ABDICAR DAS FÉ­RI­AS PA­RA SER­VIR OS OU­TROS

De Bra­ga a Fa­ro. Na flo­res­ta, num or­fa­na­to em Áfri­ca, em es­pa­ços cul­tu­rais, em co­mu­ni­da­des. O vo­lun­ta­ri­a­do em seis tes­te­mu­nhos.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Almanaque - TEX­TO Fi­lo­me­na Abreu

Ovo­lun­ta­ri­a­do é co­mo um gran­de bar­co mo­vi­do a cau­sas. Po­dem ser am­bi­en­tais, so­ci­ais, re­li­gi­o­sas ou ou­tras. À par­te das mo­ti­va­ções que le­vam o ser hu­ma­no a que­rer dar mais de si aos ou­tros, sem es­pe­rar re­ce­ber na­da em tro­ca, há um de­no­mi­na­dor co­mum. Quer se te­nha oi­to ou 61 anos. O al­truís­mo. Ar­re­ga­çar as man­gas, pôr pés ao ca­mi­nho e par­ti­ci­par nu­ma mis­são de pei­to aber­to não é pa­ra qual­quer um. Se­ja ela nou­tro con­ti­nen­te ou ao la­do da nos­sa ca­sa. Ain­da pa­ra mais quan­do is­so exi­ge o nos­so pre­ci­o­so tem­po de des­can­so nas fé­ri­as. Não é pos­sí­vel con­ta­bi­li­zar quan­tos vo­lun­tá­ri­os há em Por­tu­gal. Mas to­dos te­mos a no­ção de que são uma for­ça si­len­ci­o­sa de mui­tas ins­ti­tui­ções e da so­ci­e­da­de em ge­ral. O pou­co que se ofe­re­ce faz sem­pre mui­ta di­fe­ren­ça. Os seis tes­te­mu­nhos que se se­guem são uma ín­fi­ma par­te dos pro­je­tos que exis­tem no país.

01 Sa­ra Mo­rei­ra “A par­ti­lha in­ter­cul­tu­ral en­ri­que­ce-nos”

Des­de que co­nhe­ceu a TO­CA que a Sa­ra não sai de lá. Foi uma ami­ga que a le­vou. As­sis­ti­ram jun­tas a um con­cer­to de ban­das de rock emer­gen­tes na As­so­ci­a­ção Ju­ve­nil SY­ner­gia, em Bra­ga. A Sa­ra, que tem 27 anos e é de Vi­la No­va de Fa­ma­li­cão, fi­cou cu­ri­o­sa so­bre aque­le “es­pa­ço mul­ti­cul­tu­ral e mul­ti­fun­ções” e quis sa­ber mais. Foi as­sim que des­co­briu que a TO­CA – Tra­ba­lho de uma Ofi­ci­na Cul­tu­ral e As­so­ci­a­ti­va (um dos mui­tos pro­je­tos do SY­ner­gia, que é apoi­a­do pe­lo

Ins­ti­tu­to Por­tu­guês do Des­por­to e Ju­ven­tu­de, ao abri­go do pro­gra­ma Ge­ra­ção Z) – era um mun­do en­can­ta­do. On­de há con­cer­tos, au­las de dan­ça do ven­tre e de sa­lão, te­a­tro, ses­sões de stand up co­medy e mais. Mui­to mais. Não re­sis­tiu. “De­ci­di in­te­grar es­te pro­je­to por­que mais do que me re­ver ne­le, e no mo­do de tra­ba­lho, vi um sí­tio cons­truí­do por jo­vens pa­ra jo­vens. Que re­pre­sen­ta gen­te que quer fa­zer mais e dar mais à sua co­mu­ni­da­de.”

For­ma­da em Psi­co­lo­gia, apro­vei­tou es­tes me­ses de des­can­so pa­ra com­ple­men­tar o es­tá­gio com al­gu­mas ho­ras na TO­CA. Vai ser as­sim até 15 de no­vem­bro. Além do apoio lo­gís­ti­co na or­ga­ni­za­ção dos es­pe­tá­cu­los, le­ci­o­na Lín­gua Por­tu­gue­sa a es­tu­dan­tes es­tran­gei­ros. E ain­da é men­to­ra de ou­tros vo­lun­tá­ri­os es­tran­gei­ros, au­xi­li­an­do-os na in­te­gra­ção e adap­ta­ção à ci­da­de e ao país.

“Ao en­si­nar por­tu­guês a um vo­lun­tá­rio tur­co, es­tou a fa­zer mais do que dar-lhe uma au­la. E ele mais do que apren­der uma no­va lín­gua. Es­tou a par­ti­lhar com ele a história e a cul­tu­ra do meu país, re­ce­ben­do em tro­ca co­nhe­ci­men­tos so­bre o seu país e a sua lín­gua. A par­ti­lha cul­tu­ral en­ri­que­ce-nos. Mais do que is­so, es­tou a de­sen­vol­ver com­pe­tên­ci­as de gran­de va­lor pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho, co­mo a as­ser­ti­vi­da­de, a co­mu­ni­ca­ção em público, a li­de­ran­ça, a cri­a­ti­vi­da­de, a re­si­li­ên­cia e o tra­ba­lho em equi­pa.”

02 Ví­tor Car­do­so “Re­ce­be­mos mais do que aqui­lo que da­mos”

Mo­chi­la às cos­tas, cha­péu na ca­be­ça e fé no co­ra­ção. Ví­tor Car­do­so, 28 anos, na­tu­ral de Bar­ce­los, ti­rou uma semana das fé­ri­as pa­ra pôr pés ao ca­mi­nho. Em mis­são. Atrás de si, le­vou um gru­po de oi­to jo­vens que

com ele ca­mi­nhou até San­ti­a­go de Com­pos­te­la, em Es­pa­nha. O téc­ni­co de amos­tra­gem de um la­bo­ra­tó­rio em Vi­la No­va de Gaia é ani­ma­dor de um gru­po cris­tão jo­vem com quem se jun­ta to­das as se­ma­nas pa­ra de­ba­ter vá­ri­os as­sun­tos atu­ais, va­lo­res cris­tãos, pes­so­ais e pa­ra de­sen­vol­ve­rem for­mas de, in­di­vi­du­al­men­te ou em gru­po, es­ta­rem mais aten­tos aos ou­tros e à so­ci­e­da­de. Foi nes­se se­gui­men­to que, no início do ano, de­ci­di­ram ir a pé a San­ti­a­go. For­ta­le­cer a ami­za­de en­tre eles e tam­bém a es­pi­ri­tu­a­li­da­de. Ví­tor ab­di­cou de uma semana das su­as fé­ri­as pa­ra os gui­ar. “O gru­po cris­tão a que per­ten­ço cha­ma-se ‘ORA : Ora­ção é a Ra­zão do Amor’ e es­tá in­se­ri­do nu­ma Pas­to­ral ju­ve­nil no Co­lé­gio La Sal­le, em Bar­ce­li­nhos – Pas­to­ral.PT La Sal­le – , que pro­cu­ra dar fer­ra­men­tas e va­lo­res cris­tãos aos jo­vens, pa­ra que es­tes pos­sam, em gru­po e pes­so­al­men­te, apli­cá-los na so­ci­e­da­de”. Os co­le­gas de tra­ba­lho cha­mam-lhe ma­lu­co por gas­tar as fé­ri­as a can­sar-se em ca­mi­nha­das. Já os ami­gos de lon­ga da­ta per­ce­bem, por­que eles tam­bém par­ti­lham da mes­ma fi­lo­so­fia. “É um ca­mi­nho de su­pe­ra­ção pes­so­al e em gru­po, o que tor­na tu­do mui­to mais fá­cil. O vo­lun­ta­ri­a­do é sem­pre gra­ti­fi­can­te, pois quan­do vi­vi­do em ple­ni­tu­de per­ce­be­mos que re­ce­be­mos sem­pre mais do que aqui­lo que da­mos. Cul­ti­va­mos o amor en­tre to­dos e is­so não tem li­mi­tes.”

03 An­dreia Re­vês “Na­da com­pra o sen­ti­men­to de per­ten­ça”

Há uma jo­vem em Fa­ro que tem bi­chos-car­pin­tei­ros. Aos 26 anos, An­dreia Re­vês pos­sui um di­na­mis­mo que mo­ve mon­ta­nhas. É li­cen­ci­a­da em Edu­ca­ção So­ci­al e co­or­de­na o Pro­je­to Cria+E6G, com cri­an­ças pro­ve­ni­en­tes de con­tex­tos so­ci­o­e­co­nó­mi­cos des­fa­vo­re­ci­dos, em São Brás de Al­por­tel. Foi atra­vés dos par­cei­ros des­se pro­je­to que to­mou co­nhe­ci­men­to das ini­ci­a­ti­vas de apoio do IPDJ. No ve­rão pas­sa­do, can­di­da­tou-se ao Vo­lun­ta­ri­a­do Jo­vem Pa­ra a Na­tu­re­za e Flo­res­tas, cu­jo ob­je­ti­vo é “pro­mo­ver prá­ti­cas de vo­lun­ta­ri­a­do ju­ve­nil no âm­bi­to da pre­ser­va­ção da na­tu­re­za, flo­res­tas e res­pe­ti­vos ecos­sis­te­mas, atra­vés da sen­si­bi­li­za­ção das po­pu­la­ções em ge­ral, bem co­mo da pre­ven­ção con­tra os in­cên­di­os flo­res­tais e ou­tras ca­tás­tro­fes com im­pac­to am­bi­en­tal, da mo­ni­to­ri­za­ção e re­cu­pe­ra­ção de ter­ri­tó­ri­os afe­ta­dos”. Em 2017, du­ran­te 15 di­as, An­dreia e um gru­po de cri­an­ça e jo­vens vo­lun­tá­ri­os re­a­li­za­ram ações de lim­pe­za de li­xo nas prai­as al­gar­vi­as, nos jar­dins de São Brás de Al­por­tel e na Ser­ra de Ta­vi­ra. Cor­reu tão bem que nes­te ano a

ação vai es­ten­der-se por 26 di­as.

Os vo­lun­tá­ri­os já se reu­ni­ram com os Bom­bei­ros de São Brás de Al­por­tel, o Exér­ci­to Por­tu­guês e o RIAS (Cen­tro de Re­cu­pe­ra­ção e In­ves­ti­ga­ção de Ani­mais Sel­va­gens). “Per­ce­ber de que for­ma se po­de atu­ar sem­pre que se de­te­ta um in­cên­dio ou que al­guém ne­ces­si­ta de so­cor­ro. Co­nhe­cer mais de per­to o tra­ba­lho de­sem­pe­nha­do pe­las pa­tru­lhas do Exér­ci­to Por­tu­guês na ser­ra e co­mo são re­a­li­za­das as vi­gi­lân­ci­as. E tam­bém per­ce­ber co­mo se po­de e de­ve atu­ar pe­ran­te uma si­tu­a­ção de um ani­mal fe­ri­do”, fo­ram te­mas que es­ti­ve­ram so­bre a me­sa nos três en­con­tros. En­tre­tan­to, já pu­de­ram apli­car os co­nhe­ci­men­tos ad­qui­ri­dos em du­as vi­gi­lân­ci­as na ser­ra de São Brás de Al­por­tel. E tam­bém já ini­ci­a­ram lim­pe­zas na Ria For­mo­sa (Fa­ro), em par­ce­ria com o Zen Sup, na Fon­te Fér­rea e em três Mi­ra­dou­ros de São Brás de Al­por­tel. De fu­tu­ro, além das ações de lim­pe­za e vi­gi­lân­cia na Ser­ra do Cal­dei­rão, os vo­lun­tá­ri­os irão par­ti­lhar a ex­pe­ri­ên­cia com ou­tros jo­vens nas es­co­las e a im­por­tân­cia des­se ti­po de ini­ci­a­ti­vas ser­vi­rá pa­ra aju­dar a pre­ser­var e a cui­dar do pa­tri­mó­nio na­tu­ral e cul­tu­ral.

“São ini­ci­a­ti­vas co­mo es­tas, que de­cor­rem por to­do

o país, que fa­zem a di­fe­ren­ça. O ca­mi­nho es­tá no tra­ba­lho em re­de e na va­lo­ri­za­ção des­sas pe­que­nas gran­des ini­ci­a­ti­vas por par­te das en­ti­da­des lo­cais. Co­mo ci­da­dãos, de­ve ser nos­so de­ver que­rer sa­ber mais e dar sem­pre um pou­co mais de nós pa­ra cons­truir­mos uma so­ci­e­da­de me­lhor. A quem nun­ca ex­pe­ri­men­tou, a quem pro­cu­ra uma opor­tu­ni­da­de ou um sen­ti­do de vi­da, acon­se­lho o vo­lun­ta­ri­a­do. Na­da com­pra o sen­ti­men­to de per­ten­ça, uti­li­da­de e gra­ti­dão que es­te ti­po de ex­pe­ri­ên­ci­as nos pro­por­ci­o­nam”, re­ma­ta An­dreia.

04 Os Sil­va Bar­ro­so “Op­tar por dei­xar o con­for­to da nos­sa ca­sa”

A fa­mí­lia Sil­va Bar­ro­so já era gran­de, mas ain­da vai cres­cer mais. A co­man­dar as tro­pas es­tão o pai Nu­no,

com 45 anos, e a mãe Ti­na, com 42. De­pois, vem a pro­le. O Mi­guel e o Jo­sé são os mais ve­lhos, am­bos com 16 anos, se­gue-se a Ma­ria Be­a­triz, com 15, o João, com 13, o Pe­dro com oi­to, o Ti­a­go com qua­tro e...a ca­mi­nho vem mais um be­bé. Vi­vem em Coim­bra e per­ten­cem à União Apos­tó­li­ca de Fa­mí­li­as do Mo­vi­men­to de Scho­ens­tatt (um gru­po ma­ri­a­no fun­da­do na Ale­ma­nha).

Há mui­to que eles, sen­do tan­tos, sen­ti­am ne­ces­si­da­de de dar mais aos ou­tros. Por is­so, no ano pas­sa­do, in­te­gra­ram as Mis­sões Fa­mi­li­a­res Ca­tó­li­cas, com o ob­je­ti­vo de pro­mo­ver e tes­te­mu­nhar a vi­vên­cia con­cre­ta da fé na fa­mí­lia, en­tre pais e fi­lhos e no âm­bi­to de uma co­mu­ni­da­de alar­ga­da de fa­mí­li­as. As­sim, “du­ran­te uma semana de mis­são, vá­ri­as fa­mí­li­as (no nos­so ca­so fo­ram qua­tro) com os seus fi­lhos bi­o­ló­gi­cos e com jo­vens mis­si­o­ná­ri­os que se in­te­gram nas fa­mí­li­as de vi­da op­tam por dei­xar o co­mo­dis­mo de su­as ca­sas, ab­di­cam de uma semana de fé­ri­as e de­di­cam-se à vi­vên­cia pro­fun­da da ora­ção, da par­ti­lha e do ser­vi­ço aos ou­tros”. O ser­vi­ço po­de ser fei­to num cen­tro so­ci­al de apoio a ido­sos, no apoio do­mi­ci­liá­rio ou em ati­vi­da­des com cri­an­ças e jo­vens.

Co­mo as emo­ções que se vi­vem em co­mu­ni­da­de e jun­to de quem mais ne­ces­si­ta são tão for­tes, os pais ga­ran­tem que os mais pe­que­nos acei­tam de bom gra­do “vi­ver par­te das fé­ri­as em ser­vi­ço e ora­ção”. “Os la­ços que se cri­am com as ou­tras fa­mí­li­as e com ou­tros jo­vens per­du­ram e en­chem o co­ra­ção. Es­tes sen­ti­men­tos são mui­to mais du­ra­dou­ros do que ir acam­par e fa­zer ou­tras ati­vi­da­des lú­di­cas.”

05 Luís Bos­sa “Sen­tir-me útil e não obri­ga­do aju­da-me a es­tar mo­ti­va­do”

Há qua­tro anos, Luís Bos­sa re­gres­sou à ter­ra on­de nas­ceu, Mo­çam­bi­que. Ia pa­ra ver a mis­são de um pa­dre ami­go, mas aca­bou a aju­dar. En­si­nou cri­an­ças a ler, a es­cre­ver e a jo­gar an­de­bol. Quan­do re­gres­sou a Por­tu­gal, sou­be que já na­da se­ria igual. Luís, 61 anos, as­sis­ten­te edu­ca­ti­vo no Co­lé­gio São João de Bri­to, em Lis­boa, cri­ou a Mis­são Bei­ra há três anos. Um pro­je­to que de­sen­vol­ve com cer­ca de 20 jo­vens e que os le­va a Mo­çam­bi­que de dois em dois anos pa­ra, em co­la­bo­ra­ção com a co­mu­ni­da­de je­suí­ta da ci­da­de da Bei­ra, aju­dar cri­an­ças e jo­vens do or­fa­na­to dos San­tos Ino­cen­tes, de­sen­vol­ven­do ati­vi­da­des edu­ca­ti­vas, lú­di­cas e de for­ma­ção hu­ma­na du­ran­te um mês. Mas is­so re­quer um gran­de tra­ba­lho fei­to em Por­tu­gal, de an­ga­ri­a­ção de ma­te­ri­al es­co­lar e de pre­pa­ra­ção do gru­po. “Quan­do ini­ci­ei es­te pro­je­to, ti­nha a per­fei­ta no­ção que era pre­ci­so mui­ta dis­po­ni­bi­li­da­de. Es­te é o fa­tor -cha­ve pa­ra qual­quer jo­vem ou adul­to fa­zer par­te de uma or­ga­ni­za­ção. O fac­to de me sen­tir útil e de não me sen­tir obri­ga­do na­qui­lo que fa­ço aju­da a sen­tir-me mo­ti­va­do. Além dis­so, es­tes pro­je­tos pro­mo­vem a par­ti­lha, en­si­nam a sa­ber par­ti­lhar e eu gos­to dis­so. Ten­to in­cu­tir aos jo­vens que fa­zem par­te do pro­je­to es­tes va­lo­res, aler­tan­do sem­pre que é uma vi­a­gem de mis­são a Mo­çam­bi­que e não uma vi­a­gem a Mo­çam­bi­que.”

06 Nu­no Pai­xão “Por­que to­dos pre­ci­sa­mos uns dos ou­tros”

“Ve­te­ri­ná­rio de al­ma e co­ra­ção”. É as­sim que Nu­no, na­tu­ral de Lis­boa, mas a vi­ver na Char­ne­ca da Ca­pa­ri­ca, em Al­ma­da, se apre­sen­ta. Per­ten­ce à As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Alis­ta­dos das For­ma­ções Sa­ni­tá­ri­as. Um pro­je­to que in­te­gra “cen­te­nas de vo­lun­tá­ri­os em vá­ri­as di­men­sões e va­lên­ci­as do so­cor­ro e da atu­a­ção em si­tu­a­ção de ca­tás­tro­fe”. Nu­no Pai­xão, 45 anos, é o che­fe da Uni­da­de de Me­di­ci­na Ve­te­ri­ná­ria. “Atu­a­mos sem­pre que é ne­ces­sá­rio e au­xi­li­a­mos ani­mais e hu­ma­nos que es­te­jam em ne­ces­si­da­de, em so­fri­men­to, em si­tu­a­ções de pe­ri­go pa­ra a saú­de pú­bli­ca em lo­cais as­so­la­dos por ca­tás­tro­fes na­tu­rais e não na­tu­rais.” Foi is­so que o le­vou pa­ra o ter­re­no, du­ran­te o in­cên­dio de Mon­chi­que. A equi­pa que Nu­no co­or­de­nou e que “tem for­ma­ção em ope­ra­ções de so­cor­ro, em sal­va­men­to ur­ba­no e flo­res­tal”, es­te­ve ar­ti­cu­la­da “com as au­to­ri­da­des de Pro­te­ção Ci­vil e Ad­mi­nis­tra­ti­vas de Mon­chi­que”, no sen­ti­do de res­ga­tar e pres­tar cui­da­dos de saú­de ao mai­or nú­me­ro pos­sí­vel de ani­mais. “Fa­ço-o por­que acre­di­to que a vi­da po­de ser mais fá­cil se nos aju­dar­mos uns aos ou­tros. A saú­de é úni­ca e a se­gu­ran­ça tam­bém é úni­ca. Acre­di­to que al­guém tem que lu­tar pe­los que so­frem. Por­que to­dos pre­ci­sa­mos uns dos ou­tros.”●m

M Sa­ra Mo­rei­ra, vo­lun­tá­ria na TO­CA, um dos pro­je­tos da SY­ner­gia, em Bra­ga, apoi­a­do pe­lo Ins­ti­tu­to Por­tu­guês do Des­por­to e Ju­ven­tu­de

a A fa­mí­lia Sil­va Bar­ro­so co­me­çou no ano pas­sa­do a fa­zer vo­lun­ta­ri­a­do em vá­ri­as co­mu­ni­da­des. Per­ten­cem ao mo­vi­men­to ma­ri­a­no Scho­ens­tatt

M Luís Bos­sa vai de dois em dois anos à Bei­ra, em Mo­çam­bi­que, pa­ra de­sen­vol­ver ati­vi­da­des com as cri­an­ças do Or­fa­na­to dos San­tos Ino­cen­tes

q Nu­no Pai­xão é o che­fe da Uni­da­de de Me­di­ci­na Ve­te­ri­ná­ria da ANAFS. Es­te­ve em Mon­chi­que, com a sua equi­pa, a pres­tar cui­da­dos ve­te­ri­ná­ri­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.