Ban­co de Portugal te­me “pa­ra­do­xo da pou­pan­ça”

Jornal de Negócios - - PRIMEIRA PÁGINA - RI­TA ATALAIA ri­ta­a­ta­laia@ne­go­ci­os.pt

Luís Má­xi­mo dos San­tos diz que “o consumo ten­de­rá a ser re­fre­a­do e o mo­ti­vo pre­cau­ção já es­tá a sen­tir-se no au­men­to dos de­pó­si­tos”.

Má­xi­mo dos San­tos, vi­ce-go­ver­na­dor do BdP, acre­di­ta num au­men­to das poupanças dos por­tu­gue­ses, o que é “po­si­ti­vo” nu­ma al­tu­ra em que os ní­veis são bai­xos. Mas aler­ta que es­ta “cri­se é es­pe­ci­al” e não ex­clui a hi­pó­te­se de se fi­car pe­ran­te o “pa­ra­do­xo da pou­pan­ça”.

Má­xi­mo dos San­tos, vi­ce- go­ver­na­dor do Ban­co de Portugal (BdP), afir­ma que a no­va cri­se fi­nan­cei­ra, pro­vo­ca­da pe­la pan­de­mia, po­de­rá le­var os por­tu­gue­ses a au­men­ta­rem os ní­veis de pou­pan­ça, tal co­mo tem acon­te­ci­do nou­tras si­tu­a­ções de stress fi­nan­cei­ro. No en­tan­to, aler­ta, es­ta “cri­se é es­pe­ci­al”, não ex­cluin­do a pos­si­bi­li­da­de de se vir a as­sis­tir ao cha­ma­do “pa­ra­do­xo da pou­pan­ça”, na­que­le que po­de­rá ser um com­por­ta­men­to pre­ju­di­ci­al pa­ra a eco­no­mia.

“O consumo ten­de­rá a ser re­fre­a­do e o mo­ti­vo pre­cau­ção já es­tá a sen­tir-se, por exem­plo, no au­men­to dos de­pó­si­tos ban­cá­ri­os. Não é ne­nhu­ma no­vi­da­de: já na cri­se fi­nan­cei­ra os por­tu­gue­ses ado­ta­ram com­por­ta­men­tos fi­nan­cei­ros pru­den­tes pe­ran­te a in­cer­te­za quan­to ao fu­tu­ro, re­du­zin­do as des­pe­sas e au­men­tan­do os ní­veis de pou­pan­ça”, afir­ma Má­xi­mo dos San­tos, nu­ma en­tre­vis­ta por es­cri­to ao Ne­gó­ci­os, quan­do ques­ti­o­na­do so­bre se a pan­de­mia tra­rá um au­men­to dos ní­veis de pou­pan­ça dos por­tu­gue­ses.

Um cres­ci­men­to que o res­pon­sá­vel do BdP con­si­de­ra ser po­si­ti­vo. “A bai­xa ta­xa de pou­pan­ça é há mui­to um dos pro­ble­mas iden­ti­fi­ca­dos na nos­sa eco­no­mia, pois di­fi­cul­ta o in­ves­ti­men­to e fo­men­ta o en­di­vi­da­men­to. Lo­go, a su­bi­da da pou­pan­ça é al­go po­si­ti­vo”, re­fe­re.

Mas dei­xa um aler­ta: “Es­ta cri­se é mui­to es­pe­ci­al. Fa­ce ao cli­ma de me­do ge­ne­ra­li­za­do so­bre o fu­tu­ro eco­nó­mi­co, não é de ex­cluir que ocor­ra a si­tu­a­ção co­nhe­ci­da por ‘pa­ra­do­xo da pou­pan­ça’. Tam­bém por is­so, os es­tí­mu­los eco­nó­mi­cos de ca­rá­ter pú­bli­co são cen­trais nes­ta cri­se.”

O ter­mo do eco­no­mis­ta John May­nard Key­nes sig­ni­fi­ca que se to­dos de­ci­di­rem pou­par ao mes­mo tem­po, por­que há in­cer­te­za em re­la­ção ao fu­tu­ro, a que­da da pro­cu­ra e os efei­tos no consumo aca­ba­rão, pa­ra­do­xal­men­te, por re­du­zir as poupanças. Es­te com­por­ta­men­to aca­ba por ser pre­ju­di­ci­al pa­ra a eco­no­mia, já que com mais pou­pan­ça, há me­nos consumo dos bens das em­pre­sas.

Por­tu­gue­ses re­ve­lam me­nos pro­a­ti­vi­da­de na pou­pan­ça

O mais re­cen­te inqué­ri­to in­ter­na­ci­o­nal à li­te­ra­cia fi­nan­cei­ra dos adul­tos 2020 da OCDE/INFE mos­tra que o de­sem­pe­nho na­ci­o­nal re­ve­la mai­or stress e pre­o­cu­pa­ção fi­nan­cei­ra (com o pa­ga­men­to das con­tas ou que o di­nhei­ro não se­ja su­fi­ci­en­te, por exem­plo) e me­nor pro­a­ti­vi­da­de na apli­ca­ção de pou­pan­ça do que a mé­dia dos paí­ses par­ti­ci­pan­tes. En­tre os en­tre­vis­ta­dos, 63,5% mos­tram pro­a­ti­vi­da­de na apli­ca­ção da pou­pan­ça, de acor­do com os re­sul­ta­dos do inqué­ri­to di­vul­ga­dos no fi­nal de ju­nho pe­lo BdP.

“Ape­sar de ter mai­or pre­o­cu­pa­ção com o pa­ga­men­to das con­tas ou que o di­nhei­ro não se­ja su­fi­ci­en­te e me­nor pro­a­ti­vi­da­de na apli­ca­ção da pou­pan­ça, Portugal ob­te­ve re­sul­ta­dos aci­ma da mé­dia no que se re­fe­re ao con­tro­lo sis­te­má­ti­co das fi­nan­ças pes­so­ais, à pon­de­ra­ção das des­pe­sas, ao pa­ga­men­to atem­pa­do das con­tas, à de­fi­ni­ção de ob­je­ti­vos fi­nan­cei­ros de lon­go pra­zo e à não uti­li­za­ção de cré­di­to pa­ra fa­zer fa­ce a des­pe­sas quo­ti­di­a­nas”, diz Má­xi­mo dos San­tos.

Portugal fi­cou em 7.º lu­gar no in­di­ca­dor glo­bal de li­te­ra­cia fi­nan­cei­ra no inqué­ri­to in­ter­na­ci­o­nal à li­te­ra­cia fi­nan­cei­ra dos adul­tos 2020 promovido pe­la “In­ter­na­ti­o­nal Network on Fi­nan­ci­al Edu­ca­ti­on” da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co jun­to de 26 paí­ses.

Pa­ra o vi­ce-go­ver­na­dor, “os re­sul­ta­dos al­can­ça­dos por Portugal nes­se inqué­ri­to são in­dis­cu­ti­vel­men­te mui­to po­si­ti­vos pa­ra o país e cons­ti­tu­em um es­tí­mu­lo adi­ci­o­nal pa­ra con­ti­nu­ar um tra­ba­lho que é fun­da­men­tal, que tem de ser per­ma­nen­te e em que há mui­to pa­ra fa­zer”. Portugal sur­ge em 5.º lu­gar no in­di­ca­dor de ati­tu­des fi­nan­cei­ras, ocu­pan­do a mes­ma po­si­ção no in­di­ca­dor de com­por­ta­men­tos fi­nan­cei­ros. Na ver­ten­te de co­nhe­ci­men­tos fi­nan­cei­ros ocu­pa a 16.ª po­si­ção.

“A pro­mo­ção da in­for­ma­ção e da for­ma­ção fi­nan­cei­ra foi as­su­mi­da há já vá­ri­os anos co­mo um pi­lar fun­da­men­tal da su­per­vi­são com­por­ta­men­tal dos mer­ca­dos ban­cá­ri­os de re­ta­lho”, re­fe­re. Uma apos­ta que ga­ran­te que se vai man­ter ape­sar da saí­da de Car­los Cos­ta do car­go de go­ver­na­dor de­pois de um man­da­to de uma dé­ca­da. “É uma op­ção ins­ti­tu­ci­o­nal es­tra­té­gi­ca par­ti­lha­da in­ter­na­ci­o­nal­men­te e, por­tan­to, es­tá pa­ra lá das con­tin­gên­ci­as pes­so­ais”, diz Má­xi­mo dos San­tos, re­cu­san­do-se a co­men­tar a pos­si­bi­li­da­de de Má­rio Cen­te­no vir a de­sem­pe­nhar es­te pa­pel.

“O consumo ten­de­rá a ser re­fre­a­do e o mo­ti­vo pre­cau­ção já es­tá a sen­tir-se, por exem­plo, no au­men­to dos de­pó­si­tos. “Não é de ex­cluir que ocor­ra a si­tu­a­ção co­nhe­ci­da por ‘pa­ra­do­xo da pou­pan­ça’.

MÁ­XI­MO DOS SAN­TOS Vi­ce-go­ver­na­dor do Ban­co de Portugal

Má­xi­mo dos San­tos diz que os es­tí­mu­los eco­nó­mi­cos de ca­rá­ter pú­bli­co são cen­trais nes­ta cri­se.

Mi­guel Bal­ta­zar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.