Re­de de se­gu­ran­ça dos ban­cos cen­trais fa­vo­re­ce apos­ta em dí­vi­da

A BlackRock al­te­rou as su­as pers­pe­ti­vas de in­ves­ti­men­to de­vi­do à pan­de­mia da co­vid-19, pri­vi­le­gi­an­do a ex­po­si­ção às obri­ga­ções de em­pre­sas e à dí­vi­da da pe­ri­fe­ria, ati­vos em que iden­ti­fi­ca po­ten­ci­al de re­tor­nos.

Jornal de Negócios - - MERCADOS - PA­TRÍ­CIA ABREU pa­breu@ne­go­ci­os.pt

Apan­de­mia da co­vid-19 for­çou a BlackRock a re­ver a sua es­tra­té­gia de in­ves­ti­men­to pa­ra 2020. mai­or ges­to­ra de ati­vos do mun­do re­for­çou a apos­ta em obri­ga­ções de em­pre­sas, um seg­men­to que de­ve­rá con­ti­nu­ar a ser be­ne­fi­ci­a­do pe­los pro­gra­mas inéditos de es­tí­mu­los mo­ne­tá­ri­os im­ple­men­ta­dos pe­los prin­ci­pais ban­cos cen­trais mun­di­ais.

À se­me­lhan­ça do que acon­te­ceu na an­te­ri­or cri­se fi­nan­cei­ra, a in­ter­ven­ção dos ban­cos cen­trais foi ful­cral pa­ra tra­var os efei­tos da cri­se da co­vid-19. En­ti­da­des co­mo a Re­ser­va Fe­de­ral dos Es­ta­dos Uni­dos e o Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu in­je­ta­ram bi­liões de dó­la­res no mer­ca­do. Em ci­ma dos es­tí­mu­los mo­ne­tá­ri­os, tam­bém os go­ver­nos abri­ram os cor­dões à bol­sa, com pro­gra­mas or­ça­men­tais ro­bus­tos. “Hou­ve uma re­vo­lu­ção da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e fis­cal a ní­vel glo­bal”, re­fe­re An­dré Themudo, res­pon­sá­vel da BlackRock pa­ra Portugal, acres­cen­tan­do que, no ca­so da Fed, o ba­lan­ço do ban­co cen­tral pas­sou de 4 pa­ra 11 bi­liões de dó­la­res. Pla­nos que, na opi­nião da ges­to­ra, su­por­tam o in­ves­ti­men­to em tí­tu­los de dí­vi­da.

“As me­di­das dos ban­cos cen­trais fun­ci­o­nam co­mo uma re­de de se­gu­ran­ça pa­ra os emi­ten­tes”, ex­pli­ca An­dré Themudo, nu­ma vi­de­o­con­fe­rên­cia com jor­na­lis­tas na qual apre­sen­tou o “ou­tlo­ok” da BlackRock pa­ra o se­gun­do se­mes­tre des­te ano. O res­pon­sá­vel pe­lo ne­gó­cio da BlackRock em Portugal des­ta­ca que, ape­sar de ha­ver um mai­or risco de in­cum­pri­men

tos, “o ren­di­men­to ofe­re­ci­do pe­la dí­vi­da de em­pre­sas mais que com­pen­sa o risco” do in­ves­ti­men­to, com es­tes ati­vos a ga­ran­ti­rem uma me­lhor re­la­ção ren­ta­bi­li­da­de-risco.

Fa­ce à ex­pec­ta­ti­va que se man­te­nha o apoio dos ban­cos cen­trais, a BlackRock con­si­de­ra que tan­to há opor­tu­ni­da­des na dí­vi­da de em­pre­sas com boa qua­li­da­de de cré­di­to, co­mo nas com­pa­nhi­as com pi­or “ra­ting”. Já do la­do da dí­vi­da so­be­ra­na a vi­são di­ver­ge con­so­an­te os paí­ses. A BlackRock mantém uma pers­pe­ti­va oti­mis­ta pa­ra a pe­ri­fe­ria, an­te­ci­pan­do que os ju­ros dos paí­ses da pe­ri­fe­ria do eu­ro, on­de se in­clui Portugal, con­ti­nu­em a ser sus­ten­ta­dos pe­las po­lí­ti­cas do BCE. Mes­mo sem apre­sen­tar pers­pe­ti­vas iso­la­das pa­ra a dí­vi­da na­ci­o­nal, An­dré Themudo re­co­nhe­ce que “é cer­to que Portugal es­tá mui­to pre­sen­te em mui­tas das nos­sas car­tei­ras”.

“Un­derweight” dí­vi­da so­be­ra­na

Ao con­trá­rio da dí­vi­da da pe­ri­fe­ria, pa­ra a qual a ges­to­ra ame­ri­ca­na tem uma re­co­men­da­ção de “overweight”, as obri­ga­ções so­be­ra­nas de um mo­do ge­ral são um ati­vo a evi­tar, na opi­nião da BlackRock. As­sim, tí­tu­los co­mo as “bunds” es­tão a ser pre­te­ri­dos pe­la ges­to­ra, de­vi­do à au­sên­cia de po­ten­ci­al de re­tor­no – os ju­ros es­tão em va­lo­res ne­ga­ti­vos.

Fa­ce à au­sên­cia de pers­pe­ti­vas de re­tor­nos, “vai ser mui­to ques­ti­o­ná­vel o pa­pel da dí­vi­da so­be­ra­na en­quan­to ati­vo di­ver­si­fi­ca­dor de uma car­tei­ra”, apon­ta o res­pon­sá­vel pe­lo ne­gó­cio da BlackRock em Portugal. As­sim, a con­vic­ção da ges­to­ra é que as obri­ga­ções de go­ver­nos de­vem ter um peso me­nor nos por­te­fó­li­os dos in­ves­ti­do­res no fu­tu­ro, ao pas­so que a ex­po­si­ção a tí­tu­los vin­cu­la­dos à in­fla­ção e in­ves­ti­men­tos al­ter­na­ti­vos, as­sim co­mo in­ves­ti­men­tos sus­ten­tá­veis, de­ve au­men­tar.

“Os in­ves­ti­do­res de­vem ser mais fle­xí­veis, mais rá­pi­dos e mais ágeis a to­mar de­ci­sões”, re­al­ça An­dré Themudo, acres­cen­tan­do que a “alo­ca­ção tí­pi­ca de in­ves­ti­men­to do pas­sa­do vai dei­xar de exis­tir”. Pe­ran­te um am­bi­en­te ca­rac­te­ri­za­do por uma ex­tre­ma in­cer­te­za, de­vi­do à pan­de­mia, o mes­mo es­pe­ci­a­lis­ta aler­ta que os no­vos por­te­fó­li­os te­rão de re­fle­tir os no­vos pa­drões de com­por­ta­men­to ace­le­ra­dos pe­la co­vid-19.

“Hou­ve uma re­vo­lu­ção da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e fis­cal a ní­vel glo­bal. O ba­lan­ço da Re­ser­va Fe­de­ral dos Es­ta­dos Uni­dos pas­sou de qua­tro bi­liões de dó­la­res pa­ra 11 bi­liões de dó­la­res.

Há ris­cos de “de­fault” mais al­tos, mas o ren­di­men­to ofe­re­ci­do pe­la dí­vi­da de em­pre­sas mais do que com­pen­sa o risco. AN­DRÉ THEMUDO Res­pon­sá­vel pe­lo ne­gó­cio da “BlackRock em Portugal

O pre­si­den­te da Re­ser­va Fe­de­ral dos EUA, Je­ro­me Powell, anun­ci­ou um

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.