu 5,4% pa­ra 672 mi­lhões de eu­ros, mas a des­pe­sa cres­ceu 13,6%, pa­ra 622 mi­lhões, um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo que o re­la­tó­rio jus­ti­fi­ca com o in­cre­men­to do rit­mo de con­fe­rên­cia de fa­tu­ras (re­du­ção do pra­zo de fa­tu­ra­ção de 180 pa­ra 7 di­as). O re­sul­ta­do lí­qui­do foi de 102,7 mi­lhões de eu­ros, con­tra 57 mi­lhões no ano an­te­ri­or, em par­te de­vi­do ao “au­men­to dos pro­vei­tos” e à “cons­ti­tui­ção de um vo­lu­me de pro­vi­sões in­fe­ri­or ao do ano an­te­ri­or”.

“O ob­je­ti­vo é con­se­guir mais mé­di­cos pa­ra a re­de con­ven­ci­o­na­da. EUGÉNIO RO­SA Vo­gal da ADSE

A pro­pos­ta de ta­be­las de pre­ços do Con­se­lho Di­re­ti­vo ain­da se­rá ana­li­sa­da pe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.