A IDADE É UM POSTO - DESDE PEQUENO

Pa­re­ce qua­se ine­vi­tá­vel. O pri­mo­gé­ni­to aca­ba por ser o exem­plo para os mais no­vos. Mas, ao in­cu­ti­rem cer­tas ta­re­fas ao “mais cres­ci­do”, os pais po­de­rão es­tar a fa­zer exi­gên­ci­as para as quais a cri­an­ça não es­tá pre­pa­ra­da.

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Sumário # 1370 -

Quando o fi­lho dei­xa de ser úni­co e ga­nha res­pon­sa­bi­li­da­des, co­mo li­dar com a mu­dan­ça? É so­bre­tu­do uma ques­tão de fe­li­ci­da­de, co­mo des­co­briu a jor­na­lis­ta Cláu­dia Pin­to.

Aos se­te anos, Sal­va­dor já pre­pa­ra so­zi­nho o pequeno-al­mo­ço para os ir­mãos mais no­vos, Vi­cen­te, de cin­co, e Ma­ria, de dois. Mas não só. No mo­men­to de la­var os den­tes, é ele quem co­lo­ca a pas­ta na es­co­va dos mais pe­que­nos. Não que a di­fe­ren­ça de ida­des se­ja mui­to gran­de, mas por­que a per­so­na­li­da­de de Sal­va­dor as­sim

o per­mi­te. Quando o pai, Rui Men­des, se au­sen­ta por mo­ti­vos pro­fis­si­o­nais, é ele o gran­de com­pa­nhei­ro da mãe, Ana D’Orey. “Aca­ba por as­su­mir um pou­co es­tes pa­péis, é um miú­do ex­tre­ma­men­te res­pon­sá­vel e aju­da-nos mui­to”, ex­pli­ca. Tam­bém não é in­co­mum que os ir­mãos to­mem ba­nho to­dos jun­tos, com a de­vi­da su­per­vi­são da mãe.

Há pou­cos di­as, de fé­ri­as nu­ma au­to­ca­ra­va­na pe­la Cos­ta Vi­cen­ti­na, Sal­va­dor e Vi­cen­te aca­ba­ram por par­ti­lhar al­gu­mas ta­re­fas, co­mo pre­pa­rar a me­sa para as re­fei­ções. As­sim acon­te­ce igual­men­te du­ran­te o ano, em ca­sa. Afir­mam con­vic­ta­men­te que for­mam uma boa equi­pa. “Tem si­do al­go ins­tin­ti­vo, não foi ne­ces­sa­ri­a­men­te im­pos­to por nós. O que é cer­to é que há um gran­de equi­lí­brio en­tre am­bos. Os ir­mãos mais ve­lhos gos­tam de aju­dar, vi­vem mui­to em con­jun­to, e to­dos te­mos es­se es­pí­ri­to de en­tre­a­ju­da fa­mi­li­ar. Por ou­tro la­do, mes­mo que não ti­ves­se si­do in­ten­ci­o­nal, o Sal­va­dor aca­ba por ser o exem­plo para os mais no­vos e hou­ve as­pe­tos e re­gras que [os ir­mãos mais no­vos] apre­en­de­ram atra­vés de­le”, acres­cen­ta Ana. De igual for­ma, ga­ran­te a mãe, am­bos são mui­to pro­te­to­res da ir­mã Ma­ria, “a única me­ni­na e mais mi­ma­da”.

O exem­plo des­ta fa­mí­lia de cin­co ele­men­tos é pro­va­vel­men­te re­pli­ca­do em tan­tas outras pe­lo país afo­ra. Mas afi­nal, os pais exi­gem demasiado dos filhos mais ve­lhos? E fa­zem-no cons­ci­en­te­men­te? “É sem­pre im­por­tan­te res­sal­var que não há cri­an­ças nem fa­mí­li­as iguais. Ca­da uma de­ve ser en­ten­di­da co­mo um sis­te­ma com­ple­xo em cons­tan­te ajus­ta­men­to”, co­me­ça por afirmar Mag­da Oli­vei­ra, psi­có­lo­ga clí­ni­ca e da saú­de do Hos­pi­tal CUF Por­to. É en­tão im­por­tan­te não ge­ne­ra­li­zar, por­que tu­do de­pen­de do con­tex­to em que as fa­mí­li­as vi­vem no mo­men­to do nas­ci­men­to de ca­da cri­an­ça. “Filhos di­fe­ren­tes re­que­rem abor­da­gens dis­tin­tas por par­te dos pais. As res­pos­tas pa­ren­tais va­ri­am em fun­ção das com­pe­tên­ci­as de co­mu­ni­ca­ção, das ne­ces­si­da­des e das exi­gên­ci­as de ca­da cri­an­ça e das res­pe­ti­vas ida­des”, su­bli­nha a psi­có­lo­ga. “No en­tan­to, é ver­da­de que a li­te­ra­tu­ra re­ve­la di­fe­ren­ças no pa­drão pa­ren­tal em re­la­ção aos vá­ri­os filhos, sendo so­bre­tu­do in­flu­en­ci­a­das pe­lo mo­do co­mo os pais per­ce­ci­o­nam as ex­pec­ta­ti­vas que têm em re­la­ção aos mes­mos.” O pri­mei­ro fi­lho, ha­bi­tu­al­men­te mui­to de­se­ja­do, traz con­si­go enor­mes ex­pec­ta­ti­vas, não só por par­te dos pais co­mo da res­tan­te fa­mí­lia, o que acar­re­ta al­gu­mas exi­gên­ci­as edu­ca­ti­vas. “Há um con­jun­to de idei­as pre­con­ce­bi­das em re­la­ção à cri­an­ça e àqui­lo que se acre­di­ta ser ‘uma edu­ca­ção per­fei­ta da­da por pais em bus­ca da per­fei­ção’, o que mui­tas ve­zes co­lo­ca uma enor­me pres­são so­bre a cri­an­ça e os pais, até nas opor­tu­ni­da­des de apren­di­za­gem e la­zer que ten­tam pro­por­ci­o­nar-lhe”, es­cla­re­ce Mag­da Oli­vei­ra. Tan­to Ana D’Orey co­mo Rui Men­des ten­tam “com­pen­sar” o es­for­ço que re­co­nhe­cem no fi­lho Sal­va­dor. Por ser tão res­pon­sá­vel e pro­a­ti­vo, o ca­sal tem a pre­o­cu­pa­ção de fa­zer pro­gra­mas di­fe­ren­tes só com ele, dan­do-lhe es­pa­ço e tem­po ex­clu­si­vo. É tam­bém o úni­co a ter uma ati­vi­da­de or­ga­ni­za­da fo­ra da es­co­la: jo­ga fu­te­bol. Os ir­mãos acom­pa­nham-no aos trei­nos e não fa­zem quais­quer co­bran­ças. “Acon­te­ceu as­sim e de for­ma na­tu­ral”, diz a mãe.

Ajus­tar a edu­ca­ção ao con­tex­to

Não se po­de es­que­cer o pe­so his­tó­ri­co e cul­tu­ral que sem­pre re­caiu so­bre a fi­gu­ra do ir­mão mais ve­lho, ha­bi­tu­al­men­te “o mais pre­pa­ra­do e o ros­to da fa­mí­lia”, con­si­de­ra Mag­da Oli­vei­ra. No en­tan­to, e mes­mo que os pais não o fa­çam cons­ci­en­te­men­te, há que es­tar aten­do aos efei­tos do ex­ces­so de exi­gên­ci­as. Quando nas­ce um ir­mão, mui­tas ve­zes “o pri­mo­gé­ni­to sen­te a per­da de es­ta­tu­to na fa­mí­lia”, aler­ta a psi­có­lo­ga. Ana D’Orey con­cor­da: “Ser fi­lho mais ve­lho não é fá­cil. O Sal­va­dor é o mais de­pen­den­te de nós emo­ci­o­nal­men­te, a sua se­gu­ran­ça pas­sa por es­tar jun­to dos pais. Por mui­to que ten­te­mos com­pen­sá-lo e por mais mi­mo que lhe pos­sa­mos dar, sen­ti­mos que fa­lha­mos sem­pre. Foi fi­lho úni­co du­ran­te dois anos, e de

re­pen­te a aten­ção pas­sa a ser par­ti­lha­da.” Tan­to os pais co­mo os filhos pas­sam por um con­jun­to de trans­for­ma­ções, per­das e mu­dan­ças as­so­ci­a­das ao que ca­da nas­ci­men­to traz à fa­mí­lia, “tan­to nos as­pe­tos ba­si­la­res do dia-a-dia co­mo no que res­pei­ta às re­la­ções afe­ti­vas”, acen­tua a psi­có­lo­ga.

O fac­to de se hi­per-res­pon­sa­bi­li­zar os filhos mais ve­lhos po­de ser vis­to por dois pris­mas es­sen­ci­ais: “É fun­da­men­tal que sin­ta que con­ti­nua a ser cri­an­ça, a ser cui­da­da, ama­da e pro­te­gi­da. O sen­ti­men­to de se­gu­ran­ça e afe­tos re­ce­bi­dos é im­por­tan­te, até para não sen­ti­rem que os mes­mos fo­ram ca­na­li­za­dos uni­ca­men­te para

o ir­mão. A per­ce­ção de in­ver­são de pa­péis não de­ve ser ab­so­lu­ta e é fun­da­men­tal não pas­sar de por­ta­dor de cui­da­dos a ‘cui­da­dor’, de cri­an­ça a adul­to em mi­ni­a­tu­ra”, avi­sa a psi­có­lo­ga. “Por ou­tro la­do, a atri­bui­ção de ta­re­fas de alguma res­pon­sa­bi­li­da­de ao fi­lho mais ve­lho tam­bém po­de ser fa­ci­li­ta­do­ra da acei­ta­ção do ir­mão que aca­bou de nas­cer. E é na­tu­ral que o pri­mo­gé­ni­to ten­te ob­ter mais re­cor­ren­te­men­te a aten­ção dos pais, so­bre­tu­do da mãe, de­mons­tran­do in­de­pen­dên­cia, au­to­no­mia e com­pe­tên­ci­as acres­ci­das”, re­for­ça. Ao con­trá­rio do ir­mão Vi­cen­te, um ver­da­dei­ro “es­pí­ri­to li­vre que se­ria ca­paz de so­bre­vi­ver na sel­va”, co­mo a mãe o de­fi­ne, Sal­va­dor aca­bou por so­frer sem­pre que a mãe te­ve de es­tar in­ter­na­da na ma­ter­ni­da­de para o nas­ci­men­to dos ir­mãos, mo­men­to de­fi­ni­do por Mag­da Oli­vei­ra co­mo “a pri­mei­ra gran­de ro­tu­ra com a pre­sen­ça da mãe”. Pe­ran­te um no­vo nas­ci­men­to, há ajus­tes a ser fei­tos. “Em­bo­ra per­ten­çam à mes­ma fa­mí­lia, ca­da cri­an­ça irá vi­ver a sua re­a­li­da­de fa­mi­li­ar e vai ser in­flu­en­ci­a­da pe­las re­la­ções de um mo­do mui­to pes­so­al”, ex­pli­ca a es­pe­ci­a­lis­ta. “Os pró­pri­os pais tam­bém ten­dem a res­pon­der de mo­do dis­tin­to à pre­sen­ça de ca­da fi­lho, em fun­ção da fa­se de vi­da em que nas­ce­ram, ca­rac­te­rís­ti­cas da cri­an­ça, exi­gên­ci­as e re­cur­sos dis­po­ní­veis, en­tre ou­tros.”

NÃO SE DE­VE GE­NE­RA­LI­ZAR: TU­DO DE­PEN­DE DO CON­TEX­TO EM QUE AS FA­MÍ­LI­AS VI­VEM NO MO­MEN­TO DO NAS­CI­MEN­TO DE CA­DA CRI­AN­ÇA

Em ca­da nas­ci­men­to, Ana D’Orey vi­veu um con­tex­to fa­mi­li­ar e pro­fis­si­o­nal di­fe­ren­te. Quando Sal­va­dor nas­ceu, ti­nha 25 anos, um em­pre­go es­tá­vel com or­de­na­do fi­xo, mais can­sa­ço e uma pro­cu­ra de des­co­ber­ta co­mo mãe de pri­mei­ra vi­a­gem. “Na vez do Vi­cen­te, ti­nha me­nos di­nhei­ro mas mui­to mais dis­po­ni­bi­li­da­de por­que es­ta­va em ca­sa, e no ca­so da Ma­ria es­ta­va a trabalhar co­mo efe­ti­va nu­ma em­pre­sa mas ti­nha os ou­tros dois filhos para cui­dar. Nós ade­qua­mos a edu­ca­ção à cri­an­ça, mas o con­tex­to e a dis­po­ni­bi­li­da­de fí­si­ca e men­tal são com­ple­ta­men­te dis­tin­tos.” Há um ano, Ana op­tou por apos­tar nu­ma car­rei­ra de me­di­a­do­ra imo­bi­liá­ria para con­se­guir ge­rir os seus ho­rá­ri­os de acor­do com as exi­gên­ci­as fa­mi­li­a­res, sen­tin­do-se ho­je mais cons­ci­en­te, aos 33 anos e com três filhos, do que aos 25 e com “ape­nas” um. “O po­der da res­pon­sa­bi­li­da­de apo­de­rou-se de mim com o nas­ci­men­to da Ma­ria”, con­ta.

Com mais filhos, os re­cur­sos tor­nam-se mais li­mi­ta­dos, bem co­mo a ener­gia dis­po­ní­vel para ca­da um de­les. Com a in­ten­si­fi­ca­ção das exi­gên­ci­as pa­ren­tais, con­for­me vão nas­cen­do ir­mãos, é me­nor o tem­po para ca­da um de­les, po­den­do ins­ta­lar-se fa­di­ga, al­te­ra­ções de hu­mor, mai­or ir­ri­ta­bi­li­da­de.

A lo­gís­ti­ca nem sem­pre é fá­cil, a quan­ti­da­de de in­for­ma­ção, li­vros, blo­gues e gui­as pe­la pa­ren­ta­li­da­de po­si­ti­va au­men­tam a ca­da dia, as pres­sões são mais do que mui­tas, mas as res­pos­tas es­tão em ca­da ca­sa, em ca­da fa­mí­lia. “Se con­se­guir que to­dos eles te­nham uma in­fân­cia fe­liz, es­tá tu­do cer­to”, as­se­gu­ra Ana D’Orey. Mes­mo pa­re­cen­do sim­ples, não se­rá es­se o mai­or, e con­tí­nuo, de­sa­fio dos pais? ●m

“É FUN­DA­MEN­TAL QUE SIN­TA QUE CON­TI­NUA A SER CRI­AN­ÇA, A SER CUI­DA­DA, AMA­DA E PRO­TE­GI­DA” Mag­da Oli­vei­ra, psi­có­lo­ga

q É atra­vés de Sal­va­dor que os ir­mãos mais no­vos vêm apre­en­den­do al­gu­mas re­gras

M Tam­bém nas fé­ri­as, a fa­mí­lia de Ana D’Orey e Rui Men­des par­ti­lha ta­re­fas com o pri­mo­gé­ni­to Sal­va­dor (es­quer­da) e o ir­mão Vi­cen­te. Ma­ria é a única me­ni­na e a “mais mi­ma­da”

“Filhos di­fe­ren­tes re­que­rem abor­da­gens dis­tin­tas por par­te dos pais”, diz a psi­có­lo­ga Mag­da Oli­vei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.