Dar a vol­ta à vi­da, ce­do e com hon­ra

Têm en­tre 14 e 18 anos. Fo­ram ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­dos, a mai­o­ria por or­dem do Tri­bu­nal, por­que de­sen­vol­ve­ram com­por­ta­men­tos de ris­co. O con­su­mo de es­tu­pe­fa­ci­en­tes é um de­no­mi­na­dor co­mum. Be­ber e rou­bar es­tá tam­bém em qua­se to­dos os cur­rí­cu­los. Mas en­con­tra­ram

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário # 1370 - TEXTO Fi­lo­me­na Abreu FOTOGRAFIA Ar­tur Ma­cha­do / Glo­bal Ima­gens

Eram ain­da cri­an­ças ou ado­les­cen­tes e já tro­pe­ça­vam em com­por­ta­men­tos de ris­co: as­sal­tos, ál­co­ol, dro­gas ile­gais. As­sim fo­ram de­sa­guar à As­so­ci­a­ção de Res­pos­tas Te­ra­pêu­ti­cas, que aco­lhe jo­vens dos 15 aos 18 anos de to­do o país, no Mar­co de Ca­na­ve­ses e em Cas­tro Ver­de. Há quem re­gres­se à es­co­la e che­gue ao qua­dro de hon­ra. Os jor­na­lis­tas Fi­lo­me­na Abreu e Ar­tur Ma­cha­do re­ve­lam qua­tro his­tó­ri­as de su­pe­ra­ção.

“QUERO TER UMA CA­SA, UM CARRO, UMA FA­MÍ­LIA E AJU­DAR OS MEUS. SÓ POR ES­TAR BEM JÁ OS ES­TOU A AJU­DAR”

Ti­nha 11 anos quando co­me­çou a fal­tar às au­las. Aos 12, be­bia ál­co­ol e con­su­mia ha­xi­xe. Com 14, já es­ta­va na co­caí­na e no MD. Foi nes­sa al­tu­ra que fu­giu de ca­sa. E, co­mo não ti­nha di­nhei­ro para a do­se, rou­ba­va. Dor­mia na rua ou on­de da­va. Ti­a­go – va­mos cha­mar-lhe Ti­a­go – era um carro sem tra­vões. Aos 16 anos, con­ta al­gu­mas das ex­pe­ri­ên­ci­as de vi­da que não de­se­ja a nin­guém. “Vi um ami­go a le­var uma ta­reia por cau­sa de di­nhei­ro que es­ta­va a de­ver. Nun­ca mais me es­que­ci. Es­tá­va­mos na rua, ía­mos ao ca­fé e, de re­pen­te, apa­re­ce­ram qua­tro ou cin­co pes­so­as e co­me­ça­ram a ba­ter-lhe. Ten­tei se­pa­rá-los... Abri­ram-lhe a ca­be­ça. Sen­ti-me mui­to mal por não con­se­guir fa­zer na­da por ele.” Des­sa vez, nin­guém sal­vou nin­guém, mas, al­gum tem­po de­pois, tu­do mu­dou. Faz ago­ra um ano e dois me­ses. Após mui­tas ten­ta­ti­vas, a mãe de Ti­a­go con­se­guiu que o fi­lho fos­se aco­lhi­do na ART – As­so­ci­a­ção de Res­pos­tas Te­ra­pêu­ti­cas de Ma­gre­los, a Quin­ta do Sol, no Mar­co de Ca­na­ve­ses. En­trou con­tra­ri­a­do. Ho­je, a con­ver­sa é ou­tra. “Foi um gran­de pla­no de vi­ra­gem. Se não ti­ves­se vin­do aqui parar, nem sa­bia o que se­ria de mim.” A ART é a pri­mei­ra res­pos­ta do país cri­a­da ex­clu­si­va­men­te para ado­les­cen­tes com pro­ble­mas de uso e abu­so de subs­tân­ci­as. Nas­ceu em 2009, de­pois do êxi­to de um pro­je­to-pi­lo­to ini­ci­a­do três anos an­tes, no po­lo da Quin­ta do Ho­ri­zon­te (Pa­re­des de Vi­a­do­res, Mar­co de Ca­na­ve­ses). Os res­pon­sá­veis co­me­ça­ram por in­se­rir al­guns jo­vens no gru­po que já exis­tia. Cu­ri­o­sa­men­te, a co­mu­ni­da­de per­ce­beu que tam­bém fa­zia sen­ti­do es­ten­der a te­ra­pia aos jo­vens. Os adul­tos, que ti­nham pro­ble­mas fa­mi­li­a­res gra­ves, vi­am nos mais no­vos os pró­pri­os filhos. Po­rém, pou­co a pou­co, a equi­pa per­ce­beu que os ado­les­cen­tes ti­nham ca­rac­te­rís­ti­cas mui­to pró­pri­as e foi ne­ces­sá­rio to­mar op­ções. Des­te en­tão, a ART só re­ce­be miú­dos em ris­co, dos 14 aos 18 anos. “É a úl­ti­ma li­nha do aco­lhi­men­to”, ex­pli­ca Di­o­go So­a­res, psi­có­lo­go na ins­ti­tui­ção. No ano pas­sa­do, a as­so­ci­a­ção foi cer­ti­fi­ca­da com o se­lo de Ino­va­ção e Em­pre­en­de­do­ris­mo So­ci­al pe­lo IES – So­ci­al Bu­si­ness Scho­ol. O con­jun­to das três uni­da­des que exis­tem em Por­tu­gal (du­as no Mar­co e ou­tra em Cas­tro Ver­de, no Alen­te­jo) cor­res­pon­de a 50% da res­pos­ta na­ci­o­nal em pro­gra­ma para me­no­res. O nú­me­ro de jo­vens que re­gres­sa à es­co­la e se tor­na qua­dro de hon­ra é o co­ro­ar de um con­jun­to su­ces­si­vo de vi­tó­ri­as. Ti­a­go aca­bou o ano com no­ta má­xi­ma a to­das as dis­ci­pli­nas. Há de dei­xar a ART de­pois do ve­rão. Quando con­cluir uma for­ma­ção em agri­cul­tu­ra, ini­ci­a­da nes­te ano. O mun­do lá fo­ra po­de­ria cau­sar-lhe al­gum re­ceio. Mai­o­res são os so­nhos. “Te­nho mui­tos. Quero con­ti­nu­ar a fa­zer des­por­to e ter um tra­ba­lho de que gos­te. Já pen­sei em ser ser­ra­lhei­ro ou al­go na área do des­por­to.” Regresso ao pas­sa­do. É ele quem faz a vi­a­gem, sem lhe pe­di­rem. São sem­pre abis­mos de on­de às ve­zes não se sai. “Ho­je, sou ou­tra pes­soa. Era men­ti­ro­so, ma­ni­pu­la­dor. Fa­zia de tu­do para ter o que que­ria. Era mui­to agres­si­vo e ago­ra já me con­tro­lo. Não que­ria fa­zer na­da, tu­do me era in­di­fe­ren­te. Só não que­ria que me cha­te­as­sem.” A ART re­vi­rou-o do aves­so. “Ago­ra já fa­lo com o meu pai e te­nho ob­je­ti­vos.” E há uma cer­ta or­dem nos de­se­jos: “Quero ter uma ca­sa, um carro, uma fa­mí­lia e aju­dar os meus. Só por es­tar bem já os es­tou a aju­dar, por­que não dou do­res de ca­be­ça, nem tra­ba­lhos.” São se­te ir­mãos. To­dos mais no­vos. “Já não vou dar um mau exem­plo.”

A co­mu­ni­da­de te­ra­pêu­ti­ca é apoi­a­da pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de e tam­bém pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção. To­dos es­ses jo­vens têm al­go em co­mum: uso ou con­su­mo adi­ti­vo de subs­tân­ci­as. Mas as ques­tões de fun­do nun­ca fi­cam por aí. “À par­ti­da, qua­se to­dos os que têm pro­ble­mas adi­ti­vos têm tam­bém me­di­das de pro­mo­ção, pro­te­ção e pro­ble­mas com­por­ta­men­tais gra­ves. Além dis­so, há al­guns com pa­to­lo­gi­as do fo­ro psi­co­ló­gi­co e psi­quiá­tri­co”, re­ve­la Di­o­go So­a­res.

Uma co­mu­ni­da­de di­ver­si­fi­ca­da e he­te­ro­gé­nea. Uma mi­cros­so­ci­e­da­de, que se or­ga­ni­za den­tro do pró­prio es­pa­ço. Com a par­ti­cu­la­ri­da­de de se­rem um gru­po mis­to, de ra­pa­zes e de ra­pa­ri­gas. “Es­sa é a no­vi­da­de. Aqui con­vi­vem di­a­ri­a­men­te, com re­gras mui­to de­fi­ni­das de con­tro­lo e de res­pei­to mú­tuo.” Um ca­mi­nho que cul­mi­na na rein­ser­ção e do qual a es­co­la, que aban­do­na­ram, é par­te fun­da­men­tal. Fi­cam na ca­sa por um ano e meio, o tem­po ne­ces­sá­rio para re­a­li­zar as di­ver­sas fa­ses do tra­ta­men­to.

Sa­ra es­tá no iní­cio – Sa­ra tam­bém não é o seu no­me, co­mo acon­te­ce com to­dos os ou­tros jo­vens que dão a voz nes­ta re­por­ta­gem. En­trou na ART há pou­co mais de dois me­ses. “Ain­da es­tou de pé atrás.” Com 15 anos,

é a ter­cei­ra vez que é ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da. “Na pri­mei­ra co­mu­ni­da­de, fa­zia tu­do bem para sair de lá. Na se­gun­da, por­ta­va-me pi­or do que em ca­sa. Aqui não. De­mons­tro quem sou por­que já per­ce­bi que só as­sim me vão po­der aju­dar. A prin­cí­pio não que­ria re­a­bi­li­tar-me, não que­ria mu­dar. Mas, de­pois, co­me­cei a con­fi­ar na equi­pa, a fa­lar, e fi­ze­ram-me che­gar à con­clu­são de que a vi­da que le­va­va não ti­nha mui­tas saí­das.” Segundo Sa­ra, os pro­ble­mas co­me­ça­ram com o nas­ci­men­to da so­bri­nha. A si­tu­a­ção afas­tou-a dos pais e fez re­vol­tar-se com a fa­mí­lia. Aos 12 anos, os ami­gos eram tu­do. Com­pa­nhi­as que a le­va­ram a fal­tar à es­co­la e a con­su­mir pó­len, er­va, MD. To­dos os di­as. “Não res­pei­ta­va os meus pais e eles co­me­ça­ram a não ter mão em mim.” Foi parar a uma ins­ti­tui­ção em Vi­la Re­al. Fi­cou lá um ano e dois me­ses. Quando vol­tou a ca­sa, an­dou três ou qua­tro me­ses bem e re­caiu. Ti­nha 14 anos quando tor­nou a ser ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da, des­sa vez na Ré­gua. Aí, foi o des­ca­la­bro. “Fu­gi de lá para re­gres­sar à mes­ma vi­da, até que a mi­nha mãe pe­diu aju­da para que eu fos­se para uma co­mu­ni­da­de de re­a­bi­li­ta­ção.” Quando en­trou na ART, era ela con­tra o Mun­do. Pas­sa­dos dois me­ses, diz que ain­da não mu­dou mui­ta coi­sa. “É um pro­ces­so lon­go, mas sin­to di­fe­ren­ças. Já con­si­go con­tro­lar a mi­nha rai­va e a im­pul­si­vi­da­de. Es­tou a apren­der a ter res­pei­to pe­los ou­tros e a con­fi­ar nas pes­so­as, que é uma coi­sa que me cus­ta mui­to.”

O nú­me­ro de pe­di­dos de aco­lhi­men­to que che­gam à ART tem vin­do a au­men­tar, prin­ci­pal­men­te do se­xo fe­mi­ni­no, segundo os res­pon­sá­veis da ins­ti­tui­ção. Nos úl­ti­mos três anos, as 27 va­gas da uni­da­de es­ti­ve­ram sem­pre 100% pre­en­chi­das. Os jo­vens che­gam às três uni­da­des por or­dem do Tri­bu­nal ou da Comissão de Pro­te­ção de Cri­an­ças e Jo­vens. Mas tam­bém atra­vés das Es­tru­tu­ras da Di­vi­são de In­ter­ven­ção nos Com­por­ta­men­tos Adi­ti­vos e De­pen­dên­ci­as e por via par­ti­cu­lar. Con­tu­do, a mai­o­ria é en­ca­mi­nha­da por de­ci­são ju­di­ci­al. Vêm de to­do o país. Sendo que gran­de par­te já ti­nha si­do ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da an­tes de ser ad­mi­ti­da.

O bom há­bi­to de su­bir ao qua­dro de hon­ra

Ti­a­go Pin­to é di­re­tor da Quin­ta do Sol há seis anos, mas já ali tra­ba­lha há 12. O res­pon­sá­vel ga­ran­te que to­dos os di­as há no­vos de­sa­fi­os para a equi­pa. “A nos­sa re­fe­rên­cia é o es­pí­ri­to de mis­são. Mais do que um or­de­na­do, é per­ce­ber­mos que do ou­tro la­do há pes­so­as que pre­ci­sam de apoio. Se es­ti­vés­se­mos no lu­gar de­les, tam­bém gos­ta­ría­mos de ter aju­da. Por is­so, há uma en­tre­ga mui­to for­te.” Os nú­me­ros fa­lam por si: desde 2009, hou­ve 980 in­ter­na­men­tos. “Ob­vi­a­men­te fi­ca­mos tris­tes e de­si­lu­di­dos quando há in­su­ces­so, mas per­ce­ber que os su­ces­sos es­tão a au­men­tar faz com que te­nha­mos um oxi­gé­nio mui­to mai­or”, su­bli­nha Ti­a­go. Em 2016, em 16 jo­vens, 11 de­les fo­ram qua­dro de hon­ra na EB 2,3 de San­de. No ano pas­sa­do, 11 em 19. E, nes­te ano, dos 16 ins­cri­tos na es­co­la, me­ta­de atin­giu o mes­mo pa­ta­mar. É pos­sí­vel que, no pró­xi­mo ano le­ti­vo, Kin­der tam­bém co­me­ce a fre­quen­tar as au­las. A jo­vem, de 15 anos, ini­ci­ou uma du­pla apren­di­za­gem. A que a vai per­mi­tir in­te­grar ple­na­men­te a so­ci­e­da­de e a que a vai le­var a vi­ver em paz con­si­go mes­ma. Desde pe- que­na que sal­ta de um lu­gar para o ou­tro. Aos 11 anos, uma li­ber­da­de ines­pe­ra­da ti­rou-a do ca­mi­nho que a fa­mí­lia que­ria. “A mi­nha avó es­ta­va jun­ta com um se­nhor. Ela pe­dia-me para não sair, ele in­cen­ti­va­va-me a fa­zer o con­trá­rio. Eu fa­zia o que ele di­zia, por­que era o que eu que­ria.” Foi mais ou me­nos a par­tir daí que as coi­sas en­tor­ta­ram. “Co­me­cei a fu­mar, a fa­zer mais por­ca­ria, co­mo gra­fi­tis no meio da rua e nos car­ros.” A mãe mui­to au­sen­te – “es­ta­va sem­pre a trabalhar, saía às três da ma­nhã e não ti­nha fol­gas”. A ten­ra vi­da já sem di­re­ção. “Man­da­ram-me para Es­pa­nha mo­rar com o meu pai. As coi­sas cor­re­ram bem du­ran­te um tem­po. Não fal­ta­va às au­las.” Con­tu­do, pas­sa­do al­guns me­ses, “as par­voí­ces” vol­ta­ram. Be­bia, fu­ma­va e foi re­cam­bi­a­da para Por­tu­gal. “A mi­nha mãe já es­ta­va a vi­ver nou­tra ci­da­de e is­so ain­da foi pi­or. Me­ti-me nas dro­gas, be­bia, saía mui­to, tra­ta­va mal a mi­nha fa­mí­lia. Só pa­rei quando en­trei na ART, há pou­co mais de dois me­ses.” Ti­nha no­ção de que pre­ci­sa­va de aju­da, mas não que­ria. “Era só para não ir para um sí­tio pi­or, em re­gi­me fe­cha­do.” Além dos con­su­mos, a jo­vem pas­sa­va ain­da por pro­ble­mas de au­to­es­ti­ma. “Quando che­guei, ti­nha alo­pe­cia, que cau­sa mui­tas fa­lhas no ca­be­lo. Pa­re­cia um pin­tai­nho. An­da­va sem­pre de ‘cap’ e nun­ca o que­ria ti­rar. Mas o dou­tor Di­o­go aju­dou-me e co­me­cei a sen­tir-me mais li­vre e me­lhor.” A ques­tão da iden­ti­da­de se­xu­al tam­bém dei­xou de ser um bi­cho-de-se­te-ca­be­ças. “Gos­to de ser tra­ta­da por Kin­der por­que es­se no­me não tem gé­ne­ro. Nun­ca sou­be bem o que era a iden­ti­da­de se­xu­al. Sei que sin­to atra­ção por mulheres, mas

“QUE­RIA AFIRMAR-ME DE ALGUMA MANEIRA. CO­ME­CEI A CON­SU­MIR DRO­GAS, A BE­BER, A ROU­BAR EM CA­SA”

não me sin­to ho­mos­se­xu­al. Sin­to que sou um ho­mem. Não é por eu achar que o meu cor­po é feio. É por­que, quando eu me olho ao espelho, sei que me sen­tia me­lhor se fos­se do ou­tro se­xo, são coi­sas que não dão para ex­pli­car.” Ain­da que es­se se­ja um pon­to im­por­tan­te a ser tra­ba­lha­do, de mo­men­to, pre­fe­re fo­car-se nou­tros as­pe­tos. “Vou-me dei­xar le­var. Pri­mei­ro, pre­ci­so ocu­par a ca­be­ça com coi­sas bo­as, en­fren­tar e su­pe­rar os meus pro­ble­mas e es­que­cer as coi­sas más do pas­sa­do. Tor­nar-me nu­ma pes­soa me­lhor para de­pois des­co­brir quem re­al­men­te sou.” E, quando che­gar a ho­ra, se for is­so que re­al­men­te quer, vai “se­guir em fren­te e não de­sis­tir”.

De acor­do com o úl­ti­mo “Re­la­tó­rio Anu­al so­bre a Si­tu­a­ção do País em Ma­té­ria de Dro­gas e To­xi­co­de­pen­dên­ci­as”, di­vul­ga­do nes­te ano, o nú­me­ro de to­xi­co­de­pen­den­tes em tra­ta­men­to es­tá a cres­cer. Em 2016, es­ti­ve­ram em tra­ta­men­to 27 834 uten­tes, o que re­pre­sen­ta um au­men­to de 841 do­en­tes em re­la­ção ao ano an­te­ri­or, in­ver­ten­do a ten­dên­cia de di­mi­nui­ção re­gis­ta­da desde 2010. Na ART, es­sa su­bi­da tam­bém foi sen­ti­da. Os 313 miú­dos ad­mi­ti­dos em 2014 pas­sa­ram para 576 em 2016. Sendo que cres­ce­ram tam­bém os pe­di­dos de in­ter­na­men­to fe­mi­ni­nos.

A ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção con­ti­nua a ter o ob­je­ti­vo de os aju­dar, ten­tan­do pro­te­gê-los das si­tu­a­ções de con­fli­to, de­gra­dan­tes e vi­o­len­tas, pro­por­ci­o­nan­do um con­tex­to de equi­lí­brio, que pro­mo­va o de­sen­vol­vi­men­to in­te­gral. Para is­so, con­ta mui­to quem os ori­en­ta, no me­lhor e no pi­or dos di­as. Na ART, há edu­ca­do- res que são cri­mi­nó­lo­gos, e que com­pre­en­dem as ra­zões de mui­tos te­rem che­ga­do ao pon­to on­de es­tão ou es­ti­ve­ram. Mes­tres de kick­bo­xing, que le­vam os jo­vens a per­ce­be­rem que a for­ça, a ener­gia, a rai­va, a agres­si­vi­da­de e a im­pul­si­vi­da­de po­dem ser trans­for­ma­das num jo­go com ho­ra de co­me­çar e de aca­bar. Mo­ni­to­res que vêm das For­ças Ar­ma­das e que fa­zem com que mui­tos jo­vens, que não ti­nham pro­je­tos de vi­da, te­nham en­fim ob­je­ti­vos. E mo­ni­to­res que já pas­sa­ram por es­tes mes­mos tra­ta­men­tos há du­as dé­ca­das.

Pa­vlo Ste­pa­nov, 37 anos, é o me­lhor exem­plo. Mo­ni­tor na as­so­ci­a­ção há qua­se qua­tro anos. “A mi­nha vi­da co­me­çou com os pro­ble­mas que os jo­vens da­qui têm: com­por­ta­men­tos de ris­co, con­su­mo de es­tu­pe­fa­ci­en­tes e tu­do o que is­so tra­zia.” Até que fi­cou agar­ra­do às dro­gas pe­sa­das. Daí ao cri­me foi um pas­so de for­mi­ga. “Es­ti­ve pre­so, mas, felizmente, a mi­nha fa­mí­lia nun­ca me aban­do­nou. Na Ucrâ­nia, a es­tru­tu­ra para ca­sos co­mo o meu é mui­to fra­ca. Qua­se ine­xis­ten­te. Para ter al­gum tra­ta­men­to, tens de ir para o pri­va­do e não ha­via di­nhei­ro para is­so. Um dia, o mé­di­co dis­se aber­ta­men­te à mi­nha mãe. ‘Vo­cê tem mais uma fi­lha? En­tão tra­te de­la que es­te es­tá per­di­do’. Hou­ve um cli­que. Per­di­do? Vão en­cos­tar-me para o can­to?”.

Quando a mãe che­gou a ca­sa com um vis­to para Por­tu­gal e a pos­si­bi­li­da­de de uma re­a­bi­li­ta­ção, Pa­vlo nem sa­bia on­de o país fi­ca­va, mas acei­tou. Uma vez cá, após vá­ri­as in­ter­ven­ções e re­caí­das, aca­bou por per­ce­ber que não se po­dia afas­tar mui­to das ca­sas on­de lhe era es­ten-

di­da a mão. Foi as­sim que fi­cou a trabalhar co­mo mo­ni­tor nu­ma co­mu­ni­da­de te­ra­pêu­ti­ca, em Tor­res Ve­dras. En­di­rei­tou a vi­da. Ca­sou e foi parar ao nor­te do país. Tor­nou-se pro­fis­si­o­nal de kick­bo­xing. Foi o trei­na­dor que

o le­vou à ART. “O Luís Ras­qui­nho, que sa­bia mais ou me­nos a mi­nha his­tó­ria, te­le­fo­nou-me e dis­se: ‘Es­tou a trabalhar nu­ma ins­ti­tui­ção e acho que de­vi­as vir cá.’” Mal viu a ca­sa, sen­tiu lo­go que era um am­bi­en­te fa­mi­li­ar. “A es­tru­tu­ra des­tes cen­tros é sem­pre mui­to pa­re­ci­da. Mas ha­via uma di­fe­ren­ça em re­la­ção às que eu co­nhe­cia, aqui eram só jo­vens. Is­so fez-me sen­ti­do.” Re­bo­bi­nou a vi­da, lem­brou-se do pas­sa­do com­pli­ca­do e pen­sou: “É is­to, vai ser es­ta a mis­são.”

Trabalhar com os miú­dos, en­si­nar-lhes a usar no kick­bo­xing o sex­to sen­ti­do, que só quem pas­sa por es­tes pro­ble­mas tem, é o “ví­cio bom” de Pa­vlo. Ele sabe, e os miú­dos tam­bém, que sair da ca­sa é a par­te mais com­pli­ca­da. “Dei­xar de con­su­mir é fá­cil, mas man­ter-se fo­ra dis­so é pi­or. In­fe­liz­men­te, não te­mos es­tru­tu­ras su­fi­ci­en­tes para a rein­ser­ção dos jo­vens. Quando vol­tam para o mes­mo sí­tio, é mui­to di­fí­cil man­te­rem-se fo­ra dos con­su­mos.” Con­tu­do, a li­ga­ção a quem lhes deu re­fe­rên­ci­as é tão gran­de que os pe­di­dos de aju­da são cons­tan­tes. Mui­tos dos que se ve­em em si­tu­a­ções de ris­co con­tac­tam-no. “Às ve­zes, es­tou em ca­sa a dor­mir, ao la­do da mi­nha mu­lher, e to­ca o te­le­mó­vel. Te­nho de aten­der. Não pos­so ig­no­rar por­que sei o quan­to a cha­ma­da é im­por­tan­te.” Do ou­tro la­do, um miú­do es­tá com os ami­gos que o pi­cam para fu­mar gan­za. “O que é que eu fa­ço?”, per­gun­ta. E res­pon­de: “Es­se te­le­fo­ne­ma faz di­fe­ren­ça. Na mai­o­ria dos ca­sos, bas­ta di­zer uma ton­ti­ce qu­al­quer, só para des­vi­ar a aten­ção des­sa von­ta­de.”

A im­por­tân­cia das re­fe­rên­ci­as e dos ob­je­ti­vos

Quando aca­bar o tra­ta­men­to, Jo­sé, 17 anos, quer com­ple­tar o se­cun­dá­rio para de­pois po­der ti­rar o cur­so de Ran­ger. Ob­je­ti­vo: ir para as ope­ra­ções es­pe­ci­ais de La­me­go, che­gar a fur­ri­el, su­bir até sar­gen­to e fa­zer mis­sões de paz no es­tran­gei­ro.

Foi pre­ci­so um ano e meio para que o jo­vem ga­nhas­se re­fe­rên­ci­as, coi­sa que per­deu aos no­ve anos, quando o pai foi trabalhar para o es­tran­gei­ro. “Ele era o meu prin­ci­pal apoio. De um mo­men­to para o ou­tro, pas­sou a es­tar au­sen­te e eu co­me­cei a ser uma cri­an­ça mais iso­la­da e de­pri­mi­da.” Pi­o­rou quando, aos 12 anos, dei­xou de fa­zer des­por­to, de­vi­do a uma ope­ra­ção. “Ti­nha de fi­car no meu can­to para evi­tar que me alei­jas­se e sen­tia-me di­fe­ren­te dos ou­tros”. Chum­bou a pri­mei­ra vez. Os ami­gos com quem an­da­va eram to­dos mais ve­lhos. Saía à noi­te. Es­ta­va des­con­tro­la­do. “Que­ria afirmar-me de alguma maneira. Co­me­cei a con­su­mir dro­gas, a be­ber, a rou­bar em ca­sa. Mais tar­de, a rou­bar aos vi­zi­nhos.” Tu­do que desse uns tro­cos para com­prar a do­se. Os di­as já só ti­nham um sen­ti­do – con­su­mir. Foi en­tão que, quando “já es­ta­va no red li­ne”, apa­re­ceu a ART.

A se­re­ni­da­de com que des­fia as lem­bran­ças de­no­ta que já deu mui­tos pas­sos em di­re­ção ao su­ces­so. De in­se­gu­ro e tí­mi­do a des­te­mi­do. “Ago­ra, quando sur­ge uma opor­tu­ni­da­de, agar­ro-a, si­go em fren­te. Mes­mo que às ve­zes pos­sa não ter tan­to jei­to. Vou sem me­do e dou sem­pre o meu me­lhor.” En­quan­to tra­ba­lha a for­ça in­te­ri­or es­cre­ve um li­vro so­bre a sua his­tó­ria. E fez uma ju­ra de fi­de­li­da­de. “Pra­ti­co kick­bo­xing, uma mo­da­li­da­de que des­co­bri cá den­tro. E quero con­ti­nu­ar. O des­por­to foi mui­to im­por­tan­te na mi­nha re­a­bi­li­ta­ção e vai acom­pa­nhar-me sem­pre.” No gi­ná­sio, agar­ra o hal­te­re com a mes­ma for­ça de quem não quer vol­tar a dei­xar es­ca­par a vi­da. Na ca­mi­so­la, du­as fra­ses são co­mo um le­ma de guer­ra: “Everything can chan­ge. Nothing is fo­re­ver”. Tu­do po­de mu­dar. Na­da é para sem­pre. Nem mes­mo os pe­sa­de­los. ●m

M Jo­sé per­deu as re­fe­rên­ci­as aos no­ve anos. Aos 17 tem o so­nho de ir para os ran­gers de La­me­go

Pa­vlo, mo­ni­tor na ART, e o mes­tre de kick­bo­xing que aju­da os jo­vens a con­tro­lar a rai­va e a agres­si­vi­da­de

Di­o­go So­a­res e psi­co­lo­go na ins­ti­tui­cao. Uma das fi­gu­ras que os jo­vens mais res­pei­tam

M No pá­tio da Quin­ta do Sol há uma ár­vo­re on­de cres­cem os so­nhos de quem es­tá a re­co­me­çar a vi­da

M Ti­a­go, 16 anos, foi qua­dro de hon­ra na es­co­la. Te­ve no­ta má­xi­ma a to­das as dis­ci­pli­nas

M Kin­der es­tá há dois me­ses no ART. Nes­se tem­po, já me­lho­rou a au­to­es­ti­ma e es­tá a apren­der a acei­tar-se

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.