O BIDÉ PO­DE TER OS DI­AS CON­TA­DOS

A in­ven­ção fran­ce­sa já foi ob­je­to “pe­ca­mi­no­so” e si­nó­ni­mo de sta­tus, mas tem per­di­do pro­ta­go­nis­mo pa­ra as sa­ni­tas in­te­li­gen­tes e ou­tros uten­sí­li­os. A cul­pa é da ges­tão do es­pa­ço nas ca­sas de ba­nhos

Jornal de Notícias - JN + Noticias Magazine - - Estilos -

“Tem ha­vi­do um de­crés­ci­mo da ven­da de bi­dés no mer­ca­do por­tu­guês, cer­ca de me­nos 4% nos úl­ti­mos cin­co anos” LI­NA SOU­SA Sa­ni­ta­na

Traí­do pe­la uti­li­da­de, que pas­sa­va pe­la lim­pe­za das di­tas “par­tes ín­ti­mas”, o bidé nun­ca se con­se­guiu li­vrar do ró­tu­lo de ob­je­to imo­ral, as­so­ci­a­do a prá­ti­cas pe­ca­mi­no­sas e pou­co hi­gié­ni­cas. Iró­ni­co. Hou­ve até um tem­po em que era con­si­de­ra­do um mé­to­do de con­tro­lo de na­ta­li­da­de, prin­ci­pal­men­te pe­las mu­lhe­res de “vi­da fá­cil”.

Nas­ci­dos em Fran­ça, no sé­cu­lo XVII, os bi­dés, um dos gran­des sím­bo­los cul­tu­rais do Ve­lho Con­ti­nen­te, po­dem es­tar em vi­as de ex­tin­ção. Por fal­ta de es­pa­ço, por se­rem ines­té­ti­cos e por­que gran­de par­te do mun­do não acha que nos di­as de ho­je eles sir­vam pa­ra gran­de coi­sa. À me­di­da que os es­ta­be­le­ci­men­tos que ven­dem lou­ças sa­ni­tá­ri­as as­sis­tem ao de­sin­te­res­se dos com­pra­do­res por es­te ob­je­to, há uma cres­cen­te pro­cu­ra por ou­tros uten­sí­li­os que os subs­ti­tu­em, tais co­mo sa­ni­tas in­te­li­gen­tes que já têm um sis­te­ma de la­va­gem in­cor­po­ra­do, e man­guei­ras, que têm o mes­mo pro­pó­si­to de hi­gi­e­ni­za­ção após as ne­ces­si­da­des. Li­na Sou­sa, da em­pre­sa Sa­ni­ta­na, confirma que “tem ha­vi­do um de­crés­ci­mo da ven­da de bi­dés no mer­ca­do por­tu­guês, cer­ca de me­nos 4% nos úl­ti­mos cin­co anos”. Em­bo­ra a re­pre­sen­tan­te da em­pre­sa não con­si­de­re es­ta que­da “par­ti­cu­lar­men­te sig­ni­fi­ca­ti­va”, re­co­nhe­ce que “nos mer­ca­dos de ex­por­ta­ção, e por mo­ti­vos de na­tu­re­za cul­tu­ral, a ven­da de bi­dés é um fe­nó­me­no re­si­du­al”.

Cos­tu­ma­va ser um mó­vel. Cons­ti­tuí­do por uma es­pé­cie de ba­cio, pin­ta­do com mo­ti­vos flo­rais, apoi­a­do so­bre uma es­tru­tu­ra em ma­dei­ra com pés e tam­po. Uma pe­ça in­te­gran­te da de­co­ra­ção, tan­to que apa­re­cia em pin­tu­ras on­de me­ni­nas se la­va­vam sem pu­dor. A pou­co e pou­co, o bidé pas­sou a não sair dos dor­mi­tó­ri­os. De­pois foi mo­vi­do pa­ra os quar­tos a que ago­ra se cha­mam ca­sas de ba­nho. Até fi­car fi­xo à pa­re­de, ali, ao la­do da sa­ni­ta. A ori­gem da pa­la­vra é in­te­res­san­te: vem do fran­cês “bi­det”, ou “bi­der”, que quer di­zer “tro­tar”. Uma ób­via com­pa­ra­ção à po­si­ção de mon­tar a ca­va­lo, al­go si­mi­lar com a uti­li­za­ção do uten­sí­lio do­més­ti­co.

Em Por­tu­gal, o Re­gu­la­men­to Ge­ral das Edi­fi­ca­ções Ur­ba­nas (RGEU), cu­jo con­teú­do foi pu­bli­ca­do a 7 de agos­to de 1951 e al­te­ra­do em agos­to de 1952, impôs às ins­ta­la­ções sa­ni­tá­ri­as “la­va­tó­rio, ba­nhei­ra, uma ba­cia de re­tre­te e um bidé”. No en­tan­to, de acor­do com

o ar­qui­te­to Fer­nan­do Jor­ge, a mai­o­ria dos cli­en­tes que

o pro­cu­ra pa­ra pro­je­tar as ca­sas dis­pen­sa o ob­je­to. “Já nin­guém quer os bi­dés”, as­se­gu­ra. E um dos fa­to­res que con­tri­buiu pa­ra a sua su­pres­são é a “pre­fe­rên­cia em apli­car ba­ses pa­ra ba­nho em de­tri­men­to da ba­nhei­ra, uma vez que lhes per­mi­te tor­nar a hi­gi­e­ni­za­ção do cor­po mais prá­ti­ca, subs­ti­tuin­do, em par­te, a fun­ção que ti­nha o bidé”. Mas não é só por is­so. O au­men­to do cus­to do me­tro qua­dra­do fez com que as pes­so­as va­lo­ri­zas­sem mais os es­pa­ços de con­ví­vio, co­mo as sa­las,e por is­so re­du­zis­sem ao “mí­ni­mo re­gu­la­men­tar as ins­ta­la­ções sa­ni­tá­ri­as”.

Além do mais, as al­ter­na­ti­vas ao bidé, co­mo as man­guei­ras, re­ve­lam-se mais eco­nó­mi­cas do que o an­ces­tral uten­sí­lio. E tam­bém mais fá­ceis de ins­ta­lar. “No ca­so do bidé, há a con­si­de­rar o cus­to da pe­ça em si si­li­co­nes de fi­xa­ção e ve­da­ção, a ins­ta­la­ção e acessórios e, se for apli­ca­do sus­pen­so, o sis­te­ma de fi­xa­ção à pa­re­de. Pa­ra a man­guei­ra, é sim­ples­men­te ne­ces­sá­ria uma pe­que­na man­guei­ra e uma pon­ta de pres­são, pa­ra aber­tu­ra da água”, ar­gu­men­ta o ar­qui­te­to.

Nin­guém di­ria que hou­ve um tem­po, com a evo­lu­ção das so­ci­e­da­des, em que ter bidé era si­nó­ni­mo de sta­tus. ●m

“A pre­fe­rên­cia em apli­car ba­ses pa­ra ba­nho em de­tri­men­to da ba­nhei­ra, uma vez que lhes per­mi­te tor­nar a hi­gi­e­ni­za­ção do cor­po mais prá­ti­ca, subs­ti­tuiu, em par­te, a fun­ção que ti­nha o bidé” FER­NAN­DO JOR­GE Ar­qui­te­to “Já nin­guém quer os bi­dés”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.