Mais va­le um co­po na mão do que mil no chão

A ne­ces­si­da­de de os fes­ti­vais se­rem mais eco­ló­gi­cos le­vou ao apa­re­ci­men­to de pro­du­tos que ate­nu­am pro­ble­mas am­bi­en­tais sem ti­rar di­ver­são ao pú­bli­co.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Alma-Naque -

No ano pas­sa­do de­ci­di­ram mu­dar os pla­nos em ci­ma da ho­ra. A ex­pe­ri­ên­cia aca­bou por re­sul­tar e ago­ra Nu­no Mas­ca­re­nhas, di­re­tor do Festival Mú­si­cas do Mun­do de Si­nes, que ter­mi­na es­te do­min­go 29, diz que os co­pos reu­ti­li­zá­veis che­ga­ram pa­ra fi­car (os da ima­gem prin­ci­pal per­ten­cem a es­te even­to). A ideia é bas­tan­te sim­ples: ca­da or­ga­ni­za­ção es­co­lhe um co­po, que po­de ser bá­si­co, co­mo acon­te­ceu no Bo­om Festival, em Ida­nha-a-No­va, ou per­so­na­li­za­do, prá­ti­ca mais co­mum nes­tes even­tos. O ma­te­ri­al uti­li­za­do na con­fe­ção é mais re­sis­ten­te, por­que se pre­ten­de que se­jam alu­ga­dos ou com­pra­dos pe­los fes­ti­va­lei­ros. É uma for­ma de evi­tar o ta­pe­te de plás­ti­co que fi­ca agar­ra­do ao chão quan­do a mú­si­ca aca­ba e os pés aban­do­nam os re­cin­tos. E é tam­bém uma for­ma de cons­ci­en­ci­a­li­zar o pú­bli­co pa­ra o pro­ble­ma, ca­da vez mais pre­o­cu­pan­te, do mar de plás­ti­co em que na­ve­ga­mos.

Gran­de par­te dos even­tos vem ado­tan­do o se­guin­te mé­to­do: na com­pra da pri­mei­ra be­bi­da o con­su­mi­dor pa­ga uma cau­ção pe­lo re­ci­pi­en­te. Nas res­tan­tes ve­zes em que qui­ser en­cher o co­po bas­ta di­ri­gir-se a um dos bal­cões e com­prar uma no­va be­bi­da, tro­can­do o co­po va­zio por um cheio. Co­mo eles po­dem ser la­va­dos, tam­bém po­dem ser reu­ti­li­za­dos. E, se no fi­nal do festival não o qui­ser le­var con­si­go de re­cor­da­ção (sen­do que a mai­o­ria das pes­so­as até quer), po­de sem­pre en­tre­gá-lo e re­ce­ber a cau­ção de vol­ta.

Es­ta é uma ten­dên­cia que ex­tra­va­sa fron­tei­ras e, de acor­do com di­re­to­res dos prin­ci­pais fes­ti­vais por­tu­gue­ses, o pú­bli­co es­tá a acei­tar bem es­ta no­va me­di­da. “É uma mais-va­lia pa­ra o festival. An­ti­ga­men­te,

o cus­to de re­co­lher mi­lha­res de co­pos to­das as noi­tes era tre­men­do. Quan­to à sa­tis­fa­ção dos co­mer­ci­an­tes, di­ria que 95% dos que fo­ram con­tac­ta­dos acei­ta­ram. Es­te ti­po de co­po che­gou e vai aqui fi­car por mui­tos e mui­tos anos”, as­se­gu­ra Nu­no Mas­ca­re­nhas.

A or­ga­ni­za­ção do Rock in Rio, tam­bém sa­li­en­ta o su­ces­so de ini­ci­a­ti­va se­me­lhan­te re­a­li­za­da es­te ano. “Hou­ve, in­clu­si­ve, quem vol­tas­se pa­ra um se­gun­do dia de festival e trou­xes­se con­si­go o co­po do dia an­te­ri­or”, diz Jo­a­na Car­do­so, da as­ses­so­ria de co­mu­ni­ca­ção do festival.

“A gran­de van­ta­gem é que têm uma li­ga de plás­ti­co mais den­sa. Per­mi­te reu­ti­li­zar. E tem uma du­ra­bi­li­da­de até 30 la­va­gens”, ex­pli­ca José Bar­rei­ro, di­re­tor do Primavera Sound, o pri­mei­ro festival em Por­tu­gal a ado­tar a prá­ti­ca. Con­tu­do, con­fes­sa que a ação tem mais a ver com a fa­ci­li­da­de da “lim­pe­za do re­cin­to do que com a pou­pan­ça na pe­ga­da eco­ló­gi­ca”. Até por­que, re­co­nhe­ce, “es­tes co­pos le­vam mais plás­ti­co do que os tra­di­ci­o­nais”. ●m

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.