So­ci­a­lis­tas adi­am “di­rei­to a des­li­gar” no au­ge do te­le­tra­ba­lho

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - CATARINA AL­MEI­DA PEREIRA

Um ano de­pois, o PS re­ti­rou da no­va ver­são do seu pro­je­to de Car­ta dos Di­rei­tos Fun­da­men­tais na Era Di­gi­tal, que foi re­a­pre­sen­ta­do es­ta quin­ta-fei­ra, os ar­ti­gos re­la­ti­vos ao cha­ma­do “di­rei­to a des­li­gar”. Em cau­sa es­tá a re­gu­la­ção dos li­mi­tes aos con­tac­tos fei­tos pe­los em­pre­ga­do­res por via ele­tró­ni­ca ou te­le­fó­ni­ca, fo­ra dos ho­rá­rio de tra­ba­lho.

Ques­ti­o­na­do so­bre a de­ci­são de dei­xar cair es­tes ar­ti­gos, nu­ma al­tu­ra em que a pan­de­mia for­çou as em­pre­sas a pro­mo­ver ou a to­le­rar o te­le­tra­ba­lho, o de­pu­ta­do do PS Jo­sé Ma­ga­lhães res­pon­deu ao Ne­gó­ci­os que es­te as­sun­to me­re­ce um de­ba­te mais apro­fun­da­do que pas­se pe­la con­cer­ta­ção so­ci­al. “A ma­té­ria exi­ge mui­to mais do que um pe­que­no ar­ti­go. Exi­ge um re­gi­me ju­rí­di­co su­fi­ci­en­te­men­te den­si­fi­ca­do e alar­ga­do, su­jei­to a de­ba­te na con­cer­ta­ção so­ci­al”, jus­ti­fi­cou.

A an­te­ri­or ver­são do pro­je­to de lei, apre­sen­ta­do em maio do ano pas­sa­do, es­ta­be­le­cia que os tra­ba­lha­do­res têm “o di­rei­to a des­li­gar dis­po­si­ti­vos di­gi­tais fo­ra do ho­rá­rio de tra­ba­lho”, de for­ma a ga­ran­tir o di­rei­to ao des­can­so, ao la­zer, à con­ci­li­a­ção e à in­ti­mi­da­de, “sem pre­juí­zo dos con­tac­tos a re­a­li­zar pe­lo em­pre­ga­dor em ca­sos de ur­gên­cia de for­ça mai­or ou no qu­a­dro de re­la­ções pro­fis­si­o­nais de con­fi­an­ça pes­so­al”.

Es­ta re­da­ção, que re­me­tia de­ci­sões pa­ra o re­gu­la­men­to interno da em­pre­sa – que dis­pen­sa acor­do – foi na al­tu­ra cri­ti­ca­da pe­lo Blo­co de Es­quer­da. O PCP co­lo­cou-se fo­ra do de­ba­te, que tam­bém se fez na co­mis­são par­la­men­tar do Tra­ba­lho, ale­gan­do que qual­quer mu­dan­ça vai na prá­ti­ca abrir ex­ce­ções aos li­mi­tes que já cons­tam da lei. O PSD não as­su­miu uma po­si­ção que per­mi­tis­se for­mar mai­o­ria.

Os ar­ti­gos da ver­são ori­gi­nal do pro­je­to que re­gu­la­vam, por exem­plo, o aces­so da en­ti­da­de pa­tro­nal ao cor­reio ele­tró­ni­co tam­bém de­sa­pa­re­ce­ram, bem co­mo tu­do o que es­ta­va re­la­ci­o­na­do com ou­tros di­rei­tos ou de­ve­res dos tra­ba­lha­do­res.

O de­pu­ta­do su­bli­nha, no en­tan­to, que o pro­je­to de lei que o PS ago­ra re­a­pre­sen­ta tem vá­ri­os pon­tos re­le­van­tes, co­mo a garantia de “di­rei­tos de res­pos­ta e de re­ti­fi­ca­ção em re­la­ção a con­teú­dos pu­bli­ca­dos em pla­ta­for­mas di­gi­tais”.

A pro­pos­ta es­ta­be­le­ce que os ci­da­dãos “têm o di­rei­to de apre­sen­tar e ver apre­ci­a­das pe­la ERC quei­xas con­tra pes­so­as sin­gu­la­res ou co­le­ti­vas que pro­du­zam, re­pro­du­zam ou di­fun­dam nar­ra­ti­vas que, em­bo­ra anun­ci­a­das co­mo sen­do no­tí­ci­as (…) in­te­grem informaçõe­s fal­sas” com o ob­je­ti­vo de “cau­sar da­no pú­bli­co ou ob­ter lu­cro” e pre­vê que as en­ti­da­des que pro­mo­vam es­tes di­rei­tos pos­sam ob­ter o es­ta­tu­to de pes­soa co­le­ti­va de uti­li­da­de pú­bli­ca.

Em to­do o ca­so, com a ses­são le­gis­la­ti­va a apro­xi­mar-se do fim, o no­vo pro­je­to do PS já não se­rá de­ba­ti­do an­tes das férias. De acor­do com o de­pu­ta­do Jo­sé Ma­ga­lhães a in­ten­ção do PS é re­lan­çar o de­ba­te em se­tem­bro.

“A ma­té­ria exi­ge um re­gi­me den­si­fi­ca­do e alar­ga­do, su­jei­to a de­ba­te na con­cer­ta­ção so­ci­al. JO­SÉ MA­GA­LHÃES De­pu­ta­do do PS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.