MÃES DO MES­MO FI­LHO

Há his­tó­ri­as de amor, dra­ma, me­do, aventuras. Es­ta é is­so tu­do e mais. É so­bre lu­ta, co­ra­gem, re­si­li­ên­cia. É a vi­da de du­as jo­vens mu­lhe­res que se amam e que­rem amar uma cri­an­ça de­las nas­ci­da e por elas cri­a­da. E que acre­di­tam que, no fim, “o amor ven­ce s

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Estrada Nacional 2 - TEX­TO Ri­ta Sal­ce­das FO­TO­GRA­FIA Hen­ri­ques da Cunha / Glo­bal Ima­gens

Quan­do Isa­bel era pe­que­ni­na e lhe per­gun­ta­vam

o que que­ria ser quan­do fos­se gran­de, a res­pos­ta era cur­ta e cer­tei­ra: “Ma­mã.” O tem­po pas­sou, fez da cri­an­ça mu­lher e o de­se­jo da ma­ter­ni­da­de cres­ceu. Isa­bel é lés­bi­ca des­de que se co­nhe­ce, mas re­cu­sou que a ori­en­ta­ção se­xu­al fos­se im­pe­di­ti­va da con­cre­ti­za­ção do so­nho de me­ni­na. Te­ve a sor­te de co­nhe­cer Da­ni­e­la, com os mes­mos pla­nos pa­ra uma vi­da a du­as. Ho­je, gra­ças à von­ta­de de am­bas e ao de­sen­vol­vi­men­to da ci­ên­cia e das leis, po­dem ser mães do mes­mo be­bé. Es­tão no ca­mi­nho pa­ra lá che­gar.

Da­ni­e­la San­tos e Isa­bel Fer­rei­ra ten­tam ter um fi­lho des­de 2016, ano em que fi­ze­ram a pri­mei­ra in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al, em Es­pa­nha. Na al­tu­ra, o mé­to­do ain­da não era per­mi­ti­do em mu­lhe­res sem parceiro ho­mem em Por­tu­gal. Cor­reu mal. Co­mo a se­gun­da e a ter­cei­ra ten­ta­ti­vas, es­ta úl­ti­ma já re­a­li­za­da em Coim­bra, on­de os mé­di­cos su­ge­ri­ram uma mu­dan­ça de estratégia. Fa­ce ao in­su­ces­so do tra­ta­men­to an­te­ri­or, Da­ni­e­la e Isa­bel ati­ra­ram-se de ca­be­ça à ma­ter­ni­da­de par­ti­lha­da, tam­bém cha­ma­da de fer­ti­li­za­ção re­cí­pro­ca, par­ti­lha bi­o­ló­gi­ca da ma­ter­ni­da­de ou ROPA (si­gla pa­ra Re­ce­ção de Óvu­los da Par­cei­ra). “A in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al só ti­nha os meus ge­nes. Era o meu óvu­lo e o es­per­ma­to­zoi­de de um da­dor. A Da­ni­e­la não ti­nha in­ter­ven­ção em na­da. Na clí­ni­ca, dis­se­ram-nos que po­día­mos usar o óvu­lo de uma e pôr na ou­tra. O fi­lho é das du­as”, con­ta Isa­bel, ges­tan­te do be­bé que, mais ce­do ou mais tar­de, acre­di­ta que há de vir.

A ma­ter­ni­da­de par­ti­lha­da per­mi­te que, num ca­sal de mu­lhe­res, am­bas pos­sam ser mães bi­o­ló­gi­cas da mes­ma cri­an­ça, atra­vés de um pro­ces­so pre­vis­to na lei, em que as du­as de­sem­pe­nham um papel ati­vo no pro­je­to pa­ren­tal. Desafia a ideia tra­di­ci­o­nal de que um ca­sal lés­bi­co só po­de ter um fi­lho se ado­tar ou se uma das par­cei­ras re­cor­rer a uma fer­ti­li­za­ção in vi­tro (FIV) co­mum.

A ROPA é, tam­bém, uma FIV, na me­di­da em que as cé­lu­las dos

ová­ri­os são fe­cun­da­das pe­lo es­per­ma­to­zoi­de de um da­dor em am­bi­en­te la­bo­ra­to­ri­al. Mas não é só. E aqui é que tu­do ga­nha di­men­são. Quan­do o óvu­lo de­sen­vol­ve, em vez de ser im­plan­ta­do no úte­ro da mu­lher que o deu, é in­se­ri­do no da par­cei­ra. Uma dá o óvu­lo, a ou­tra ofe­re­ce a bar­ri­ga. São as du­as mães. “Eu até cos­tu­mo di­zer que es­ta­mos a ten­tar en­gra­vi­dar. Não é só ela. So­mos as du­as”, brin­ca Da­ni­e­la.

“Tu­do bem, ca­sem, mas não têm o di­rei­to de tra­zer uma cri­an­ça à vi­da” é coi­sa que vão len­do por aí. “As pes­so­as cri­ti­cam-nos mui­to pe­lo fac­to de não ter­mos ido pa­ra a ado­ção, mas um ca­sal he­te­ros­se­xu­al tam­bém não op­ta lo­go pe­la ado­ção, op­ta por ter um fi­lho pe­los mé­to­dos nor­mais. Nós sen­ti­mos es­sa ne­ces­si­da­de co­mo qual­quer ou­tro ca­sal”, jus­ti­fi­ca.

A da­do­ra de ovó­ci­tos – nes­te ca­so, foi Da­ni­e­la – tem de es­ti­mu­lar os ová­ri­os até atin­gi­rem um “as­pe­to mor­fo­ló­gi­co e um per­fil hor­mo­nal” que per­mi­tam ge­rar “óvu­los de boa qua­li­da­de”, ex­pli­cou à “No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne” Isa­bel Tor­gal, di­re­to­ra do cen­tro de fer­ti­li­da­de “Fer­ti­cen­tro”, em Coim­bra, on­de o ca­sal es­tá a ser acom­pa­nha­do. De­pois, se­gue-se a pun­ção dos ová­ri­os, que ser­ve pa­ra re­co­lher os ovó­ci­tos, in­se­mi­na­dos em la­bo­ra­tó­rio com es­per­ma de um da­dor. Os em­briões de­sen­vol­vem-se nu­ma in­cu­ba­do­ra e, quan­do atin­gem o pon­to de ma­tu­ra­ção, são trans­fe­ri­dos pa­ra o úte­ro da ges­tan­te, que, en­tre­tan­to, co­me­çou a ser pre­pa­ra­do. Ao todo, o tra­ta­men­to du­ra cer­ca de 20 di­as e o cus­to ron­da os cin­co mil eu­ros. En­quan­to a ta­xa de su­ces­so da in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al se fi­ca pe­los 10%, o êxi­to da ma­ter­ni­da­de par­ti­lha­da ron­da os 40%, per­cen­ta­gem “ain­da mais ele­va­da em mu­lhe­res jo­vens”, re­ve­la a es­pe­ci­a­lis­ta em Me­di­ci­na da Reprodução e pro­fes­so­ra da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra. “Nu­ma fer­ti­li­za­ção in vi­tro, ve­mos se os óvu­los são de boa qua­li­da­de, ve­mos o es­per­ma­to­zoi­de a en­trar no ovo, ve­mos todo o de­sen­vol­vi­men­to em­bri­o­ná­rio”, su­bli­nha. A pos­si­bi­li­da­de de con­tro­lar to­das as fa­ses até à im­plan­ta­ção do em­brião no úte­ro faz com que se­ja mais pro­vá­vel en­gra­vi­dar com re­cur­so a uma fer­ti­li­za­ção in vi­tro do que atra­vés do mé­to­do tra­di­ci­o­nal, cu­ja ta­xa de su­ces­so é de cer­ca de 30%.

A he­ran­ça ge­né­ti­ca que uma pes­soa re­ce­be à nas­cen­ça re­sul­ta da com­bi­na­ção dos ge­nes trans­por­ta­dos pe­lo ovó­ci­to de uma mu­lher e pe­lo es­per­ma­to­zoi­de de um ho­mem. Não há que en­ga­nar: a cri­an­ça que vi­er te­rá o ADN de Da­ni­e­la e do da­dor anó­ni­mo. Isa­bel não con­tri­bui com ge­nes, mas, ain­da as­sim, in­flu­en­cia o de­sen­vol­vi­men­to in­trau­te­ri­no do fe­to, por­que há ca­rac­te­rís­ti­cas e ex­pe­ri­ên­ci­as que se trans­mi­tem de pais pa­ra fi­lhos e que não ocor­rem atra­vés do ADN. Du­ran­te a gra­vi­dez, a re­la­ção en­tre a ges­tan­te e o be­bé po­de pro­vo­car uma mu­dan­ça na ex­pres­são de al­guns ge­nes. O que a mãe é, faz, co­me e sen­te são fa­to­res pre­pon­de­ran­tes. Isa­bel Tor­gal ad­mi­te que ha­ja no be­bé “in­ter­fe­rên­cia do ADN das mi­tocôn­dri­as (res­pon­sá­veis pe­la ener­gia das cé­lu­las) da ges­tan­te”, uma vez que es­ta tem “ge­nes re­gu­la­do­res que fa­zem com que o em­brião se de­sen­vol­va”. “Se se in­tro­du­zis­se aque­le em­brião nou­tra mu­lher, se­ria di­fe­ren­te”, ex­pli­ca. “E mui­tas ve­zes até têm umas cer­tas ca­rac­te­rís­ti­cas da ges­tan­te”, acres­cen­ta.

SNS pri­vi­le­gia o mais sim­ples e ba­ra­to

O Con­se­lho Na­ci­o­nal de Pro­cri­a­ção Me­di­ca­men­te As­sis­ti­da (CNPMA) emi­tiu, em janeiro de 2017, um pa­re­cer fa­vo­rá­vel ao aces­so à ma­ter­ni­da­de par­ti­lha­da. A de­li­be­ra­ção sur­giu co­mo res­pos­ta a “diversos pe­di­dos de es­cla­re­ci­men­to re­que­ri­dos por cen­tros de PMA e por ca­sais” de mu­lhe­res, de­pois de a lei ter alar­ga­do o “âm­bi­to dos be­ne­fi­ciá­ri­os das téc­ni­cas de pro­cri­a­ção me­di­ca­men­te as­sis­ti­da”, lê-se no pa­re­cer ao qu­al a “No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne” te­ve aces­so. “En­ten­de o CNPMA que não es­tá le­gal­men­te ve­da­da a pos­si­bi­li­da­de de aten­der a um pro­je­to de ma­ter­ni­da­de bi­o­lo­gi­ca­men­te par­ti­lha­do por um ca­sal de mu­lhe­res atra­vés do re­cur­so a fer­ti­li­za­ção re­cí­pro­ca, des­de que pa­ra tal não ha­ja uma con­train­di­ca­ção clí­ni­ca”, con­clui.

Ho­je, qual­quer cen­tro pú­bli­co ou pri­va­do au­to­ri­za­do a mi­nis­trar téc­ni­cas de PMA po­de realizar es­se ti­po de tra­ta­men­to. Além de Por­tu­gal, a ma­ter­ni­da­de par­ti­lha­da só é le­gal em ou­tros dois paí­ses da Eu­ro­pa: Es­pa­nha e In­gla­ter­ra. Atra­sa­do em al­guns do­mí­ni­os da saú­de, Isa­bel Tor­gal or­gu­lha-se em di­zer que o nos­so país “sem­pre

es­te­ve à fren­te dos ou­tros, no que diz res­pei­to à obs­te­trí­cia”.

No iní­cio de 2018, os cen­tros pú­bli­cos de Pro­cri­a­ção Me­di­ca­men­te As­sis­ti­da do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de de­ci­di­ram só apli­car a ROPA quan­do exis­tis­se in­di­ca­ção clí­ni­ca nes­se sen­ti­do. A pri­mei­ra op­ção é a in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al, por ser me­nos in­va­si­va, ex­pli­ca Pe­dro Xa­vi­er, pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa da Me­di­ci­na de Reprodução. O es­pe­ci­a­lis­ta foi ao en­con­tro da po­si­ção de Sónia Sou­sa, di­re­to­ra da uni­da­de de Me­di­ci­na da Reprodução do Hos­pi­tal de S. João, no Por­to, que re­al­çou a obri­ga­to­ri­e­da­de de cum­prir a lei. “E o que es­tá na lei é que de­ve­mos fa­zer o tra­ta­men­to mais sim­ples pa­ra re­sol­ver a si­tu­a­ção.” E, de fac­to, é. O De­cre­to-Re­gu­la­men­tar n.º 6/2016 es­ta­be­le­ce que se de­ve “pri­vi­le­gi­ar a in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al em re­la­ção às res­tan­tes téc­ni­cas de PMA, aten­den­do à sua me­nor in­ter­ven­ção e in­va­si­vi­da­de”. E ao cus­to mais bai­xo, acres­cen­ta a es­pe­ci­a­lis­ta, cu­ja uni­da­de não re­ce­beu até à da­ta qual­quer pe­di­do de ROPA. E, se re­ce­ber, “não se­rá a pe­di­do”. Só de­pois de es­go­ta­das to­das as al­ter­na­ti­vas é que a ma­ter­ni­da­de par­ti­lha­da se­rá op­ção.

Quan­do Da­ni­e­la e Isa­bel es­co­lhe­ram o da­dor, com ba­se nas ca­rac­te­rís­ti­cas (se­me­lhan­tes às da ges­tan­te), es­te ain­da era anó­ni­mo. Mas uma de­ci­são de 24 de abril do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal so­bre a lei da Pro­cri­a­ção Me­di­ca­men­te As­sis­ti­da chum­bou o ano­ni­ma­to dos da­do­res de sé­men. “Quer di­zer que, um dia, se a cri­an­ça sou­ber que nas­ceu de uma téc­ni­ca de Reprodução Me­di­ca­men­te As­sis­ti­da, po­de re­que­rer, a par­tir dos 18 anos de ida­de, a iden­ti­da­de do da­dor”, ex­pli­ca Isa­bel Tor­gal.

O ce­ná­rio po­de­rá di­fi­cul­tar a vi­da aos cen­tros de PMA e aos be­ne­fi­ciá­ri­os, com­pli­can­do um pro­ces­so já de si mo­ro­so. O Hos­pi­tal de S. João tem vá­ri­os utentes a aguar­dar por res­pos­ta do Ban­co Pú­bli­co de Gâ­me­tas. As lis­tas de es­pe­ra e a “es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra” le­va­ram Da­ni­e­la e Isa­bel pa­ra o pri­va­do.

A par­ti­lha bi­o­ló­gi­ca da ma­ter­ni­da­de e a ges­ta­ção de subs­ti­tui­ção (co­nhe­ci­da po­pu­lar­men­te por bar­ri­ga de alu­guer) são qua­dros com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes. O se­gun­do nem se­quer tem en­qua­dra­men­to le­gal em Por­tu­gal, ape­sar de ha­ver, pe­lo me­nos, dois pro­ces­sos em cur­so, que o re­cen­te chum­bo do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal a al­gu­mas nor­mas da lei das bar­ri­gas de alu­guer não tra­vou.

Na ges­ta­ção de subs­ti­tui­ção, a mu­lher que ge­rou a cri­an­ça fun­ci­o­na ape­nas co­mo uma “in­cu­ba­do­ra”, en­tre­gan­do o re­cém-nas­ci­do aos pais bi­o­ló­gi­cos. Não par­ti­ci­pa no pro­je­to pa­ren­tal e não tem quais­quer di­rei­tos ju­rí­di­cos so­bre o be­bé. Na ma­ter­ni­da­de par­ti­lha­da, o be­bé tan­to é fi­lho de quem lhe dá o ADN co­mo de quem o car­re­ga até ao nascimento e o ama­men­ta nos me­ses se­guin­tes. Quan­do o pro­je­to de Da­ni­e­la e Isa­bel dei­xar de ser só um pro­je­to, o be­bé vai ser tan­to San­tos co­mo Fer­rei­ra. “O im­por­tan­te é que se­ja re­gis­ta­do com o no­me das du­as”, diz Isa­bel.

“Sen­ti­mos que es­ta­mos a fa­zer a di­fe­ren­ça”

Da­ni­e­la é a me­lo­sa da re­la­ção. Pas­sou a entrevista a ga­bar a be­le­za da mu­lher, que, ape­sar de mais con­ti­da, não dis­far­ça a ale­gria de le­var na mão es­quer­da a ali­an­ça que a une à ca­ra-me­ta­de. Ca­sa­ram em 2017, três anos de­pois de se te­rem co­nhe­ci­do. Da­ni­e­la é de Torres No­vas, Isa­bel é de Gui­ma­rães, mas foi em Lei­ria que jun­ta­ram os so­ta­ques.

Em 2014, uma co­le­ga de fa­cul­da­de de Da­ni­e­la fa­lou-lhe de Isa­bel. “Hou­ve qual­quer coi­sa que me des­per­tou a aten­ção, mas não li­guei mui­to. En­tre­tan­to, con­ver­sa pu­xa con­ver­sa. Co­me­çá­mos a con­ver­sar por cau­sa de quê?”, ten­ta re­cor­dar-se. “Me­tes­te con­ver­sa co­mi­go”, lem­bra Isa­bel. “Sim, na­da de es­pe­ci­al, coi­sas do Facebook.” Vi­ri­am a pas­sar uma pe­la ou­tra, pe­la pri­mei­ra vez, al­gu­res na Es­co­la Su­pe­ri­or de Tec­no­lo­gia e Ges­tão, no Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co de Lei­ria, on­de as du­as es­tu­da­vam e on­de re­ce­be­ram a “No­tí­ci­as Ma­ga­zi­ne”.

Na al­tu­ra, Da­ni­e­la, a for­mar-se em En­ge­nha­ria Ci­vil, na­mo­ra­va, mas o se­gre­do em que a re­la­ção exis­tia não a dei­xa­va fe­liz: “A Isa­bel fez-me per­ce­ber que quan­do es­ta­mos nu­ma re­la­ção não há ne­ces­si­da­de de es­con­der­mos aqui­lo que so­mos.” Ago­ra, vi­ve em li­ber­da­de. Sem jo­gar às es­con­di­das.

Quan­do Isa­bel aca­bou o cur­so de so­li­ci­ta­do­ria, no ve­rão de 2014, vol­tou pa­ra Gui­ma­rães, mas a in­sis­tên­cia da na­mo­ra­da con­se­guiu fa­zê-la re­gres­sar. Em 2015, de­pois de uma tem­po­ra­da a di­vi­di­rem ca­sa com co­le­gas, em Lei­ria, ar­ran­ja­ram um es­pa­ço só pa­ra as du­as, on­de ho­je vi­vem com as du­as ca­de­las que ado­ta­ram pe­lo ca­mi­nho. Daí até co­me­ça­rem a pen­sar em ca­sar e ter fi­lhos – não por es­ta or­dem – foi rá­pi­do. E, na passagem de 2016 pa­ra 2017, de­ci­di­ram que não iri­am es­pe­rar pe­lo ano se­guin­te pa­ra dar o nó que es­pe­ram eter­no. Ca­sa­ram em se­tem­bro se­guin­te.

“Pro­cu­rar idei­as pa­ra um ca­sa­men­to de du­as pes­so­as do mes­mo se­xo é mui­to di­fí­cil em Por­tu­gal. Por­que dois ho­mens ou du­as mu­lhe­res, quan­do ca­sam cá, vão ao ci­vil, vão fa­zer um jan­tar, qual­quer coi­sa com os fa­mi­li­a­res, e não há fo­tos, não há re­gis­tos, não há idei­as de de­co­ra­ção, to­pos de bo­lo, por exem­plo. Foi mui­to di­fí­cil ar­ran­jar um to­po de bo­lo pa­ra nós, por­que não ha­via na­da”, con­ta Da­ni­e­la, que, na vés­pe­ra do ca­sa­men­to, che­gou a ca­sa com a ideia de cri­ar um blo­gue de ca­sal. Só fal­ta­va o no­me. “Tem de ser uma coi­sa que te­nha a ver com amor. En­tão, lem­brei-me, o amor ven­ce sem­pre”. E fi­cou. Dez me­ses de­pois, têm um diá­rio pú­bli­co, on­de par­ti­lham a vi­da. Da­ni­e­la é, si­mul­ta­ne­a­men­te, nar­ra­do­ra e pro­ta­go­nis­ta de uma his­tó­ria que tem ain­da ou­tra per­so­na­gem prin­ci­pal. Uma es­cre­ve, ou­tra cor­ri­ge (já o fa­zem no dia-a-dia, em diá­lo­go oral). Con­tam não só so­bre os tra­ta­men­tos de fer­ti­li­da­de que as têm con­su­mi­do nos úl­ti­mos tem­pos, mas so­bre­tu­do o que une um ca­sal na ba­na­li­da­de do quo­ti­di­a­no. “Sen­ti­mos que es­ta­mos a fa­zer a di­fe­ren­ça, por­que te­mos mi­lha­res de pes­so­as que se ins­pi­ram na nos­sa his­tó­ria. To­das as se­ma­nas, re­ce­be­mos cen­te­nas de men­sa­gens”, diz Da­ni­e­la. Al­gu­mas são de pes­so­as que “con­se­gui­ram ca­sar, as­su­mir, ga­nhar co­ra­gem pa­ra con­tar aos pais”. “Ga­nham ins­pi­ra­ção e mo­ti­va­ção pa­ra con­ti­nu­ar e acre­di­tam que po­dem ser fe­li­zes, que du­as mu­lhe­res con­se­guem ser fe­li­zes, in­de­pen­den­te­men­te da fa­mí­lia e de tu­do

o que de mal pos­sa vir a se­guir. As pes­so­as ins­pi­ram-se em nós e is­so é re­con­for­tan­te.” ●m

a A ma­ter­ni­da­de par­ti­lha­da é uma re­a­li­da­de em Por­tu­gal des­de janeiro de 2017

M Da­ni­e­la e Isa­bel ca­sa­ram-se em 2017 e trans­mi­ti­ram par­te da ce­ri­mó­nia em di­re­to na In­ter­net

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.