“A União Eu­ro­peia po­de aca­bar por sair re­for­ça­da na sua uni­da­de in­ter­na e no seu pa­pel glo­bal.”

Jornal de Negócios - - HOME PAGE - FRAN­CIS­CO SEIXAS DA COS­TA Em­bai­xa­dor

FRAN­CIS­CO SEIXAS DA COS­TA

Quan­do fa­la­mos de Eu­ro­pa, re­fe­rin­do-nos à atu­al União Eu­ro­peia, ten­de­mos a es­que­cer que as ins­ti­tui­ções do pro­ces­so in­te­gra­dor são uma re­a­li­da­de mu­tan­te com o tem­po – des­de as po­lí­ti­cas à sua pró­pria abran­gên­cia ge­o­grá­fi­ca. Se a am­bi­ção úl­ti­ma – paz, li­ber­da­de e de­sen­vol­vi­men­to – per­ma­ne­ce, ba­si­ca­men­te, a mes­ma, o mo­do de a ma­te­ri­a­li­zar e de lhe con­fe­rir den­si­da­de mu­dou imen­so.

Tam­bém o olhar dos eu­ro­peus so­bre es­se pro­ces­so pas­sou a ser ou­tro, e is­so ex­pli­ca mui­tas coi­sas. Quan­do a Eu­ro­pa ini­ci­ou o seu per­cur­so de in­te­gra­ção, vi­nha de uma gu­er­ra que dei­xa­ra o con­ti­nen­te de­vas­ta­do. A re­cu­pe­ra­ção das eco­no­mi­as, com a aju­da do Pla­no Marshall, fez mui­to pe­lo bem-es­tar dos in­te­gran­tes do pro­je­to e o ób­vio su­ces­so des­te cons­ti­tuiu-se co­mo o seu me­lhor car­tão de apre­sen­ta­ção. A me­lhor pro­va dis­so foi, aliás, o in­te­res­se do Rei­no Uni­do de se jun­tar aos paí­ses fun­da­do­res, su­pe­ran­do as su­as re­ti­cên­ci­as e a sua ób­via re­lu­tân­cia de se in­se­rir num pro­ces­so de par­ti­lha de so­be­ra­ni­as, bem con­trá­rio à sua ar­rai­ga­da ma­triz ins­ti­tu­ci­o­nal.

Os trin­ta anos “glo­ri­o­sos” trou­xe­ram um pres­tí­gio imen­so à ideia eu­ro­peia, com uma for­te ade­são a um mo­de­lo con­subs­tan­ci­a­do em bem-es­tar, num con­tex­to de li­ber­da­de e de­mo­cra­cia.

Com a vi­tó­ria oci­den­tal da Gu­er­ra Fria, a Eu­ro­pa in­te­gra­da aca­bou por ser ví­ti­ma do seu su­ces­so e da am­bi­ção que es­te de­sen­ca­de­ou. Os Es­ta­dos saí­dos da tu­te­la so­vié­ti­ca vi­e­ram ba­ter à por­ta do pro­je­to que lhes ti­nha si­do mos­tra­do, do la­do “de cá”, co­mo mi­ra­gem a que en­tão já po­di­am as­pi­rar. E a eu­fo­ria da con­jun­tu­ra le­vou os Es­ta­dos mais in­te­gra­do­res à ideia de que um sal­to de apro­fun­da­men­to era com­pa­tí­vel com a ab­sor­ção do Cen­tro e Les­te do con­ti­nen­te. Ma­as­tri­cht foi a tra­du­ção ins­ti­tu­ci­o­nal des­sa am­bi­ção – mo­e­da, po­lí­ti­ca ex­ter­na, união po­lí­ti­ca.

Mui­ta água cor­reu de­pois sob as pon­tes, com su­ces­si­vas re­for­mas dos tra­ta­dos a ten­ta­rem con­fe­rir fun­ci­o­na­li­da­de a uma Eu­ro­pa si­mul­ta­ne­a­men­te alar­ga­da e mais den­sa de po­lí­ti­cas. Um es­pa­ço que, não obs­tan­te a sua ex­ce­ci­o­nal vi­ta­li­da­de, co­mo po­tên­cia co­mer­ci­al e ex­po­en­te eco­nó­mi­co, es­ta­va a per­der com­pe­ti­ti­vi­da­de e a fi­car pa­ra trás na cor­ri­da glo­bal.

O con­tex­to, não sen­do de es­tag­na­ção, pas­sou a não ser já de eu­fo­ria. Em mui­tos Es­ta­dos, o cres­ci­men­to re­du­ziu-se, o de­sem­pre­go su­biu, as des­lo­ca­li­za­ções fo­ram in­com­pre­en­di­das, al­gum re­cuo so­be­ra­nis­ta co­me­çou a fa­zer o seu ca­mi­nho.

As no­vas ge­ra­ções, frus­tra­das com a fal­ta de opor­tu­ni­da­des já não olham ho­je o pós-gu­er­ra de­so­la­dor, co­mo os seus pais ha­vi­am fei­to. Ao in­vés, pas­sa­ram a com­pa­rar as su­as li­mi­ta­das ex­pec­ta­ti­vas com os tem­pos far­tos que ti­nham, en­tre­tan­to, dei­xa­do de exis­tir.

A glo­ba­li­za­ção con­ver­teu-se no bo­de ex­pi­a­tó­rio des­sas frus­tra­ções, os cho­ques com o es­tran­gei­ro que ame­a­ça os em­pre­gos e fe­re a identidade cul­tu­ral pas­sou a ter um ter­re­no fér­til, com o ter­ro­ris­mo e as pul­sões se­cu­ri­tá­ri­as daí de­ri­va­das a pro­vo­ca­rem tro­pis­mos na­ci­o­na­lis­tas. A fa­lên­cia ou a ru­tu­ra do pro­je­to eu­ro­peu, co­mo se re­cor­da­rão, che­gou en­tão a ser anun­ci­a­da.

Ora a Eu­ro­pa, não obs­tan­te to­das as su­as cli­va­gens, foi bem re­si­li­en­te. Con­se­guiu su­pe­rar a cri­se fi­nan­cei­ra de 2007, aca­bou por re­sol­ver, “tant bi­en que mal”, a cri­se das dí­vi­das so­be­ra­nas, uniu-se pa­ra afron­tar o fan­tás­ti­co de­sa­fio que é o Bre­xit, su­por­tou es­toi­ca­men­te a pres­são da cri­se dos re­fu­gi­a­dos e dos mi­gran­tes eco­nó­mi­cos e, no fim da linha, mos­tra ago­ra uma in­sus­pei­ta­da vi­ta­li­da­de pa­ra con­tra­ri­ar, com ima­gi­na­ção eco­nó­mi­ca e von­ta­de po­lí­ti­ca, os em­ba­tes da cri­se pan­dé­mi­ca. Tu­do is­to, nos anos mais re­cen­tes, sem po­der con­tar com o tra­di­ci­o­nal “ami­go ame­ri­ca­no”, que põe em cau­sa o sis­te­ma mul­ti­la­te­ral que é a sua ma­triz de ação in­ter­na­ci­o­nal.

O ví­rus ma­lig­no que por aí an­da vai ser um de­sa­fio imen­so pa­ra a es­ta­bi­li­da­de do pro­je­to eu­ro­peu. Con­tu­do, se es­te sou­ber en­con­trar os an­ti­cor­pos, em ma­té­ria de po­lí­ti­cas, pa­ra lhe fa­zer fa­ce com al­gum êxi­to, a Eu­ro­pa po­de aca­bar por sair re­for­ça­da, à es­ca­la glo­bal, des­te de­sa­fio. E, no pla­no interno, po­de ter en­con­tra­do um no­vo sopro de es­ta­mi­na e co­e­são po­lí­ti­ca. Se­rá is­to “wish­ful thin­king”? Tal­vez, mas não há fu­tu­ro sem es­pe­ran­ça.

Co­lu­na men­sal à sex­ta-fei­ra

Se ti­ver êxi­to nas re­cei­tas eco­nó­mi­cas pa­ra en­fren­tar os efei­tos da cri­se pan­dé­mi­ca, a UE po­de aca­bar por sair re­for­ça­da na sua uni­da­de in­ter­na e no seu pa­pel glo­bal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.