Hen­ri­que Som­mer, o in­dus­tri­al dos ci­men­tos

Jornal de Negócios - - Weekend - O AZAR DA LI­BRA

Foi o men­tor e fi­nan­ci­a­dor da Em­pre­sa de Ci­men­tos de Lei­ria, em Ma­cei­ra. Anos de­pois com­prou a Com­pa­nhia de Ci­men­tos Te­jo em Alhan­dra, que vi­ria a es­tar na ba­se do im­pé­rio cri­a­do mais tar­de pe­lo so­bri­nho An­tó­nio Cham­pa­li­maud.

Os his­to­ri­a­do­res A.H. Oli­vei­ra Mar­ques e Fer­nan­da Rol­lo con­si­de­ra­ram Hen­ri­que Som­mer, “por­ven­tu­ra o se­gun­do gran­de in­dus­tri­al do país no pe­río­do fi­nal da 1.ª Re­pú­bli­ca”, sen­do o pri­mei­ro Al­fre­do da Sil­va com o gru­po Cuf. Hen­ri­que Araú­jo de Som­mer nas­ceu em Lisboa a 29 de ju­nho de 1886, e era ne­to de Hein­ri­ch Franz Ludwig von Som­mer, oriun­do do con­da­do de Brauns­chweig, que em 1831 se jun­tou às for­ças li­be­rais de D. Pe­dro IV. Foi um dos 7.500 bra­vos do Min­de­lo, ten­do si­do fei­to ca­va­lei­ro da Or­dem da Tor­re e Es­pa­da. Re­for­mou-se co­mo ca­pi­tão do exér­ci­to, apor­tu­gue­sou o seu no­me pa­ra Luís Som­mer e deu no­me à li­nha­gem fa­mi­li­ar Som­mer atra­vés do ca­sa­men­to com Ri­ta Gar­cez de Oli­vei­ra, com quem te­ve se­te fi­lhos. O seu ne­to, Hen­ri­que Araú­jo de Som­mer, foi, aos 16 anos, es­tu­dar pa­ra Lon­dres, e, em­bo­ra não te­nha fei­to ne­nhum cur­so, fa­la­va flu­en­te­men­te vá­ri­as lín­guas, ten­do tra­ba­lha­do nu­ma ca­sa co­mer­ci­al lon­dri­na. No re­gres­so, jun­tou-se ao pai, Hen­ri­que Oli­vei­ra Som­mer, na Ca­sa Som­mer e, aos 26 anos, as­su­mia a ge­rên­cia. Fun­da­da em 1858 de­di­ca­va-se ao co­mér­cio de fer­ro e de aço pa­ra a cons­tru­ção e de aços es­pe­ci­ais, tor­nou-se a mais im­por­tan­te fir­ma de co­mér­cio de me­tais. Na Ca­sa Som­mer, in­te­res­sou-se pe­la im­por­ta­ção de ci­men­tos, re­co­lheu in­for­ma­ção, ana­li­sou e viu uma opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio nos ci­men­tos. A pro­du­ção de ci­men­to das du­as fá­bri­cas exis­ten­tes em Alhan­dra e Ou­tão atin­gia as 16 mil to­ne­la­das, im­por­tan­do-se da Eu­ro­pa 30 mil to­ne­la­das e o be­tão ar­ma­do ga­nha­va peso co­mo ma­te­ri­al de cons­tru­ção, da­tan­do de 1918 o pri­mei­ro “re­gu­la­men­to pa­ra o em­pre­go do be­tom ar­ma­do”. Acon­se­lhou-se jun­to de ami­gos, os en­ge­nhei­ros de mi­nas Gas­tão Ben­ja­mim Pin­to (1886-1976), que vi­ria a ser ad­mi­nis­tra­dor da fu­tu­ra em­pre­sa, e Car­los Van Zel­ler, so­bre a pos­si­bi­li­da­de da mon­tar uma no­va fá­bri­ca de ci­men­to. A CONS­TRU­ÇÃO DE UMA FÁ­BRI­CA

Na mes­ma al­tu­ra, em 1918, Jo­sé Osó­rio Ro­cha e Mel­lo, que ti­nha fei­to en­ge­nha­ria na Ale­ma­nha e na Suí­ça e um es­tá­gio nu­ma fá­bri­ca de ci­men­to na Suí­ça, fez um re­la­tó­rio pa­ra uma fá­bri­ca de ci­men­tos em Portugal. Tentou atrair par­cei­ros pa­ra o pro­je­to, mas, “ao fim de seis me­ses de in­su­ces­sos e pro­fun­da­men­te de­sa­ni­ma­do, en­con­trei um dia por me­ro aca­so uma pes­soa ami­ga (Car­los Van Zel­ler) a quem con­tei a mi­nha odis­seia”, es­cre­veu Jo­sé Osó­rio Ro­cha e Mel­lo.

Car­los Van Zel­ler apre­sen­tou-o a Hen­ri­que Som­mer “nu­ma tar­de pa­ra mim me­mo­rá­vel, o dia 5 de Maio de 1919. Re­cor­do-me que a con­ver­sa des­sa tar­de, du­rou umas 4 ho­ras, du­ran­te as quais lhe apre­sen­tei do­cu­men­ta­ção nu­me­ro­sa e, ca­bo pa­ra mim no­vo, não cha­mou à mi­nha dis­ser­ta­ção po­e­sia ce­les­ti­al ou, se qui­se­rem, in­dus­tri­al”, re­cor­dou Jo­sé Osó­rio Ro­cha e Mel­lo.

A 30 de ou­tu­bro de 1919 foi cri­a­da a Em­pre­sa de Ci­men­tos de Lei­ria, com um ca­pi­tal de mil con­tos dis­tri­buí­dos por Hen­ri­que Som­mer com 10%, Luís Adol­fo Som­mer da Quin­ta da Car­di­ga fi­cou com 33%, e dez fa­mi­li­a­res, en­tre eles o cu­nha­do Car­los Cham­pa­li­maud ca­sa­do com Ana Som­mer, ir­mã de Hen­ri­que Som­mer.

Em ju­nho de 1919 foi ar­ren­da­do, e no ano se­guin­te ad­qui­ri­do, o ter­re­no pa­ra ins­ta­la­ção na no­va fá­bri­ca a João Tei­xei­ra Gu­e­des que, por vol­ta de 1910, aban­do­na­ra a fá­bri­ca de ci­men­to na­tu­ral. En­tre­tan­to, em 22 de maio de 1919, a em­pre­sa fez um pe­di­do de con­ces­são do di­rei­to ex­clu­si­vo de fa­bri­ca­ção de ci­men­to por­tland “por meio de for­nos ro­ta­ti­vos me­tá­li­cos”.

A op­ção foi por um pro­ces­so de pro­du­ção de via se­ca com for­no ro­ta­ti­vo na co­ze­du­ra que foi o pri­mei­ro a ser ins­ta­la­do em Portugal, ten­do os equi­pa­men­tos in­dus­tri­ais e elé­tri­cos si­do ad­qui­ri­dos na Ale­ma­nha. Pa­ra ace­le­rar a cons­tru­ção dos edi­fí­ci­os e das es­tru­tu­ras fa­bris, fi­ze­ram uma fá­bri­ca de ti­jo­los e te­lhas.

Sem re­de elé­tri­ca de dis­tri­bui­ção pú­bli­ca, foi ne­ces­sá­rio mon­tar uma cen­tral elé­tri­ca pa­ra for­ne­cer a fá­bri­ca. Por is­so Hen­ri­que Som­mer in­ves­tiu na Em­pre­sa Hi­dro-Eléctrica do Al­to Alen­te­jo que, mais tar­de, pas­sou a for­ne­cer a ener­gia de alta tensão à fá­bri­ca de Ma­cei­ra-Liz. Cons­truí­ram uma linha fer­ro­viá­ria pri­va­da até à es­ta­ção da CP de Mar­tin­gan­ça.

A in­ten­si­da­de dos in­ves­ti­men­tos de cons­tru­ção e ins­ta­la­ção da fá­bri­ca de­fron­tou-se com pro­fun­da des­va­lo­ri­za­ção do es­cu­do em re­la­ção à li­bra in­gle­sa. Hen­ri­que Som­mer re­cor­reu a em­prés­ti­mos ban­cá­ri­os ten­do da­do os seus ati­vos co­mo ga­ran­ti­as, in­cluin­do a ca­sa e o au­to­mó­vel. A sua for­tu­na fa­mi­li­ar e pes­so­al es­ta­va ava­li­a­da em cer­ca de 18 mil con­tos, se­gun­do cál­cu­los de 1920.

Em 1923, com a en­tra­da em la­bo­ra­ção da fá­bri­ca de Ma­cei­ra

-Liz, a pro­du­ção na­ci­o­nal de ci­men­to ul­tra­pas­sou as 25 mil to­ne­la­das e tor­nou-se au­tos­su­fi­ci­en­te. Em pou­co mais de dez anos, a mar­ca Liz atin­giu a li­de­ran­ça da in­dús­tria ci­men­tei­ra na­ci­o­nal e, em 1928, de­ci­dem abrir a se­gun­da linha de pro­du­ção, pla­ne­a­da des­de o prin­cí­pio. Em 1938, a Em­pre­sa de Ci­men­tos de Lei­ria tri­pli­ca a sua pro­du­ção pa­ra 120 mil to­ne­la­das/ano.

UTOPIA E NO­VA FÁ­BRI­CA

A cons­tru­ção da fá­bri­ca im­pli­cou uma aten­ção par­ti­cu­lar de Hen­ri­que Som­mer em re­la­ção à mão de obra. Cri­ou uns ser­vi­ços de saú­de que, nos anos 1940, ti­nham ca­pa­ci­da­de pa­ra pres­tar as­sis­tên­cia a 3.500 pes­so­as, os tra­ba­lha­do­res e res­pe­ti­vas fa­mí­li­as. Na obra so­ci­al da em­pre­sa tra­ba­lha­vam 70 pes­so­as e en­glo­ba­va o hos­pi­tal, a co­o­pe­ra­ti­va, a ca­sa de pes­so­al, a es­co­la, o res­tau­ran­te, o bal­neá­rio, a bar­be­a­ria e sec­ções des­por­ti­vas e mu­si­cais. Cons­truí­ra 150 ca­sas e a quem não ti­nha si­do atri­buí­da ca­sa re­ce­bia sub­sí­dio de ren­da, aos que ti­nham ca­sa da­vam apoio a sua ma­nu­ten­ção e em­pres­ta­va sem ju­ros pa­ra a cons­tru­ção. Foi o que o po­lí­ti­co e pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio Agos­ti­nho Cam­pos cha­mou os “ar­ra­bal­des da Utopia”

Em 1935 a Em­pre­sa de Ci­men­tos de Lei­ria to­mou po­si­ção aci­o­nis­ta na Com­pa­nhia Ci­men­to Te­jo que ex­plo­ra­va a fá­bri­ca de Alhan­dra. An­tó­nio Theóphi­lo de Araú­jo Ra­to (1854-1922) di­ri­gia a em­pre­sa co­mer­ci­al An­tó­nio Mo­rei­ra Ra­to & Fi­lhos, fun­da­da em 1840, e ven­dia ma­te­ri­ais de cons­tru­ção, cal hi­dráu­li­ca, ci­men­tos na­tu­rais de ori­gem na­ci­o­nal e ci­men­to por­tland.

Em 1888, pro­cu­rou as­so­ci­ar vá­ri­os ca­pi­ta­lis­tas nu­ma no­va fá­bri­ca, mas foi a fa­mí­lia Mo­rei­ra Ra­to a lan­çar-se so­zi­nha no pro­je­to, e em 1894, em Alhan­dra, sur­giu a fá­bri­ca de ci­men­tos com a mar­ca re­gis­ta­da Te­jo.

Ape­sar da acei­ta­ção da mar­ca e dos bons re­sul­ta­dos, a par­tir de 1904 os re­sul­ta­dos co­me­çam a ser ne­ga­ti­vos. Em 1912 cons­ti­tuiu-se a Com­pa­nhia de Ci­men­tos Te­jo, que foi ad­qui­ri­da por em­pre­sá­ri­os do Por­to. A par­tir dos anos 20, fi­cou sob pres­são da Fá­bri­ca de Ma­cei­ra, te­ve de se re­no­var com no­vas tec­no­lo­gi­as co­mo dois for­nos ro­ta­ti­vos, o que pres­supôs gran­des in­ves­ti­men­tos em tem­po de cri­se.

O que le­vou o Ban­co Ali­an­ça, aci­o­nis­ta des­de 1920 e que em 1935 já ti­nha 25% das ações, a des­pren­der-se des­ta par­ti­ci­pa­ção in­dus­tri­al. Pa­ra Hen­ri­que Som­mer foi uma opor­tu­ni­da­de de ouro. Com es­ta aqui­si­ção pas­sou a do­mi­nar o mer­ca­do na­ci­o­nal, que par­ti­lha­va em re­gi­me de du­o­pó­lio com a fá­bri­ca Se­cil, de ca­pi­tal di­na­marquês, ins­ta­la­da na Pe­nín­su­la de Se­tú­bal, em Ou­tão, des­de 1906.

O SO­NHO DA SIDERURGIA

A ideia in­dus­tri­al de Hen­ri­que Som­mer era par­tir da in­dús­tria de ci­men­tos e me­ta­lo­me­câ­ni­ca pa­ra a si­de­rúr­gi­ca, até por­que o seu pai Hen­ri­que de Oli­vei­ra Som­mer che­gou a ini­ci­ar a cons­tru­ção de uma siderurgia em Al­co­che­te.

Hen­ri­que Som­mer foi um dos prin­ci­pais aci­o­nis­tas das fá­bri­cas Vul­ca­no & Co­la­res, re­sul­ta­do de uma fu­são em 1915, que nos anos 30 ti­nha cer­ca de 700 tra­ba­lha­do­res. Fa­bri­ca­va al­fai­as e má­qui­nas agrí­co­las, co­mo a de­bu­lha­do­ra me­câ­ni­ca, Vul­cá­lia, apre­sen­ta­da em 1932, e bens de equi­pa­men­to co­mo a cons­tru­ção de na­vi­os, e con­du­tas pa­ra em­pre­sas hi­dro­e­lé­tri­cas. Em 1943, Hen­ri­que Som­mer trans­fe­riu a em­pre­sa pa­ra a Ven­da No­va na Amadora, on­de tam­bém lo­ca­li­zou a gran­de fá­bri­ca me­câ­ni­ca de pa­ra­fu­sos da Em­pre­sa Pro­gres­so In­dus­tri­al.

Em 1937, Hen­ri­que Som­mer in­te­res­sou-se pe­lo pro­ces­so Bas­set, pa­ten­te­a­do por Lu­ci­en Bas­set, em que se ob­ti­nha gu­sa e clín­quer, ten­do en­co­men­da­do um for­no Krupp, que vi­ria a fun­ci­o­nar em 1940. Es­te for­no ti­nha de­fi­ci­ên­ci­as e foi apro­vei­ta­do pa­ra fa­bri­car pe­que­nos uten­sí­li­os do­més­ti­cos, so­bre­tu­do en­quan­to du­rou a gu­er­ra (1939-1945).

Ca­sa­do com Pal­mi­ra Di­o­go da Sil­va des­de 1911, não te­ve fi­lhos, por is­so co­me­çou a pre­pa­rar a su­ces­são nos ne­gó­ci­os pa­ra os seus so­bri­nhos. Em 1942, An­tó­nio Cham­pa­li­maud foi, aos 24 anos, no­me­a­do ad­mi­nis­tra­dor da Em­pre­sa de Ci­men­tos de Lei­ria. Por sua vez, o afi­lha­do Hen­ri­que Cham­pa­li­maud pas­sou a in­te­grar a ge­rên­cia da Som­mer & Cª. Hen­ri­que Araú­jo de Som­mer fa­le­ceu, aos 58 anos, a 28 de mar­ço de 1944, de can­cro pro­vo­ca­do pe­lo consumo ex­ces­si­vo de ta­ba­co e, co­mo no seu tes­ta­men­to pe­dia, o en­ter­ro foi o “mais mo­des­to pos­sí­vel”.

À es­quer­da: Hen­ri­que Som­mer e Jo­sé Osó­rio Ro­cha e Mel­lo (1920), o en­ge­nhei­ro que o de­sa­fi­ou a in­ves­tir no ne­gó­cio dos ci­men­tos. Em ci­ma: Re­tra­to de Hen­ri­que Som­mer, con­si­de­ra­do pe­los his­to­ri­a­do­res o se­gun­do gran­de in­dus­tri­al do país no pe­río­do fi­nal da 1.ª Re­pú­bli­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.