A IM­POR­TÂN­CIA DE RE­GRES­SAR A CA­SA

caiu-me nas mãos quan­do eu mais o con­se­gui en­ten­der e as 'Car­tas do Meu Moi­nho' acom­pa­nha­ram-me quan­do vol­tei a vi­ver na al­deia da mi­nha in­fân­cia.

Jornal de Notícias - JN + Evasões - - OPINIÃO - POR DO­RA MO­TA EDI­TO­RA

Ti­nha to­das as mi­nhas coi­sas em cai­xo­tes e vi­via pro­vi­so­ri­a­men­te com os meus pais en­quan­to du­ra­vam obras na mi­nha ca­sa no­va, quan­do en­con­trei, nu­ma fei­ra de ve­lha­ri­as, o li­vro

Car­tas do Meu Moi­nho, do fran­cês Alphonse Daudet (1840-1897). Cus­tou um eu­ro, va­leu por mil por­que a mu­dan­ça do au­tor de Paris pa­ra a Pro­ven­ça pa­re­cia acom­pa­nhar a mi­nha pró­pria mu­dan­ça de vi­da. Daudet foi ha­bi­tar um moi­nho de­ca­den­te que lhe ser­viu de ba­se aos contos on­de nar­ra­va tan­to to­can­tes his­tó­ri­as da ru­ra­li­da­de ao seu re­dor co­mo da­va ré­dea sol­ta a contos de ful­gu­ran­te fan­ta­sia. No pri­mei­ro con­to, cha­ma­do

Ins­ta­la­ção, ele co­me­ça com uma fra­se que en­cai­xou per­fei­ta no que eu sen­ti: «É da­qui que vos es­cre­vo, com a por­ta prin­ci­pal es­can­ca­ra­da ao sol.»

Foi há cin­co me­ses, quan­do eu vol­tei à mi­nha ter­ra de por­ta es­can­ca­ra­da ao sol, pa­ra sen­tir re­a­ti­var no pei­to to­da a ter­nu­ra da in­fân­cia por ela. Eu sou de Gan­dra, Pa­re­des. É um lu­gar co­mum nos ar­re­do­res do Por­to, um hí­bri­do en­tre al­deia e ci­da­de, que não es­con­de os seus de­fei­tos nem se en­vai­de­ce das su­as vir­tu­des por­que aqui as pes­so­as têm de­ma­si­a­do que fa­zer na hor­ta pa­ra se de­di­ca­rem ao ge­o­e­go­cen­tris­mo.

Po­de até ser um lu­gar mais ou me­nos feio pa­ra as pes­so­as que não são da­qui, mas pa­ra mim é um pa­raí­so de cam­pos ver­des, com re­ba­nhos e ca­va­los, so­brei­ros e pi­nhei­ros-man­sos. Ro­sei­ras, di­os­pi­rei­ros e fi­a­das de pen­cas. To­dos os san­tos pin­ta­dos no te­to da igre­ja ma­triz. Os sa­di­os as­sa­dos a le­nha das ade­gas on­de vem gen­te do Por­to co­mer. A mú­si­ca dos ri­bei-

ros a cor­rer, o car­va­lho cen­te­ná­rio em cu­ja ba­se eu me sen­ta­va a ler em pe­que­na. A ma­nei­ra co­mo as pes­so­as fa­lam: «On­de é que bós fos­tes?» O di­mi­nu­ti­vo «ico» em vez de «inho». A for­ma de di­zer aos miú­dos pa­ra não me­xer em al­gu­ma coi­sa: «Tu num bu­las aí.»

Ti­ve mo­men­tos em que me apeteceu abra­çar as pes­so­as co­mo se ti­ves­se es­ta­do emigrada mui­tos anos. Sen­ti-me um pás­sa­ro a quem ti­nham aber­to a gai­o­la ao fim de um lon­go ca­ti­vei­ro. Só en­tão per­ce­bi que pas­sa­ra boa par­te da vi­da em in­cons­ci­en­te es­for­ço de adap­ta­ção a lu­ga­res que não eram o meu

ha­bi­tat. Li­vre des­se es­for­ço, sen­ti, qual Daudet no seu moi­nho, que o pen­sa­men­to vo­a­va por to­da a par­te. Te­nho um blo­co de no­tas cheio de apon­ta­men­tos com as his­tó­ri­as que an­da­ram anos a va­gue­ar na mi­nha ca­be­ça. Te­nho no com­pu­ta­dor es­bo­ços de his­tó­ri­as já em an­da­men­to. Tu­do me pa­re­ce mais fá­cil, mais le­ve e mais bo­ni­to e, to­da­via, con­ti­nuo a ser a mes­ma pes­soa, a fa­zer as mes­mas coi­sas. Há di­as, um co­le­ga meu da uni­ver­si­da­de, o Jor­ge Por­tu­gal, dei­xa­va no Fa­ce­bo­ok uma crónica a con­tar o que fez nos úl­ti­mos oi­to anos, de­pois de ter re­gres­sa­do à sua ter­ra, Cas­te­lo Bran­co, após 18 anos a vi­ver em Braga, on­de es­tu­da­mos. É uma lis­ta de coi­sas tão gran­de, in­ten­sa, cri­a­ti­va e fe­liz. Quan­do não es­ta­mos ocu­pa­dos em adap­tar-nos e per­ten­cer, por­que es­ta­mos em ca­sa, a ener­gia da nos­sa al­ma sol­ta-se na­tu­ral­men­te. Es­tou sa­tis­fei­ta por ter per­ce­bi­do on­de era, fi­nal­men­te, a mi­nha ca­sa. E por ela ser nu­ma ter­ra de hu­ma­ni­da­de sin­ce­ra e sim­ples, que to­dos os di­as faz o que tem a fa­zer, con­tan­do que Deus aju­de.

TI­VE MO­MEN­TOS EM QUE ME APETECEU ABRA­ÇAR AS PES­SO­AS CO­MO SE TI­VES­SE ES­TA­DO EMIGRADA MUI­TOS ANOS.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.