Ir­lan­dês Do­nohoe elei­to su­ces­sor de Cen­te­no no Eu­ro­gru­po

Ao con­trá­rio do que apon­ta­vam as bol­sas de apos­tas, o mi­nis­tro ir­lan­dês das Fi­nan­ças, Pas­chal Do­nohoe, ven­ceu a cor­ri­da à pre­si­dên­cia do Eu­ro­gru­po. Do­nohoe as­su­me li­de­ran­ça da ins­ti­tui­ção in­for­mal no pró­xi­mo dia 13 de ju­lho.

Jornal de Negócios - - ECONOMIA - DAVID SAN­TI­A­GO dsan­ti­a­go@ne­go­ci­os.pt Ju­li­en War­nand/EPA

Ocon­ser­va­dor ir­lan­dês Pas­chal Do­nohoe é o no­vo pre­si­den­te do Eu­ro­gru­po pa­ra os pró­xi­mos dois anos e meio. O mi­nis­tro ir­lan­dês das Fi­nan­ças as­se­gu­rou a mai­o­ria sim­ples dos vo­tos dos 19 mi­nis­tros das Fi­nan­ças que in­te­gram a ins­ti­tui­ção in­for­mal na se­gun­da ron­da de vo­ta­ções da elei­ção que de­cor­reu es­ta quin­ta-fei­ra, por vi­de­o­con­fe­rên­cia.

Foi o pró­prio Má­rio Cen­te­no, que aban­do­na o car­go no pró­xi­mo dia 12 de ju­lho, que, atra­vés do Twit­ter, re­ve­lou ter si­do Do­nohoe o ven­ce­dor, num twe­et em que apro­vei­tou pa­ra dar os “pa­ra­béns ao no­vo pre­si­den­te do Eu­ro­gru­po”. O go­ver­nan­te ir­lan­dês ini­cia fun­ções a 13 de ju­lho.

Do­nohoe der­ro­tou nes­ta elei­ção dois ou­tros can­di­da­tos: a es­pa­nho­la e fa­vo­ri­ta Na­dia Cal­viño, que à par­ti­da pa­ra a elei­ção con­ta­va com o apoio de paí­ses co­mo Portugal, Ale­ma­nha, Fran­ça e Itá­lia; e o lu­xem­bur­guês Pi­er­re Gra­meg­na. Ape­sar de a vo­ta­ção ser se­cre­ta, sa­be-se que Gra­meg­na não par­ti­ci­pou na se­gun­da vo­ta­ção ele­tró­ni­ca, que foi ne­ces­sá­ria por­que a pri­mei­ra te­ve um re­sul­ta­do in­con­clu­si­vo (ne­nhum can­di­da­to te­ve pe­lo me­nos 10 dos 19 vo­tos).

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças ir­lan­dês per­ten­ce ao par­ti­do con­ser­va­dor Fi­ne Ga­el (cen­tro-di­rei­ta), que in­te­gra o gru­po eu­ro­peu do PPE, e que re­cen­te­men­te for­ma­li­zou uma iné­di­ta co­li­ga­ção de go­ver­no com os ar­quir­ri­vais do Fi­an­na Fáil e dos Ver­des.

A re­cen­te con­fir­ma­ção de uma so­lu­ção go­ver­na­ti­va es­tá­vel (a ali­an­ça tem acor­do pa­ra go­ver­nar até ao fi­nal de 2022) foi um con­tri­bu­to im­por­tan­te pa­ra as as­pi­ra­ções eu­ro­pei­as de Pas­chal Do­nohoe, uma vez que o ti­tu­lar da che­fia do Eu­ro­gru­po tem obri­ga­to­ri­a­men­te de ser si­mul­ta­ne­a­men­te mi­nis­tro das Fi­nan­ças de um país da mo­e­da úni­ca.

Na car­ta de mo­ti­va­ção que re­me­teu pa­ra Bru­xe­las aquan­do da ofi­ci­a­li­za­ção da sua can­di­da­tu­ra, o ex­pe­ri­en­te po­lí­ti­co ir­lan­dês – an­tes de as­su­mir as Fi­nan­ças da Ir­lan­da, em 2017, tu­te­lou a pas­ta dos Trans­por­tes, Tu­ris­mo e Des­por­to en­tre 2014 e 2016 e foi mi­nis­tro dos As­sun­tos Eu­ro­peus en­tre 2013 e 2014 – mos­trou-se em sin­to­nia com as no­vas pri­o­ri­da­des po­lí­ti­cas da Co­mis­são Eu­ro­peia ao pro­me­ter tra­ba­lhar pa­ra um cres­ci­men­to eco­nó­mi­co as­sen­te nas tran­si­ções am­bi­en­tal e di­gi­tal.

A elei­ção do ir­lan­dês é me­nos neu­tra e im­pli­ca uma mai­or al­te­ra­ção na atu­al re­la­ção de po­de­res, re­for­çan­do o peso do mai­or gru­po po­lí­ti­co eu­ro­peu (PPE) e re­ti­ran­do peso ao Sul da Eu­ro­pa. Mas a es­co­lha de um con­ser­va­dor po­de tam­bém ser vis­ta co­mo uma apro­xi­ma­ção aos in­te­res­ses dos paí­ses mais re­ti­cen­tes re­la­ti­va­men­te à pro­pos­ta da Co­mis­são Eu­ro­peia pa­ra o re­lan­ça­men­to eco­nó­mi­co e um em­pur­rão no sen­ti­do de um acor­do en­tre os 27 lí­de­res eu­ro­peus na ci­mei­ra da pró­xi­ma semana.

Já de­pois de elei­to, Pas­chal Do­nohoe rei­te­rou o que já es­cre­ve­ra na mis­si­va en­vi­a­da pa­ra Bru­xe­las, pro­me­ten­do ser um fa­ze­dor de pon­tes en­tre Nor­te e Sul, e Les­te e Oes­te e as­su­min­do co­mo gran­de pri­o­ri­da­de a pro­mo­ção de uma res­pos­ta efi­caz à cri­se pan­dé­mi­ca e uma “re­cu­pe­ra­ção jus­ta e in­clu­si­va”.

A des­pe­di­da de Cen­te­no

Es­ta reu­nião foi a úl­ti­ma de Má­rio Cen­te­no co­mo lí­der do Eu­ro­gru­po (e a pri­mei­ra de João Leão co­mo ti­tu­lar das Fi­nan­ças). “Foi uma hon­ra par­ti­ci­par nos tra­ba­lhos do Eu­ro­gru­po nos úl­ti­mos cin­co anos”, dis­se o ex-mi­nis­tro das Fi­nan­ças no­tan­do que es­se foi o pe­río­do en­tre a cri­se das dí­vi­das so­be­ra­nas e a cri­se da co­vid-19. Lo­go no ar­ran­que do en­con­tro, Cen­te­no fa­lou bre­ve­men­te so­bre o seu man­da­to, re­ce­ben­do aplau­sos no fi­nal e elo­gi­os do mi­nis­tro de Mal­ta, Edward Sci­clu­na, que agra­de­ceu o tra­ba­lho do por­tu­guês em no­me de to­dos os par­ti­ci­pan­tes.

Quan­to a Do­nohoe, Cen­te­no as­su­miu ter si­do “um pra­zer tra­ba­lhar com ele” e ga­ran­tiu que “se­rá um ex­ce­len­te pre­si­den­te do Eu­ro­gru­po”. “Meu colega, meu ami­go e ago­ra meu go­ver­na­dor, Má­rio Cen­te­no”, re­tri­buiu o su­ces­sor elo­gi­an­do o tra­ba­lho do por­tu­guês pa­ra tor­nar a união eco­nó­mi­ca e mo­ne­tá­ria “mais co­e­sa e re­si­li­en­te”.

“Aguar­do com ex­pec­ta­ti­va po­der tra­ba­lhar com os meus co­le­gas no Eu­ro­gru­po pa­ra as­se­gu­rar uma re­cu­pe­ra­ção jus­ta e in­clu­si­va. PAS­CHAL DO­NOHOE Fu­tu­ro pre­si­den­te do Eu­ro­gru­po

“[Foi] um pra­zer tra­ba­lhar com ele [Do­nohoe]. [...] Se­rá um ex­ce­len­te pre­si­den­te do Eu­ro­gru­po.

MÁ­RIO CEN­TE­NO Pre­si­den­te do Eu­ro­gru­po em fim de man­da­to

Má­rio Cen­te­no vai pas­sar a pas­ta ao seu colega e mi­nis­tro das Fi­nan­ças ir­lan­dês, Pas­chal Do­nohoe.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.