Cláu­dia Aze­ve­do A her­dei­ra dis­cre­ta

Cláu­dia Aze­ve­do pre­pa­ra-se pa­ra res­pon­der ao mai­or de­sa­fio pro­fis­si­o­nal da sua vi­da – a pre­si­dên­cia exe­cu­ti­va do gru­po So­nae

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Carlos Manuel Martins /Global Imagens - TEX­TO Ale­xan­dra Tavares-Te­les FO­TO Carlos Ma­nu­el Mar­tins /Glo­bal Ima­gens

O gos­to pe­la vi­da. Uma boa re­fei­ção, um bom vi­nho (gran­de co­nhe­ce­do­ra e apre­ci­a­do­ra), uma his­tó­ria bem con­ta­da, co­mo é seu dom, com iro­nia e mui­to sen­ti­do de hu­mor, ne­gro se for ca­so dis­so, con­ver­sas lon­gas que se es­ten­dem pe­la ma­dru­ga­da, na com­pa­nhia de ami­gos que gos­ta de re­ce­ber em fa­mí­lia – o ma­ri­do e dois fi­lhos, Lu­cas de 15 anos e Mar­ga­ri­da de 11. É es­te o qua­dro in­ti­mis­ta sem­pre pre­ser­va­do por Cláu­dia Aze­ve­do, co­nhe­ci­do de mui­to pou­cos e que po­de sur­pre­en­der. E é aque­le que An­tó­nio Lo­bo Xa­vi­er, ami­go an­ti­go e pró­xi­mo, des­ta­ca: “O la­do di­ver­ti­do, vol­ta­do pa­ra a vi­da e os seus pra­ze­res e que é o con­trá­rio do que a Cláu­dia apa­ren­ta. O la­do mais des­co­nhe­ci­do e o mais in­te­res­san­te.” Fa­ce­ta que a dis­tin­gue do ir­mão Pau­lo, que ago­ra subs­ti­tui no co­man­do da em­pre­sa, in­ca­paz de uma noi­ta­da e pou­co da­do aos pra­ze­res do pa­la­to. Pu­bli­ca­men­te, Cláu­dia Aze­ve­do as­su­miu des­de sem­pre o lu­gar de her­dei­ra dis­cre­ta. E as­sim se­rá, mes­mo ago­ra que se pre­pa­ra pa­ra res­pon­der ao mai­or de­sa­fio pro­fis­si­o­nal da sua vi­da – a pre­si­dên­cia exe­cu­ti­va do gru­po So­nae. Mais de 50 mil fun­ci­o­ná­ri­os, 20

mil aci­o­nis­tas, re­cei­tas de 5,7 mil mi­lhões em 2017. Tem 48 anos. É uma ne­go­ci­a­do­ra du­ra, aves­sa a mei­as pa­la­vras, ca­paz de dei­xar cla­ro com o olhar ao que vai, mu­lher de re­so­lu­ções que não faz na­da ao aca­so. Mas é tam­bém ges­to­ra co­ra­jo­sa, de­fen­so­ra en­tu­si­as­ma­da de pro­je­tos que o sen­so prá­ti­co po­de­ria já ter con­de­na­do, co­mo é o ca­so do Pú­bli­co, o jor­nal que lhe de­ve, nes­tes anos de cri­se, a so­bre­vi­vên­cia. Úni­ca fi­lha de Bel­mi­ro de Aze­ve­do, ben­ja­mim de três ir­mãos, é pro­va­vel­men­te a mais pa­re­ci­da com o pai, ain­da que alie ao “kil­ler ins­tinct” her­da­do a do­se mí­ni­ma da di­plo­ma­cia que fal­ta­va ao pro­ge­ni­tor. De apa­rên­cia clás­si­ca, sou­be fa­zer a pon­te en­tre o mun­do no­vo e pou­co con­ven­ci­o­nal da tec­no­lo­gia, tal co­mo se apre­sen­ta­va no iní­cio do sé­cu­lo, com a or­ga­ni­za­ção con­ser­va­do­ra que é a So­nae.

Cláu­dia Aze­ve­do, por­tu­en­se con­vic­ta e por­tis­ta do­en­te, li­cen­ci­ou-se em Ges­tão pe­la Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca. Fez o Mas­ter of Bu­si­ness Ad­mi­nis­tra­ti­on no Ins­ti­tu­to Eu­ro­peu de Ad­mi­nis­tra­ção de Em­pre­sas. En­trou na So­nae aos 24 anos, li­ga­da às áre­as da Co­mu­ni­ca­ção, Pu­bli­ci­da­de e Mar­ke­ting. Lí­der da So­na­e­com des­de 2006, as­su­miu os car­gos de CEO de Softwa­re e Tec­no­lo­gia, da On­li­ne e Me­dia e Di­re­to­ra Exe­cu­ti­va da em­pre­sa. Em 2011, foi no­me­a­da pre­si­den­te do Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo da So­nae Ca­pi­tal. 2019 se­rá o pri­mei­ro ano do res­to da sua vi­da pro­fis­si­o­nal. Em no­me do pai. ●m

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.