VI­LA PRAIA DE ÂNCORA

Es­ta pe­que­na vi­la pis­ca­tó­ria não se re­su­me ape­nas aos seus are­ais, mui­to pro­cu­ra­dos por ve­ra­ne­an­tes. Há uma ser­ra com pa­ra des­co­brir e os seus sa­bo­res pa­ra provar no res­tau­ran­te do Ho­tel Mei­ra, que re­ce­beu no iní­cio do ano um no­vo chef.

Jornal de Notícias - JN + Evasões - - SUMÁRIO - TEX­TO DE ANA LUÍ­SA SAN­TOS. FO­TO­GRA­FIA DE RUI MA­NU­EL FON­SE­CA/GLO­BAL IMA­GENS

Um pas­seio de in­ver­no nu­ma vi­la on­de ha­bi­tu­al­men­te se pas­sa o ve­rão re­ve­lou be­las pai­sa­gens e um re­no­va­do ho­tel an­ti­go.

De um la­do, é abra­ça­da pe­la ser­ra de Arga; do ou­tro, bei­ja­da pe­lo mar. Vi­la Praia de Âncora, fre­gue­sia de Ca­mi­nha, é um pos­tal do Al­to Mi­nho à es­pe­ra de (tam­bém) ser sa­bo­re­a­do no in­ver­no. E es­tes di­as fri­os e so­a­lhei­ros de ja­nei­ro po­dem mui­to bem ser até me­lho­res pa­ra co­nhe­cer, em mo­do mais aven­tu­rei­ro, es­ta ter­ra que co­me­ça na ser­ra e de­sa­gua no mar, sem o re­bu­li­ço ve­ra­nil que en­che de ba­nhis­tas o seu lon­go are­al. Pa­ra lá che­gar, até se

dis­pen­sa o car­ro, já que o comboio e as ca­mi­o­ne­tas pa­ram mes­mo no cen­tro da vi­la e da­li se che­ga, em cin­co mi­nu­tos a pé, ao HO­TEL MEI­RA. E aqui po­de as­sen­tar o pon­to de par­ti­da pa­ra um re­co­nhe­ci­men­to sem pres­sas des­te ter­ri­tó­rio sin­gu­lar.

Es­te que é o úni­co ho­tel da vi­la es­tá nas mãos da mes­ma fa­mí­lia des­de que abriu, em 1935. Na al­tu­ra, era uma pen­são, mas mui­to mu­dou de en­tão pa­ra cá, com uma re­mo­de­la­ção que, há me­nos de um ano, ori­en­tou o Mei­ra pa­ra um pú­bli­co mais jo­vem, co­mo ex­pli­ca Jo­a­na Ne­ves, res­pon­sá­vel de co­mu­ni­ca­ção. As mu­dan­ças ve­em-se de fo­ra pa­ra den­tro. O ro­sa da fa­cha­da deu lu­gar a um cin­zen­to su­a­ve, e os azu­le­jos fo­ram re­mo­vi­dos pa­ra fi­car exposta a pe­dra ori­gi­nal. No in­te­ri­or, a de­co­ra­ção é ago­ra do­mi­na­da por ma­dei­ras e tons azuis a re­me­ter pa­ra praia, que fi­ca a dois pas­sos. O am­bi­en­te é ele­gan­te, mas le­ve e in­for­mal o su­fi­ci­en­te pa­ra que os hós­pe­des se sin­tam à von­ta­de pa­ra le­var con­si­go os ani­mais de es­ti­ma­ção, que têm di­rei­to a uma ca­mi­nha e a ta­ças.

Os 52 quar­tos di­vi­dem-se em twins, du­plos, suí­tes pres­ti­ge e de­lu­xe, e há o cui­da­do, des­de que se­ja pos­sí­vel, de atri­buir um dos mais es­pa­ço­sos a quem le­va com­pa­nhia ca­ni­na ou fe­li­na. Ou­tra mu­dan­ça de re­le­vo fez-se na co­zi­nha, com a en­tra­da do chef Ál­va­ro Cos­ta no iní­cio do ano, nu­ma ten­ta­ti­va de re­cu­pe­rar «o mo­vi­men­to de ou­tros tem­po» no res­tau­ran­te, con­ta Lui­za Vi­las Bo­as, di­re­to­ra. Afi­nal, fo­ram os pra­tos de Fe­lis­be­la Mei­ra, uma das fun­da­do­ras, que de­ram fa­ma ao ho­tel. A in­ten­ção do

chef é re­a­vi­var o re­cei­tuá­rio dos anos de 1930 e 1940, usan­do in­gre­di­en­tes

SE­JA A PÉ, NOS AR­RE­DO­RES DA VI­LA, OU EN­TÃO DE JIPE, PE­LA SER­RA DE ARGA, DES­CO­BREM-SE MIRADOUROS, CA­PE­LAS, UM DÓLMEN E AIN­DA MOI­NHOS.

sa­zo­nais de mar e de ser­ra. O sa­bo­ro­so ba­ca­lhau dou­ra­do, uma das es­pe­ci­a­li­da­des, vai per­ma­ne­cer na car­ta, com no­vas com­pa­nhi­as a par­tir de mar­ço. En­tre elas, a cor­vi­na com cabidela de mar e a bo­che­cha de vi­te­la co­zi­nha­da a bai­xa tem­pe­ra­tu­ra com mi­gas de ba­ta­ta e ale­crim. Foi ain­da in­tro­du­zi­do um me­nu de de­gus­ta­ção, que se­rá di­fe­ren­te to­das as se­ma­nas, mais dois buf­fets – o de pes­ca­dor, ao jan­tar de sá­ba­do, e o de pra­tos tra­di­ci­o­nais no al­mo­ço de do­min­go.

O me­nu diá­rio, que con­ta sem­pre com cin­co opções, con­ti­nua a ser uma boa op­ção pa­ra al­mo­ço, a par­tir de 12 eu­ros. Con­tu­do, se a von­ta­de for ex­plo­rar ou­tras me­sas, é ta­re­fa fá­cil en­con­trar um bom poi­so de pei­xe fres- co e ma­ris­co na vi­la vi­ra­da ao mar. Pa­ra al­go mais inu­si­ta­do, ou pa­ra um al­mo­ço mais li­gei­ro, po­de-se op­tar pe­lo ham­búr­guer de es­par­te da ca­fe­ta­ria PETINGA DO­CE. Vi­la Praia de Âncora con­ta com três es­pa­ços des­ta ca­deia lo­cal, mas o ham­búr­guer é ser­vi­do ape­nas na ca­fe­ta­ria da Pra­ça da Re­pú­bli­ca, jun­to à airosa Ca­pe­li­nha da Nos­sa Se­nho­ra da Bo­nan­ça, a san­ta ve­ne­ra­da na ter­ra de pes­ca­do­res, cu­jo in­te­ri­or me­re­ce uma es­prei­ta­de­la.

Foi Ave­li­no Ramos, com a aju­da da equi­pa, quem cri­ou o pe­tis­co por oca­sião do Fes­ti­val Gas­tro­nó­mi­co do Bi­fe de Es­pa­dar­te, que acon­te­ce em agos­to, mas o pra­to aca­bou por fi­car na car­ta, pe­lo su­ces­so que te­ve. O ham­búr­guer é fei­to com o pei­xe des­fi­a­do e es­pe­ci­a­ri­as e é ser­vi­do en­tre du­as fa­ti­as de pão com ce­bo­la gre­lha­da, al­fa­ce ou rú­cu­la e um mo­lho li­gei­ra­men­te pi­can­te à ba­se de pi­men­ta-ja­la­pe­na. Ado­çan­do-se a bo­ca no fim da refeição com um dos do­ces da ca­sa –o mo­ca, o ca­mi­nhen­se ou o sidónio – po­de-se par­tir à des­co­ber­ta de Âncora a pé. Ora des­cen­do à longa mar­gi­nal, com uma ca­mi­nha­da des­de o nú­cleo ur­ba­no até ao fim do lar­go pas­seio on­de há uma ci­clo­via. Ou en­tão, atra­ves­san­do a pon­te so­bre a foz do rio Âncora e en­tran­do pe­las du­nas aden­tro, pa­ra en­cher o pei­to de ar ma­rí­ti­mo. E, olhan­do pa­ra trás, ver a ser­ra er­guer-se no ho­ri­zon­te.

UMA SER­RA CHEIA DE TE­SOU­ROS

É in­do ao en­con­tro des­se ho­ri­zon­te que se en­con­tra vá­ri­os te­sou­ros, que tam­bém se po­dem al­can­çar a pé. A uns dez mi­nu­tos pa­ra o in­te­ri­or da vi­la, num terreno com uma en­tra­da re­la­ti­va­men­te dis­cre­ta, en­con­tra-se o DÓLMEN DA BARROSA, um dos mais em­ble­má­ti­cos mo­nu­men­tos me­ga­lí­ti­cos da Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca. Par­tin­do-se daí, são quin­ze mi­nu­tos a su­bir até ao MON­TE DO CAL­VÁ­RIO. Re­ce­be-nos a Ca­pe­la do Se­nhor do Cal­vá­rio, e es­ca­lar a es­ca­da­ria pon­tu­a­da por cru­zei­ros traz co­mo re­com­pen­sa o mi­ra­dou­ro. Da­li se ob­ser­va a pai­sa­gem so­bre o va­le do Rio Âncora e a cos­ta atlân­ti­ca. E ain­da

po­der vi­si­tar a Ca­pe­la de Nos­sa Se­nho­ra de Lur­des, on­de se re­cria o am­bi­en­te de uma gru­ta em Fran­ça, on­de há re­la­tos de uma apa­ri­ção da Virgem.

Já pa­ra uma su­bi­da mais am­bi­ci­o­sa à ser­ra de Arga, con­vém apro­vei­tar as par­ce­ri­as do Ho­tel Mei­ra com a em­pre­sa de pas­sei­os tu­rís­ti­cos CA­MI­NHA 4X4. Ao vo­lan­te de um jipe UMM, Bru­no Correia re­co­lhe os aven­tu­rei­ros no ho­tel e le­va-os nu­ma vi­a­gem tre­pi­dan­te ao pon­to mais al­to do con­ce­lho, on­de es­tá o San­tuá­rio da Se­nho­ra do Mi­nho e uma das me­lho­res pa­no­râ­mi­cas da re­gião, que en­cai­xa no olhar to­do o va­le do rio Li­ma, até Vi­a­na do Cas­te­lo. Com sor­te, po­dem ser avis­ta­dos ca­va­los gar­ra­nos.

No ro­tei­ro, se­gue-se a des­ci­da até ao Mosteiro de São João de Arga, nu­ma das al­dei­as da ser­ra, a Arga de Bai­xo, on­de se re­a­li­za uma po­pu­lar ro­ma­ria em agos­to. Nes­ta al­tu­ra do ano, o edifício em es­ti­lo ro­mâ­ni­co es­tá en­vol­vi­do ape­nas por se­re­ni­da­de e pe­lo som das vozes de quem por ali de­ci­diu pa­rar. É com en­can­to que Bru­no fa­la do Al­to Mi­nho, pa­ra on­de veio vi­ver em 2015 com a mu­lher, de­pois de dei­xar Lis­boa pa­ra se afas­tar do trân­si­to e do stress. Pro­cu­ra­va uma «vi­da mais re­la­xa­da, com mais tem­po», e en­con­trou-a ali no Al­to Mi­nho.

Além da su­bi­da à ser­ra, Bru­no tam­bém pro­mo­ve o pas­seio das prai­as, que in­clui uma pas­sa­gem pe­las prai­as do con­ce­lho, vi­si­ta à cas­ca­ta do Pin­cho e a um tro­ço má­gi­co do rio Âncora (on­de a al­tu­ra das águas cris­ta­li­nas per­mi­te pas­sar a pé) e uma vi­a­gem de bar­co

O NO­VO CHEF DO HO­TEL MEI­RA, ÁL­VA­RO COS­TA, QUER RE­CU­PE­RAR O RE­CEI­TUÁ­RIO DOS ANOS 1930, EM HO­ME­NA­GEM A FE­LIS­BE­LA MEI­RA, CO­ZI­NHEI­RA AFAMADA.

à ilha da Ín­sua. Con­for­me a ho­ra de iní­cio, os pas­sei­os po­dem in­cluir al­mo­ço ou jan­tar.

Uma ou­tra su­ges­tão pa­ra par­tir à des­co­ber­ta é apre­sen­ta­da pe­la DESCUBRA MI­NHO, ou­tra par­cei­ra do ho­tel. O Tri­lho dos Moi­nhos é ori­en­ta­do por Agos­ti­nho Costinha, que dá a co­nhe­cer a al­deia da Mon­ta­ria e os seus moi­nhos. Um de­les ain­da fun­ci­o­na de for­ma ma­nu­al e os par­ti­ci­pan­tes po­dem pô-lo a me­xer e «ou­vir as pe­dras can­tar», que é co­mo quem diz a ras­par uma na ou­tra.

De regresso à mar­gi­nal, po­de-se fa­zer uma pa­ra­gem num re­can­to char­mo­so, a ca­sa de chá CAN­TI­NHO DA LÓ, aber­ta há um ano, pa­ra provar os sco­nes, éclairs, bri­o­ches, bo­los à fa­tia e crois­sants com cre­me de amên­doa, na com­pa­nhia de um dos chás da car­ta. Em mar­ço, es­tá pre­vis­to o ar­ran­que de uma agen­da de workshops com ar­tis­tas e ar­te­sãos lo­cais. «É im­por­tan­te va­lo­ri­zá-los, dar a co­nhe­cê-los», re­fe­re a pro­pri­e­tá­ria, Ana Pau­la Ver­de.

Da­ni­e­la Amo­rim con­cor­da, já que faz até es­sa mes­ma pro­mo­ção de ar­te­sãos e pro­du­to­res do Mi­nho na sua lo­ja HE­RAN­ÇA MI­NHO­TA há cer­ca de três anos. Em fe­ve­rei­ro do ano pas­sa­do, a lo­ja mu­dou de lu­gar na rua, mas man­te­ve os mes­mos pro­du­tos: com­po­tas e li­co­res da Li­com­da – a mar­ca pró­pria de Da­ni­e­la, que im­pul­si­o­nou a lo­ja –, cho­co­la­te de Vi­a­na do Cas­te­lo, cer­ve­jas mi­nho­tas co­mo a Bem­di­ta e a Le­tra, con­ser­vas, azei­tes, hi­dro­mel, ar­te­sa­na­to com a ima­gem dos len­ços de Vi­a­na e pe­ças de cro­chê e li­nho fei­tas lo­cal­men­te. Um lu­gar pa­ra quem quer le­var o Mi­nho pa­ra ca­sa. E o que de Vi­la Praia de Âncora não ca­be na ma­la é que po­de – e de­ve – ser um pre­tex­to pa­ra re­gres­sar.

Em ci­ma, a pon­te so­bre a foz do rio Âncora e a praia. À es­quer­da, o ham­búr­guer de es­pa­dar­te da Petinga Do­ce.

Ao lon­go de to­da a mar­gi­nal ma­rí­ti­ma, há um lar­go pas­seio que tam­bém in­clui uma ci­clo­via. Jun­to ao rio, to­da a zo­na é pe­do­nal e tem um par­que in­fan­til com zo­na des­por­ti­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.