Mil­len­ni­als A ge­ra­ção Y tem me­do de cres­cer?

Não que­rem sair do ni­nho, não sa­em do so­fá, não pen­sam no fu­tu­ro, vi­vem amar­ra­dos à tec­no­lo­gia e den­tro de uma bo­lha. Quais as ex­pec­ta­ti­vas dos fi­lhos do início des­te mi­lé­nio? Se­rão mes­mo as­sim? Ho­je é Dia In­ter­na­ci­o­nal da Ju­ven­tu­de. “Fu­tu­ro me­nos ób­vio,

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Estilos -

Há seis me­ses, Di­o­go Cor­reia, 26 anos, ar­ran­jou tra­ba­lho nu­ma em­pre­sa li­ga­da ao de­sen­vol­vi­men­to de si­tes e es­tá a fre­quen­tar uma for­ma­ção nes­sa área em ho­rá­rio pós-la­bo­ral. E saiu de ca­sa. “Es­tá a cor­rer bem”, con­fes­sa. Há três anos, ter­mi­nou o cur­so de Som e Ima­gem nu­ma uni­ver­si­da­de pri­va­da, de­pois de ter ex­pe­ri­men­ta­do En­ge­nha­ria In­for­má­ti­ca. Nos tem­pos da fa­cul­da­de, re­co­nhe­ce que não ha­via uma ideia cla­ra do fu­tu­ro en­tre os co­le­gas. “Nin­guém sa­bia o que que­ria fa­zer, gos­tá­va­mos de fil­mes e dis­se­mos va­mos lá ti­rar um cur­so.” Mis­são cum­pri­da.

Cres­ceu sem pre­o­cu­pa­ções e li­ga­do às má­qui­nas tec­no­ló­gi­cas que tan­to são fer­ra­men­tas de la­zer co­mo se tor­na­ram ins­tru­men­tos de tra­ba­lho. “A nos­sa ge­ra­ção pas­sa to­do o dia fren­te ao com­pu­ta­dor, tem de es­tar li­ga­da”, co­men­ta. A es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra, uma vi­da fora de ca­sa dos pais e o cres­ci­men­to pro­fis­si­o­nal pas­sa­ram a fa­zer par­te da sua vi­da. Di­o­go acre­di­ta que a ge­ra­ção mil­len­ni­al vai dar-se bem. “A nos­sa ge­ra­ção tem fu­tu­ro, mas de­mo­ra­rá um pou­co mais tem­po a as­su­mir res­pon­sa­bi­li­da­des do que a an­te­ri­or.”

Os in­te­res­ses são ou­tros, os ho­ri­zon­tes tam­bém. Di­o­go é ra­paz da ci­da­de. Ana Mar­ga­ri­da é ra­pa­ri­ga da al­deia, ha­bi­tu­a­da aos afa­ze­res do­més­ti­cos, a tra­tar do jar­dim, a di­vi­dir tem­po com o gru­po de jo­vens de que faz par­te em Mar­co de Ca­na­ve­ses, que se en­vol­ve em ações de so­li­da­ri­e­da­de. Tem 22 anos, aca­bou o Mes­tra­do de Ges­tão de Pro­ces­sos e Pro­je­tos de Em­pre­sas há pou­cas se­ma­nas, pe­lo meio fez Eras­mus na Re­pú­bli­ca Che­ca, e já an­da a en­vi­ar cur­rí­cu­los. Gos­ta­va de co­me­çar a tra­ba­lhar o quan­to an­tes. “Mes­mo que não ar­ran­je em­pre­go na mi­nha área, não vou fi­car em ca­sa dos meus pais. Te­nho de me fa­zer à vi­da”, diz.

O ró­tu­lo de apa­tia e pre­gui­ça dos mil­len­ni­als não en­cai­xa na ima­gem que tem da sua ge­ra­ção. E de si, co­mo fi­lha des­te mi­lé­nio. Sen­ta­da no so­fá? Na­da dis­so. “Gos­to de me me­xer, de me ocu­par. É o con­trá­rio do que di­zem, de fi­car na zo­na de con­for­to. Não sei se se­rá do am­bi­en­te em que cres­ci”, re­pa­ra. Sai e con­vi­ve com os ami­gos com quem, vol­ta e meia, faz o jo­go de co­lo­car os te­le­mó­veis no meio da me­sa, a ver quem é o pri­mei­ro a ce­der e a pe­gar no apa­re­lho. Nor­mal­men­te é di­fí­cil re­sis­tir. As tec­no­lo­gi­as não são um ini­mi­go. “Ago­ra fa­ze­mos tu­do pe­la Net, é uma das van­ta­gens que a tec­no­lo­gia nos dá.”

Ana olha pa­ra o fu­tu­ro com es­pe­ran­ça. “Pen­so que te­nho mui­tas opor­tu­ni­da­des cá, tal­vez por­que ain­da

es­tou no início.” A in­de­pen­dên­cia e a es­ta­bi­li­da­de são im­por­tan­tes. Não pro­pri­a­men­te uma con­ta re­che­a­da no ban­co. A fe­li­ci­da­de vem com as ex­pe­ri­ên­ci­as pes­so­ais e pro­fis­si­o­nais. Mas Ana tem dú­vi­das do que irá acon­te­cer à ge­ra­ção que se se­gue. O que es­cu­ta não lhe dá mui­ta se­gu­ran­ça. “Faz-me al­gu­ma co­mi­chão quan­do di­zem pa­ra dei­xar an­dar, quan­do não li­gam a na­da de na­da”, ad­mi­te.

An­tó­nio Vi­la Re­al tem 21 anos, vi­ve com a mãe e os ir­mãos, es­tu­da Ges­tão de Tu­ris­mo, Ho­te­la­ria e Res­tau­ra­ção, es­tá a pen­sar mu­dar de cur­so, mas não sa­be

o que es­co­lher, não lar­ga o te­le­mó­vel e as no­ti­fi­ca­ções do Ins­ta­gram e Fa­ce­bo­ok. An­da à pro­cu­ra não sa­be bem de quê. Mes­mo sem sa­ber exa­ta­men­te o que pro­cu­ra, es­pe­ra ter em­pre­go da­qui a três anos, pre­fe­ren­ci­al­men­te na área do tu­ris­mo, até por­que já es­ta­gi­ou num ho­tel e num hos­tel.

O fu­tu­ro é um ho­ri­zon­te dis­tan­te. “Qu­e­ro mu­dar de cur­so, mas ain­da não sei o que qu­e­ro”, con­ta. Ad­mi­te que é um mil­len­ni­al dos pés à ca­be­ça quan­do se fa­la nu­ma ge­ra­ção que não quer sair de ca­sa, que vi­ve ho­je sem pen­sar no ma­nhã, que não faz con­tas à vi­da por­que a es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra não é uma pri­o­ri­da­de. “É mais con­for­tá­vel vi­ver com a mi­nha mãe.” Sair do país po­de­rá ser uma pos­si­bi­li­da­de ou nem por is­so. “De­pen­de. Se tra­ba­lhar­mos mes­mo no que que­re­mos, acre­di­to que te­mos fu­tu­ro aqui.” Nos tem­pos li­vres, não faz “na­da de es­pe­ci­al” e não se ima­gi­na sem tec­no­lo­gi­as. “Já é um bo­ca­do ví­cio”, re­co­nhe­ce. Vas­co Ro­dri­gues, 18 anos, sa­be o que quer. Sa­be que vai en­trar em En­ge­nha­ria Me­câ­ni­ca na Fa­cul­da­de de En­ge­nha­ria da Uni­ver­si­da­de do Por­to. Fez por is­so, é bom alu­no, quer ser en­ge­nhei­ro me­câ­ni­co nu­ma gran­de em­pre­sa. Va­lo­ri­za o co­nhe­ci­men­to, apren­der, par­ti­lhar idei­as, ex­pe­ri­ên­ci­as. Sa­be que a sua ge­ra­ção tem de sair do so­fá. Com su­or. “Te­mos de nos es­for­çar mais pa­ra con­se­guir­mos o que que­re­mos.” Mais do que a ge­ra­ção an­te­ri­or. Es­tá ca­lor, Vas­co es­tá de fé­ri­as, saiu com os ami­gos, mo­chi­la às cos­tas. As ex­pec­ta­ti­vas de ca­da um têm a ver com a edu­ca­ção que se tem em ca­sa. É as­sim que olha pa­ra a ge­ra­ção a que per­ten­ce. “Ca­da um é co­mo é. É uma ques­tão de adap­ta­ção”, re­fe­re.

Ca­da ge­ra­ção tem as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas e vi­ve à luz do mun­do que a ro­deia. E adap­ta-se ao que a re­a­li­da­de tem pa­ra ofe­re­cer a ca­da mo­men­to. A es­ta­bi­li­da­de pa­ra uns, não é a es­ta­bi­li­da­de pa­ra ou­tros. “Os mil­len­ni­als cres­ce­ram num pe­río­do de rá­pi­das mu­dan­ças, com uma ex­plo­são da evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca. Mui­tas des­sas pes­so­as não ima­gi­nam co­mo era com­bi­nar uma saí­da com os ami­gos sem te­le­mó­vel ou fa­zer uma

apre­sen­ta­ção de um tra­ba­lho es­co­lar sem re­cor­rer a um com­pu­ta­dor”, re­fe­re Inês Afon­so Mar­ques, psi­có­lo­ga clí­ni­ca, co­or­de­na­do­ra da equi­pa in­fan­to­ju­ve­nil da Ofi­ci­na de Psi­co­lo­gia, que pres­ta apoio em di­fe­ren­tes áre­as.

São jo­vens que cres­ce­ram no mun­do da In­ter­net. A mai­or par­te das su­as vi­das pas­sa-se nas re­des so­ci­ais, nas sé­ri­es, nos fil­mes, nas mú­si­cas. É uma ge­ra­ção in­for­ma­da, pre­o­cu­pa­da com a ali­men­ta­ção e com a eco­lo­gia. “Ten­den­ci­al­men­te, é uma ge­ra­ção com mai­or fo­co no bem-es­tar e no au­to­cui­da­do, re­cor­ren­do a apli­ca­ções que mo­ni­to­ri­zam os trei­nos ou que con­vi­dam à me­di­ta­ção.”

Es­tu­dam até mais tar­de do que os pais, até por­que a es­co­la­ri­da­de obri­ga­tó­ria é ou­tra, va­lo­ri­zam o co­nhe­ci­men­to e um bom cur­rí­cu­lo e, por is­so, a en­tra­da no mer­ca­do de tra­ba­lho é ca­da vez mais tar­dia e a pers­pe­ti­va de es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra mais lon­gín­qua. Pa­ra Inês Afon­so Mar­ques, fi­car em ca­sa dos pais mais tem­po, não ca­sar, ter fi­lhos mais tar­de, não sig­ni­fi­ca que se quer per­ma­ne­cer sol­tei­ro e sem fi­lhos pa­ra sem­pre ou que não ha­ja o de­se­jo de cres­cer. O mun­do é ou­tro, a ge­ra­ção tam­bém.

Os mil­len­ni­als pa­re­cem va­lo­ri­zar mais o ser, o ex­pe­ri­men­tar, do que o ter. Pa­ra que se sin­tam bem, em har­mo­nia, há uma pri­ma­zia do vi­ver, em de­tri­men­to do ter. É es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca que le­va a que es­ta ge­ra­ção se­ja mui­tas ve­zes en­ca­ra­da co­mo per­ma­nen­te­men­te in­sa­tis­fei­ta, sal­tan­do fre­quen­te­men­te de tra­ba­lho ou de in­ca­paz de cres­cer. “Os mil­len­ni­als per­ce­be­ram tam­bém que, pa­ra o su­ces­so na vi­da, não bas­ta uma boa ba­ga­gem aca­dé­mi­ca, tra­du­zi­da em no­tas e mé­di­as, com­pre­en­den­do que a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal e uma vi­são mais abran­gen­te do mun­do lhes abrem no­vas por­tas pa­ra o su­ces­so”, acres­cen­ta a psi­có­lo­ga clí­ni­ca.

É uma ge­ra­ção ex­pos­ta, des­de o nas­ci­men­to, à in­cer­te­za e ao ris­co e que cres­ce num uni­ver­so di­gi­tal. O fu­tu­ro traz res­pos­tas in­con­clu­si­vas, di­fu­sas, a tra­je­tó­ria pes­so­al tor­na-se o fo­co. O tem­po tem ou­tro rit­mo, ou­tra va­lo­ri­za­ção em que o “pre­sen­te e, em par­ti­cu­lar, o fu­tu­ro se tor­na­ram me­nos ób­vi­os, me­nos ino­cen­tes, mais com­pro­me­ti­dos”, sus­ten­ta João Vas­co Co­e­lho, dou­to­ra­do em So­ci­o­lo­gia, in­ves­ti­ga­dor as­so­ci­a­do do Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção e Es­tu­dos de So­ci­o­lo­gia do Ins­ti­tu­to Uni­ver­si­tá­rio de Lis­boa (ISCTE-IUL), ges­tor de re­cur­sos hu­ma­nos.

Os ri­tos de pas­sa­gem e de tran­si­ção, co­mo sair de ca­sa, ca­sar, ter fi­lhos, sa­em dos pa­drões es­ta­be­le­ci­dos, mo­di­fi­cam-se por­que mu­da­ram as con­di­ções que pos­si­bi­li­ta­ri­am a sua con­cre­ti­za­ção em con­tex­tos so­ci­o­e­co­nó­mi­cos es­pe­cí­fi­cos. E as in­de­fi­ni­ções co­lo­cam as re­la­ções pes­so­ais e pro­fis­si­o­nais den­tro de um gran­de pa­rên­te­sis. “Sen­do o fu­tu­ro per­ce­bi­do co­mo me­nos ób­vio, va­lo­ri­za-se a ex­pe­ri­ên­cia, a de­ten­ção e a acu­mu­la­ção de ex­pe­ri­ên­ci­as, num tem­po pre­sen­te num es­pa­ço con­tro­la­do – o pro­je­to, a mis­são, o even­to, o workshop, o fes­ti­val”, su­bli­nha. “A ex­pe­ri­ên­cia, em mo­vi­men­to re­fle­xo, é apre­sen­ta­da co­mo ob­je­to de con­su­mo. Va­lo­ri­za-se a va­lo­ri­za­ção pes­so­al. Con­so­mem-se ex­pe­ri­ên­ci­as, opor­tu­ni­da­des de va­lo­ri­za­ção pes­so­al”, acres­cen­ta o so­ció­lo­go, que aler­ta pa­ra os ris­cos de ca­te­go­ri­zar uma ge­ra­ção que tan­to agre­ga se­me­lhan­ças co­mo di­fe­ren­ças. ●m

❸ An­tó­nio Vi­la Re­al, 21 anos, an­da à pro­cu­ra do seu ca­mi­nho. Vi­ve li­ga­do à tec­no­lo­gia ❹ Di­o­go Cor­reia, 26 anos, tra­ba­lha e es­tu­da. Saiu de ca­sa há seis me­ses. Tor­nou-se in­de­pen­den­te

❶ Ana Mar­ga­ri­da, 22 anos, ter­mi­nou a uni­ver­si­da­de, pro­cu­ra tra­ba­lho e quer sair de ca­sa dos pais

❷ Vas­co Ro­dri­gues, 18 anos, vai ti­rar o cur­so de En­ge­nha­ria Me­câ­ni­ca. Gos­ta de sair com os ami­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.