“O pro­ble­ma é que es­ta ‘re­be­lião’ de Nu­no San­tos po­de abrir li­nhas de fra­tu­ra no PS.”

Jornal de Negócios - - HOME PAGE - CAMILO LOU­REN­ÇO Ana­lis­ta de eco­no­mia ca­mi­lo­lou­ren­co@gmail.com

CAMILO LOU­REN­ÇO

“Eu nun­ca apoi­a­rei um can­di­da­to da di­rei­ta. Não ha­ven­do um can­di­da­to do meu par­ti­do vo­ta­rei num dos can­di­da­tos do PCP ou do BE.” O au­tor da fra­se é Pe­dro Nu­no San­tos, mi­nis­tro das In­fra­es­tru­tu­ras, em en­tre­vis­ta à RTP.

A cla­ri­fi­ca­ção é uma sur­pre­sa? Ve­ja­mos: Nu­no San­tos é mui­to mais pró­xi­mo de Blo­co e PCP do que do PSD: com ele não ha­ve­rá blo­co cen­tral. Foi o pró­prio que há três anos ju­rou que o PS nun­ca mais pre­ci­sa­ria da di­rei­ta pa­ra go­ver­nar. E a ver­da­de é que Nu­no San­tos tem fei­to por is­so: o fun­ci­o­na­men­to da “ge­rin­gon­ça”, na pri­mei­ra le­gis­la­tu­ra de An­tó­nio Cos­ta, fi­cou-lhe a de­ver mui­to.

Mas por­que é que es­co­lheu es­te mo­men­to pa­ra se de­mar­car tão cla­ra e “vi­o­len­ta­men­te” do pri­mei­ro-mi­nis­tro (que lan­çou a can­di­da­tu­ra de Marcelo)? Há uma ra­zão evi­den­te: quer po­si­ci­o­nar-se pa­ra o pós-Cos­ta. E ace­le­rou a can­di­da­tu­ra de­pois do con­tra-ata­que de Me­di­na nas du­as úl­ti­mas se­ma­nas, quan­do se ati­rou com unhas e den­tes à mi­nis­tra da Saú­de e à DGS e anun­ci­ou o fim do Airbnb em Lisboa.

O pro­ble­ma é que es­ta “re­be­lião” de Nu­no San­tos po­de abrir li­nhas de fra­tu­ra no PS. Em­bo­ra se te­nha re­cu­sa­do a co­men­tar a can­di­da­tu­ra de Ana Go­mes (que foi apa­nha­da de sur­pre­sa pe­lo apoio de Cos­ta a Marcelo), o mi­nis­tro de­fen­deu que “de­ve ha­ver sem­pre um can­di­da­to da área do PS”. Quem es­tá mais bem co­lo­ca­do pa­ra pro­ta­go­ni­zar es­sa can­di­da­tu­ra? Ana Go­mes.

Per­gun­ta: co­mo a cri­se eco­nó­mi­ca se vai apro­fun­dar e a Eu­ro­pa vai im­por con­di­ci­o­na­li­da­de pa­ra os fun­dos eu­ro­peus, a es­quer­da mais ra­di­cal (on­de es­tá Nu­no San­tos) vai-se opor. Nes­sa al­tu­ra o que su­ce­de a um par­ti­do que já vem di­vi­di­do das pre­si­den­ci­ais e vi­ve uma paz po­dre? De re­pen­te, o fu­tu­ro do PS não pa­re­ce tão ri­so­nho as­sim...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.